11

Hospital de Castelo: classe política defende área mais acessível

Chico Carvalho entra na polêmica do novo Socorrão

O vereador Francisco Carvalho (PSL) defendeu, hoje, em entrevista ao programa Plano Geral, da Mirante AM, a construção do novo hospital de emergência de São Luís na região da Avenida dos Afrricanos.

Para Carvalho, não faz sentido a construção do hospital na área do Sítio Rangedor, que é uma reserva ambiental.

– Além disso, ficará distante dos bairros com maior densidade populacional – disse o vereador.

O programa, apresentado pelo jornalista Mário Carvalho, teve a participação de vários ouvintes, que apoiaram a iniciativa de Chico Carvalho.

Maquete do novo hospital

A idéia da construção na Avenida dos Africanos foi defendida peolo vereador Chico Viana (PSDB) e publicada neste blog na semana passada. A idéia ganhou corpo é já é defendida também na Assembléia Legisaltiva.

Nesta semana, em conversa no plenário da Assembléia Legislativa, vários deputados criticaram a idéia da construção do novo Socorrão na área do Sítio Rangedor. Para Carlos Braide (PDT) e Carlos Alberto Milhomem (DEM), a melhor área é mesmo a Avenida dos Africanos.

Futuro presidente da Asembléia, Ricardo Murad (PMDB) justificou que a construção na Africanos ajudará no acesso dos moradores da Baixada. Seu colega Arnaldo Melo (PMDB) destacou que isso ajudará também na chegada via BR-135.

Desde a polêmica sobre o local, nem o prefeito João Castelo (PSDB) nem o secretário de Saúde, Gutemberg Araújo, falaram sobre o assunto. A filha de Castelo, deputada Gardeninha Castelo (PSDB), também não participou da conversa com os parlamentares.

Até agora, portanto, não há posição oficial da Prefeitura de São Luís sobre a polêmica…

Marco Aurélio D'Eça

11 Comments

  1. A Areinha é o Melhor Local para esta construção sem nenhuma dúvida. Mas, o que esperar da pior administração de São Luís dos últimos 15 anos ?????
    a) Cremosinho como merenda escolar;
    b) Farofa de ovo para plantonistas do Socorrão ;
    c) Dois anos sem pagar a Cemar ;
    d) Ausência de sinalização horizontal em 90% das avenidas ;
    e) Retirada de semáforos onde havia três , agora só tem 01 (hum) ;
    f) Investimento em plantio exótico de CARNAÚBA para apodrecer ;
    g) Fardamento com AMARELÃO ridículo, que as crianças estão constrangidas ;
    h) asfalto onde já tinha , deixando a periferia abandonada ;
    i) Aumento no valor da passagem do transporte coletivo ;
    j) Indústreia de multas , faltando o caráter educativo dos agentes de trânsito;
    j) LIMPEZA PÚBLICA INEXISTENTE !!!!!!!!!!!!!!! QUER MAIS ?????????

  2. Vem cá o hopital esta sendo feito para o povo da capital ou do interior pelo que sei a moça vai inaugurar 72 hospitais em toda a baixada e de ja vem esses deputados com

  3. Antonio Lima, me causa espanto vc elogiar o atendimento da saúde em nossa cidade e ainda mais o socorrinho do cohatrac. Sabe aquela história de “um em um milhão”??? vc vc é esse “UM”.
    Só vc mesmo pra elogiar. Falo isso porque trabalho na saúde deste município e nunca vi gestores piores. Eles não resovem nada e não estão nem aí. Vc deve ser amigo de alguem influente, seu amigo influente deve ter ligado antes pra alguem e esse alguem ligou pro Secretário pra ele te atender. Só pode. É só assim que funciona essa gestão.
    Os socorrinhos e os Socorrões estão jogados às traças. É vergonhoso e desumano o que está acontecendo lá dentro com as pessoas que estão internadas e com as pessoas que estão acompanhando os doentes.

  4. Desculpe, a maioria dos pacientes irá para lá e não irão. Por isso essa discussão sobre lugar é apenas uma questão secundária e os vereadores querem fazer média em vez de ver o projeto todo, como eu fiz lendo as notícias dos jornais.

  5. É preciso lembrar que o hospital a ser construido é um hospital de referência. Ele receberá os casos mais críticos, muitas vezes receberá casos vindos dos Socorrões. Para a saúde como um todo e os casos mais simples Castelo está reformando 42 socorrinhos e aparelhando os Socorrões.
    Resta lembrar que o Hospital pode ficar em qualquer lugar, por que a maioria das seus pacientes irão para lá de ambulância. Não será um hospital de consultas médicas.

  6. Que eu saiba esse hospital é para atendimento do povo de São Luis!!! A vinda de pessoas do interior é apenas consequência, então este argumento não vale nada. E os bairros próximos ao sítio Rangedor tem muita gente pobre e que precisa de atendimento público inexistente na área. Se Roseana esta construindo tantos hospitais de referencia no interior não há motivos para essas pessoas viajarem para cá. E se vierem vão ser atendidas em um local próximo a assembléia legislativa onde podem procurar o gabinete de seus respectivos deputados para receber ajuda necessária. Marco é melhor os Deputados opinarem nos hospitais de Rpseana e preparar cadeiras para tanta gente que vai ficar na porta dos gabinetes, isso sim.

  7. Marcos,
    Lembra de quando a Assembleia funcionava no Centro? Ondo foi construido o Socorrão II? Isto mesmo, lá nos cafundó pras bandas da Cidade Operária, numa área de difícill acesso.
    Agora com essa possibilidade de se construir um hospital para atendimento da população carente do Estado a classe política fica empavorosa com a possível vizinhança indigesta que político tem averção que são os pobres. E por falar em atendimento aos humildes quera parabenizar o Secretário de saúde do Município assim como o Prefeito João Castelo pela forma como vem tratando a saúde pública no nosso Município. Hoje tive que prestar socorro a uma pessoa e fui orientado a levar para o “socorrinho” do Cohatrac e fique surpreso com o atendimento que alí é prestado à população daquele entorno. Atendimento de excelente qualidade e presteza com médicos e enfermeiros e todo pessoal de apoio, todos muito educados e comprometidos com a assistência aos pacientes.
    Devo dizer que fiquei muito feliz com o atendimento que ali presenciei!
    Parabéns Secretário, Parabéns Prefeito a população agradece!
    Ah! Só para não esquecer: o melhor lugar para esse hospital ser construido é alí mesmo no “rangedor” bem próximo da Caso do Povo. Quem sabe assim os deputados sendo procurandos pela famílias que são jogadas ao montes nos hospitais de São Luís tomem alguma providência e cobre dos demais prefeito o atendimento das pessoas lá no seu município de origem.
    Chega de tanta hipocrisia!

    • Caro Antonio Lima :

      Às vezes, parece mentira, é necessário que se lembre a certas autoridades, que gente também é bicho; é o objeto de toda a ação de preservação ambiental; é por ele que se protege o ambiente.
      Vamos ao Hospital Central de Emergência:

      Primeiro foi tomado o terreno doado pelo Gov. Jackson, porque ali em frente a rodoviária é área de preservação, área já ocupada por casas, òbviamente com gente dentro e com igual potencial poluidor de um Hospital que inclusive vai conta com modernos incineradores.
      Depois também lhes sonegaram uma área do Angelin.Também não pode, já estava destinada, e vai continuar sendo sem nenhuma utilização, à construção de conjunto para moradia de vivos. Ora, a prioridade seria garantir aos vivos, vida e saúde para usufruir dos benefícios a serem erigidos no terreno que, mais uma vez, foi negado. Não! Aos sobreviventes desta assistência de saúde genocida, cabe-lhes a primazia.
      Agora, esta celeuma da localização na Av. Antonio Carlos Magalhães( o que este senhor fez por São Luis, Maranhão, ou Brasil, para merecer a homenagem não sei).
      Bom, lá já conseguiram cololcar a Assembléia Legislativa, também de entes muitos vivos, vivíssimos,quase todos saudáveis. Mas Hospital de Emergência que atende doentes graves, não pode: é área de proteção.
      Ao mesmo tempo se inicia construção de fábrica de cimento que vai cobrir esta Ilha de pó; usina elétrica movida a carvão mineral, um dos minérios, cujos resíduos são dos mais danosos à saúde que se conhece.Isso sem falar em Alcoa, Vale, espigões que estão jogando dejetos “in natura” nas praias, e por aí vai.
      Nesta área da saúde o Ministério Público, dada a deficiência de conhecimentos técnicos, tem mais prejudicado do que ajudado a população de São Luis.
      Acham que podem resolver os problemas gravíssimos de saúde da Ilha, através de atos oficiosos. Ou faz, ou fecha. Ou arranja Utis em passe de mágica, ou serão denunciados; ou interna todos os pacientes necessitados, ou serão punidos com os rigores da lei,
      O interessante é que o desconhecimento das repercussões que um Hospital de Emergência desativado proporciona, leva a atos imperdoáveis como fechar o Hospital Djalma Marques( isto aconteceu há alguns anos) e, pasmem, sem oferecer prazo para sua reativacão plena. Até hoje, ainda está em obras, em alguns setores.
      Poucos tem idéia, só quem lá trabalha e sofre, como os Hospitais de Emergência, e por extensão todos os públicos, trabalham além do limite de suas capacidades.E quantas pessoas morrem em função disso.
      Não se tira água de pedra. Debalde são apoteóticas fiscalizações, duras ameaças, imediatas exigências de providências impossíveis.
      Você já contou aqui a fraude no SUs por prefeitos safados que informam ao MS dispor de unidades de emergência à granel, para receber dinheiro por serviços nunca prestados. Em setembro eram 126 municipais e 21 estaduais.
      Alguém se tocou? Algum promotor buliu?
      Deixem construir o Hospital onde for, em medicina de guerra, qualquer lugar serve para salvar vidas tendo profissionais e meios.
      Será que vai ser preciso a gente recorrer à Lei de Proteção dos Animais para liberar uma área, provando que homem também é bicho. Provas?
      É só verificar como ele é tratado por tantos que defendem intransigentemente o mico leão dourado, o papagaio de papo amarelo, a pipira azul,o anum branco, e até a perereca da vizinha.
      Só rindo para não chorar.( sem correção)

  8. O lugar ideal para este hospital é ali na Areinha, na chegada ou inicio da Av. dos Africanos com a Av. Vitorino Freire, já que o acesso fica melhor e mais rápido para a população de baixa renda, pois é no centro e está no anel viário.

    • E mais, com esta localização, o Hospital Socorrão seria desativado ou transformado em hospital especial da mulher, ou do idoso, ou mesmo infantil. É uma ótima ideia !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *