9

Os novos municípios…

Há uma crítica desmedida à criação de novos municípios maranhenses.

Desde que a Assembléia Legislativa decidiu retomar o processo emancipacionista – suspenso desde 1997 – políticos, jornalistas e enxeridos de todas as patentes resolveram questionar a possibilidades de o Maranhão ganhar novas cidades.

Até a governadora Roseana Sarney (PMDB) resoveu aparecer para dar sua opinião. Segundo ela, é preciso que “os municípios sejam auto-sustentáveis”.

Como assim?

Ora, se os povoados emancipacionistas fossem auto-sustentáveis, já não seriam mais povoados.

O que buscam estas áreas é a possibildiade de poder crescer, abandonadas que são pelas sedes – muitas das quais distantes o suficiente para não fazer nada.

Nem o argumento apontado no blog do colega Jorge Aragão serve: segundo ele, nove dos 10 municípios com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) no Maranhão estão entre os instalados em 1997.

O problema do argumento de Aragão: na época, foram criados 81 novos municípios.

Se destes 81, apenas nove ficaram com 0 IDH de miserável, significa dizer que o processo emancipacionista alcançou o sucesso, já que, mais de 90% das cidades criadas prosperaram e se desenvolveram –  a ponto, inclusive, de crescer acima da média maranhense – um dos últimos no IDH nacional.

Dizer que os novoso municípíos apenas dividirão a miséria, é assumir a capacidade gerencial da classe política maranhense.

Mas do que a miséria, para os povoados emacipacionistas, está-se somando esperanças e sonhos.

E isto não tem preço…

Marco Aurélio D'Eça

9 Comments

  1. 9 entre os 10 municípios com o IDH mais baixo do Estado não quer dizer 9 entre os 81 criados na década de 90. Quer dizer, sim, que, dos municipios mais miseráveis do Estado, 90% foram criados na década de 90.

  2. Mesmo com uma análise simplista vc derruba os falsos argumentos de quem se diz contra a criação de municípios.Não existe nenhum novo município no Maranhão que esteja pior do que quando eram apenas povoados,nem Municípios que cederam área para a criação de novos municípios que hoje se encontram piores que antes.Como vc diz,simples assim.

  3. Cabe a Câmara Federal via Lei Complementar, portanto até hj não entendi essa enganação descabida qto a competência e responsabilidade de um assunto fora da jurisdição da Assembléia Legislativa, respeitem o povo pobre e ignorante do Maranhão.

  4. A COMPETÊNCIA E RESPONSABILIDADE NÃO É DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA E SIM DA CÂMARA FEDERAL. ENTÃO AINDA NÃO CONSEGUI ENTENDER ESSA LOROTA MAL CONTADA E ABSURDA, NÃO SE ENCAIXA, NÃO CABE NESSA ESFERA ESTADUAL. ENTÃO COMO VALE COMO PROPAGAR UMA COISA INEXISTENTE E INCABÍVEL. SERÁ !!!

  5. Certamente a criação de novos municípios poderá contribuir para o desenvolvimento, crecimento das mesmas ou não. sendo positivamente a partir do momento em que os novos parlamentares e prefeitos assumirem e lutarem verdadeiramente pelo desenvolvimento e crescimento das tais, e negativamente quando o interesse dos desejosos em amncipações se voltarem apenas politicamente e pelos interesses próprios como está acontecendo com certeza com vários deles…

    O Que a Governadora falou eu até concordo com ela, se o município que está prestes a ser criado não tiver fôlego pra se auto-sustentada poderá trazer prejuízos e arrependimentos para todos….

  6. Realmente não tem preço mais prefeitos corruptos e mais câmaras de vereadores compradas com dinheiro público. Não tem preço, mesmo!

  7. PURO INTERESSE. CRIAM MUNICIPIOS,MUNICIPIOS NAO, RUAS DE AREIA E QUANDO CHEGA NA HORA DAS ESTATISTICAS O MARANHAO SE DESGRAÇA NOS BAIXOS INDICES.!!!!! PENSA BEM ANDRE FUFUCA!!!

  8. Caro jornalista,
    moro em uma dessas áreas que estão pleiteando emanacipação. Concordo com alguns argumentos que até são contrários a esse movimento, no entanto mesmo que não consigamos nosso intento, o acho válido pelo menos para chamar a atenção das autoridades de nosso município para a situação em que se encontram os povoados, as comunidades da “zona rural” de nossa ilha. Serve para lhes dizer que estamos atentos e mobilizados na busca de melhorias para as áreas em que moramos. Nós somos iguais aos moradores do Calhau, Renascenca, Ponta do Farol, etc. Falo da igualdade social, humanitária. Talvez a grande diferença, que faz a diferença para os Prefeitos, seja a economica e de influencia politica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *