6

Veto aos royalties é último na votação de hoje

Dia movimentado no Congresso Nacional, pois começou hoje, às 12h, a sessão conjunta da Câmara dos Deputados e do Senado para analisar os vetos presidenciais, convocada pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB).

Na sessão serão analisados mais de 3 mil vetos presidenciais acumulados no Congresso Nacional, o último será o veto parcial dos royalties da presidente Dilma Rousseff.

O veto será o último devido a um decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que vetos presidenciais devem ser analisados em ordem cronológica.

As votações serão nominais e manuais, em cédulas de papel. Após os 3 mil vetos, os parlamentares partirão para a votação orçamentária, pois sem isso eles não poderão entrar em recesso.

Com tantos vetos a serem analisados, talvez votação não seja satisfatória para os estados não-produtores que permanecerão na mesma: recebendo apenas R$17 bilhões contra R$ 201 bilhões até o final de 2020 para dois estados (RJ e ES) e 30 municípios.

 

Marco Aurélio D'Eça

6 Comments

  1. O QUE PENSA PESSOAS DE FORA DO MARANHÃO.
    E surpreende até quem acha que já viu tudo, informa o espetáculo do absurdo encenado na Praça dos Três Poderes. A sucessão de espantos chegou ao clímax nesta quarta-feira, com a molecagem arquitetada por um octogenário: foi José Sarney o pai da ideia de votar numa única sessão mais de 3 mil vetos presidenciais acumulados desde o começo do século. Para derrubar o veto de Dilma Rousseff que modificou a nova distribuição dos royalties do petróleo, o Congresso mais preguiçoso do mundo resolveu fazer em algumas horas o que não fez durante 12 anos.

    Os gerentes da Casa do Espanto e da Mansão dos Horrores primeiro tentaram furar a fila. Barrados pela liminar do ministro Luiz Fux que proibiu a esperteza inconstitucional, Sarney sucumbiu a um ligeiro surto de coragem. “A decisão usurpa prerrogativa do Poder Legislativo e o deixa de joelhos frente a outro Poder”, protestou no recurso encaminhado ao STF. Como se o Congresso não estivesse de joelhos diante do Executivo desde que foi amestrado por Lula. Como se não vivesse de quatro para os próprios interesses corporativistas.

    Por saber disso, Sarney voltou no mesmo dia ao estado normal. Em vez de desafiar o Supremo, preferiu torturar a lógica, estuprar a sensatez e enterrar 3 mil vetos na mesma cova rasa. O cansaço chegou antes do começo do trabalho. Exauridos pela fabricação de tantas pilantragens em tempo tão curto, o chefão do Senado e Marco Maia, presidente da Câmara, resolveram armazenar energias para as festas do fim do ano. Fechado o picadeiro, a noite no circo ficou para 2013.

  2. SE SARNEY FOSSE JOGADOR DE FUTEBOL SERIA MEIA CAMPISTA, NÃO ATACA E NÃO DEFENDE, SÓ PASSA A BOLA, NA HORA DE DECIDIR PULA FORA. DUVIDO ELE SENTAR DA PRESIDÊNCIA DO CONGRESSO HOJE, PELA DERRUBADA DO VETO, COM CERTEZA VAI ACONTECER ALGUMA COISA E MAIS UMA VEZ A DEPUTADA VICE PRESIDENTE, É QUEM VAI CONDUZIR TODO O TRABALHO E NA SEXTA FEIRA SARNEY APARECE PARA IMPRENSA PRA DIZER QUE PREVALECEU A VONTADE DO POVO.

  3. Eu lamento muito pela infeliz mensagem que Troll postou aqui no seu blog, deu pra entender que ele também não é a favor da distribuição dos benefícios que os royalties poderão trazer para o Maranhão e o restante do país, Troll estas ficando louco, parece que estas no mundo da lua…O que tem haver com o feudalismo histórico de José Sarney com as lutas democráticas que agora está enfrentando em favor de todos nós maranheses e brasileiros?

    Se o Rio de Janeiro e Espírito Santo querem as riquezas pra si, então o Maranhão também deveria fechar as porta para o Brasil não deixando sair as riquezas encontradas através do petróleo e o gás natural encontradas em nosso território…e tem mais, Sarney não vai perder essa batalha, podem esperar…Importante para o maranhão e para o Brasil será a compartilhamento dos royalties para todos.

    abraços…

  4. O Sarney está nesse momento monstrando sua importância para a política nacional. Infelizmente a Nação está sendo usurpada pelo Rio de Janeiro.
    O Sérgio Cabral deveria fazer um exercício mental e imaginar que mais recursos para os estados deficitários implicará em menos migração para os centros urbanos, menos favelização, menos violência…ou seja, ficará no Rio mesmo só os marginais nativos do lugar !!!

  5. É triste o que esse comete à democracia brasileira. É humanamente impossível realizar em um único dia a ANÁLISE e votação dos vetos presidenciais. Digo análises, o que certamente, não farão. Tudo isso sob o comando demagógico desse senhor feudal.

    Análise desses vetos precisariam ser feitos com seriedade e meticulosidade, pois, dizem respeito aos rumos econômicos e sociais da nossa nação e não aos “trancos e barrancos” como é o desejo desse filhote envelhecido da ditadura.

    Infelizmente, lamentável!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *