24

Estádio Castelão: a história mostra que o blog tinha razão…

Castelão, apósa entrega: quem irá mantê-lo assim?

O blog de Zeca Soares publicou ontem texto baseado em entrevista com o secretário de Esportes, Joaquim Haickel. (Leia aqui)

Ele reclama da falta de recursos para manutenção do Estádio Castelão, um elefante branco que custa nada menos que R$ 300 mil mensais aos cofres públicos, segundo apurou Soares.

De acordo com Haickel, desde a entrega do estádio – ao custo de R$ 30 milhões adicionais aos outros milhões já pagos desde o governo Jackson Lago (PDT) – o governo não disponibilizou um tostão para a manutenção.

A manutenção neste período só foi possível graças a ajuda de amigos do próprio secretário.

Em 18 de janeiro de 2011 – exatos dois anos atrás – este blog defendeu no post “Para que serve o Castelão?”, a derrubada pura e simples do elefante branco do Outeiro da Cruz.

O estádio não tem razão de ser simplesmente por que no Maranhão não existe futebol à sua altura. Para Moto, Sampaio, Maranhão e Federação Maranhense, o Municipal está de bom tamanho.

O próprio Joaquim Haickel, à época, respondeu ao post deste blog.

Para justificar a existência do velho gigante, dentre tantos argumentos, o secretário apresentou este:  “me permito um último argumento, não muito elegante (…), vale pela “gozação”: Imaginemos que o Castelão fosse um homem bem apessoado, bonito, elegante, rico, de uns quarenta e poucos anos e que sendo diabético, tornou-se impotente. Deveria ele, tão jovem, não se permitir a possibilidade de ser feliz com uma boa e bela mulher, sendo que para isso só precisasse implantar uma prótese peniana?

Dois anos depois, Haickel parece começar a perceber que na maioria das vezes, o gozo não é uma questão de prótese, mas de mentalidade.

Em seu desabafo a Zeca Soares, ele deu como uma das alternativas “a terceirização do Estádio Castelão como já ocorre com os grandes estádios em outras capitais”.

Haickel, no estádio: depois do “gozo”, tudo volta ao normal

É girar num círculo sem saída.

Se os times maranhenses não conseguem bancar folhas de R$ 20, 30 ou 50 mil sem a ajuda do poder público, como vão arcar com R$ 300 mil mensais para manter um estádio que, ao longo dos anos, terá jogos sem nenhum apelo popular?

Certamente recorrerão ao governo.

Este blog é contra dar dinheiro público para escolas de samba, grupos artísticos e principalmente times de futebol.

Um dos pontos fortes deste blog é ter a imodesta capacidade de ver as coisas onde ninguém mais vê – e antecipá-las com riqueza de detalhes. Mesmo que alguns questionem no momento da visão, acabam se rendendo à história mais cedo ou mais tarde.

Assim parece ter sido com Joaquim Haickel.

Mas para ele, pelo menos valeu pela “gozação”…

Marco Aurélio D'Eça

24 Comments

  1. Marcos, o comentário do Secretário Joaquim Haickel deveria ser postado na página principal, seja pelo “direito de resposta”, seja pela importância que o assunto possui.

    Resp.; Quem dá direito de resposta é a Justiça, meu caro. E, neste caso, ela não deu.

  2. Marcos Deça mais uma vez você está equivocado, Santa Catarina tem um poder aquisitivo maior do que o MA, você não tem jeito mesmo, faz o seguinte continua vendo o teu vasco falido pela TV, haja vista que você não faz alguma em estádio.

  3. Como foi que o Joaquim Haickel chegou à Academia Maranhense de Letras com um texto desse? Falta vírgula, erros de pontuação são vários, estado com e minúsculo, pronomes equivocadamente colocados……você está coberto de razão. Tanto ao dizer que o Castelão é um elefante branco, quanto ao ficar surpreso com um texto e com razões tão fraquinhos.

  4. O problema do castelão está resolvido: O governo do estado destina 30% dos recursos gostos com publicidade e a manutenção do estádio está garantida e ainda vai sobrar grana. Parafraseando o blogueiro, simples assim.

  5. porque não utilizamos o Castelão como uma escola para o Governo do Estado (pela manha e pela tarde) já que nesses horários não acontece jogos?

  6. E,pensar que o Castelão foi construído com recursos do Banco Mundial que na época era destinada à irrigação do Vale do Mearim.Se estivesse sido aplicado corretamente,com certeza a situação do homem do campo seria outra e,não teríamos realmente “um elefante branco”que,exige custos muito altos para sua manutenção,pois nossos clubes vivem disputanto 3ª/4ª divisão do futebol brasileiro.O “Nhozinho”quebra bem o galho.Que tal adata-lo em escolas públicas(embaixo das arquibancadas)como faz o sambódromo do Rio(parte detrás dos camarotes são salas de aulas.Salas q no carnaval serve de apoio aos camarotes:bufett etc.,).

  7. marco vamos informar corretamente,so um jogo do sampaio o gonverno prometeu pagar e ate hoje o sampaio nao recebeu. o resto foram pagos por nos torcedores.

  8. só um jogo teve ingresso subsidiado…e ainda assim o governo deu calote no sampaio e não pagou.
    Marco, sua resposta para o comentário de Joakim hikel só mostra que você realmente não acompanha o futebol e o esporte maranhense.
    Pelo menos em esporte você é um jornalista desinformado.
    ENTÃO MEU CARO, abastenha-se de comentar, escrever ou postar sobre coisas de que você não tem conhecimento.
    Abraço Marco, e vamos botar Castelo na Cadeia!!!

  9. Marco, deixa de falar bobagem. Só 1 jogo do Sampaio teve ingresso subsidiado. E por sinal o Estado ainda nem pagou.

  10. Essa resposta do Joaquim Haickel doeu. Ele te deu uma paulada nas costas. kkk. Mas, é normal o Joaquim defender esse elefante branco. Quanto mais elefante branco no Estado melhor para os Haickels da vida e outros tantos que vivem de mamar no governo. Para mim, deviam privatizar o Castelão, o Porto de Itaqui, a CAEMA, etc. Vão trabalhar bando de malandros!

  11. Marco,
    Tenho uma sugestão,que tal se arrendassem o estádio para o pessoal do marafolia…

    Resp.: Continuaria o Estado pagando a conta.

  12. Caro Deça, sinceramente não entendo o porque dessa sua opinião a respeito do futebol do Maranhão e consequentemente do Castelão, obra essa que estado como Santa Catarina não tem e outros estados do NE, explicando melhor: Santa Catarina tem excelentes dirigentes, prova disso é que sempre estão com equipe na primeira divisão, ilustrando mais, se cai um para segunda, o outro sobe p/primeira, tem time(s) em todas as divisões, mas não tem público e nem estádio a altura da mesma, então amigo o Maranhão além de público e estádio tem craques pelo mundo inteiro, não é só no Brasil, o problema são as cabeças com pensamentos iguais ao seu, principalmente dos gestores públicos, não é que eles devam bancar as equipes, basta que façam o óbvio, ex: Fernando Sarney é vice na CBF e sequer interfere para equipes daqui participarem da Copa Nordeste, e vendo times de pouca ou nenhuma expressão no cenário nacional jogando a competição (Feirense BA, Porto PE, Confiança SE etc.) aliás a reforma feita no Castelão está muito longe do que o Governo divulgou, dizendo que o estádio estava padrão FIFA e outras balelas, é bom fazer uma parceria pública privada para que o mesmo sirva como em outros locais de arena multiuso, ou lá se instale a própria SEDEL que deve pagar aluguel altíssimo, ou outro órgão público, enfim, as alternativas são muitas, menos de que o mesmo seja inservível como você insinua.

    Resp.: Todos os clubes de Santa Catarina têm seus estádios. Em todo lugar do Brasil os clubes mantêm estádios. Quem conhece Florinápolis, sabe que a Ressacada, estádio do Avaí, fica nas proximidades do Aeroporto, muito afastado do Centro. Mesmo assim, os jogos lotam e a torcida vai. Em Pernambuco, Bahia, Pará, também é assim. Por isso os times estãos empre chegando à Série A. Aqui no Maranhão, todos os grandes clubes dispõem de áreas para estádios e centros de treinamento. O que o MAC fez? vendeu sua área para uma empresa construir um shopping. Poderia, no contrato, estbelcer a exigência da construção do estádio. Já imaginou um estádio em plena Cohama, com um shopping agregado? Mas os dirigentes não pensam assim. Só querem ganhar dinheiro público o tempo inteiro. Sampaio Corrêa e Moto Clube também já podriam ter seus estádios.

  13. Concordo com a sua Análise, Marcos.
    O Estado tem que cumprir com a obrigação de promover a prática Desportiva, naquilo que é previsto na legislação, que é “(…) não formais…) conforme determina o Art. 217 da CF.
    Parabéns!

  14. Caro Jornalista, me permita falar “o buraco da Raquel”, é muito lá embaixo…Se não, vejamos: Por meio da SEC. da Juventude, Cultura, Educação, e tantas outras, poderíamos mobilizar uma serie de atividades nesse ELEFANTE BRANCO (tb concordo com vc sobre isso). Acontece que, São Luís, assim como todo o Estado, esta tão carente de TUDOOOO, que não podemos trazer uma banda grande de peso, para fazer um grande show no Castelão…Pois, não tem rede hoteleira, mobilidade URBANA, etc..etc..Portanto, ele poderia ser palco, não somente de partidas de Futebol…Mas, de outros tipos de encontros…Mas, precisamos avançar em outras área…Simples assim !!!

  15. DÉCIO, ESSE COMENTÁRIO, NA VERDADE, É UMA NOTÍCIA QUE VI NO SITE DO TRT MA: Juiz do Trabalho determina que DETRAN realize concurso público para contratação de pessoal.
    O juiz Fernando Luiz Duarte Barboza, da Segunda Vara do Trabalho de São Luís, determinou que o Departamento Estadual de Trânsito do Maranhão (DETRAN-MA) e o Estado do Maranhão se abstenham de nomear, manter, admitir e contratar servidor público para prestação de serviço ao órgão, ou autorizar a admissão de trabalhadores, mediante pessoa física ou jurídica interposta, ou por meio de termo de parceria, contrato de prestação de serviço, contrato de gestão ou convênio, firmado com entidade interposta, para prestar serviços ligados a atividades essenciais, permanentes e finalísticas do DETRAN-MA, sem prévia aprovação em concurso público, ressalvadas as nomeações para cargos em comissão e contratações por prazo determinado para atender necessidade temporária ou de excepcional interesse público, conforme determina o artigo 37, inciso II, da Constituição Federal (CF) de 1988. O descumprimento da decisão acarretará pagamento de multa diária de R$ 10 mil, por trabalhador irregular.

    Para o juiz, documento juntado nos autos comprova que o DETRAN-MA nunca realizou concurso público para contratação de pessoal. Ao invés disso, tem contratado mão de obra terceirizada para a realização de suas atividades essenciais, permanentes e finalísticas, “utilizando-se, porém, de modalidade inovadora de contratação, pela intermediação realizada por Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP)”, ressaltou.

    Segundo Fernando Barboza, essa prática viola o princípio do concurso público, que é requisito constitucionalmente previsto para a investidura em cargos e empregos públicos. “O concurso público é, portanto, a via legítima de ingresso nos quadros da administração pública, por garantir a todos igualdade de condições, realizando, assim, o direito fundamental à igualdade, além dos princípios constitucionais relacionados à administração pública, em especial aqueles relacionados à moralidade e à eficiência”, enfatizou.

    O magistrado julgou procedente em parte a Ação Civil Pública (ACP) ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho do Maranhão (MPT-MA) contra o DETRAN-MA, Estado do Maranhão, Centro Integrado e Apoio Profissional (CIAP), Instituto de Apoio e Desenvolvimento Social do Maranhão (IADESMA) e Diplomata Mão de Obra Especializada Ltda. O MPT-MA requereu a condenação dos reclamados em obrigações de fazer e não fazer que, em síntese, impedissem a execução de atividades essenciais, permanentes e finalísticas do DETRAN-MA por pessoas não concursadas e admitidas diretamente pelo órgão ou por intermédio de empresas interpostas, inclusive Organizações Sociais (OS) e OSCIP, ressalvadas as nomeações previstas no artigo 37, inciso II, da CF. Requereu, ainda, condenação ao pagamento de R$ 996 mil a título de dano moral coletivo.

    O magistrado também declarou a nulidade de todas as contratações de pessoal feitas pelo Detran-MA, após 5 de outubro de 1988, diretamente ou por intermédio do CIAP, do IADESMA, da empresa DIPLOMATA, ou de outra entidade interposta, nos termos do artigo 37, inciso II, parágrafo 2º, da CF/1988.

    Condenou, ainda, o DETRAN-MA e o Estado do Maranhão a efetuarem a extinção de todos os contratos para execução de atividades essenciais, permanentes e finalísticas do departamento de trânsito celebrados após 5 de outubro de 1988, firmados por convênios, empresas interpostas, inclusive OS e OSCIPs, em desrespeito à regra da obrigatoriedade de prévia aprovação em concurso, público com exceção dos casos previstos na CF. Em caso de descumprimento, será cobrada multa diária de R$ 10 mil por trabalhador fornecido.

    O DETRAN-MA e o Estado do Maranhão também deverão afastar todos os trabalhadores vinculados formalmente ao CIAP, IADESMA, à empresa Diplomata ou a qualquer outra entidade privada que se qualifique ou não como OS, OSCIP, ou como cooperativa de trabalho, empresas ou entes administrativos, que prestem serviços subordinados e não eventuais ao DETRAN-MA. O descumprimento, neste caso, acarretará multa diária de R$ 10 mil por cada trabalhador em situação irregular.

    Além disso, o juiz Fernando Barboza condenou o CIAP, a IADESMA e a empresa Diplomata a se absterem de disponibilizar, fornecer ou intermediar mão de obra de trabalhadores para execução de atividades próprias do DETRAN-MA e/ou para a execução de atividades complementares, de apoio ou relacionadas às suas atividades-meio, quando presentes pessoalidade e subordinação direta, sob pena de pagamento de multa diária de R$10 mil por trabalhador fornecido.

    Ele julgou improcedente o pedido de indenização por dano moral coletivo, uma vez que não restou caracterizado o dano.

    O magistrado concedeu o prazo improrrogável de 6 meses para cumprimento das obrigações de fazer e não fazer, devido à necessidade de realização de concurso público e de regularização do serviço, em respeito ao princípio da continuidade do serviço público, bem como concedeu um prazo de 10 dias para o DETRAN-MA apresentar cronograma detalhado das medidas a serem adotadas, para efetivo acompanhamento pelo MPT-MA.

    Da decisão, cabe recurso.

  16. Meu caríssimo amigo Marco Aurélio D’Éça,
    Em primeiro lugar devo esclarecer-lhe que no dia de ontem não dei nenhuma entrevista ao jornalista Zeca Soares. Acredito que você esteja se referindo a uma conversa que tive com ele no final do ano passado falando das realizações da SEDEL em 2012 de nossas perspectivas para 2013.
    Em segundo lugar o Castelão de forma alguma é um elefante branco, e para provar isso basta dizer que nos primeiros quatro jogos realizados nele após a reinauguração, compareceram mais de 160 mil torcedores, ou seja, lotação completa de 40 mil espectadores em cada partida.
    Lembro-lhe que o custo de manutenção de um imóvel é proporcional ao seu tamanho e a sua função.
    Será que você ou eu não temos que investir algum dinheiro na manutenção de nossas residências? Com o Castelão ocorre a mesma coisa.
    Será que as administrações públicas, municipais, estaduais e federais não tem que reservar recursos para manutenção de seus hospitais, escolas, presídios, repartições de um modo geral? Com o castelão não pode ser diferente.
    Em certa parte de seu texto você diz que “em 18 de janeiro de 2011 – exatos dois anos atrás – este blog defendeu no post “Para que serve o Castelão?”, a derrubada pura e simples do elefante branco do Outeiro da Cruz.”
    Mais adiante você repete um outro erro gravíssimo dizendo que “o estádio não tem razão de ser simplesmente por que no Maranhão não existe futebol à sua altura. Para Moto, Sampaio, Maranhão e Federação Maranhense, o Municipal está de bom tamanho”.
    Erro grave. Se as partidas do Sampaio na serie D do Campeonato Brasileiro tivessem acontecido no Nhozinho Santos, a lotação total de cada jogo seria de apenas 15 mil torcedores, ou seja 60 mil nos quatro jogos, 100 mil pessoas a menos que o ocorrido no Castelão
    Você, como é bom jornalista que é, lembra em seu texto, que na época da reinauguração eu escrevi a respeito da reforma do Castelão: “me permito um último argumento, não muito elegante (…), vale pela “gozação”: Imaginemos que o Castelão fosse um homem bem apessoado, bonito, elegante, rico, de uns quarenta e poucos anos e que sendo diabético, tornou-se impotente. Deveria ele, tão jovem, não se permitir a possibilidade de ser feliz com uma boa e bela mulher, sendo que para isso só precisasse implantar uma prótese peniana?
    Este argumento persiste Marco. Pois como no caso da felicidade do casal citado acima, o sucesso do futebol maranhense depende da existência e da operacionalidade do Castelão.
    Opiniões como a sua, no que diz respeito ao nosso futebol, bem como a relativa ao carnaval dos blocos organizados e das escolas de samba estão equivocadas, erradas mesmo.
    Quando foi feita a reforma do Castelão, todos sabiam que seria preciso recursos financeiros, materiais e de pessoal para fazer o estádio funcionar. Só resta que este recurso seja colocado a disposição da SEDEL, vindos do orçamento do estado ou através de terceirização da referida praça esportiva. É assim que acontece em todos os estados da federação brasileira.
    Você diz que o seu blog e consequentemente você é contra dar dinheiro público para escolas de samba, grupos artísticos e principalmente times de futebol. Quer dizer então que você acha que o governo deva investir apenas em saúde, educação e segurança? Você acha que os setores esportivos e culturais não devem ser apoiados pelo poder público? Outro grave erro, pois as atividades esportivas e culturais estão diretamente ligadas às áreas de educação, saúde e segurança. Não apoiar esses setores é desapoiar os outros.
    Sei de sua imodéstia ao dizer que o seu blog tem capacidade de ver as coisas onde ninguém mais vê, e antecipá-las com riqueza de detalhes. E acredito que isso seja verdade em algumas ocasiões, acontece que a sua imodéstia desta vez está equivocada, novamente.
    Marco, ninguém disse que essa jornada iria ser fácil, mas por mais difícil que fosse, seria muito melhor que deixar o castelão abandonado, ou como você sugeriu, implodi-lo
    Para finalizar, gostaria de dizer que é sempre um prazer conversar com você, principalmente através de seu blog, um dos mais prestigiados, visitados e lidos do Maranhão.

    Resp.: Esperava mais de você na resposta, meu caro Haickel. Sinceramente…
    Em primeiro lugar, o ontem a que me refiro é à postagem do blog de Zeca. Ele pode ter falado com voc~e há tempos, mas só ontem trouxe o assunto à tona.
    Os jogos do Sampaio na Série D, meu caro, são uma exceção à regra,quando deveriam ser a regra. O estádio funciona para poquíssimos jogos – pouquíssimos mesmos. Você mesmo diz, segundo o blog de Zeca, que o Castelão está parado desde o último ogo do Sampaio. Desde a inauguração, não foram mais qe quatro ou cinco jogos.
    Verdade que nos jogos do Sampaio foram 50, 60 mil. Subsidiados, meu caro Haickel. Subsidiados. E mais uma vez mostra-se o dinheiro público amparando iniciativas privadas.
    Com relação ao investimento público na Cultura e no Esporte, ele devem existir para garantir a infraestutura necessária. E aí se encaixa o Castelão. Defendo sua derrubada pura e simples, mas sei que, se está aí, precisa ser mantido. Mas dá dinheiro para blocos e clubes meu caro? Pagar cachê??? paciência, meu caro Haickel.
    De qualquer forma, é sempre ruma honra ecebê-lo neste blog. Grato pela participação.

  17. Não deixo de concordar com você. Mas é muito bom ver jogo no Castelão! Pena que não temos com frequência.

  18. Marcos Deça eu te pergunto o quê você faz para ajudar o nosso futebol ? meu caro para o futebol daqui subir no cenário nacional, basta ter mais jogos com grandes arrecadações e investimentos, você não viu o Sampaio nesses últimos anos como vem tentando subir, Marcos o teu Flu lá do Rio estava na 3ª Divisão e aí os cartolas do sul levaram o time dele para 1ª. Aqui tudo se torna mais difícil, porque pessoas como você torce contra o nosso futebol, eu creio Deça, que quando o Sampaio subir para a elite do nosso futebol e abrir vaga para os outros, eu não sei o que você vai falar, leio algumas matérias interessantes do teu blog, porém está na hora de você parar de falar mal do nosso futebol, que é vítima dos cartolas do centro sul e também do nordeste, onde os baianos e pernambucanos nos tiraram da Copa do Nordeste, deixando os nosso times sem arrecadar, Deça reflita e você não é o dono da verdade. Sobre o Castelão, basta o governo entregar a iniciativa privada, para finalizar você deveria ter mais respeito com inúmeros torcedores do Moto e do Sampaio aqui no estado.

  19. Comendador Marco Déça
    Excelente e racional sua análise.
    O Castelão e um exemplo de como argumentos ditos “Populares” servem para criar despesas sem necessidade. O CASTELÃO é uma coisa inútil e cara. É um exemplo dos vários estádios em construção no Brasil que ficaram como elefantes brancos a onerar os tesouro dos estados por décadas depois da COPA DO MUNDO.
    Imaginemos que o orçamento do governo do estado seja uma árvore de natal e que cada despesa seja um daqueles “Enfeites” que se penduram nelas. Cada novo enfeite vai sendo colocado nesta árvore ao longo do tempo, um dia a árvore está tão carregada de despesas que desaba. Foi isso que aconteceu com a EUROPA, vários governos de esquerda fizeram as pessoas acreditarem que podiam viver por conta do estado sem que isso custasse caro. Um dia a conta chega.
    O governo do PT também inchou as despesas do governo federal ao longo do governo LULA-DILMA de uma forma espantosa. Dezenas de bolsas, Isenções, privilégios, taxas de juros subsidiadas, cotas e outros penduricalhos foram dependurados nas despesas do país.
    O Resultado é que os governos gastam 95% do que recebem dos altíssimos impostos que recolhem, com despesas obrigatórias como folha de pagamento e custeio dos orgãos públicos.
    O resultado disso é que falta dinheiro para investir em infra estrutura.
    Em resumo, grupos de pressão organizados inventam necessidades e governos fracos as aceitam.

  20. voce estar mais do serto serto marcao,quando diz que futebol,escola de samba e bumba boi tem que andar com suas proprias pernas.

  21. Jogos sem nenhum apelo popular???
    Marco essa parte de Futebol tu é mesmo alienado.
    Rapá o Sampaio colocou média de 40 mil em cinco jogos la.
    O primeiro jogo Sampaio e Moto, em plena 5ª feira a noite, na inexpressiva Copa União colocou 10 mil torcedores…
    Marco para de desmoralizar o futebol maranhense que o teu VASQUINHO não tá colocando nem 3 mil no carioca…
    E Roberto Dinamite tá me saindo pior que a Vera Baldez.

  22. Deixa eu só entender, isto não é uma crítica, é uma pergunta, você é a favor da derrubada do Castelão?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *