15

Muito bem Felipe Camarão, mas… e os trailer’s em vias públicas???

Barracas irrgulares no Baramar

O secretário de Urbanismo, Felipe Camarão, começou bem sua atuação na pasta, procurando ordenar o uso do solo  e dos aparelhos e equipamentos  públicos, e as obras na cidade, sem distinção de classe social ou localização.

Mas há algo muito mais grave, que precisa ação enérgica do poder público, principalmente agora, que administração começa e tem a chance de demarcar terreno.

Trata-se da ocupação indevida de vias e espaços públicos por barracas e trailer’s de lanches e comida. Há vários exemplos espalhados pela cidade, inclusive frequentados por gente da alta cúpula dos governos.

O trecho mais absurdo está no Barramar.

A Avenida Santo Antonio, recém-inaugurada, e que liga o Calhau a vários bairros, deveria se juntar à Avenida dos Holandeses, mas não pôde ser levada até o local por que, simplesmente, alguns bonitos ocuparam a via pública há anos e se recusam a sair de lá.

Blitz Urbana mais eficiente

Bares, lanchonetes e padarias estão literamente no meio da avenida – ou o que deveria ser a avenida.

Uma ação da Secretaria agora seria mais eficiente por que já mostrava a cara do novo governo, num momento em que estes “empresários” não estão familizarizados com o novo modus operandi.

No mesmo Barramar, lanchonetes ocupam o canteiro da avenida dos Holandeses sem nunca terem sido incomodados pelas autoridades responsáveis pelo ordenamento jurídico.

Na Cohama, a mesma coisa.

Pizarias, pastelarias e padarias ocupam os espaços públicos desordenadamente. Algumas estão interditando uma das saídas da Cohama, sem nunca ter sido incomodada.

Na mesma área, a praça do bairro, reformada no início do governo João Castelo (PSDB), hoje serve de depósito de lixo, entulho… e de gente.

Crianças e adultos utilizam a praça para dormir, cozinhar e fazer sexo. E de vez em quando saem para roubar e usar drogas nas redondezas. E ninguém faz nada.

São apenas alguns exemplos para a ação eficaz da Blitz Urbana e da Secretaria de Urbanismo.

São medidas muito mais urgentes – e necessárias – do que retirar plaquinhas de postes…

 

Marco Aurélio D'Eça

15 Comments

  1. O que ninguém fala é sobre o cara que está “por traz do setor de Muros e Calçadas” e o que ele representa na Blitz. Nilson Brasiliano, relembrem e guardem esse nome.

  2. Gostaríamos que o órgão em apreço fiscalizasse e adotasse as providências necessárias e cabíveis pela apropriação de áreas públicas na Avenida Contorno Norte, no COHATRAC IV, onde foi construindo um bar(leozão), um salão de Beleza (sem nome), um Lavajato(Júnior) e um Depósito de Madeira (Cordeiro). Que tal mostrarem serviços e justiça, devolvendo essas áreas à sua real destinação, a comunidade.

  3. O Novo Secretário deveria também olhar para os carros que ficam estacionados na Av. Daniel de La touche em frente ao trailler Xan Xan, bem como os carros que ficam estacionados na calçada em frente à farmácia Pague Menos que dá acesso à Rua do Aririzal na Cohama, pois, isso tem atrabalhado muito o trânsito, principalmente à noite, causando grandes congestionamentos.

  4. Existe uma construção de um prédio comercial de propriedade do Sr. JESAEL MARX, apresentador do QUAL É A BRONCA, que também não tem licença do CREA e tampouco seus funcionários usam epi’s.
    Essa construção esta localizada a rua Epsilon no bairo Recanto dos Vinhais.

  5. Sugiro que seja revista a licença para pequenas obras.

    Como gosto de fazer tudo dentro da lei, solicitei autorização do CREA para um pequeno serviço de valor estimado em R$8.000. A autorização saiu no mesmo dia, pela internet.

    Quando fui para a prefeitura, a coisa parou. Já se vão quase três meses. Lá é supercomplicado para acompanhar o processo. Nada é informatizado. Da última vez que fui lá me disseram que a Blitz Urbana ia ter que visitar o local para saber se eu já tinha começado a prova, pois neste caso precisaria pagar multa.

    Um absurdo…

    Este tipo de pequeno serviço tinha que ser liberado automaticamente pela internet. Eles devem se preocupar é com os grandes serviços.

    Por isso que entendo quando as pessoas não esperam pela autorização e começam de qualquer jeito.

    No caso da escola no renascença, fico imaginando. Ou o serviço é feito no período das férias ou o transtorno é grande. Se fossem esperar a prefeitura nunca iam fazer…

    Esta burocracia só serve para alimentar com suborno os servidores públicos.

    Vamos simplificar estes processos…

  6. É bom vcs lembrarem que foi Castelo quem criou a Blitz hurbana, fazendo cumprir-se pela primeira vez na ilha a lei de muros e calçadas !!!!!!!!!! fato noticiado na midia nacional e que atraiu Gestores de outros Estados para ver como funcionava.
    NÃO DÁ PRA NEGAR !!!!!
    VIVA CASTELO SEMPRE !!!!!

  7. Marco, espero que o nobre secretário olhe para a feira que se formou no bairro Filipinho. São várias barracas instaladas em torno do passeio público vendendo lanches que atrapalha até o trânsito no local. Fora que já ocorreram vários crimes no local. Está uma verdadeira esculhambação. E mais, nenhum deles tem licença para funcionameno e atestado da vigilância sanitária.

  8. A esculhambação no Filipinho é grande: começou na gestão de Tadeu e Castelo deixou rolar. Espero que a prefeitura agora dê um jeito naquela indecência.

  9. Marco, temos ainda casos no Centro Histórico. Os bares colocam suas mesas no espaço público e não pagam nada ao município pelo uso. Ainda querem ser os donos do pedaço. Se você comprar uma comida de um ambulante eles te expulsam do bar, como fazia muito uma destinta senhora que tinha um famoso restaurante em uma esquina verde.

  10. Mais um detalhe que não foi mencionado.
    Esses lanches de porta de rua tem considerável infra-estrutura e competem de forma desleal com os empresários que ocupam espaços urbanos regularmente pois não recolhem impostos e muitos deles sequer tem alvará de funcionamento.
    Assim fica fácil lucrar, não é?
    MORALIZAÇÃO JÁ!

  11. São Luis é o Caos urbano.
    Espero que Felipe Camarão não esteja preocupado somente com sua carreira política e busque somente atrair a visibilidade da imprensa como me parece ser seu objetivo.
    Paralisar a obra da escola MAPLE BEAR e do restaurante COCO BAMBU são atos que atraem a mídia.
    É preciso coragem para impedir a balbúrdia da periferia, onde a música alta de bares, radiolas, festas não deixam as pessoas dormir.
    Há dezenas de construções irregulares na periferia e bairros sem o “Glamour” do Renascença, Calhau ou Ponta d’áreia onde cada um faz sua calçada, sua obra, seu esgoto, seu afastamento como quer.

  12. Exatamente Marcos, esquecer-te dos muros de arrimo, digo, os postes colocados indiscriminadamente, em todo logradouro público, especialmente ao longo dos corredores e passeio público, que são instalados pela CEMAR, tirando das pessoas os poucos espaços destinados para os transeuntes, colocando em risco a segurança e tem contribuído para o aumento de mortes provocados por choques de veículos contras essas verdadeiras armadilhas instaladas sem critério, em todos os cantos da nossa Cidade e do nosso Estado.
    Já passou da hora de se tomar providências contra esses abusos praticados pela CEMAR contra a segurança das pessoas que transitam pelas ruas, avenidas e estradas da nossa Cidade e do nosso Estado, e quando alguém sofre o infortúnio de se chocarem contras essas fortalezas e perdem a vida, a família ainda é obrigada a pagar pelo pelos danos, digo, “prejuízos” causados à Cia, que não investe um centavo em rede subterrânea e muito menos trabalha para otimizar o uso dos postes, que como praga são colocados em locais onde já existem.

  13. Caro Marcos, não apenas esses locais por vc citados estão sendo ocupados ilegalmente sem que o poder público faça alguma coisa. Veja, por exemplo, o canteiro na avenida João Pessoa, no bairro do Filipinho, onde os pedxestres foram jogados para a pista de rolamento por conta dos trailers. Aquilo é uma indecência só. Outro caso: praça da Saudade, no bairro da Madre de Deus onde recentemente um cinegrafista foi morto. Ali não é um trailer, mas uma grande barraca e vende bebidas e lanches a noite toda. Se o dr. Felipe Camarão quer mesmo moralizar o uso do espaço público que haja com honestidade e não tire apenas plaquinhas como vc disse. Em São Luís o poder municipal é frouxo e acredito que essa “moralização” vai tirar só quem não tem padrinho (e agora tambem pastor).

  14. Eita cara “engoado”, esse Marco Jubilado, se fizesse essas combrança contra o desgoverno de Rosengana, o Maranhão seria outro, já teríamos mais de cem hospitais novo, pq ela prometeu 72, e nada de ‘catibiriba’, tudo que Rosengana prometeu, junto com suas mentiras, já teria sido cumprido todas, mais Marco Doido, só tem olhos para a administração de Edivaldo Jr. Enquanto issso o Maranhão está no buraco, o penúltimo no ranke de pobreza, em miséria só ganha para Alagoas!. cruz Credo!.

  15. Marcos , será que nesta gestão o tal projeto da urbanização do Anel Viário sai do projeto , pois em todas as gestões o projeto está em estudo.Não têm coisa mais vergonhosa Sr. Felipe Camarão do que aquela FAVELA em pleno centro de São Luís , que são aquelas palafitas no Anel Viário , ponto de prostituição , vendas de drogas , poluição sonora e ambiental , moro perto e vejo já moradia daquelas pessoas.Enquanto o poder público ainda estuda o projeta as barracas de madeiras estão se transformando em alvenaria.Aquela área é pública não têm que ter conversa têm desapropriar .Aproveito para denunciar também PRAÇA DA SAUDADE , onde não têm espaço para nada , somente barracas e têm algumas que faz dos bancos da praça de pratilheiras de suas mercadorias o cumulo do absurdo e só ir lá uma noite dessa Secretário para constatar , fica a dica para o seu trabalho ter resultado.Quanto as fotos do post relamente está inrregular estas barracas e trailer’s , pôxa píor é o Anel Viário que além de inrregular é horrível no aspecto visual e está em pleno centro da cidade , próximo do Centro Histórico , que horrível !!!! , que vergonha!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *