4

O que muda – e o que permanece – após o beijo gay…

Em tempos de Malafaias e Felicianos, é importante compreender esse momento como fruto de uma série de conquistas de liberdades individuais e democracia

 

Jorge Alberto, do blog Brasil 247

Narrando não tem nada demais.

Dois seres humanos, do sexo masculino, encostam um no outro, enquanto algumas máquinas reproduzem esse episódio para um grande número de pessoas.

Nessa hora, quem acompanha o presente texto já começa a achar que está sendo passado para trás: “um toque? como assim? foi um beijo, e na boca!”.

Calma, eu explico.

O ato de beijar alguém, do ponto de vista físico, nada mais é que encostar o lábio no bochecha, na boca ou em partes menos familiares do parceiro, portanto um toque.

A primeira referência histórica que temos do beijo data de 2500 a.C., presente nas esculturas e murais hindus do templo de Khajuraho, na Índia.

Mais de dois mil anos depois (em torno de 330 a.C.), um rapaz chamado Bagoas protagoniza a cena em que, após vencer um concurso de canção e dança, é ovacionado por toda uma tropa ao receber um beijo de seu rei, Alexandre, o Grande.

Trezentos e poucos anos depois, em um período que poderíamos chamar de durante Cristo, Judas Iscariotes segue escrevendo a história do beijo. Tanto no Evangelho de Mateus, quanto no de Marcos, o famoso “Beijo de Judas” é narrado através do verbo grego kataphilein, que significa “beijar firmemente, intensamente, com paixão, ternamente ou calorosamente”.

Dessa vez o beijado foi Jesus, seguindo a história que conhecemos bem.

2014 anos se passaram e estamos aqui discutindo um beijo.

Não discutimos o tocar dos lábios, discutimos o sentimento, a simbologia, a moralidade do ato. Enquanto o “Beijo de Judas” é expressamente um símbolo de traição, o beijo gay, até mesmo pela atualidade do fato, é um símbolo em disputa.

Grupos mais conservadores apontam a cena como marco da destruição da família brasileira. Grupos dos movimentos LGBTs (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) tratam como um símbolo de avanço da sociedade.

Fãs de novelas pregam como uma revolução nos folhetins brasileiros. Românticos entendem como representação do amor entre os dois personagens. Algumas mulheres lamentam o fato de o ator bonito ser retratado como gay. Alguns homens falam de nojinho do beijo.

E assim por diante.

Fato é que não tem muita novidade na cena. No cinema, ainda em 1927, o filme mudo “Wings” (vencedor do Oscar), retrata o que teria sido o primeiro beijo gay de Hollywood entre os atores Buddy Rogers e Richard Arlen.

Já com as meninas, o filme alemão “Mädchen in Uniform” (Meninas de Uniforme), de 1931 também cumpre o papel. Não é só Almodóvar e Brokeback Mountain que figuram na lista.

Em 1979, os atores Tunico Pereira e Anselmo Vasconcelos, reproduziam a cena no filme brasileiro “República dos Assassinos”, de Miguel Faria Jr. Saindo do cinema e entrando na TV, há 24 anos os atores Raí Bastos e Daniel Barcelos protagonizam na minissérie “Mãe de Santo”, da extinta TV Manchete, cena parecida.

Ou seja, os que dizem que foi o primeiro beijo gay da televisão brasileira estão atrasados em mais de duas décadas.

Contudo, devemos considerar que, entre tantos gravados e cortados, é o primeiro beijo gay exibido no horário nobre da maior emissora brasileira. Ainda que tenha ido ao ar em uma das últimas cenas, do último capítulo da novela, minimizando assim a repercussão posterior, representa uma evolução.

Os meios de comunicação têm a capacidade de fornecer significados para a realidade.

Por um lado apropriam-se do passado/presente remontando cenários aparentemente reais. Nesse caso específico (não só beijo, mas dos vários conteúdos em torno da homossexualidade), a visibilidade promovida faz com que um número grande de pessoas pense em algo muitas vezes esquecido: gays existem.

Mais do que isso, favorece a humanização, criando pontes de empatia e estabelecendo um início de tratamento igualitário (considerando sempre a igualdade na diferença).

Por outro está em jogo também a afirmação de valores.

Um veículo como a TV, mesmo com o espaço que a internet vem conquistando, ainda cumpre um papel determinante em nosso cotidiano. O papel de disputar opinião, ditar tendências, orientar o futuro.

Nesse ponto, já lançam a máxima: “se a TV influencia dessa forma, depois desse beijo todos vão querer ser gays”. Combatendo um clichê com outro, é interessante considerar que não há registro em nossa sociedade de gay que tenha se tornado hétero ao ver um beijo entre homem e mulher.

Em tempos de Malafaias e Felicianos, é importante compreender esse momento como fruto de uma série de conquistas de liberdades individuais e democracia. Não se trata da defesa de um segmento da sociedade. Estamos falando do direito de TODOS de ir e vir, de escolher seus próprios parceiros e de ser simbolicamente representados no conjunto da sociedade.

Seja por amor, seja por amizade, seja por educação, a referência do beijo é sempre de afeto. Que venham muitos outros beijos gays, bi, héteros, trans, inter, pré, pós, ultra, hiper…

Afinal de contas a família brasileira está preparada para o amor, não está?!

Marco Aurélio D'Eça

4 Comments

  1. Caro D’Eça, é impressionante como vc. pode ser tão avançado narrando as relações sociais e – ao mesmo tempo – reacionário, quando defende um grupo político atrasado, mau gestor e caquético…
    Eu era leitor assíduo de “O Globo” e me impressionava com a boa qualidade de sua parte cultural, mas me arrepiava com a vigarice de sua linha política e editorial… Curiosamente, nesse momento isso me veio à mente – ou seja – seu blog e o referido jornal agregam essa, por assim dizer, lamentável contradição…
    Paciência que nada é perfeito.

    resp.: As contradições fazem parte da condição humana. Só os tolos – ou ditadores – acham que são perfeitos em todos os aspectos. Não tenho esta pretensão.

  2. Prezado Sr, Deça,

    Eu discordo do senhor em partes.

    1) Tempo de Silas Malafaia e Marco Feliciano?

    Sei que você utilizou esses nomes para representar grupos que não aceitam esse tipo de comportamento. posso garantir ao senhor que não são grupos, mas sim a maioria não quer ver casais homossexuais se relacionando na TV onde crianças poderão estar assistindo.

    2) O direito é de todos concordo.

    Concordo que todo mundo tem o direito de ser o que quiser, tendo respeito e estabelecendo limites tanto para homos quanto para héteros. O que não concordo, é que utilizam de forma errônea o fato de criarem um certo “caça as bruxas” de héteros contra homos, como se toda violência que ocorre contra os homossexuais é culta de héteros homofóbicos e como você deve ser uma jornalista bom, sabe que grande parte da violência é devido a brigas entre eles.

    3) Se homo sexualismo continuar da forma em que está, as famílias serão destruídas.

    Estudos comprovam que, a única sociedade que permanece, são aquelas que constituem a famílias, sendo o homem, a sua mulher e seus filhos.

    Eu não você, mas eu não queria que meus filhos de 4, 5 ou 6 anos, esteve dizendo pra você ou pra mim que gosta de um menininho no de um filho, que gosta de uma menininha no caso de uma filha. Você gostaria de seu filho com 18 anos chegasse na sua casa apresentando outro rapaz como namorado e namorasse com ele na porta de sua casa? É essa visão que devemos ter, outro dia na TV vi um casal gay que adotou uma criança para criar, e mostrou que era tudo lindo, era saudável enfim, o que tenho pra dizer é o seguinte, hoje é uma maravilha, mas vamos ver a cabeça dessa criança daqui a um certo tempo, quando houver dias das mães e ele ver que seus coleguinhas possuem mães mulheres e ele uma mãe homem, como fica a cabeça dessa cidadão quando crescer?

    “Seja por amor, seja por amizade, seja por educação, a referência do beijo é sempre de afeto. Que venham muitos outros beijos gays, bi, héteros, trans, inter, pré, pós, ultra, hiper…”

    A maior demonstração de afeto/amor, foi de Deus com o homem enviando seu filho para sacrificar por nós. O mesmo Deus que gerou o sentimento do amor em nós é o mesmo que é justiça.

    Espero que NÃO venham muitos outros beijos gays, bi, héteros, trans, inter, pré, pós, ultra, hiper…

    OBS: Isso é minha opinião, não sou homofóbico, a constituição no artigo 5º me garante o direito de discordar.

  3. ESTAMOS CAMINHANDO EM DIREÇÃO DE UM ABISPO, EM TODOS OS CAMPOS, QUER SEJA NA ESFERA DO JUDICIÁRIO, LEGISLATIVO, SOCIAL E ETC… NOS TEMPOS DE SODOMA E GOMORRA AS COISAS ESTAVAM POR MENOS. ERA O NUDISMO NA RUA, A PROSTITUIÇÃO A CEU ABERTO. IGUAL AOS NOSSOS TEMPO.

  4. Deus fez o homem e a mulher, o resto é invenção do capeta. Atras dessa falta de vergonha imposta pela Globo e seus diretores gays (viados) existem interesses maiores de acabar com o que restou da moral do povo brasileiro, país onde as crianças são recrutadas no ensino fundamental para abraçarem desde cedo a ideologia marxista, país miserável que faz doações milionárias a regimes falidos, ditatoriais e obsoletos. País que tem seus ativos confiscados por republiquetas do narcotráfico e desaloja seus pequenos produtores rurais para doar terra a falsos índios plantadores de maconha. País onde cetenas de políticos analfabetos roubam na certeza da impunidade, garantida nas tais facilidades das leis. A receita do bolo é simples miséria, corrupção e promiscuidade e pronto, lá se foi o Brasil para a rabeira do desenvolvimento, país onde criança alguma é capaz de cantar o hino nacional. Como se tudo isso não bastasse, agora tentam destruir o resto da moral do povo.

    resp.: “Deus fez o homem e a mulher, o resto é invenção do capeta” você é uma, inclusive.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *