4

Parece que a Copa começou para o Brasil. Graças a Ochoa…

http://www.lancenet.com.br/fotos/Brasil-Mexico-Ochoa-FotoYuri-CortezAFP_LANIMA20140617_0229_1.jpg

Ochoa: melhor em campo. Segurou o cabeça-de-bagre Fred e o resto

Por Thiago Bastos*

Ochoa. Revelado no América do México – participou daquele maracanazzo rubro-negro com show de Cabanas, lembram?

Talvez a maior atuação de um goleiro nesta Copa do Mundo. A defesa dele no primeiro tempo na cabeçada de Neymar foi impressionante.

Mas resumir o segundo zero a zero do mundial apenas ao arqueiro mexicano é pouco.

Alguns problemas brasileiros ficaram mais escancarados hoje. Destaco dois: o banco de reservas nem tão efetivo quanto se pensava e a dependência excessiva do craque Neymar (poucas vezes vi uma seleção brasileira tão dependente de um jogador).

Brasil entrou com Ramires no lugar de Hulk, lesionado.

A meu ver, um erro de Felipão, não pela escolha do jogador, mas pela função exigida a ele: Ramires já jogou assim no Chelsea, porém com função mais defensiva do que ofensiva (hoje o Brasil precisava mais atacar, né?).

Felipão parece que se arrependeu da escolha – tanto que tirou Ramires no intervalo.

http://content.espn.com.br/image/wide/622_e67ad42b-f5af-317b-9587-ba74e9aab48c.jpg

Neymar: pode ser o melhor, mas, nem ele, sozinho, resolve…

Bernard, com as “pernas alegres” um tanto quanto travadas, pouco acrescentou ao time. Já Neymar foi menos brilhante do que na estreia, mesmo assim, foi ainda o destaque ofensivo do time. Oscar também ficou abaixo do que se espera dele.

Já o México, com Miguel Herrera no comando técnico, veio num 5-3-2.

Com as beiradas fechadas na defesa, Brasil foi obrigado várias vezes a jogar pelo meio, encontrando um muro mexicano à frente– vermelho e preto?, mas que uniforme do México!.

No ataque, México ousou um pouco mais no segundo tempo, com chutes de longa distância. Ficou a impressão de que, com Chicharito Hernandez em campo, Brasil teria mais problemas lá atrás.

O Brasil precisa resolver alguns problemas; um deles e o principal: ter mais repertório para transpor uma defesa que fecha os lados do campo.

Ter mais opções de banco e priorizar atletas mais técnicos (casos de Hernanes e William) pode ser uma saída.

Mas fica a pergunta: e se o Nishimura não ajuda o Brasil no primeiro jogo, hoje estaríamos lamentando o segundo empate brasileiro na Copa?

A classificação parece assegurada, mesmo com o empate, porém jogo contra os mexicanos – que por pouco não vieram a esse mundial – poderá ser o sinal de alerta que tanto Felipão precisa para embalar o time.

*Repórter Jornal O Estado do Maranhão

 

Marco Aurélio D'Eça

4 Comments

  1. Futebol é esporte coletivo… veja o que aconteceu com a Seleção que tem um jogador famoso “(…o melhor do mundo…)” – sofreu uma derrota acachapante!
    As equipes que têm um conjunto homogêneo vêm apresentando um jogo bonito de se vê, que o diga a seleção Alemã…
    Esse é o maior problemas da nossa Seleção, que insiste nessa mania de idolatria e acreditar que só um membro da equipe é suficiente para ganhar um campeonato disputadíssimo quanto é a Copa do Mundo de Futebol.
    Ah! em jogo que o goleiro é o centro das atenções não se pode falar em defesa eficiente e nem tão pouco em atacante “matador”.

  2. Lembro de um certo treinador desta seleçãoque gostava de dizer de forma arrogante:”Somos tetra,eles é que tem de se preocupar com a gente”,o tempo passa e parece que esta forma de pensar ainda prevalece.

  3. México jogou muito suas duas partidas. Sacanagem perguntar sobre o pênalty, Brasil ganharia da Croacia de qualquer jeito.

  4. Sem a ajuda do juiz… Essa seleção não tem a menor chance contra times grandes… A Croácia foi garfada, o jogo era pra ser 1×1… O Brasil era pra ter apenas 2 pontos… Achou agora a ficha caiu, esse Tietê é fraco… Neymar é só marketing…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *