9

TRE mantém, por unanimidade, condenação ao DataM e à rádio de Roberto Rocha, por pesquisa irregular…

http://gilbertoleda.com.br/wp-content/uploads/2014/05/data-m.jpgO Pleno do Tribunal Regional Eleitoral confirmou agora à tarde a condenação imposta ao instituto de pesquisas DataM e à rádio Capital AM, de propriedade do vice-prefeito de São Luís, Roberto Rocha, por irregularidades na realização de pesquisas eleitorais.

A decisão do TRE confirma decisão anterior, no mesmo sentido, punindo DataM e Capital com multa de R$ 53 mil.

De propriedade do jornalista José Machado, funcionário da própria Capital AM, o DataM foi denunciado por divulgar pesquisas com irregularidades grosseiras nos questionários.

Os números sempre beneficiavam o candidato de Roberto Rocha ao governo, Flávio Dino (PCdoB), e, principalmente, o próprio Rocha, que disputa vaga de senador.

A punição de multa foi imposta pelos juízes que fiscalizam a divulgação de pesquisas, mas o instituto recorreu.

Agora, o pleno reconheceu unanimemente a irregularidade.

O DataM ainda pode recorrer ao TSE. E continua a divulgar pesquisas.

Agora por outro veículo de comunicação…

Marco Aurélio D'Eça

9 Comments

  1. Marco,
    Hoje escutei em uma rádio, alguns digamos assim, ataques a sua pessoa, por um proprietário de empresa de pesquisa. Achei extremamente contraditória a fala.Como uma pessoa pode falar em imparcialidade, ética e outros adornos morais, se ele enquanto jornalista tem um lado bem definido?

    Resp.: Pois é, né?!? Depois ele fica me ligando, dizendo que é meu amigo, que não tem nada contra mim, blablablá, blebleblé… É esse tipo de gente que quer mudar o Maranhão. Pode?!?

  2. Mais uma pesquisa furada do o imparcial, todo mundo sabe que O imparcial adoram divulgar pesquisas manipuladas a favor da oligarquia.

  3. Parece que o Machado, esta ferindo mesmo no íntimo de vocês, aliás o machado, a foice e o martelo. Credibilidade jovem não é coisa pra todo mundo, é construída com atitudes e seriedade, e o povo Maranhense, descobriu isso. Em outubro te darei uma caixa de lenços pra você chorar lágrimas de sangue e morrer de tanto ódio e amargura que há nesse teu coração.

    Resp.: tsc, tsc, tsc, tsc, tsc….

  4. Governo entra e sai, e vc provavelmente vai querer continuar trabalhando na sua profissão, portanto meu caro, poste somente a verdade, pra não ficar em descredito com o povo.
    lembre-se quem acessa blog são pessoas esclarecidas, vc deve perceber pelos comentários que fazem. portanto pare de mentir a verdade vai lhe transferir muito mais crédito.

    resp.: A verdade, pra você, é só aquela que lhe arada. Como não tenho a menor preocupação em agradá-lo, continuo fazendo o meu trabalho, com mesma isenção e credibilidade construídas ao longo de 20 anos. É simples assim.

  5. Vamos esclarecer as coisas, para não configurar notícia mentirosa e vc cair no descrédito. A última pesquisa DataM reflete a verdade, inclusive coroada pela econométrica. Diga a condenação foi imposta por pesquisa anterior, fica mais bonito e lhe dar crédito. Prof. Silva.

  6. E… tu estás requentando notícias passadas para convencer a opinião pública de que o instituto que fez a pesquisa não é confiável, quando na realidade a pesquisa realizada pelo instituto contratado por Edinho Lobão é que foi proibida de ser divulgada… aliás, manipular fatos e distorcer notícias é sua especialidade.

  7. Marcos Deça, espero que ainda reconheça o meu DIREITO DE RESPOSTA E PUBLIQUE NO SEU BLOG – NÃO VALE ESTE ESPAÇO – O TEXTO ABAIXO.

    JOSÉ MACHADO – DIRETOR DO INSTITUTO DATA M

    (…)

    Jornalista José Machado – Diretor do Instituto Data M

    Resp.: Direito de resposta quem dá é a Jsutiça, Machado. Se você acha que tem este direito, neste caso específico, recorra a ela. E, se ela determinar, publicarei sua resposta. Por enquanto, não vi resposta alguma, apenas blablablá.

  8. Essa decisão da Justiça Eleitoral contra o DataM é por outra pesquisa realizada, e não pela atual, que dá Flávio Dino com 58,2% e Lobão Filho com 20,7%.

    resp.: E…???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *