3

Ministério Público discute situação do ferry-boat no MA…

vive

Corregedor Vivekananda cobrou as adequações no sistema

Promotores de Justiça que atuam na região da Baixada Maranhense reuniram-se nesta segunda-feira, 21, na Corregedoria Geral do Ministério Público com representantes das empresas que operam ferry-boats entre São Luís e Cujupe para debater os problemas relacionados ao transporte.

Em 15 dias, as empresas que operam o sistema e os órgãos de fiscalização apresentarão o plano e medidas para melhorar a oferta do serviço.

Os promotores exigem a instalação de câmeras de segurança nas áreas de passageiros, fiscalização contínua pela Emap e Capitania dos Portos nos terminais de embarque e desembarque, inspeções sanitárias nos banheiros das embarcações e nos espaços de comercialização de bebidas e comidas, inspeções nos coletes salva-vidas, presença de equipes médicas ou profissionais habilitados para atendimento de emergência, disponibilização de funcionários para prestar informações aos consumidores.

http://brejo.com/wp-content/uploads/2012/04/pontadaespera.jpg

Empresas querem ampliar oferta de viagens

– O objetivo é assegurar uma resposta rápida às demandas que prejudicam os consumidores. Caso seja necessário, o Ministério Público vai ajuizar ações para garantir a segurança e a oferta adequada do transporte de passageiros pelos ferry-boats – avaliou o corregedor-geral do MPMA, Suvamy Vivekananda Meireles.

Mas as empresas que operam o ferry boat também cobraram resposta dos órgãos públicos. Eles defendem obras de dragagem dos canais, construção de rampas e atracadouros, além da ampliação na oferta de viagens.

A reunião teve a participação da ouvidora-geral do MPMA, Mariléa Campo dos Santos Costa; a chefe de gabinete da Corregedoria, Doracy Moreira Reis Santos; o presidente da Associação do Ministério Público do Estado do Maranhão (Ampem), José Augusto Cutrim Gomes; além de 13 promotores de justiça que atuam nos municípios da Baixada Maranhense.

Com informações da Ascom/MPMA

 

Marco Aurélio D'Eça

3 Comments

  1. Infelizmente precisa esperar MP interferir, porque o governo do estado, responsável pela concessão, não tem interesse em prover serviços de qualidade ao cidadão. O dono da empresa que opera o ferry seria um amigo do peito da família Sarney?

  2. Marco, esse mesmo pessoal do judiciário, promotores e juízes, chagam no Ferry, NÃO entram em fila, passam na frente de todos e ÑÃO pagam .
    ELES estão reclamando de que?

  3. Essa Historia ja e velha todo Maranhao sabe de quem sao os Grandes que Exploram o Ferry boat daqui a seis meses vai ta a mesma Merda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *