4

Sinais de racha…

Planejada e efetivada para ser o que de mais novo estaria sendo implantado no Maranhão em 2015, a gestão do governador Flávio Dino (PCdoB) entra em seu oitavo mês com a confirmação do que se pode chamar de o quarto racha entre os aliados que o ajudaram a se eleger.

Desde o início, são claros os sinais de insatisfação de gente como o ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), o senador Roberto Rocha (PSB), o ex-deputado Domingos Dutra (SDD) e, agora, a deputada federal Eliziane Gama (PPS), algumas das figuras de proa de sua campanha.

Dutra foi o primeiro a se indispor, ao nem assumir a pasta que lhe foi destinada, o escritório de representação em Brasília. E saiu atirando, alegando que não iria “fazer disputa política com ninguém”. Roberto Rocha tem relação de tensão com Dino desde a posse. Os dois têm praticamente a mesma idade e o mesmo projeto de poder. E Rocha sabe que vai precisar se impor em relação a Dino se quiser surgir como opção no cenário dos próximos anos.

O caso de José Reinaldo foi o mais curioso: responsável pela criação do nome político de Flávio Dino, parec e decepcionado com sua gestão sete meses depois, chegando a defender um pacto com o senador José Sarney, como única saída para o desenvolvimento do Maranhão. Para muitos, a posição de Tavares tem a ver com decepção em relação ao governador.

Agora foi a vez de Eliziane Gama. Ela foi obrigada por Dino a aceitar como sua a indicação de Ester Marques para a Secretaria de Cultura. Brigou com a “Indicada”, tentou tirá-la, mas não conseguiu. E quando Ester caiu, Dino fechou as portas para a aliada, ventando seus indicados e apontando ele próprio o novo secretário de Cultura.

O caso de José Reinaldo foi o mais curioso: responsável pela criação do nome político de Flávio Dino, parec e decepcionado com sua gestão sete meses depois, chegando a defender um pacto com o senador José Sarney, como única saída para o desenvolvimento do Maranhão. Para muitos, a posição de Tavares tem a ver com decepção em relação ao governador.

Hoje, Flávio Dino reina praticamente sozinho em seu governo, ao lado do chefe de Articulação Política, Márcio Jerry, com os aliados de outrora apenas observando, muitos ressentidos.

E muitos outros mostram-se insatisfeitos nos bastidores.

E o governo está apenas em seu oitavo mês.

Publicado na coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão, em 06/08/2015

Marco Aurélio D'Eça

4 Comments

  1. Segue-se em passos firmes o enterro do pretenso candidato a presidente Flavio Dino. Todo morto tem um coveiro.

  2. Essa oposição ao Sarney, é muito burra, luta tanto p chegar ao poder, quando consegue começam as brigas, e se auto destroem
    Sarney vai ganhar p prefeito , e daí é um passo para o governo e são mais 50 anos

  3. Esta me parece uma avaliação bem aproximada da verdade dos fatos, pois tudo indica que esses sinais de racha vão se acentuar ainda mais ao longo da caminhada para as próximas eleições.
    Pode-se perceber o grande descontentamento dos aliados de outrora, inclusive do criador político do atual governador, o ex José Reinaldo, do senador Roberto Rocha, do Dutra, que já abandonou o barco, e, finalmente, da Eliziane, que só não entende que não faz parte dos planos do governador para a prefeitura por que não quer, ou se recusa a encarar a verdade.
    No mais, vi sua postagem de ontem, em defesa dos petistas Lula e Dilma e, também, não entendi sua posição, pois confesso concordar com o Tarik. E muito menos entendi o seu tsc, tsc, alegando enfado.
    Talvez o seu mal, Marco, como de muitos outros blogueiros, seja o fato de se achar acima do bem e do mal e, ainda, de se achar mais inteligente que todos os seus leitores, como sendo o único capaz de entender e avaliar as questões políticas nacional e regional.
    Defender Lula e Dilma, diante da situação do país, agravada pelas desastrosas administrações do PT, alegando conspiração das entidades que você apontou, e ainda mais contando com o apoio do juiz Sérgio Moro, homem que se tem revelado íntegro acima de qualquer suspeita, soa realmente muito estranho.
    Não só endosso como compartilho da opinião do Tarik Afif, por retratar com fidelidade o cenário político que ora enfrenta o governo federal. Seu tom de deboche (tsc, tsc, enfado, nem leu tudo, etc.), diante de uma opinião contrária a sua, revela seu pouco apreço pelo direito ao contraditório, ou seja, uma posição de quem apoia atitudes ditatoriais.
    Também vi um dos inúmeros vídeos da Glória Álvarez, que ele sugere a você assistir. Mas, se você se acha tão autossuficiente em assuntos políticos, garanto que você nem ninguém o é. Todos sempre temos muito que aprender, e garanto que você, também, pois não é nenhum PHd em ciências políticas.
    Portanto, trate bem aqueles que discordam de você, já que você nem ninguém é o dono da verdade. Respeito a seus leitores garante a você a reciprocidade, mas destratar com deboche uma opinião bem fundamentada como desse Tarik, é demonstrar que você não gosta de ler opiniões melhores que as suas.
    Ainda sou seu leitor, mas garanto que não gostaria de ver minhas opiniões, que não ferem a ninguém, ser tratadas com o desrespeito com que você tratou esse outro leitor. Afinal, Marco, maturidade e comedimento não fazem mal a ninguém nem ocupam espaço. Assim, respeito ao contraditório, e não se posicionar como dono da verdade, é uma forma de utilizar o politicamente correto com quem lê suas postagens.
    JESUS DOS SANTOS

    • Outro sempre leio este blog, porque precisamos ler os favoraveis e os contrarios p ter um equilibrio de opiniao. Porem ele nao posta os comentarios contrario as suas opinioes

      Resp.; Aqui é postado tudo, menos agressões pessoais a mim ou a terceiros. E olhe lá, que muitas vezes até isso passa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *