1

Flávio Dino aumentou gastos com pessoal em mais de R$ 470 milhões…

Governador arrecada cada vez mais – com base no aumento de impostos, cortes de serviços essenciais e redução de obras públicas – mas utiliza recursos com o inchaço da folha de pagamento, beneficiando, sobretudo, apaniguados políticos

 

Márcio Jerry tem sido o principal agraciado com cargos e mais cargos por Flávio Dino

Márcio Jerry tem sido o principal agraciado com cargos e mais cargos por Flávio Dino

Em 2014, no final do governo Roseana Sarney (PMDB), o Maranhão gastava cerca de R$ 3,9 bilhões com a folha de pagamentos do funcionalismo.

Hoje, às vésperas do fim do primeiro ano do governo Flávio Dino (PCdoB), este  custo subiu para R$ 4,4 bilhões, um aumento de quase R$ 500 milhões em menos de 12 meses – R$ 474 milhões, para ser mais exato.

Os dados, resultados da análise de economistas do próprio governo – que se mantêm no anonimato por razões óbvias – podem ser vistos nos Relatórios de Gestão Fiscal, os demonstrativos requeridos pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

E revelam que, ao contrário do que discursa ao povo maranhense, Flávio Dino está, sim, levando o Maranhão a se transformar em um Rio Grande do Sul, para ficar numa comparação feita pelo próprio comunista. (Entenda aqui)

Leia também:

Manter as obras ou pagar salários?!?

Parceria ameaçada…

TJ pede R$ 183 milhões para não parar…

Há um inchaço constante e persistente da despesa com servidores, o que pode levar ao descumprimento da exigência da LRF em um período muito próximo.

Em abril, no primeiro Relatório de Gestão Fiscal da era Dino, o Maranhão já apresentava um aumento no comprometimento da Receita Corrente Líquida com a folha de pessoal: subiu de 38,7% para 39,2%, em comparação com o final do governo Roseana.

Já em agosto, o RGF apresentava um comprometimento de 42,17% da RCL apenas para pagar pessoal. Um aumento de 8,96% em apenas oito meses.

O limite máximo estabelecido pela LRF é de 49% da LRF. Dino está a apenas 7 pontos de extrapolá-lo.

Detalhe: houve aumento da receita no mesmo período, passando de R$ 10,2 bilhões em dezembro de 2014 para R$ 10,4 em agosto de 2015.

Tradução óbvia: Flávio Dino não consegue gerir as receitas do estado – e manter as obras e os serviços no mesmo padrão em que recebeu – por que vem comprometendo cada vez mais a receita com a folha de pessoal, inchada com assessores e auxiliares em número cada vez maior.

E o risco de “gauchinização” do Maranhão, segundo os especialistas da Fazenda maranhense, é cada vez mais iminente.

E, neste aspecto, pior para os maranhenses…

Marco Aurélio D'Eça

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *