2

Biju monitorável…

Justiça decide monitorar por tornozeleira uma acusada que, em tese, nenhum risco oferece a sociedade, mas libera para o Dia das Crianças – sem nenhum tipo de monitoramento – mais de 300 condenados, muitos dos quais prontos para praticar novos crimes

Lidiane Leite agora ostenta tornozeleira eletrônica

Lidiane Leite agora ostenta tornozeleira eletrônica

“Ostentando” uma bela tornozeleira (destinada ao monitoramento eletrônico de presos e investigados de Justiça), a ex-prefeita de Bom Jardim Lidiane Leite deixou ontem o dormitório do Corpo de Bombeiros de São Luís, após ser presa sob suspeita de integrar esquema de corrupção naquele município. Às vésperas do Dia das Crianças, Lidiane passará em casa o feriado prolongado.

Assim como ela, 337 detentos do regime semiaberto do Complexo Penitenciário de Pedrinhas também passarão o feriadão em casa, na companhia de seus familiares. Ou pelo menos é isso que deveriam fazer, já que o Dia das Crianças é a motivação desta que é a quarta saída temporária de presos este ano.

Mas, diferentemente de Lidiane, os detentos não poderão ostentar uma “biju monitorável” como a dela. Afinal de contas, não passam de reles anônimos na multidão, ao contrário da ex-gestora hoje reconhecida em todo Brasil como a “prefeita ostentação”. Ao que tudo indica, tornozeleira virou artigo de exibição da Justiça somente em casos de presos especiais e famosos.

Resultado: livres e desimpedidos, muitos costumam aproveitar a saída temporária para prolongar não apenas o feriado, mas também sua estada fora da prisão.

pedrinhasO custo mensal de um apenado na unidade estava em torno de R$ 3 mil por mês. Um preso monitorado custaria R$ 250,00 mensais.

Só este ano, 137 beneficiados não retornaram a Pedrinhas. Como foragidas da Justiça, não é de se esperar que essas pessoas busquem meios legais para ganhar a vida. E São Luís, já assolada pela violência, passa a contar com mais “soldados” na linha de frente do crime.

Sobre monitoramento de presos, vale lembrar que em outubro do ano passado o Comitê de Gestão Integrada – criado para combater a crise no sistema penitenciário do estado – aplicou a utilização de 135 tornozeleiras em detentos provisórios.

A medida visava, além da redução da população carcerária, diminuir gastos com o sistema prisional. O custo mensal de um apenado na unidade estava em torno de R$ 3 mil por mês. Um preso monitorado custaria R$ 250,00 mensais.

Pergunta que não quer calar: com a violência em alta, não seria mais barato investir numa política eficaz de vigília eletrônica do que pagar o preço imensurável de ter mais bandidos à solta, agravando o pânico da população?

Enfim, em breve se saberá quantos detentos, dessa vez, não retornarão a Pedrinhas.

De O EstadoMaranhão, com ilustração do blog

Marco Aurélio D'Eça

2 Comments

  1. La belle Biju era a mais bela de toda cidade
    e foi justamente pra ela que eu escrevi o meu primeiro blues,
    la belle bijuu
    Lá bele biju virou manchete em toda a cidade
    e como num conto de fadas transformou-se em Geni,
    acabou-se o encanto do blues
    e a turma gritava naquele domingo azul
    Joga pedra na Geni
    Joga bosta na Geni
    MALDITA GENÍ.

  2. A bandidagem vai à loucura com decisões como essa que manda para ruas pessoas que sabidamente são uma ameaça para sociedade.
    Durma-se com um barulho desses!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *