2

Flores e cordialidade…

Secretário Márcio Jerry passa uma hora na rádio Mirante apresentando as ações do governo Flávio Dino, faz visita de cortesia a O EstadoMaranhão, conhece o novo parque gráfico e cumprimenta jornalistas

Márcio Jerry com o jornalista da Mirante Roberto Fernandes

Márcio Jerry com o jornalista da Mirante Roberto Fernandes

Ouvintes desavisados talvez tenham se surpreendido ao sintonizar o programa Ponto Final, da Mirante AM, na manhã de ontem. No estúdio, em tom cordial, o secretário de Estado de Articulação Política, Márcio Jerry, conversou com o jornalista Roberto Fernandes e respondeu – ou pelo menos tentou responder – perguntas dos ouvintes.

Nas ondas do programa jornalístico de maior audiência do rádio maranhense, Jerry cumpriu fielmente o seu papel. Jogou flores no governo do qual é homem de frente e rasgou elogios ao governador Flávio Dino.

Durante exata uma hora, quatro minutos e 19 segundos, falou das principais ações do Executivo em áreas básicas como educação, saúde, segurança e economia. Destacou programas como o Mais IDH – idealizado para mudar a realidade dos 30 municípios com os piores índices do estado – Escola Digna e Mais Asfalto. Mencionou ainda a valorização do servidor público, embora a relação com alguns segmentos não ande às mil maravilhas.

Jerry não perdeu oportunidade de fazer um balanço positivo dos primeiros 11 meses de governo – uma “governância participativa”, avaliou. Citou o contexto nacional para justificar resultados ainda não atingidos, principalmente na área de segurança, mas enumerou avanços como a diminuição do número de rebeliões no complexo prisional e de homicídios. Reconheceu que a sensação de insegurança é real entre os maranhenses, todavia vislumbrou mudanças no cenário a partir de 2016, com o incremento de 1.400 policiais ao efetivo e investimento em novos equipamentos para a Segurança.

Cobrado sobre a realização de concurso público para a saúde em vez de um seletivo, conforme assegurado em campanha, Jerry afirmou que o governo honrará promessas feitas no período eleitoral e que o seletivo “já foi um avanço, dentro das possibilidades atuais do governo”. Em contrapartida, citou a concretização de concurso para a área de educação, com a promessa de ampliar os certames para outras pastas futuramente.

Provocado sobre as eleições de 2016, reafirmou o compromisso do PCdoB com Edvaldo Júnior (PDT), mas disse que o seu partido não tem pretensões de indicar um vice para compor chapa com o atual prefeito. Frisou, entretanto, que o governador Flávio Dino não adotará palanque no próximo ano, em respeito aos aliados da base governista que já revelaram pretensões de disputar o pleito.

Em miúdos, a postura hábil de prover o governo casou com o que se poderia esperar do principal articulador da imagem e do projeto político da atual gestão.

Da coluna Estado Maior de O EstadoMaranhão

Marco Aurélio D'Eça

2 Comments

  1. SÓ DEUS SABE COMO TAVA O CORAÇÃO DESSE CARA!!! KKKKKK, SOLTANDO VENENO PARA TODOS OS LADOS…. KKKKKK.

  2. Só não falou sobre nepotismo(a família Barros tá toda empregada), contratos fraudulentos(caso Detran), uso indevido do Helicóptero GTA(serviu para voltinha de propineira), cabide de emprego(militância do PC do B), fisiologismo( até Roberto Costa virou governista), Polícia política(tipico de sistema comunista), destruição do programa de saúde(UPAS paralisadas ) e outros atos de incompetência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *