2

Ufma passa a aceitar nome social para transgêneros e travestis…

Transexuais, travestis e transgêneros já podem usar na universidade o nome que escolherem, de acordo com a sua identidade de gênero, que constará de todos o documentos da vida acadêmica

 

A Universidade Federal do Maranhão passou a adotar oficialmente a Resolução 242, do Conselho Universitário, que garante a alunos, servidores e professores o direito a escolher o nome com o qual desejem ser chamado, de acordo com sua identidade de gênero.

O nome social irá constar em todos os registros, documentos e atos da vida acadêmica.

A pró-reitora de Ensino, Isabel Ibarra, afirma que, através da resolução a UFMA, está atendendo a um direito de uma parcela da comunidade acadêmica que deseja ser reconhecida pela sua identidade de gênero.

Para requerer o nome social deve-se usar a plataforma SIGAA. Logo após, a solicitação é homologada pela coordenação do curso.

Com isso todos os documentos da UFMA, incluindo listas de frequência serão emitidos com o nome social e os documentos externos também com o nome social e o nome civil um pouco menor ou no verso do documento.

Desgaste

A edição da Resolução da Ufma se deu por causa da luta de uma estudante de Hotelaria, Giulia Rodrigues.

– Senti na pele a necessidade de lutar por direitos que assegurassem o nome social – lembra ela.

O desgaste de explicar todo semestre a um professor o uso do seu nome social fez com que Giulia desse início a um processo para chamar a atenção para a causa.

– Eu iniciei minha indignação de forma silenciosa, colocava nas provas, trabalhos e seminários o lema da universidade (a universidade que cresce com inovação e inclusão social), sempre destacando o“inclusão social”, seja em negrito, itálico ou em aspas – destacou.

Para Giulia, a principal ferramenta de inclusão continua sendo o respeito.

– Essa medida é um convite. A universidade, agora, está de braços abertos para todos – ressaltou.

Marco Aurélio D'Eça

2 Comments

  1. Porque a Prefeitura na aplica a Lei de Muros e Calçadas nesses terrenos abandonados pelos proprietários?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *