4

Prefeituras fechadas Maranhão a fora…

Os prefeitos cumpriram a promessa e várias prefeituras amanheceram com as portas fechadas nesta terça-feira, 22. trata-se de uma manifestação pelo corte de recursos no repasse do Fundo de Participação dos Municípios. Neste ano, os municípios maranhenses deixaram de receber R$ 195 milhões. Além das portas fechadas, prefeitos fazem manifestação na BR-135 desde o início da manhã00

 

fechada3 fechada1 fechada2

Marco Aurélio D'Eça

4 Comments

  1. MINHA VISÃO ESTAVA CERTA.

    Bravos e bravas, se eu estiver enganado favor me desculpem, mas parece-me que é a 1ª vez na história política do meu e do nosso querido MARANHÃO que acontece uma mobilização de PREFEITOS em plana BR. Já aconteceu sim e que é de praxe prefeitos se mobilizarem das diversas unidades da federação se dirigirem para Brasília participarem de encontros ou então para cobrarem com o peso das bancadas estaduais no Congresso Federal algo constitucional para os seus municípios, mas fazer manifestação como movimento de massa em plena BR, é um sinal de um fracasso do atual cenário político do Maranhão.

    Bravos e bravas, olha só até onde chegamos, nunca na história desse estado se via falar que poderia acontecer em plena via pública, uma manifestação de representantes do poder executivo defendendo constitucionalmente os direitos de repasses governamentais da esfera da UNIÃO. Claro, sabe-se que o país enfrenta uma crise econômica seríssima, mas, essa não foi a primeira e a pior de tantas que já enfrentamos quando nas suas ocasiões nunca se presenciou prefeitos fazendo manifestações em BR cobrando da UNIÃO o que lhe são de direitos.

    Bravos e bravas, será se o governo do MARANHÃO tem mesmo força e prestígio político com o governo federal?? Ou será se essa história de que quando a mídia informa que o movimento do GOVERNADOR de golpe contra a PRESIDENTE DILMA é mesmo só para aparecer e ainda tentar repassar segurança por talvez ainda não ter conquistado esse feito com o GOVERNO FEDERAL?? Bravos e bravas, só agora foi que a ficha caiu!!! É o seguinte: A MINHA VISÃO ESTAVA CERTA, eu tinha um receio de que com o governo Dino o MARANHÃO NÃO TERIA FORÇA E NEM PRESTIGIO POLÍTICO PARA CONTINUAR COM OS GRANDES EMPREENDIMENTOS AO EXEMPLO DA REFINARIA PREMIUM 1 DE BACABEIRA e mais ainda, a ALUMAR desempregando muitos e muitos maranhenses. Bravos e bravas, não estou atacando e nem criticando o governo Dino, só estou apenas fazendo uma reflexão da minha visão do passado em relação ao presente e estender também essa mesma visão com o futuro do Maranhão.

    No mais abraços do líder comunitário SEBASTIÃO SANTOS DA ÁREA ITAQUI-BACANGA.

  2. Pode fechar todas que a população não vai sentir falta nenhuma!
    Só os que vivem às custas das benesses de ser empregado e amigo do mandatário de ocasião é vão fingir alguma necessidade, o zé povão não, pois, quando precisam de alguma coisa nunca tem as suas necessidades atendidas.

  3. Agora que as “coisas ficaram pretas”, como diz o adágio popular, é que os prefeitos se lembram de protestar contra o governo federal?… Por que não começaram a fazer isso bem antes que a situação se agravasse, a ponto de deixá-los sem condições de honrar os compromissos administrativos de suas gestões?

    Mas não são esses mesmos prefeitos que foram a Brasília prestar apoio e solidariedade à presidanta, e contra o impeachment? Pensavam que isso iria render-lhes bons dividendos, como o recebimento imediato das verbas federais, como o FPM. Ledo engano!

    Já venho dizendo aqui e noutros blogs que enquanto o PT estiver no governo, os brasileiros vão estar sempre atravessando o “vale-dos-ossos”, como diz a Bíblia. Pior: sem previsão de quando dele sair.

    Sim, essa mudança de ministro da Fazenda foi a troca de 6 por meia-dúzia. E o ajuste fiscal que o Levy queria, por ser duro e mexer com as benesses dos petistas, foi boicotado até ser totalmente detonado.

    O mais triste é que 2016, segundo previsões de economistas de renome, de consultorias internacionais e até das 3 agências de avaliação de risco, a situação tende a se agravar, não só pelo aumento da inflação e do dólar, como do desemprego e da queda na arrecadação fiscal. Como diz o Marco, simples assim!

    O termômetro de tudo isso é a Bolsa de Valores, a nossa e a do resto do mundo. Como o mercado entendeu que o novo ministro da Fazenda é apenas um simpatizante da forma petista de conduzir a economia, a bolsa logo respondeu, e o dólar já ultrapassou a casa dos R$ 4,00 !!!
    Isso de segunda pra terça, logo o “Day After” à posse do novo ministro. É um sinal nervoso da reação da bolsa? Não, mas da insegurança de quem anda por sobre essa areia movediça. Ou seja, os investidores do mundo inteiro. E capital é como pássaro assustado ao ver a mata pegar fogo: levanta voo pra outras plagas, onde haja sombra e água fresca.

    A disparada do dólar foi boa para a rede hoteleira do país, que está com sua capacidade quase esgotada agora para dezembro, mas péssima notícia para quem depende de produtos importados, como gêneros alimentícios. Ou seja, com o Barbosa como ministro da Fazenda, é de se entender que novamente a grande especialista em economia, Dilma Roussef, se prepare para retomar a “nova matriz econômica”, essa que nos levou pro buraco. Vai fazer mais uma tentativa, “corrigindo os erros” da fase anterior. É mole ou querem mais?

    Enquanto isso, nossos prefeitos, como de todo o Brasil, podem fazer os protestos que quiserem, espernear o quanto puderem, que esse quadro, com toda a certeza, não vai mudar tão cedo. Esse cenário de recessão, hoje um somatório de depressão mais estagflação, não vai passar tão cedo, segundo economistas de gabarito que avaliam o desempenho das economias de países por todo o mundo – vai durar pelo menos 3 anos !!!

    A do Brasil, depois de perder o grau de avaliação das 3 agências (Standard&Poor’s, Moody’s e Fitch Ratings) só tende a piorar ao longo de 2016. E o senhor Barbosa, caso siga as instruções da chefe de estado, vai meter o país no que se chama de profundeza abissal.

    Não se trata de pessimismo, mas apenas uma leitura do quadro da política econômica brasileira que hoje todos vemos. A propósito, nós, brasileiros, não podemos continuar desinteressados da política econômica, pois, querendo ou não, somos os beneficiados ou sofredores dos erros do governo.

    JEAN PAUL DES SAINTS

  4. Eles vão engarrafa a BR com as suas Toyotas? O maranhense não merece o sacrifício desses gestores, por sinal péssimos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *