6

O fator Eduardo Braide…

Discreto, porém eficiente e com forte influência política, deputado estadual que só recentemente lançou-se à Prefeitura de São Luís tem cacife e credibilidade para tornar-se uma espécie de terceira via em uma disputa com alto índice de eleitores ainda indefinidos

 

Eduardo Braide: credibilidade e articulação

Eduardo Braide: credibilidade e articulação

Ele chegou bem ao seu estilo: de mansinho e quase no apagar das luzes.

Mas seu nome já figura, ainda que discretamente, nos levantamentos de consumo interno das principais candidaturas a prefeito de São Luís.

A população – e sobretudo os formadores de opinião – precisam observar com mais atenção os movimentos do deputado estadual Eduardo Braide (PMN), recém-lançado candidato a prefeito da capital maranhense.

Braide é desses políticos contidos no que diz respeito a aparições midiáticas, mas com forte poder de penetração quando fala, por que fala com propriedade.

Dentre todos os candidatos, Eduardo Braide é o mais profissional, mais centrado politicamente e o mais eficiente na articulação de bastidores.

Ele só se mostrou à disputa quando teve certeza de sua estrutura de campanha, sua articulação para garantir tempo de propaganda e, sobretudo, quando conseguiu cercar-se dos mais eficientes profissionais das áreas de mídia, de análise, de estatística e de produção de campanha.

Nesta disputa, em que há candidatos de todo tipo – dos mais midiáticos aos mais folclóricos; dos mais estruturados aos mais aventureiros – Braide pode ser o canalizador dos formadores de opinião, capitalizando os quase 35% do eleitorado ainda inseguro quanto às opções oferecidas.

Porque quando fala, fala com propriedade.

E fala para setores significativos da sociedade, como a comunidade católica, segmentos sociais de peso, setores voltados para a filantropia e para a assistência à saúde.

E não apenas com discurso, mas com ações efetivas, resultados comprovados.

É com este cacife que o deputado estadual se posicionará, no afunilamento da campanha, sobretudo a eletrônica.

Como uma espécie de terceira via…

Marco Aurélio D'Eça

6 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *