4

Zé Inácio se manifesta contra privatização da Caema

Durante audiência pública com o tem “A defesa da água como direito humano e não como mercadoria”, uma iniciativa da Central única dos trabalhadores (CUT), do Sindicato dos Urbanitários do Maranhão e do deputado Zé Inácio, que coordenou a mesa, o parlamentar se manifestou contra a privatização da Caema.

Para ele, a privatização da Caema é sinônimo de vantagens para empresas e prejuízos aos trabalhadores e para a população em geral. “Um bem de todos não pode virar lucro de alguns, e esta é a luta dos urbanitários, por uma Caema pública e melhor.”, declarou. O deputado lembrou ainda que as ações de privatização do setor de saneamento tem ganhado força no governo Michel Temer.

“Após o golpe no Brasil, a situação se agrava e as ameaças de privatização do setor de saneamento vão se tornando realidade, com mudança no seu marco legal e outras medidas que incentivam e facilitam a participação do setor privado.”, disse. “A água, cada vez mais, se torna um bem precioso e os empresários passam a ter um olhar visando não atender a população, mas o lucro.”

 

Marco Aurélio D'Eça

4 Comments

  1. Deputado ZÈ INÀCIO é um despreparado que não entende a realidade, tudo que fala vai na contração da verdade.

  2. Falto da o principal valor para a audiência a asserca (associação dos servidores da caema) e a CSP- conlutas. Essa duas entidade que solicitaram a audiência com o dep. Ze Inácio e depois o sindicato dos urbanitários tbm entrou nessa luta

  3. Sendo a CAEMA, uma empresa de capital misto, ou seja, publico e privado já não é lucro de alguns e não de todos?

  4. Pensamento retórico do deputado. A CAEMA só serve de cabide de empregos e fonte de desvio de dinheiro público, além de péssimo serviço prestado aos consumidores que pagam caro por um produto que não recebem. Deputado, procure fiscalizar os desvios de conduta do governo Flávio Dino, afinal, você foi eleito pelo povo pra isso, e não pra ficar falando bobagens e defendendo manutenção pelo governo de fontes de corrupção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *