5

Eduardo Braide e o cavalo selado…

Deputado estadual desenha a mesma trajetória que a deputada federal Eliziane Gama percorreu entre 2013 e 2014; só não pode cometer os mesmos erros

 

Até agora sem dizer se será ou não candidato a governador do Maranhão, o deputado estadual Eduardo Braide (PMN), se coloca, mesmo assim, entre os favoritos na disputa de 2018.

Ele está em terceiro lugar na disputa que tem Flávio Dino (PCdoB) e Roseana Sarney (PMDB) empatados em primeiro lugar; e perde apenas para Roseana na capital maranhense.

É, portanto, uma performance digna de terceira via.

Eduardo Braide pode entrar na disputa pelo governo sem correr maiores riscos em 2018; se não se viabilizar em um eventual segundo turno, ele garante, certamente, o favoritismo para a Prefeitura de São Luís em 2020.

Sua situação é idêntica à vivida pela deputada federal Eliziane Gama (PPS) em 2014.

Eliziane saiu das eleições municipais de 2012 como terceira via – numa condição ainda menos favorável que a de Braide – e passou a figurar como opção ao Governo do Estado.

A deputada, no entanto, optou por candidatar-se a deputada federal, aliando-se ao então candidato do PCdoB Flávio Dino. Sua votação – a maior dentre os candidatos – mostrou que ela tinha potencial majoritário.

Mas, na Câmara, a parlamentar praticamente saiu do cenário. E quando veio para a disputa pela Prefeitura, em 2016, acabou definhando, amargando o quarto lugar.

Braide tem tudo para ser a nova terceira via da política estadual, assim como foi Eliziane em 2014.

Só não pode cometer os mesmos erros que a colega…

Marco Aurélio D'Eça

5 Comments

  1. Análise muito bem feita.
    E devemos considerar também que os Braides possuem aliados políticos que garantiriam a eleição do Carlos Braide, ou seja, mesmo que o Eduardo perca a eleição, ele ajudará a garantir um mandato pro pai, além de ganhar projeção para Prefeitura de São Luís.

  2. Situação cômoda e ao mesmo tempo delicada.Braide se elege bem dep federal .Se conseguir conciliar atividades de parlamentar com projeto de ser Prefeito , tudo bem.
    Por outro lado , perdendo para o governo , ficará sem mandato por dois anos e também perde força para Prefeito.Nesse ultimo caso terá apenas o recall de sua performance dos votos obtidos na capital…

  3. Melhor exemplo é o Flavio. Disputou prefeitura em 2008, governo em 2010 e soube utilizar o seu favoritismo em 2012 para atrair aliados e consolidar a vitoria em 2014.

  4. Concordo em parte com teu raciocínio político. No entanto, sem mandado advindo de uma derrota para governador fica difícil de se viabilizar à prefeitura de São Luís em 2020. Então, o melhor caminho é candidatar-se a deputado estadual, assim não sairá do cenário político, fica aqui na capital, perto dos ludovicenses e óbvio fazendo oposição ao governo Flávio Dino (se eleito) e ao prefeito EH. Simples Assim!!!

    resp.: mas quem disse que para atuar no cenário político é preciso ter mandato? Liderança política não precisa de mandato. Mandado é para reféns da estrutura política que acabam sucubindo ao longo do tempo por não ousar no momento adequado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *