2

Filho de pastor condenado por estupro também é capelão de Flávio Dino

Filipe Madureira da Silva foi nomeado capelão penitenciário na mesma farra promovida pelo comunista no Diário Oficial do dia 22 de janeiro; detalhe: ele mora no Rio de Janeiro

 

DOIS MOMENTOS. Marcos Pereira em Pedrinhas e já preso por estupro no Rio de Janeiro

 

Parece não haver limites para a farra de troca de favores do governo Flávio Dino (PCdoB) a evangélicos em troca de apoio das lideranças do segmento religioso.

Além de lotear a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros com pastores ou familiares de pastores em postos de tenente, capitão, major, tenente-coronel e coronel – sem concurso – a farra da capelania já avança para a Polícia Civil e para o sistema penitenciário.

E entre os nomeados há, inclusive, quem sequer more no Maranhão.

O evangelista Filipe Madureira da Silva, da polêmica Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias, com sede no Rio de Janeiro, foi nomeado por Flávio Dino capelão no sistema penitenciário do Maranhão, conforme Diário Oficial do dia 22 de janeiro.

EM OUTRO ESTADO. Diário Oficial com a nomeação de Filipe Madureira

Filipe é filho de ninguém menos do que o pastor Marcos Pereira da Silva, condenado a 15 anos de reclusão por estupro coletivo, coação e lavagem de dinheiro. (Releia aqui)

O próprio Filipe já foi investigado por tentar atrapalhar as investigações sobre o pai. (Saiba mais aqui)

Ligado a traficantes do Rio de Janeiro – como Márcio VP e Marcola – Marcos Pereira mantém também uma estranha ligação com o PCdoB e o governo Flávio Dino.

Ligação esta que já o trouxe ao Maranhão.

Em 2010, durante a primeira campanha de Flávio Dino, o pastor-condenado participou clandestinamente de uma tentativa de negociação durante uma rebelião em Pedrinhas que resultou em 18 mortes. (Relembre aqui e aqui)

Essas rebeliões se repetiram também em 2014.

FARRA DE CAPELÃES. Flávio Dino ao lado dos pastores fardados que exercem cargos de oficiais militares

Além de Filipe Madureira – que, repita-se, tem atividades evangélicas na igreja do pai, no Rio de Janeiro – Flávio Dino já nomeou como oficiais-capelães mais de 50 evangélicos, a maioria da Assembleia de Deus, na Polícia e no Corpo de Bombeiros, num escândalo de compra de votos e manipulação de currais eleitorais.

A farra foi denunciada nesta quinta-feira, 15, pelo PRP ao Ministério Público, que deve apurar o caso.

Sobretudo com a descoberta do pastor carioca entre os beneficiados com salários no Maranhão…

Marco Aurélio D'Eça

2 Comments

  1. O que me deixa mais indignado é que o MP fica caladinho caladinho.
    O MP se apequenou pro Comunismo! #Vergonha
    ACORDA MP!!!

    • Ninguém no rio nem da igreja sabe dessa farra, que raiva que fui enganada por passa meus documentos pra beneficia essa quadrilha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *