2

De como Flávio Dino aposta na vitória de Bolsonaro…

Reeleito governador e prestes a deixar o nanico PCdoB, comunista maranhense acredita que, com a derrota do PT, emergirá como referência da esquerda no embate com um governo de extrema direita que se desenha fascista e incompetente

 

Flávio Dino sabe que pode ser catapultado á liderança de oposição em um eventual governo Bolsonaro

É óbvio que o governador Flávio Dino (PCdoB) jamais votaria no presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Mas o comunista maranhense torce, em suas entrelinhas políticas, pela vitória de Bolsonaro.

Seus gestos no primeiro e no segundo turnos apontam para isso; ele simplesmente ignorou a campanha de Fernando Haddad (PT) no primeiro turno e jogou flores em eleitores de Bolsonaro que, no fim das contas, também votaram nele. (Entenda aqui)

E neste segundo turno, Dino segue fazendo o contraponto midiático ao candidato do PSL sem, no entanto, mover uma palha pela campanha de Haddad.

E há uma razão política para a postura de Flávio Dino.

O comunista maranhense sabe que, com a derrota de Haddad e do PT, com o naufrágio do PSDB e com o isolamento de Ciro Gomes em seu PDT, será ele, Dino, a principal referência de oposição ao eventual governo bolsomínion.

Pouco importa os resultados disto para o Maranhão.

Quanto mais se indispor com o futuro governo, mais Flávio Dino se transformará em referência nacional, sobretudo diante de um cenário em que Lula continue preso e inelegível.

Para viabilizar este projeto, o comunista deverá deixar sua legenda nos primeiros meses após as eleições – seja antes ou depois da posse dos eleitos.

Buscará uma legenda mais adequada ao seu projeto nacional, que pode ser o próprio PT ou mesmo o PDT, partido que estarão na linha de frente da oposição a um futuro governo bolsonarista.

Com dois senadores aliados no Congresso, Dino terá porta vozes para denunciar a eventual perseguição de um governo bolsomínion e garantirá lugar de fala em Brasília para fazer o contraponto.

E aí, quem sabe, em 2022, ele surja como a opção ao capitão encastelado no Palácio do Planalto…

Leia também:

Flávio Dino e Bolsonaro: dois lados da mesma moeda…

Em vídeo, Maura expõe risco do embate Flávio Dino X Bolsonaro…

Marcos Lobo compara “Ele não!” de Bolsonaro à campanha de Flávio Dino…

Marco Aurélio D'Eça

2 Comments

  1. Lendo e depois analisando esta matéria, alguns pontos, na verdade cinco, me chamaram atenção. Como leitor do blog (leio todo dia), cidadão maranhense e pós-graduando na minha área de formação, me senti confortável para comentar.
    Aqui não venho externar paixões políticas nem partidárias, apenas contrapor alguns pontos.
    1º) Que Flávio Dino emergirá como referência de esquerda? Qual atuação e discurso político do atual governador o credencia verdadeiramente para uma referência de esquerda a nível nacional? A economia do Maranhão está em crescimento? A oferta de postos de trabalhos?
    2º) Governo de extrema direita que se desenha fascista e incompetente?
    Bolsando em seu discurso não se opõe `as políticas públicas e nem aos costumes. Não faz oposição ao liberalismo . Tampouco apoia uma forte estratificação social. Então, como pode ser de extrema direita? Quanto a fascista, um dos conceitos diz: ” forma de radicalismo político autoritário nacionalista”, sendo assim, identifico tal conceito com a última entrevista do cardeal petista José Dirceu. E sobre incompetente, nobre jornalista o governo ainda nem começou! Aguarde os primeiros cem dias para uma análise consistente.
    3º) Dino, a principal referência de oposição ao eventual governo Bolsomínion?
    Ao norte, o oceano Atlântico, ao sul, o estado do Tocantins, ao leste, o estado do Piauí e ao oeste, o estado do Pará. Estes são os limites geográficos do Maranhão. Flávio Dino se limita ao Maranhão e nada mais.
    4º) Flávio Dino se transformará em referência nacional?
    Desde que o político maranhense José Sarney chegou ao senado em 1971 (este sim uma referência nacional; mesmo não concordando com a sua forma de fazer política, o respeito. Político conhecido em todo o Brasil e além fronteiras), nenhum outro político maranhense caminhou com as suas próprias pernas! Senão por apadrinhamento do outrora Presidente da República.
    E por último, o 5º ponto: 2022, opção para presidente?
    Se Haddad que comandou o maior PIB do Brasil não tem condições de ser presidente, imagine o Dino! E’ melhor pensar em 2019 e trabalhar pelo Maranhão desde já, agora, depois de reeleito é governador de todos.

  2. Marco, para Flávio Dino se apresentar como opção para a esquerda, depois da quase destruição que se apresenta, ele terá que: 1- Fazer uma boa gestão que transforme o Maranhão, e hoje oque ele faz é assistencialismo raso com recursos públicos que estão levando o estado ao colapso financeiro pela elevaçaõ dos gastos. 2- Ser um candidato palatável no sudeste, e hoje sendo comunista e nordestino é algo muito difícil. 3- Se cercar de bons assessores que lhe digam que “está nu”, pois hoje ele só se cerca de incompetentes que lhe puxem o saco, adora ser babado e odeia ao ponto de querer destruir quem lhe lembre de seus defeitos. Em resumo, Flávio Dino terá seu espaço nacional mas dificilmente chegará a presidente da república.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *