0

Imperatriz é referência em coleta seletiva no Maranhão…

Prefeitura da cidade de Grajaú estuda modelo implantado no segundo maior município do Maranhão

A coleta seletiva é uma das marcas da gestão ambiental de Imperatriz

Com mais de 258 mil habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a cidade de Imperatriz tem se tornando uma das principais referências da coleta seletiva de resíduos sólidos do Maranhão.

O projeto vem sendo desenvolvido desde fevereiro de 2017, pela Prefeitura de Imperatriz, por meio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Semmarh, alcançando em 2018 quase 263 toneladas de recicláveis, beneficiando cerca de 200 famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social e têm na coleta de resíduos sua principal fonte de renda.

“A coleta seletiva de Imperatriz se tornou modelo no Maranhão por conta do processo metodológico implantado pelo município. Tendo como referências parceiros, Pontos de Entrega Voluntária, PEVs e o modelo porta-a-porta que aproximou ainda mais poder público da comunidade. Outros fatores de grande relevância são os ganhos ambientais e sociais”, disse Flávio Oliveira, secretário-adjunto de Meio Ambiente.

Os benefícios socioeconômico e ambiental a coleta seletiva vem chamando a atenção de outras cidades do estado. Nesta semana uma equipe da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Grajaú, 17ª maior cidade do Maranhão, com quase 68.500 habitantes, esteve em Imperatriz para conhecer o projeto.

Gestores realizam reuniões sistemáticas para discutir o formato da coleta

De acordo com o secretário da pasta, Roberto Cleiton, o município está trabalhando para implantar a coleta no primeiro semestre deste ano.

“Embasados na experiência que estamos observando em Imperatriz, a intenção é implantar a coleta seletiva em até noventa dias. O que nos faltava era conhecer o projeto em execução. Já temos aprovados pela Câmara de Vereadores, o Plano de Resíduos Sólidos e o Código de Meio Ambiente, que fazem parte do processo. Hoje é uma preocupação mundial e nacional com as questões ambientais e, acreditamos que com a coleta seletiva nós podemos melhor a qualidade de vida das pessoas”, disse Roberto Cleiton.

A Lei Federal nº 12.305/2010, institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, PNRS, e impôs ao setor público e privado uma maneira de como lidar com a destinação final desses resíduos sólidos.

Marco Aurélio D'Eça

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *