0

Acusado de assédio, dono de laboratório debocha da denúncia exaltando a própria genitália…

Paulo Braid Ribeiro Júnior foi acusado de demitir uma funcionária de seu laboratório – que tem, diversos contratos com entes públicos – após a mulher se recusar a fazer sexo com ele

 

UMA DAS VÍTIMAS DE PAULO BRAIDE NA DELEGACIA DA MULHER: convite para sexo a três em motel temático

Denunciado à Delegacia das Mulheres por assédio, o empresário Paulo Braid Ribeiro Júnior, que tem diversos contratos no setor da saúde, além de controlar laboratórios, clínicas e maternidades, debochou da acusação.

Questionado sobre o fato pela titular do blog da Itamargarethe, o empresário ironizou a denúncia, fazendo exaltações à sua própria genitália.

 – Constrangido com nudes que mostram pênis pequeno, Paulo Braid chegou a debochar da denúncia, alegou ser fake news e afirmou as espessuras exibidas (do pênis pequeno) na foto, tanto no comprimento quanto na largura, não reportarem a realidade das suas genitálias – disse a jornalista, em seu blog. (Entenda o caso aqui e aqui)

Empresário do setor da Saúde, Paulo Braid é dono de laboratórios, clínicas e uma maternidade de luxo em São Luís; além disso, mantém contratos públicos, na casa dos milhões, com prefeituras e com o Governo do Estado.

Ele já foi denunciado à Delegacia da Mulher por duas mulheres.

PAULO BRAIDE EM FOTO EXIBIÇÃO NAS REDES SOCIAIS: preocupação apenas com o tamanho da genitália

Uma delas, disse que fora convidada pelo empresário para ir a um motel da cidade, acompanhada de outra mulher, para fazer sexo a três.

Ao tomar conhecimento da primeira denúncia, o empresário – filho de família poderosa no setor público e na política do Maranhão – se preocupou somente em negar a informação sobre sua genitália, alegando que as imagens entregues à polícia e ao blog não condizem com a realidade.

Na tarde do domingo, 7, nova denúncia foi formalizada à Delegacia da Mulher.

Ela contou que, após diversas investidas de Paulo Braid, o empresário propôs diretamente que os dois fossem ao motel Le Baron, juntamente com uma secretária da empresa, para praticarem sexo a três. (Veja depoimento abaixo)

A denúncias mostram comportamento inadequado do empresário, sobretudo em um momento de forte pressão pela equidade de gênero e respeito às mulheres.

O caso está sendo investigado pela delegada Kasumi Tanaka, que pode, inclusive, pedir a prisão do empresário.

Ele deve ser ouvido pela autoridade policial nos próximos dias…

O BOLETIM DE OCORRÊNCIA DE UMA DAS DENÚNCIAS: perseguição rotineira no trabalho, assédio moral e sexual

Marco Aurélio D'Eça

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *