0

Interferência de Moro nas delações gerou atrito entre procuradores

Em conversas divulgadas pelo The Intercept Brasil, Carlos Fernando Lima insurge-se contra o juiz, pede mais liberdade para trabalhar, mas é coagido por Deltan Dallagnol a seguir orientação do “chefe” da Lava Jato

 

CARLOS FERNANDO RECLAMOU DA ONIPRESENÇA DE MORO NA LAVA JATO, mas foi repreendido pelo colega Deltan Dallagnol

Novos diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil, sobre a interferência de Sérgio Moro na investigações da Lava Jato, não deixam mais nenhuma dúvida de que o ex-juiz manipulava a acusação contra o ex-presidente Lula.

Nas conversas, um dos procuradores da Lava Jato, Carlos Fernando Lima, reclama ao colega Deltan Dallagnol contra a presença de Moro nos acordos de delação premiada.

No dia 24 de fevereiro de 2015, Lima manda a seguinte mensagem a Dallagnol:

– O procedimento de delação virou um caos. Creio que se a sua divisão de serviço pressupõe que eu e Januário [Paludo] estamos encarregados dos acordos, eles devem ser tratados por nós. Você é o Promotor natural e pode discordar, e eu sempre ouço todos, mas o que vejo agora é um tipo de barganha onde se quer jogar para a platéia, dobrar demasiado o colaborador, submeter o advogado, sem realmente ir em frente. (…) Isso até é contrário à boa-fé que entendo um negociador deve ter. E é bom lembrar que bons resultados para os advogados são importantes para que sejam trazidos novos colaboradores. Eu desejo que sejam estabelecidas pautas razoáveis.

A resposta de Dallagnol deixa claro quem era o chefe da investigação, no caso, o próprio juiz Sérgio Moro:

– Carlos Vc quer fazer os acordos da Camargo mesmo com pena de que o Moro discorde? Acho perigoso pro relacionamento fazer sem ir FALAR com ele, o que não significa que seguiremos. Podemos até fazer fora do que ele colocou (quer que todos tenham pena de prisão de um ano), mas tem que falar com ele sob pena de ele dizer que ignoramos o que ele disse. Vc pode até dizer que ouve e considera , mas conveniência é nossa e ele fica à vontade pra não homologar, se quiser chegar a esse ponto. Minha sugestão é apenas falar.

A orientação de Dallagnol ao colega Carlos Lima mostra, de forma definitiva, que o procurador que coordenava a Lava Jato seguia as ordens do juiz que deveria julgar os casos investigados pelo Ministério Público.

Em outras palavras, Sérgio Moro atuou para condenar Lula e não para julgá-lo à luz das provas.

E, por isso, contaminou o processo…

Marco Aurélio D'Eça

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *