2

De como este blog antevê questões essenciais para o Brasil, como a do STF e a de Janot…

Posts publicados desde o início do golpe perpetrado a partir da Operação Lava Jato mostrava exatamente a necessidade de o Supremo por fim à farra de juízes e procuradores, o que, finalmente, ocorreu ontem, com a possibilidade de anulação de sentenças montadas ao arrepio da lei

 

MINISTROS DO STF ENTENDERAM QUE O JUIZ LAVA JATO CERCEOU DEFESA DOS CONDENADOS; e decidiram anular as sentenças

 

Editorial

Em 08 e julho de 2018, o blog Marco Aurélio D’Eça publicou o post “Posicionamento de Sérgio Moro expõe parcialidade contra Lula….”

Tratava-se de uma abordagem sobre a rebelião do então juiz – mesmo de férias – contra uma decisão de instância superior que mandava libertar o ex-presidente Lula, condenado por ele.

– Ao se rebelar publicamente, e documentadamente,  contra uma decisão superior que mandou soltar Lula, na tarde deste domingo, Moro agiu como se dono do preso fosse; e reagiu com motivação pessoal contra o ex-presidente. Pior: o juiz agiu mesmo estando de férias, o que reafirma sua motivação pessoal – disse o post. (Releia a íntegra aqui)

Naquela época, sequer havia notícias das conversas não-republicanas de Moro e Deltan Dallagnol para forçar a condenação de Lula na Lava Jato.

É bom lembrar que este blog já tratava como golpe as armações judiciais de Sérgio Moro desde a cassação da ex-presidente Dilma Rousseff.

Em 2 de novembro de 2018, novo post no blog Marco Aurélio D’Eça, desta vez intitulado “O agora inegável interesse político da Lava Jato….”. Tratava-se da análise da confirmação de que Moro seria ministro no então futuro governo Jair Bolsonaro (PSL).

Bolsonaro assumiu, Moro virou ministro e vieram então as conversas criminosas dele com integrantes da Lava Jato, reveladas pelo site The Intercept.

Este blog passou, então, a cobrar a anulação da condenação de Lula por clara parcialidade e cerceamento de defesa, agora exposta de maneira até constrangedora até para o próprio Judiciário.

Esta cobrança veio, dentre outros, em posts como “Deltan espionou ministros e tentou influenciar indicações para o STF…”  ou em outros como “Ao alegar falta de provas contra Lula, Dallagnol revela manipulação de Moro…”.

E a cobrança do blog culminou com o post “Moro e Dallagnol na mira do STF…”, publicado em 7 de agosto último.

Já agora em setembro, mais precisamente na terça-feira, 17, mais um post do blog: “História vai confirmando o golpe no Brasil…”.

Ontem, o Supremo Tribunal Federal começou a analisar mais amplamente processos oriundos da Lava Jato; todos – absolutamente todos – questionando posicionamentos do ex-juiz Sérgio Moro e do procurador Deltan Dallagnol.

E decidiu, por maioria já formada, que as decisões na Lava Jato cercearam a defesa dos condenados; e por isso estão nulas.

Na mesma quinta-feira, a revista Veja revela declaração do próprio ex-procurador Rodrigo Janot, e que entrou armado no STF para matar o ministro Gilmar Mendes, atribuindo a ele a revelação da mídia segundo a qual sua filha advogada para a OAS e a Odebrecht.

Foi para este tipo de gente que se entregou os destinos do país.

E ainda nem chegaram ao Supremo os questionamentos quanto à parcialidade de Sérgio Moro.

O blog só se orgulha da capacidade de antever situações e antecipar histórias, depois confirmadas pelos fatos.

E segue acompanhando, e também fazendo, a história deste país…

Marco Aurélio D'Eça

2 Comments

  1. Não adianta argumentar com ptralhas. São doentes crónicos que só veem o que querem. Passam por cima de todas as desgraças, que são mais do que evidentes, perpetradas pela esquerda nesses 16 anos. Só mesmo um lobotimizado pensa como eles. Querer argumentar que a decisão do desembargador aloprado que estava de plantão foi correta é demais. Agora o STF encontrou o que procurava ha anos para tentar desmoralizar a lava-jato e estão indo na onda. Até FHC já se posicionou contra o absurdo que querem fazer para libertar corruptos. Por isso, e outras coisas, que o brasil é atrasado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *