4

O triste fim de Jair Bolsonaro…

A repercussão negativa do pronunciamento de ontem mostrou que o presidente da República está só, sem interlocução com a própria equipe, refém dos filhos, e cada vez mais desequilibrado no comando do país

 

O presidente da República é apenas uma caricatura no comando de um país com forte relevância internacional…

Editorial

Nenhum líder político na história do mundo tem tanta capacidade de auto-destruição quanto o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

E esta capacidade é inata à sua personalidade insana, tresloucada e sem a menor noção de modos e maneiras.

Bolsonaro assinou nesta terça-feira, 24, o seu próprio atestado de insanidade.

E encerrou naturalmente o ciclo que o levou ao poder em 2018 – ainda que venha continuar à frente do Brasil até 2022.

O presidente da República do Brasil é um ignorante, um boçal, capaz de levar o país à bancarrota.

Seu modelo de líder é o magnata americano Donald Trump, hoje à frente da maior economia do mundo. Mas é até um crime comparar o fracassado Bolsonaro ao bem-sucedido empresário americano.

Trump elegeu-se presidente em condições normais de temperatura e pressão, dentro de uma campanha corriqueira e de uma eleição tranqulla, ainda que com as turbulências naturais do período.

Bolsonaro só chegou ao poder no Brasil por um arroto da história.

Foi eleito em circunstância extremamente tensa e levado por extremistas, radicais, conservadores, militares e alienados de toda sorte, que se aproveitaram do momento para emplacá-lo, com apoio daqueles que não aturavam mais o ciclo petista iniciado em 2002.

Mas o presidente brasileiro é fracassado em todos os seus empreendimentos.

Fracassou no Exército, de onde saiu com a sanidade mental questionada. Fracassou na Câmara Federal, onde a única coisa que conseguiu fazer foi aparelhar o gabinete para criar um cabide de empregos que comprou mandatos sucessivos para ele e para o filhos, com apoio de rachadinhas e milicianos cariocas.

E fracassou também na presidência da República, fracasso coroado com o contundente discurso em cadeia nacional de rádio e TV, que parece ter sido elaborado ao redor dos filhos, hoje seus principais e – parece – únicos interlocutores.

Jair Bolsonaro pode conseguir chegar ao final do seu mandato, é bem provável.

Mas este será seu desafio a partir de agora…

Marco Aurélio D'Eça

4 Comments

  1. Que Bolsonaro é desvairado já percebemos.
    Lula era culto??
    Mas, existe uma orquestração da imprensa e de políticos de esquerda. Taí, esse ditador pra provar a todos nós.

  2. Dizerem ou o próprio medíocre Olavo de Carvalho (o guru) do besta Bolsonaro que ele seja Filósofo é no mínimo um insulto a toda classe brasileira de pensadores do campo da Filosofia acadêmica. Quanto ao claro e benéfico fim da medíocre carreira política do verme Bolsonaro que já é certa, do mesmíssimo modo e necessária mias do que qualquer outro fim que venha a ocorrer juntamente com o verme Bolsonaro, se faz também necessário de forma urgente o FIM do Demônio MOR “Paulo Guedes”, ministro da economia do atual desgoverno do verme Bolsonaro. É esse o MAL maior a ser exterminado pelo COVID-19.

  3. Tinha que haver alternância em 2018 pois o PT já estava desgastado e com muito tempo no poder, mas de todas as possíveis escolhas da época, os insanos escolheram esse boçal virulento, o menos capaz dos candidatos realmente competitivos na época da eleição para derrotar o PT, um cara que tem como guru um maluco que acha que a terra plana e ver conspiração em tudo só se pode esperar isso mesmo.

    • Insano e tu animal,o voto e livre,cada um voto em em quem achar que deva votar,ninhuem eobrigado em quem tu quer,prefiro ser taxado de louco do que ser vagabundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *