0

Desemprego aumentou no Maranhão antes da pandemia, afirma César Pires

Deputado estadual que lidera a oposição na Assembleia Legislativa diz que o governador Flávio Dino falha na condução da economia e o presidente Jair Bolsonaro paga a conta

 

O deputado César Pires (PV) cobrou uma política mais eficaz de geração de empregos e combate à pobreza no Maranhão ao criticar o governador Flávio Dino (PCdoB) por tentar transferir para o governo federal a responsabilidade de reduzir o desemprego no estado, o que não teve competência para fazer desde quando assumiu o governo.

O parlamentar lembrou que de 2014 a 2018 mais de 377 mil pessoas ficaram desempregadas no Maranhão, muito antes da pandemia do coronavírus.

“O governador propõe um pacto pelo emprego ao presidente Bolsonaro, transferindo para o governo federal a responsabilidade pelo fracasso de sua gestão também nessa área. Quando fechava todas as atividades comerciais por conta da pandemia, sem se preocupar com a renda das famílias, não houve essa disposição em trabalhar em conjunto com a União. Assim é fácil governar”, enfatizou o deputado.

César Pires afirmou que o governador maranhense se apropria da pandemia para justificar a incompetência de sua gestão, que no período de 2016 a 2018 permitiu que mais 223 mil pessoas passassem a viver abaixo da linha da pobreza, segundo dados do IBGE.

“No primeiro trimestre de 2019, o Maranhão tinha 12,1% de desocupados. No primeiro trimestre deste ano, antes mesmo da pandemia, esse índice aumentou para 16.1%. Imagine qual o cenário que o IBGE encontrará quando começar a mensurar o impacto da Covid, no Maranhão”, ressaltou.

No Maranhão onde 47% da população vive sem água encanada e 84% sem esgoto tratado, e o governo estadual prioriza os investimentos em propaganda, César Pires cobrou mais responsabilidade e competência administrativa da gestão Flávio Dino, para gerar emprego e renda no estado e tirar milhares de pessoas da extrema pobreza.

“É um governo de incompetência que vive muito mais da mídia e não resistiria a uma discussão séria com base nos dados do IBGE e da Lei Orçamentária Anual, que mostra diminuição dos investimentos em áreas prioritárias como a saúde, e mais recursos para a propaganda”, finalizou ele.

Marco Aurélio D'Eça

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *