1

Réquiem a um pulha…

Por Pergentino Holanda

Raríssimas vezes, em cinquenta anos de jornalismo, abri espaço em minha Coluna para reafirmar aquilo que, em momento anterior, eu já havia noticiado. E o leitor cativo desta página sabe que o que aqui divulgo jamais é posto em xeque, portanto não carece de reafirmação, porque o que alimenta uma caminhada tão longa, de credibilidade inabalável, é a matéria-prima da verdade.

Lido diariamente com fatos, com informações certeiras, e não com sofismas. Não tenho tempo – nem a idade me permite isso – para compartilhar inverdades com o ilustríssimo leitor, muito menos para macular reputações alheias em redes sociais, como alguns, desocupados há mais de duas décadas, dão-se ao trabalho de fazer.

Escrevo porque fiz do jornalismo o meu sacerdócio e dele não me divorcio enquanto saúde e entusiasmo para viver eu tiver. Tive oportunidades de me aposentar aos 45, aos 50, aos 55, aos 60, aos 65 anos. Mas optei por continuar trabalhando como um cidadão digno. Fiz a opção por manter a mente ocupada, por servir aos meus leitores, por ser útil à sociedade. Jamais tive vocação para ser um pulha encostado, para ser um incapaz.

Meu convívio com a Academia Maranhense de Letras já dura mais de quatro décadas. Tenho com essa instituição e seus membros uma relação de respeito mútuo, pautada também pela reciprocidade afetiva. Sem qualquer modéstia, conheço a AML e suas entranhas protocolares – incluem-se aí os processos eleitorais – bem mais que alguns aventureiros de plantão, de “biografia fake forjada em artigos enfadonhos”, como dizia meu saudoso amigo Jomar Moraes.

Pela minha histórica proximidade com a Academia Maranhense de Letras, por diversas vezes fui assediado a concorrer a uma vaga naquela respeitada instituição. Nunca aceitei. Optei por manter o distanciamento necessário para me portar como o repórter ético que, na maioria das vezes, obtém a informação privilegiada, ajuda a costurar acordos, apoia os projetos e, como nenhum outro jornalista, abre espaços para divulgação das solenidades da Casa de Antônio Lobo.

À exceção do pulha juramentado, escolha aleatoriamente um acadêmico, meu caro leitor, e pergunte a ele se o que aqui escrevi, na semana passada, sobre o forte movimento que se constrói para a sucessão de Sálvio Dino, tem ou não fundamento. Pergunte ao decano. Ouça os mais antigos e os mais novos na AML. Indague o ex-presidente da Casa.

Por diversas vezes a AML convidou, sim, pessoas ilustres do meio intelectual para entrarem no seu quadro de membros. Poderia enumerar aqui vários exemplos, todos eles consumados por eleição consensual. É demasiado leviano negar – ou desconhecer, por ignorância – a história da instituição.

Por raríssimas vezes precisei ser tão enfático numa única nota. Mas meu único compromisso é com a informação. E que fique bem claro: não faço concessão ao blefe.

EM TEMPO: fiz questão de ignorar o nome de Lino Moreira para não dar a ele a importância que ele pensa que tem, quando na verdade não passa de um pulha, puxa-saco dos poderosos e “intelectual fake”.

Marco Aurélio D'Eça

One Comment

  1. Essa instituição e seus imortais,deveriam trabalhar mais, modernizar-se e abrir suas portas para a juventude e a população apreciadora de poemas,crônicas e contos. Substituir o Sávio Dino, nos nosso dias ,não será fácil e também não é para qualquer zezinho que escreve na mídia, precisara ser um intelectual com grande obras e com destaque intelectual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *