3

É hora de Flávio Dino mostrar inteligência…

Cercado por auxiliares sem noção do jogo político – mas sedentos de vinganças – governador precisa lamber as feridas sem novos arroubos autoritários, sob pena de esfacelar ainda mais sua base política em pleno declínio de liderança

 

Encastelado no Palácio dos Leões, Flávio Dino precisa manter cada vez mais a serenidade, sem arroubos autoritários que acelerem o processo de declínio de sua liderança

Desde o resultado das eleições de domingo, 29 – que apontou vitória do deputado Eduardo Braide (Podemos) em São Luís – uma horda de jornalistas vinculados ao Palácio dos Leões, e de auxiliares sem vivência política, prega retaliação pura e simples do governador Flávio Dino (PCdoB) aos que se recusaram a apoiar seu candidato, Duarte Júnior (Republicanos).

Se deixar levar por este “conselho” será mais um erro do comunista.

Em evidente declínio de liderança, com popularidade em curva descendente, imagem nacional arranhada e cada vez mais no fim do mandato, Flávio Dino precisa mostrar absoluta inteligência política para se manter como referência do grupo que está no poder.

Ficou evidente no segundo turno a rebelião na base, sobretudo por parte do PDT, do DEM e do PTB, partidos que se juntam a PCdoB, PSB e PT para formar o núcleo principal do poder de Dino.

Brigar com esses partidos é chamar nova atenção da mídia nacional, afetando diretamente a tentativa de relações que o comunista tenta construir com as lideranças destas legendas.

O PDT, por exemplo, além de sair das eleições maranhenses como o partido com maior número de prefeitos e vereadores, ocupou também o espaço do PT como referência da esquerda, o que fortalece o ex-ministro Ciro Gomes no jogo nacional.

O DEM, comandado no Maranhão pelo deputado federal Juscelino Filho, tem entre suas lideranças dois presidenciáveis: o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o prefeito de Salvador, ACM Neto. 

Romper com estas legendas deixará Dino restrito à esquerda no plano nacional.

Mas diante de sua postura anti-petista, ele vem cada vez mais sendo hostilizado pelo partido do ex-presidente Lula; ou seja, ao comunista resta seu PCdoB e o PSB, que, no fim das contas, tendem a se fundir.

Além disso, Dino terá que conviver no plano doméstico com a liderança cada vez mais ascendente do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) e com a popularidade do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), outro que figura no rol dos possíveis candidatos de 2022.

Administrar o racha em sua base – criado ainda em 2018 na guerra surda entre Weverton Rocha (PDT) e Carlos Brandão (PRB) – ao mesmo tempo que precisa conviver com o surgimento destes novos atores, não será tarefa fácil para o governador comunista.

Ele precisará de muita inteligência para manter-se no topo.

Inteligência emocional, sobretudo…

Marco Aurélio D'Eça

3 Comments

  1. Lá em codó o Zé Francisco eleito com ajuda da família Figueiredo e do povo derrubaram o grupo FC, o zito Rolim , o palácio dos leões , o senador weverton, o Márcio Jerry kkk lá foi taca , 4 mil votos de diferença

  2. Inteligência política,ele já demonstrou não ter, não se tornou governador por liderança nova, consquitpu o mandato as custas de outras já carimbadas lideranças, vai continuar no.mrsmo patamar de sua arrogância

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *