3

352 suspeitos de fraudar cotas raciais da Ufma…

Alunos foram convocados por comissão que inclui OAB e Ministério Público Federal e terão que provar terem direito às vagas disponíveis para afrodescendentes e indígenas e podem perder o direito de estudar e até mesmo o diploma, no caso dos já formados

 

Alguns dos alunos denunciados por fraude nas cotas raciais da Ufma: autodeclarados pretos com características de brancos

A Universidade Federal do Maranhão convocou 352 alunos de seus cursos – alguns já formados – para provar o direito de entrar na faculdade por intermédio das cotas raciais disponíveis.

Esses alunos e ex-alunos são suspeitos de fraudar as cotas e estão sendo investigados desde 2020, quando foram denunciados, inclusive pelo blog Marco Aurélio D’Eça.

A investigação aberta na Ufma descobriu o que a OAB-MA e o Ministério Público Federal chamam de “afrodescendência de conveniência”, quando brancos utilizam medidas cosméticas para se apagar por negros.

– Até bronzeamento artificial, cacheamento de cabelos e mudanças no aspecto do nariz são feitos para fraudar as cotas – revelou relatório da Comissão de Hétero-identificação criada pela Ufma. 

Há fraudes também nas cotas para indígenas.

As fraudes nas cotas da Ufma foram denunciadas no blog Marco Aurélio d’Eça em junho de 2020, nos posts “Ufma investiga suspeitos de fraude em cotas…” e “Medicina da Ufma é campeã em suspeitas de fraudes em cotas…”

– Entre os estudantes de Medicina denunciados, a maioria entrou como “autodeclarado preto ou pardo” ou “candidatos pretos ou pardos”. Pelas fotos, pode-se constatar que a maioria é branca, bem nascida; e boa parte é de fora do Maranhão – disse o blog, à época.

Caso não consigam comprovar sua identidade racial, esses estudantes serão expulsos dos cursos ou terão os diplomas cancelados.

Além disso, deverão responder criminalmente perante a Justiça Federal…

Marco Aurélio D'Eça

3 Comments

  1. Se forem conferir certificados de conclusão de ensino médio será outra bomba, pois como não temos um sistema para verificação da autenticidade, vários candidatos se utilizam de certificados fraudulentos como tivessem estudado todo o ensino médio em escola pública. Assim, além de passaram nos cursos com uma pontuação menor que os demais, terão direito ao ProUni.

  2. Sem entrar no mérito do estúpido e injusto programa de cotas que só beneficia incapazes e limitados, como se isso não fosse comprometer o futuro profissional destes, além de não resolver nada, a auto declaracao de raça é ridícula. No brasil, com raras exceções temos pretos e brancos legítimos. Fora os quilombolas e os imigrantes africanos que não miscigenaram, poucos são originais. O certo seria a taxa de melanina para brancos, pretos e pardos e dna para indígenas e asiáticos verificado no nascimento, ou algo mais cientifico.
    Fora isto, tem que aturar a palhaçada que são as cotas e seus desvios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *