0

Apoio a Brandão pode por fim ao que restou do grupo Sarney…

Remanescentes da antiga política, derrotada pelo governador Flávio Dino em 2014, estão, em sua maioria, alinhados ao projeto de poder do vice-governador tucano, que tem o “apoio pessoal” do mesmo Dino, agora lado a lado com eles

 

 

Com Brandão, boa parte da velha guarda sarneysista, liderada pelo deputado Arnaldo Melo: tradicionalismo histórico em busca de sobrevivência na atualidade

Ensaio

Remanescentes do antigo grupo Sarney tentam uma jogada de risco para se manter ativo na política maranhense a partir de 2022: o apoio ao vice-governador Carlos Brandão (PSDB).

O apoio a Brandão é natural para a maioria dos ex-sarneysistas pela identificação do tucano com as práticas adotadas pelo grupo até 2014, quando foi derrotado pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

De família tradicional da política do sertão maranhense, o próprio Brandão sempre esteve com os Sarney, até o rompimento do ex-governador José Reinaldo Tavares, de quem é fiel escudeiro.

Tanto que com ele estão outros ícones da velha política, como o ex-presidente da Assembleia Arnaldo Melo, os ex-prefeitos Luiz Fernando Silva e Socorro Waquim (ambos do MDB) e figuras controversas, como os ex-deputados Marcone Farias e Aderson Lago.

É uma questão de sobrevivência para os sarneysistas, uma vez que já não dão as cartas partidárias, hoje sob controle de jovens lideranças mais arrojadas, a maior parte alinhada ao projeto do senador Weverton Rocha (PDT).

Será, portanto, um choque de gerações nas eleições de 2022.

Mas a aposta em Brandão pode levar o que restou do grupo do ex-presidente da República a um fim definitivo.

Uma eventual derrota de Brandão representará para os remanescentes sarneysistas um triplo revés, já que perderam para Flávio Dino em 2014 e 2018 e podem perder ao seu lado em 2022.

Resultado prático da escolha de que lado estar na história…

Marco Aurélio D'Eça

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *