13

Sindicato cobra de Roseana revogação da nova tabela de pagamentos do estado

O presidente do Sindicato dos Servidores do Estado, Cleinado Lopes Sobrinho, anunciou hoje que vai solicitar da governadora Roseana Sarney (PMDB) a revogação da nova Tabela de pagamento do funcionalismo.

A informação é do blog de Gilberto Léda. (Leia aqui)

Apesar de divulgada desde o final de dezembro, somente ontem a nova tabela do estado entrou na berlinda, após análise crítica deste blog.

A alegação de Sobrinho é praticamente a mesma de todos os servidores estaduais: a mudança no pagamento do salário para o quinto dia útil do mês subsequente prejudica o servidor.

– Não pode o cidadão que já ganha pouco ainda ter que gastar mais com multas por uma alteração que não gera benefício nenhum para o Estado – reclama Cleinaldo Lopes.

A nova tabela começa a vigorar a partir deste mês…

22

Ronaldinho no Flamengo…bom para o futebol que realmente pára o país

Ronaldinho vestirá mais uma camisa rubro-negra este ano

O melhor caminho para o craque Ronaldinho Gaúcho era mesmo o Flamengo.

Em qualquer outro time, de São Paulo ou Rio Grande do Sul, ele teria bom salário, organização e até futebol competitivo, mas não teria emoção.

Só no Rio o futebol paralisa o país. Só no Rio o futebol emociona todos o rincões. Só no Rio, ele terá o tempero mágico que encanta as torcidas Brasil a fora.

Os assinantes de TV a cabo, as torcidas organizadas do Norte/Nordeste, as favelas e centros de elite do Rio aguaradam com ansiedade não o campeonato Paulista, mas o carioca.

Ronaldinho está no lugar certo. É o futebol carioca que movimenta as massas desde o início – mesmo desorganizado e bagunçado.

Vasco, Fluminense e Botafogo agradecem por mais esta emoção…

3

Sete suplentes brigam por cinco vagas de “mandato de verão” na Assembléia

Plenário da Al continuará vazio, mas suplentes brigam por direito a saláriod e R$ 40 mil

Nada  menos que sete suplentes de deputado estadual brigam pelas vagas abertas  por cinco parlamentares que assumiram cargos no secretariado de Roseana Sarney (PMDB).

A tendência da Assembléia é dar posse aos cinco suplentes imediatos da coligação, mas pelo menos dois suplentes de partido já protocolaram pedido da vaga com base na decisão do STF – de que o mandato é do partido, não da coligação.

Em jogo, um salário bruto de R$ 40 mil por cerca de 20 dias de “trabalho” em pleno recesso parlamentar de verão – R$ 13 mil de salário mais R$ 15 mil de Verba de Gabinete e R$ 12 mil de Verba de Representação.

Se afastaram do mandato os deputados Max Barros (DEM), Jura Filho (PMDB), Joaquim Haickel (PMDB), Chico Gomes (DEM) e Victor Mendes (PV). O suplente Roberto Costa (PMDB), deveria assumir, mas também pediu licença para ir para o secretariado.

Pela regra histórica devem ser empossados os suplentes Manoel Ribeiro (PTB), Fábio Braga (PMDB), Valdevino Cabral (PV), Márcia Marinho (PMDB) e Janice Braide (PTB), os primeiros da coligação, pela ordem da eleição de 2006.

Ocorre que os suplentes Reinaldo Calvet (PSL) e Ricardo Archer (PMDB) entraram com pedido de vaga baseado na decisão do Supremo. A Procuradoria da Aseembléia está analisando os casos e dará parecer até amanhã. Só então a Mesa da Casa decidirá como proceder.

Oitavo suplente da coligação, Calvet reclama ser o primeiro suplente do DEM, já que Márcia Marinho trocou a legenda pelo PMDB. Ocorre que o próprio Calvet também trocou o DEM pelo PSL. Archer, por sua vez, quer ser empossdo como suplente do PMDB, uma vez que Valdevino Cabral trocou a legenda pelo PV.

Pela regra do STF, tanto Calvet quanto Acher têm direito às vagas. No DEM, abriu-se duas vagas coma  saída de Chico Gomes e Max Barros e os suplentes da legenda são exatamente Márcia e Calvet. Já no PMDB, com a saída de Joaquim Haickel, Jura Filho e Roberto Costa, os suplentes seriam Fábio Braga e o próprio Archer, sobrando uma terceira.

Qualquer que seja a decisão da Assembléia, os suplentes só terão direito ao salário, já que não há trabalho à vista até o dia 1º de fevereiro.

11

Uma guerra que chegou cedo demais…

O grupo Sarney tem nas próximas eleições estaduais um dos melhores cenários da história política maranhense. Pela primeira vez, não se desenha uma perspectiva de confronto com adversário externo capaz de fazer frente.

Após a derrota de 2010, a oposição esfacelou-se a ponto de ter que se virar para juntar os cacos – tarefa hercúlea, em se tratando da oposição no estado.

Mas o grupo Sarney – ou pelo menos seus satélites – comete um erro grave.

É imatura, inconsequente, perigosa e autofágica a torcida de jornalistas, blogueiros e assessores alinhados aos líderes do grupo pela viabilização de cada um deles.

A artificial disputa entre o secretário  Luís Fernando Silva e o senador Edson Lobão – ora com o deputado Ricardo Murad no meio – é uma tolice de quem torce por eles. E um desrespeito ao governo Roseana Sarney, que acabou de começar.

Primeiro, por que a disputa só existe nos setores da imprensa alinhados a cada um. Segundo, por que é cedo até demais para qualquer pretensão quatro anos antes do pleito.

Lobão não é candidato a governador, mas pode vir a ser. Luís Fernando Silva não é candidato a governador, mas também pode vir a ser.

E isso deveria ser o bastante, por hora…

6

Castelo quer Edivaldo Holanda na secretaria de Governo

Holanda prefere ser deputado a secretário

O ainda deputado Edivaldo Holanda (PTC) só não será secretário municipal de governo se não quiser. O prefeito João Castelo (PSDB) já decidiu afastar o atual titular da pasta, Albertino Leal, e quer Holanda no posto.

O deputado resiste a assumir a vaga por que ainda sonha permanecer na Assembléia Legislativa a partir de fevereiro. Sobretudo agora, que a direção da Casa informou seguir a ordem da coligação – e não do partido, como quer o STF – para empossar os suplentes.

Edivaldo Holanda será primeiro suplente da coligação formada por PSDB, PDT e PTC a partir de fevereiro. Mas seu partido não elegeu nenhum deputado o que, pelo entendimento do STF, inviabilizaria sua posse.

Caso a Assembléia mantenha a posição de empossar os suplentes da coligação, mesmo com a mudança de direção, a partir de fevereiro, Holanda mantém as chances de assumir na Casa.

E prefere aguardar para ver no que vai dar…

27

Olga Simão e Graça Tajra…

Graça Tajra sob os "olhares" de Roseana Sarney

Assessora graduada na Secretaria de Educação, Graça Tajra sempre se firmou como amiga íntima da governadora Roseana Sarney (PMDB) – uma espécie de escudo para os cargos por onde passou.

No cargo desde César Pires, passou também por Anselmo Raposo e agora está com Olga Simão. Em todas as gestões aparentava ser “do peito” de Roseana – o que impressionava até os próprios secretários. E  sempre teve poder, muito poder.

Agora surge na Seduc Olga Simão – esta sim, reconhecidamente “da cozinha” de Roseana Sarney.

Secretária particular da governadora desde tempos há muito idos, Olga é dos poucos auxiliares que tem trânsito livre no gabinete, frequenta a casa e cuida de detalhes também da vida pessoal da governadora..

Olga Simão na Seduc é o que Graça Tajra parecia ser em relação a Roseana. Se  a assessora diz que é  “A” pela manhã, a secretária mostra que é “B” à tarde e a assessora é desmentida.

Amiga “particular” de Roseana Sarney, Graça Tajra perdeu espaço na Seduc e quer sair.

Com as bençãos de Olga Simão, esta sim,  “muito pessoal”.

3

Roseana: não haverá uso de cargos como trampolim eleitoral

Secretários terão que optar entre o cargo e a política

Do blog de Mário Carvalho

A governadora Roseana Sarney (PMDB) já bateu o martelo e deixou bem claro que não quer ver nenhum secretário alimentando projeto de ser candidato a prefeito, nas eleições municipais de 2012.

Para a governadora, a equipe que foi escolhida para administrar o Maranhão para os próximos quatro anos é fruto de acordos políticos, mas acima de tudo tem uma característica técnica que fará a diferença nessa nova gestão.

Roseana mantém a disposição de fazer o melhor governo da sua história e segundo ela, não será meia dúzia de pessoas que irá lhe tirar essa disposição. Para bom entendedor meia palavra basta, pois a governadora deixa bem evidente que se alguém está pensando em utilizar os cargos do governo como trampolim é melhor deixar as pretensões de lado.

Continue lendo aqui…

32

Alteração no calendário de pagamento complica vida do servidor estadual

A mudança do calendário de pagamentos do estado – agora, os salários serão pagos até o quinto dia útil do mês trabalhado – trará problemas significativos para o servidor público.

Um exemplo: todos os tributos federais – Imposto de Renda, parcelamentos de tributos, etc… – são cobrados até o último dia útil do mês. Para se adequar, o funcionalismo terá, desta forma, que pagar juros mensais, além dos já pagos no parcelamento.

Desde o governo Luís Rocha, o salário do funcionalismo sempre foi pago dentro do mês trabalhado (no máximo, até 0 dia 1º do mês subsequente). A própria Roseana Sarney (PMDB) adotou esta regra nos três mandatos anteriores.

A idéia de remanejar a tabela para até o 5º dia útil é do seretário de Planejamento e Administração, Fábio Gondin. Ele alega prejuídoz para o estado se mantiver a folha antiga.

Bobagem. Por que, então, o governo nunca reclamou de prejuízos com a operação? Afnal, em épocas festivas, os salários já foram pagos até mesmo oito dias antes do mês acabar.

O fato é que a medida gerou críticas ao governo. Para Gondin e para os que ele segue, nada demais.

Mas para um governo que se propõe o melhor da vida de sua comandante, é um começo nada agradável…

3

Torcedores e eleitores na capital maranhense…

Roseana já consegue reunir multidões em São Luís...

Uma única pergunta referiu-se ao governo Roseana Sarney (PMDB) na pesquisa do Instituto Escutec, divulgada ontem em “O Estado do Maranhão”. Mediu a expectativa da população em relação ao governo dela. A informação foi analisada nos blogs de acordo com o viés político de cada um, mas encerra uma mensagem clara do ludovicense.

Assim como foi na eleição, a população de São Luís se divide em relação às expectativas que geram o governo Roseana. Nada menos que 49% acreditam que ela fará um grande governo. Outros 40% acham que “nada vai mudar”.

O que isto significa?

Significa, entre outras cosas, que Roseana Sarney conquistou mesmo a confiança dos ludovicenses. Em outubro, ela obteve cerca de 43% dos votos na capital maranhense, índice histórico para o grupo Sarney. Agora, são 49% de ludovicenses que apostam suas fichas nas realizações do seu governo.

...Mas a oposição ainda tem espaço importante

Uma outra leitura mostra nada menos que 45,37% de eleitores anti-Sarney entre os moradores de São Luís. São 40% dos que acham que “nada vai mudar” e os 5,37% de entrevistados que torcem para que Roseana faça “o pior governo da vida dela”.

É, sem dúvida, um campo vastíssimo para a oposição trabalhar nestes dois anos.

Mas os números mostram também que, se a oposição conseguiu avançar no interior do estado, polarizando a disputa com o grupo Sarney, o grupo Sarney também alcançou São Luís, e hoje divide a população da capital. Detalhe: com vantagem percentual e numérica.

Cada vez mais a política no estado – capital e interior – toma ares de clássico de futebol.

Com torcedores no lugar de eleitores…

6

O racha da oposição na Assembléia…

Tavares: líder natural da oposição...

A divisão partidária que se engendra na Assembléia Legislativa é um exemplo do racha que existe na oposição maranhense desde a derrota para a governadora Roseana Sarney (PMDB).

No legislativo, a deputada Gardeninha Castelo (PSDB) quer por que quer ser líder e resolveu tirar o PSDB da órbita dos chamados partidos de esquerda. Está articulando um bloco com o PDT.

Por outro lado, PSB, PCdoB e PPS devem formar um segundo bloco oposicioniszta, sob a liderança do atual presidente da Casa, Marcelo Tavares (PSB).

Gardeninha força para ocupar liderança

A divisão leva á cogitação de que, já em 2012, PSB não deverá constar mais da coligação com o PSDB de João Castelo. Apostará mesmo na aliança com PCdoB/PPS – isto se este último não voltar à prefeitura, em troca de seus cargos, objetivo principal da legenda.

Para 2014, então, a coisa está ainda mais feia: PSDB e PDT nem cogitam aproximação com PCdoB. Este, por sua vez, conta apenas com PSB.

Esta é a realidade da oposção pós-derrota de 2010…