2

O que representa a ida de Edivaldo Holanda para o PRB?!?

De acordo com o blog de Jorge Aragão, pai do prefeito de São Luís pode desembarcar no partido do vice-governador Carlos Brandão, em mais um movimento que parece atingir o PDT, do senador Weverton Rocha

 

Embora mantenha independência em relação às alianças do filho prefeito, o deputado Edivaldo Júnior gera expectativa com possível troca de partido

O blog do jornalista Jorge Aragão levantou nesta sexta-feira, 13, a possibilidade de o deputado estadual Edivaldo Holanda – pai do prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT) – estaria se transferindo do PTC para o Republicanos (ex-PRB).

Levando em conta que Aragão é um dos mais próximos interlocutores de Edivaldo na imprensa, a hipótese da mudança de partido do pai do prefeito tende a ser quase 100% assertiva.

E a ida dele para o PRB, do vice-governador Carlos Brandão, tem forte influência no processo de realinhamento do grupo do governador Flávio Dino (PCdoB).

Apesar dos fortes rumores de um realinhamento político do prefeito Edivaldo, o senador Weverton continua tratando-o como aliado fundamental

Filho de Edivaldo, o prefeito homônimo de São Luís é um dos principais aliados do senador Weverton Rocha (PDT), principal adversário de Brandão na disputa pela vaga de candidato a governador na base de Flávio Dino.

A ida do pai dele para o partido do vice-governador amplia os rumores de afastamento, especulados desde o início de 2020 – e analisado, inclusive, no blog Marco Aurélio D’Eça. (Relembre aqui e aqui)

Edivaldo Holanda, o pai, ainda não se manifestou obre a possibilidade levantada por Jorge Aragão.

E seu pronunciamento ganha corpo de grande expectativa.

É aguardar e conferir…

1

Fábio Macedo confirma troca do PDT pelo PRB…

Parlamentar gravou vídeo ao lado do presidente nacional da legenda, deputado federal Marcos Pereira, e chegará com vice-presidente regional, reforçando o grupo do vice-governador Carlos Brandão

 

Fábio com Marcos Pereira: troa de Weverton por Brandão

O deputado estadual Fábio Macedo deixou mesmo o PDT, do senador Weverton Rocha.

Ele esteve nesta quinta-feira, 12, em brasília, onde foi recebido pelo presidente nacional do Republicanos (ex-PRB), que confirmou sua entrada no partido.

Fábio será vice-presidente da legenda no Maranhão.

A entrada do ex-pedetista no partido do vice-governador Carlos Brandão é mais um lance na já aberta disputa pela sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB).

Veja o vídeo acima

3

São Luís terá primeira batalha Brandão X Weverton

Pré-candidatos à sucessão de Flávio Dino vão se enfrentar por intermédio dos seus escolhidos a prefeito. E quem chegar ao segundo turno largará na frente rumo a 2022; Entre eles, a senadora Eliziane Gama, melhor posicionada nas pesquisas, mas ainda distante do debate em São Luís

 

A movimentação certa de Weverton, Brandao e Eliziane em 2020 definirá o futuro de cada um na sucessão de Flávio Dino, em 2022

O movimento do vice-governador Carlos Brandão (PRB) – de fortalecimento do seu partido na Assembleia – foi o gesto mais evidente da guerra surda que vem sendo travada nos bastidores entre ele e o senador Weverton Rocha (PDT), com vistas à sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB), em 2022.

Como em um jogo de xadrez, Brandão e Weverton vão se enfrentar primeiramente por meio de suas peças definidas para as eleições municipais de São Luís.

De um lado, o deputado estadual Neto Evangelista (DEM), com o apoio de Weverton e seu grupo.

Do outro, o também deputado Duarte Júnior (PRB) e a força de Brandão e sua base.

O objetivo inicial desta batalha é passar para o segundo turno contra Eduardo Braide (Podemos); no segundo momento, vencer o favorito na sucessão de Edivaldo Júnior (PDT).

A simples chegada ao segundo turno, tanto de Evangelista quanto de Duarte, significará, para Weverton ou Brandão, uma vitória sobre o concorrente de 2022.

E se um dos seus candidatos vencer Braide, 2022 escancara as portas.

Talvez por isso, a disputa eleitoral na base de Flávio Dino tornou-se uma violenta guerra entre os chamados “menudos do Palácio”, que pode se transformar em um racha sem precedentes entre os aliados do governador. 

E é aí que entra a senadora Eliziane Gama (Cidadania).

Melhor colocada nas pesquisas em relação a Brandão e a Weverton, a senadora do Cidadania ainda não se posicionou em relação a 2020.

E, estranhamente, segue apática no debate de São Luís, sua principal base eleitoral.

De acordo com a movimentação do Cidadania, Eliziane Gama tem como opções o secretário Rubens Júnior (PCdoB) e o juiz aposentado Carlos Madeira (Solidariedade).

Vestindo, de fato, a camisa do candidato – e se envolvendo diretamente na campanha na capital –  Eliziane dará um salto rumo a 22 se o seu escolhido alcançar o segundo turno, deixando para trás os candidatos dos seus “adversários” internos.

Mas ela pode permanecer distante, apenas observando a batalha campal entre Weverton Rocha e Carlos Brandão.

E seguir como coadjuvante rumo à sucessão de Flávio Dino.

Esta é uma escolha que ninguém pode fazer por ela…

2

Zé Inácio vai a Brasília discutir candidatura com PT nacional…

Principal pré-candidato do partido à Prefeitura de São Luís conta com lideranças de peso na executiva da legenda para viabilizá-lo como opção concreta à sucessão do prefeito Edivaldo Júnior

 

Zé Inácio tem acesso á presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, com quem vai conversar sobre a candidatura a prefeito de São Luís

Principal pré-candidato do PT a prefeito de São Luís, o deputado estadual Zé Inácio está em Brasília nesta quinta-feira, 12, para conversar com a direção nacional da legenda.

O deputado é o único dos nomes lançados em recente encontro do PT com acesso direto à executiva nacional do partido; e tem apoio de lideranças petistas de peso, como o governador do Piauí Wellington Dias.

Inácio quer o aval da presidente nacional Gleisi Hoffmann e, principalmente, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o que garantiria a estrutura necessária para a candidatura petista.

Com a direção nacional, Zé Inácio quer confirmar, inclusive, data e forma de lançamento da candidatura em São Luís…

2

Carlos Brandão parte pra cima…

Dois anos antes de assumir o mandato de governador – o que deve ocorrer com a desincompatibilização do titular Flávio Dino – vice-governador constrói a maior bancada da Assembleia Legislativa, numa mostra de como deve agir em 2022

 

Brandão com sua bancada; presença na Assembleia Legislativa e força nas eleições de São Luís

Cotado para assumir a vaga de governador em abril de 2022 – caso o titular Flávio Dino (PCdoB) deixe o cargo para concorrer a senador ou presidente – o vice-governador Carlos Brandão (PRB) já começou a montar sua bancada na Assembleia Legislativa.

Seu partido, que tem o comando regional nas mãos do deputado federal Cléber Verde, tem hoje na Assembleia os deputados Zé Gentil, Ariston, Duarte Júnior, Daniela Tema, Felipe dos Pneus e Fábio Macedo.

Daniela Tema e Fábio Macedo estavam, respectivamente, no DEM e no PDT, dois dos partidos que compõem,. hoje, a base de apoio do senador Weverton Rocha (PDT), provável adversário de Brandão nas eleições estaduais.

Mas a bancada do vice-governador pode crescer ainda mais, atraindo parlamentares do governo e da oposição.

A expectativa é que, até o ano das eleições, ele chegue com uma bancada de 14 deputados, ou 1/3 dos assentos em plenário.

É um poder de fogo de alta performance…

4

Com menudos em pé-de-guerra, Madeira vira ponto de equilíbrio

Em campanha repleta de novinhos – alguns frutos do “filhotismo político” – juiz federal aposentado pode virar a referência de quem não quer Eduardo Braide, mas busca experiência e equilíbrio emocional em um candidato

 

Os menudos de Flávio Dino vivem em pé-de-guerra; e já começam a preocupar pela falta de maturidade e desequilíbrio emocional

O termo “Menudos” foi usado ainda em 2019 para se referir à profusão de candidatos a prefeito com idade inferior a 35 anos, todos saídos da base do governo Flávio Dino (PCdoB).   

A princípio, a nomenclatura encerrava em si uma carga de preconceito, uma vez que denotava risco por falta de experiência e desequilíbrio emocional na base do governo comunista.

Mas o tempo se encarregou de ampliar esses riscos, com a violenta guerra pública travada entre os “Menudos” que, até agora, sobraram na disputa.

A campanha propriamente dita ainda nem começou e o clima entre os candidatos de Flávio Dino é de batalha sangrenta.

Neto Evangelista (DEM) odeia Duarte Júnior (PRB), que detesta Rubens Júnior (PCdoB), que não morre de amores por Dr. Yglésio (PDT), que odeia Duarte Júnior, que detesta Neto Evangelista. 

 

Enquanto os menudos se engalfinham – feito meninos levados no recreio da escola – Carlos Madeira já tem equipe planejando um eventual governo

No meio de toda essa meninada cheia de energia e pronta para a briga, um pré-candidato começa a ser notado, como símbolo de experiência, equilíbrio emocional e maturidade.

O juiz federal aposentado Carlos Madeira mira uma base específica do eleitorado: aquela que desconfia de Eduardo Braide (Podemos), mas que já percebeu pouca maturidade na meninada “criada” por Flávio Dino.

Vindo das camadas mais populares da sociedade, vitorioso e honrado na carreira pública de magistrado, bem sucedido como empresário, Madeira aponta para a serenidade necessária à gestão de uma cidade como São Luís.

E foge também ao termo “filhotismo político”, que caracteriza boa parte desses candidatos miúdos – filhos, netos, sobrinhos, esposas ou maridos de políticos tradicionais.

A guerra de meninos antecipada pelos menudos de Flávio Dino expôs uma preocupação no eleitorado: esses “novinhos” imaturos estão mesmo prontos para dirigir uma cidade como a capital maranhense?!?

Para quem tem dúvida disto, há outras opções na mesa…

2

Wellington vira espécie de “laranja de mercado” nas eleições…

Garantido candidato pelo PSDB, sob condições rígidas de servir ao projeto de Braide, deputado estadual percebeu que pode servir aos propósitos de qualquer outro candidato que possa salvá-lo do afogamento em dívidas

 

Em papel alaranjado, condição para ser candidato do PSDB, Wellington já faz dobradinha ton sur ton com membros da base dinista

Na semana passada, a mídia anunciou que o senador Roberto Rocha havia autorizado o deputado estadual Wellington do Curso a ser candidato a prefeito de São Luís pelo PSDB.

Como sempre faz, o blog Marco Aurélio D’Eça não se conformou apenas com a notícia empacotada pelas assessorias e foi buscar nos bastidores as circunstâncias da aceitação de Rocha; e descobriu com pessoas próximas aos dois parlamentares que houve algumas condições para que Wellington ganhasse a legenda.

A principal delas, segundo apurou o blog, é que Wellington mantenha os adversários de Braide sob constante ataque, tanto na Assembleia Legislativa quanto na campanha propriamente dita.

O objetivo tucano é impedir o crescimento dos adversários que possam ameaçar uma vitória do seu verdadeiro candidato, o deputado federal Eduardo Braide (Podemos).

Desde o encontro com o senador, Wellington mudou o foco do seu discurso na Assembleia – que era eminentemente de críticas ao governo Flávio Dino (PCdoB) – e passou a mirar na eleição, trazendo o debate eleitoral que ele próprio havia negligenciado desde o ano passado.

O alvo da hora é o também deputado estadual Duarte Júnior (PRB), principal candidato da base do governo Flávio Dino – e, por enquanto, o único que pode ameaçar levar a eleição para um segundo turno.

Mas, para além de Braide ou do PSDB, Wellington já percebeu que pode servir a qualquer propósito, não apenas da oposição, mas até de setores do governo que têm interesses no processo; e sugere que fará o papel de Fábio Câmara em 2016, atuando como franco-atirador de quem tiver algo a oferecer. (Entenda aqui)

Afogado em dívidas e cobrado por agiotas, o parlamentar tenta recuperar o fôlego para tentar sobreviver às próximas eleições estaduais.   

A postura alaranjada do deputado do PSDB ganha cores mais luminosas a cada dia, mas recebe a colaboração também de membros da própria base dinista. 

Sinal de que, nesta campanha, haverá laranjas de ambos os lados, numa verdadeira dobradinha ton sur ton.

Mas esta é uma outra história…

1

PP articula indicação do vice de Rubens Júnior…

Partido controlado pelo deputado federal André Fufuca trabalha com a hipótese de compor a chapa do comunista; nome mais cotado é o do secretário de Meio Ambiente – e irmão do próprio deputado – Rafael Ribeiro

 

Rafael Ribeiro e André Fufuca entre os comunistas e Rubens Pereira Júnior, na oficialização da aliança PCdoB/PP

Fechado no apoio á candidatura do secretário Rubens Pereira Júnior (PCdoB) desde a semana passada, o Partido Progressista trabalha coma  indicação do companheiro de chapa do comunista.

O deputado federal André Fufuca, presidente regional da legenda, pretende viabilizar um nome para ser o vice de Pereira Jr.

O mais cotado é o secretário de Meio Ambiente, Rafael Ribeiro, que é irmão do presidente da legenda.

Embora essa discussão não tenha sido tornada pública, ela passou pela articulação da formação da aliança; o PP tem um dos melhores tempos na propaganda eleitoral e acesso a importante parcela do Fundo Eleitoral.

Tudo isso pesa na indicação de um nome.

Os comunistas não descartam a possibilidade de composição de chapa com o PP. Eles temem apenas que a chapa de Rubens Pereira se torne essencialmente interiorana, já que o próprio candidato não tem identidade pública com São Luís.

De qualquer forma, o debate interno se dará até as convenções, entre os meses de julho e agosto…

1

Cidadania entre Carlos Madeira e Rubens Júnior…

Partido da senadora Eliziane Gama iniciou discussões com os dois pré-candidatos a prefeito de São Luís e está dividido entre fechar com o juiz federal aposentado ou vincular-se ao comunista ligado a Flávio Dino

 

Carlos Madeira recebeu em almoço os membros do diretório regional e municipal do Cidadania, após encontro da legenda, no sábado, 7

Afastados do processo eleitoral até semana passada, o Cidadania, partido que tem na senadora Eliziane Gama o seu principal nome no Maranhão, começou a marcar posição com vistas ao pleito de outubro.

No sábado, o partido realizou encontro com a militância e pré-candidatos proporcionais; e foi recebido em um almoço pelo pré-candidato do Solidariedade, Carlos Madeira.

Já na segunda-feira, reuniu-se com o candidato do PCdoB, Rubens Júnior.

– No momento, discute-se no Cidadania essas duas opções eleitorais – resumiu o presidente regional da legenda, Eliel Gama.  

 

Rubens Júnior seria uma oportunidade, segundo entendem alguns dos líderes do Cidadania, de acenar para o próprio Flávio Dino, que é do PCdoB

Dos membros da base governista já avaliados para as eleições de 2022, Eliziane é a única que ainda nãos e posicionou, embora apareça como o melhor nome entre as possíveis opções de Flávio Dino (PCdoB).

O vice-governador Carlos Brandão já está com o deputado estadual Duarte Júnior (PRB) em São Luís.

Weverton Rocha (PDT), por sua vez, deve fechar com o democrata Neto Evangelista.

A decisão do Cidadania sobre São Luís pode ser a oportunidade de Eliziane consolidar, de fato –  e de forma independente – se estará ou não no jogo sucessório de 2022.

É aguardar e conferir…

7

Ecos da Veja: destaque a Duarte Jr. e Adriano bolsomínion…

Enquanto apresentou o deputado do PV como alguém que quer se afastar do próprio sobrenome – e se aproximar do presidente Jair Bolsonaro – revista destaca candidatura de um adversário dele, o também deputado Duarte Júnior

 

Adriano Sarney foi o foco da reportagem da revista Veja, mas o destaque positivo foi para o colega Duarte Júnior

A matéria da revista Veja que começou a circular no fim de semana passado trouxe duas sentenças sobre as eleições de São Luís:

1 – a revista confirmou informações do blog Marco Aurélio D’Eça e disse que o deputado Adriano Sarney “quer distância do sobrenome” familiar; e ainda revelou que ele se oferece abertamente ao presidente Jair Bolsonaro;

2 – embora a matéria tenha sido toda em torno do neto do ex-presidente José Sarney, o principal destaque positivo foi para o também deputado estadual Duarte Júnior (PRB), citado como “um dos nomes que despontam” em São Luís.

Curiosamente, a reportagem começou a ser espalhada ainda na sexta-feira, 6, por aliados do próprio Adriano Sarney, que parece ter visto algo positivo no texto.

Veja viu a candidatura de Adriano a prefeito como “zebra” nas eleições de São Luís, revelou que sua tentativa de retirar o sobrenome da alcunha parlamentar irritou o avô, e contou um pouco do seu envolvimento em um escândalo no Senado.

Ainda destacou que o parlamentar tem tentado se aproximar do presidente Jair Bolsonaro.

E na matéria de Veja com o único Sarney atuando em mandato eletivo, ganhou destaque como nome que desponta ninguém menos que um aliado de Flávio Dino (PCdoB).

Curiosa reportagem…