0

Com disputa pelo Senado, Dino mexe com as peças da própria sucessão

Ao anunciar desistência da disputa presidencial, governador volta os olhos para dentro do seu estado e do seu grupo e indica que pretende ter o controle absoluto da montagem da chapa majoritária de 2022, forçando reposicionamento de aliados e adversários

 

Flávio Dino marca a própria posição para 2022 e deixa claro que pretende comandar a própria sucessão em seu estado

Análise de conjuntura

Ao anunciar nesta quarta-feira, 30, que vai mesmo disputar uma vaga no Senado em 2022, o governador Flávio Dino (PCdoB) definiu que estará no comando do seu grupo político nas próximas eleições.

Logo de cara, marca território e estabelece cenários importantes tanto no governo quanto na oposição.

Sua candidatura ao Senado terá impacto direto sobre três outras lideranças interessadas na mesma vaga: o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB), o ainda prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), o senador Roberto Rocha (PSDB) e a ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Othelino deve repensar sua estratégia e buscar novas posições dentro do grupo, o que pode indicar, inclusive, a permanência no controle da AL-MA a partir de 2023; Roseana também deve optar por outras disputas.

Fortalecido como liderança histórica em São Luís, Edivaldo passa a figurar como opção de chapa em 2022, mas já não como opção ao Senado, podendo compor uma chapa de governo ou entrar na disputa da Câmara com cacife para formar a própria bancada.

Caso Roberto Rocha – que tem o apoio declarado do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) para a reeleição ao Senado – decida enfrentar Dino, estará se confirmando o desenho do blog Marco Aurélio D’Eça, apresentado ainda em 2014 no post “Roberto Rocha e Flávio Dino oito anos depois…”

Ao definir sua candidatura – praticamente 15 meses antes de deixar o mandato – Dino fortalece a própria posição no grupo, em risco de esfacelamento desde as eleições municipais; esta ideia de fortalecimento é reforçada pela volta do deputado Márcio Jerry (PCdoB) ao governo.

Esta posição pode implicar também um acordão pela chapa encabeçada pelo vice-governador Carlos Brandão (Republicanos), mas não é automático.

Sobretudo pelo fato de que Jerry e Brandão são adversários históricos, e é Jerry quem estará definindo as cartas com aliados até abril de 2022.

Na condição de candidato a senador, Flávio Dino vai tratar diretamente com outra liderança do grupo, o senador Weverton Rocha (PDT), pré-candidato a governador.

Há duas perspectivas para esta conversa:

1 – Dino e Weverton se juntam na mesma chapa, com apoio de Brandão e um vice de peso para o pedetista, tornando o grupo praticamente imbatível em 2022, ou;

2 – Dino e Weverton se enfrentam, cada um em uma chapa de peso, com o comunista apostando todo o cacife para eleger também Brandão governador.

Estes cenários passarão a ficar mais claros a partir de janeiro, quando as primeiras pesquisas sobre 2022 começarão a ser apresentadas, agora já com as principais peças do tabuleiro – no governo e na oposição – definidas quanto às suas posições.

Com poucas chances para novos desenhos até o fim de 2021…

4

…E o bombeiro comunista agiu

Mudança de posicionamento do vice-governador Carlos Brandão e do senador Weverton Rocha – principais pré-candidatos à sucessão do governador Flávio Dino – é fruto direto da ação do deputado federal Márcio Jerry, que deve assumir posto no Palácio dos Leões com a missão de unificar a base para 2022

 

Márcio Jerry iniciou ainda fora do governo as ações para impedir o racha na base; ação que continuará com um posto no governo de Dino

 

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou em 4 de dezembro o post “Márcio Jerry: a hora do bombeiro comunista…”.

Tratava-se de uma reflexão deste blog sobre os riscos de ruptura na base do governo Flávio Dino (PCdoB) – causada pela disputa aberta entre o vice-governador Carlos Brandão (PRB) e o senador Weverton Rocha (PDT) – e sobre a necessidade de ação do mais próximo aliado de Dino para impedir o esfacelamento da base.

E o bombeiro comunista agiu.

Quem viu as manifestações públicas de Weverton e de Brandão nas últimas semanas observou neles uma mudança de discurso e uma clara busca de unidade da base.

Primeiro, Weverton afirmou não ser candidato de qualquer jeito e citou até outras opções. (Relembre aqui)

Depois, foi a vez de Brandão declarar que a candidatura de Weverton é absolutamente legítima. (Veja aqui)

Brandão e Weverton mudaram o tom da disputa pela unidade da base de Dino, que tem ainda Eliziane Gama como opção

Márcio Jerry deve voltar ao governo – assim como anunciou este blog, em primeira mão, no mesmo post em que falou de sua ação pela unidade. É deste posto que ele deverá conduzir a unidade para evitar o erro cometido nas eleições de 2020.

Erro este admitido pelo próprio Flávio Dino, em entrevista à Mirante em que anunciou que estará na disputa de 2022.

Resta saber se a ação do bombeiro comunista será suficiente para debelar as chamas causadas pela disputa entre os aliados.

3

Carlos Brandão e Felipe Camarão em agenda no interior…

Vice-governador e o secretário de Educação têm participado de inaugurações de escolas, mas a presença dos dois acaba por levantar também aspectos políticos sobre as eleições de 2022

 

Felipe entrega “Escola Digna” ao lado de Carlos Brandão: agenda administrativa e repercussão política no interior

O vice-governador Carlos Brandão (PRB) e o secretário de Educação Felipe Camarão (DEM) cumprem juntos, no interior, forte agenda de inaugurações e entregas de obras em vários municípios.

Mas a presença dos dois no interior acaba por levantar conversas sobre a sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB).

Ao lado do senador Weverton Rocha (PDT), Brandão é um dos nomes de Flávio Dino (PCdoB) para 2022, com o acréscimo de que assumirá o mandato.

Felipe Camarão, por sua vez, é apontado como opção de bastidores de Dino, seja para concorrer ao governo, seja para compor uma chapa, o que se fortalece com sua presença na agenda do vice-governador.

 

3

Brandão deve comandar reunião com novos prefeitos em janeiro

Vice-governador deve assumir o Governo do Estado a partir do dia 4 de janeiro, às vésperas de reunião com gestores municipais eleitos e reeleitos em 2020; base será toda convidada para o evento

 

Brandão estará à frente do governo em janeiro, período de eleição da Famem e de posse dos novos prefeitos maranhenses

O vice-governador Carlos Brandão (PRB) deve ser o presidente de um encontro estadual com todos os prefeitos eleitos e reeleitos em 2020 no Maranhão.

Ele deve assumir o comando do estado em janeiro, quando o titular Flávio Dino (PCdoB) tira as tradicionais férias de início de ano.

Para o encontro com os gestores, Brandão deve chamar também asa lideranças de todos os partidos da base governista – incluindo os senadores Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (Cidadania), também cotados como opção para o governo em 2022.

O evento acontecerás às vésperas da eleição para a Federação dos Municípios (Famem), mas o governo não deverá interferir no processo; a tendência é que Erlânio Xavier (PDT) seja reeleito.

Será a primeira reunião envolvendo toda a base do governo Dino desde as eleições de 2020, que gerou forte disputa interna entre os alados do governador.

3

Brandão explica termo “desertor” usado no segundo turno…

Em entrevista à TV Guará, vice-governador revelou pela primeira vez a existência de um acordo para apoio conjunto ao candidato do governo no segundo turno, o que, segundo ele, foi descumprido pelo PDT e pelo DEM, razão pela qual usou a palavra durante a campanha

 

Brandão revelou pela primeira vez os motivos que o levaram a chamar de desertores o PDT e o DEM durante as eleições municipais

O vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) revelou pela primeira vez, nesta quinta-feira, 17,  em entrevista à TV Guará, as razões que o levaram a classificar de “desertores” os líderes do PDT e do DEM no segundo turno das eleições municipais.

De acordo com Brandão, havia um acordo entre os presidentes de partido e o governador Flávio Dino (PCdoB) – antes mesmo do primeiro turno – para que todos apoiassem o candidato da base que fosse ao segundo turno.

– Logo no começo do ano, vários partidos demonstraram interesse de lançar candidato. Houve um acordo. Cada um lançaria seus candidatos, três, quatro, dez, quantos quisessem… Só que nesse acordo houve entendimento entre os presidentes de partido que, no segundo turno, todos marchariam juntos. Esse acordo não foi cumprido. Existe uma expressão que diz que o “combinado não é caro”. Quando o Duarte foi pro segundo turno, o PDT e o DEM resolveram não cumprir o acordo. Isso nos levou a uma cobrança desses dois partidos – revelou o vice-governador, em, entrevista ao programa Os Analistas.

Questionado também sobre a não-participação do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) na campanha, Brandão explicou que não havia acordo para isso, embora todos esperassem o apoio do prefeito, pelas razões lógicas.

– Edivaldo também não participou da campanha, mas nós não tínhamos acordo com Edivaldo, é preciso deixar claro. A gente esperava que ele no apoiasse, mas não tinha acordo como tinha com os partidos. É diferente – justificou.

Mesmo assim, o vice-governador entende que a ausência de Edivaldo e o não cumprimento do acordo pelo DEM e pelo PDT deram ao prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) os 5, 6 pontos necessários para ele garantir a vitória.

Com relação à campanha de 2022 – e da citação do nome de Edivaldo como opção do grupo, feita pelo senador Weverton Rocha (PDT) – Brnadão preferiu contemporizar.

– Esse assunto a gente só deve discutir mais profundamente lá na frente. Até por que, se começar a discutir eleição de 2022, acaba o governo. A gente tem que focar na gestão – avisou.

O vice-governador revelou estar com uma agenda de inauguração de obras que praticamente o impedirá de estar em São Luis nos próximos meses, mas garante continuar uma agenda política.

– Mas vou estar recebendo lideranças, prefeitos, vices-prefeitos. E basicamente a gente tem que focar nesses prefeitos, para fazer parcerias. Esse é o foco do nosso governo – revelou Brandão, revelando a realização de seminário logo no início de 2012.

0

Erlânio Xavier fortalece posição para reeleição na Famem

Com apoio de prefeitos nos principais colégios eleitorais e de articulação de líderes da bancada na Câmara e no Senado, presidente da entidade municipalista caminha para renovação do mandato nas eleições de janeiro

 

Luciano Leitoa desmentiu prefeito eleito de Bacabeira, Calvet Filho, e declarou apoio a Erlânio Xavier

O atual presidente da Federação dos Municípios do Maranhão (Famem), Erlânio Xavier (PDT) deve ser reeleito para o comando da entidade em janeiro.

Consolidado entre os colegas gestores, e com apoio de prefeitos de grandes colégios eleitorais – como Assis Ramos, de Imperatriz, e Luciano Genésio, em Pinheiro – Xavier tem um trunfo a mais: o apoio da maioria da bancada no Congresso Nacional.

Senadores e deputados federais têm conversado com os seus prefeitos aliados para reafirmar o voto no atual presidente da Famem, o que torna quase incabível uma chapa de oposição com peso na entidade.

Caso se concretize a vitória de Erlânio, será a terceira derrota do vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) desde as eleições municipais.

Depois de ser derrotado no segundo turno em São Luís – com o apoio a Duarte Júnior (PRB) – Brandão tentou interferir na eleição da Câmara Municipal, mas viu o pedetista Osmar Filho construir a unanimidade, com o apoio do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos).

Ainda mais insatisfeito, o vice-governador tenta interferir no processo da Famem, mesmo criando constrangimentos e ameaças de racha na base do governo Flávio Dino. (Entenda aqui e aqui)

O problema é que, com a perda do principal aliado, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL_) – pego pela Polícia Federal sob acusação de desvio de emendas da Saúde – Brandão não consegue sequer encontrar um candidato que faça frente na eleição da Famem.

E pelo visto, terá que engolir mesmo a reeleição do pedetistas Erlânio Xavier…

1

Queda de Josimar altera tabuleiro de 2022

Deputado federal acusado de desviar recursos de emendas da saúde era um dos principais parceiros políticos do vice-governador Carlos Brandão, que vinha, inclusive, usando sua força política para tentar antecipar o debate eleitoral

 

Envolvimento de Josimar de Maranhãozinho em esquemas de corrupção desbaratados pela Polícia Federal deixa Carlos Brandão em situação política difícil

Do blog Marrapá

A operação da Polícia Federal deflagrada quarta-feira, 9, que teve como alvo o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) muda a configuração do tabuleiro político do Maranhão para as eleições de 2022.

O ‘Moral da BR’ era considerado peça-chave na formação do grupo com o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos).

Ambos se aproximaram durante a campanha do candidato derrotado Duarte Júnior (PRB) e ensaiavam a continuidade da parceria para o próximo pleito.

Com a queda de Josimar, Brandão pode ter perdido seu principal parceiro, o que o enfraquece eleitoralmente.

]Além disso, os 40 prefeitos eleitos pelo partido do deputado federal devem ficar ressabiados com qualquer parceria feita com ele a partir de agora.

Tudo isso enfraquece um dos grupos que vislumbra a sucessão de Flávio Dino (PCdoB).

9

Em campanha aberta pelo governo, Brandão sentencia: “não vou para o TCE”

Vice-governador se declara preparado para continuar o trabalho iniciado pelo governador Flávio Dino, vincula diretamente a sua candidatura ao comunista e revela que seu indicado para o Tribunal de Contas é Marcelo Tavares

 

Brandão quer ter a candidatura ao governo totalmente vinculada a Flávio Dino; mas quer o controle da indicação do novo conselheiro do TCE, em 2022

O vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) abriu de vez a pré-campanha pelo Governo do Estado, nesta terça-feira, em entrevista ao jornalista Diego Emir.

Em campanha aberta para suceder Fla´vio Dino (PCdoB), Brandão descartou ir psara o Tribunal de Contas do Estado, como já foi especulado nos bastidores da Política.

– Não vou para o TCE – sentenciou Carlos Brandão a Diego Emir, de forma clara e objetiva.

Afirmou mais Brandão: seu candidato à vaga no TCE é o chefe da Casa Civil do governo Dino, deputado estadual Marcelo Tavares (PSB), seu principal aliado no contato com os prefeitos.

Chefe da Casa Civil do governo Flávio Dino, Marcelo Tavares é o candidato de Brandão para a vaga no TCE

Ao afirmar sua pretensão de ser candidato a governador, o vice-governador vincula diretamente a sua candidatura a Flávio Dino e afirma que pretende continuar a fazer tudo o que o comunista faz, mesmo sendo de um partido ligado à base do presidente Jair Bolsonaro.

Em seu projeto para chegar ao governo, além da pose no governo em 2022, Brandão quer, antes, ter controle sobre os prefeitos maranhenses.

Para isso, tenta influenciar nas eleições da Famem, mesmo com o governo declarando-se isento neste processo, que tem o pedetista Erlânio Xavier como principal candidato.

0

Brandão tenta cooptar prefeitos na eleição da Famem…

Apesar das advertências do Palácio dos Leões, vice-governador usa o próprio gabinete para tentar gerar um clima de competição na eleição da Famem; mas ainda não conseguiu construir uma candidatura competitiva

 

Carlos Brandão não tem dado ouvidos à pregação de unidade do governador Flávio Dino e tem usado o Palácio dos Leões para operar nas eleições da Famem

O vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) resolveu agir mesmo por conta própria e está utilizando a estrutura do governo para gerar um clima de competição na Federação dos Municípios do Maranhão (Famem).

Brandão tem ligado pessoalmente – ou recebido prefeitos em seu gabinete – pregando contra a candidatura do atual presidente, Erlânio Xavier (PDT), mesmo diante da pregação de unidade do governador Flávio Dino (PCdoB).

E para isso conta, também, com o apoio do chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB).

O blog Marco Aurélio D’Eça apurou com os gestores municipais – alguns eleitos e outros reeleitos – que o vice-governador ligou para prefeitos do PCdoB, do PTB e do PP com o argumento de que “o governador vai tirar cargos do PDT”.

O problema é que ele sequer conseguiu apresentar um candidato para a disputa na Famem.

Tentou o prefeito reeleito de Caxias, Fábio Gentil (PRB), mas não obteve resposta; foi em busca de outros nomes e não conseguiu ninguém para o projeto; precisou se aliar a Josimar de Maranhãozinho (PL), que pode lançar um nome da sua cepa de prefeitos.

A movimentação de Brandão tem criado um clima de tensão na base do governo, por gerar expectativa quanto à definição de Flávio Dino em relação ao que ocorreu em 2020 e ao projeto para 2022.

Os aliados mais próximos do governador têm buscado a reunificação da base, mas enfrentam a resistência da sangria desatada do vice-governador.

Que, ansioso, está cada dia mais afoito por 2022…

0

Flávio Dino e Eduardo Braide podem ser decisivos em eleição da Famem

Insistência da dupla Carlos Brandão e Josimar de Maranhãozinho em trazer para a escolha do comando da entidade o debate sobre a sucessão de 2022 pode levar a um novo enfrentamento entre o governador e o prefeito eleito; e a disputa promete ser tensa

 

Derrotados na eleição municipal, Josimar e Brandão parecem querer vingança em nome de 2022; e forçam a barra para que Flávio Dino entre no jogo deles

O governador Flávio Dino (PCdoB) pode se envolver em um novo embate com o prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) após ter sido derrotado por este nas eleições de São Luís.

Dino vem sendo pressionado pelo vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) e pelo deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) a entrar na briga pelo comando da Federação dos Municípios (Famem).

Obcecados pela antecipação do debate pela sucessão de 2022, os dois acham que é preciso derrotar o atual presidente da Federação dos Municípios, Erlânio Xavier (PDT), como forma de enfraquecer o senador Weverton Rocha (PDT).

Levando em consideração as alianças para eleição de São Luís, Erlânio teria hoje algo em torno de 74 votos, dos prefeitos filiados ao PDT, DEM, PTB, MDB, e pode conseguir também o PSL.

Um candidato apoiado por Brandão e Josimar teria de saída votos do PL, do Republicanos, do Patriota e do Avante.

Neste caso, a dupla dinâmica da base do governo iria precisar do apoio de Flávio Dino, com seus prefeitos ligados diretamente aos partidos mais próximos ao Palácio dos Leões: PCdoB, PSB, Solidariedade, Cidadania, PROS e PT.

Nesta conta, o PP não entra fechado por que, embora sejam filiados à legenda, estes prefeitos seguem orientações diversas, o que leva a um espalhamento das preferências.

Erlânio iria precisar, portanto, dos votos de partidos ligados ao prefeito Eduardo Braide: PSC, PSD, PSDB, PMN e Podemos.

Como se vê, Josimar e Brandão querem nova disputa entre Flávio Dino e Braide; se o comunista vencer, anulará a derrota pela prefeitura.

Se perder, acentuará seu desmanche de fim de mandato…