2

Rubens Júnior reforça trabalho de Edivaldo nos bairros…

Mesmo com o prefeito neutro no primeiro turno, campanha do candidato do PCdoB faz questão de destacar a importância da continuidade da obra em São Luís e passa a ser o único dos postulantes a defender abertamente governo e prefeitura

 

Com o titular da chapa afastado para tratamento de coVID-19, caminhadas do 65 são comandadas pelo candidato a vice Honorato Fernandes

Aliados do candidato do PCdoB a prefeito de São Luís, Rubens Pereira Júnior, realizaram caminhada nesta segunda-feira, 12, pelo bairro do Coroado.

Chamou a atenção o fato de a campanha comunista defender abertamente o legado do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), mesmo este ainda neutro no primeiro turno das eleições na capital maranhense.

– Este é Rubens Júnior o candidato que vai continuar o forte e importante trabalho do prefeito Edivaldo Júnior – diziam os locutores nos carros de som.

Edivaldo Júnior realiza obra de drenagem na Rua da Felicidade e asfaltamento de todas as ruas do Coroado.

Rubens Júnior vem tentando obter o apoio oficial de Edivaldo Júnior desde antes do início da campanha eleitoral; prefeito mantém neutralidade no primeiro turno

A decisão da campanha de Rubens Júnior de defender o legado do prefeito o coloca como único candidato a assumir abertamente a relação com o Governo do Estado e com a Prefeitura de São Luís.

No horário eleitoral ele já havia também vinculado o nome ao ex-presidente Lula, que pede votos em seu programa.

É uma atitude corajosa, sobretudo pelo fato de que nem o governador Flávio Dino e muito menos o prefeito Edivaldo assumiram qualquer posição neste primeiro turno.

E essa coragem do comunista pode ter repercussão na decisão do eleitor…3

1

Rua da Vala no João Paulo: antes e depois de Edivaldo Júnior….

Moradores enfrentavam uma realidade há 40 anos agora podem conviver em ambiente de melhor qualidade de vida, com as obras de fechamento da galeria a céu aberto, o que deu sentido ao nome Rua da Felicidade

 

Rua da Felicidade recebe obras de urbanização para fechamento do canal, o que dará condições sanitárias e de saúde aos moradores, além de mobilidade urbana

Moradores da Rua da Felicidade, entre o João Paulo e o Coroado, vivam há 40 anos sem motivo algum para ser feliz; tanto que todos a conheciam apenas por “Rua da Vala”.

Esta realidade mudou agora, com as obras de limpeza e cobertura da galeria a céu aberto que cortava toda a via.

O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) está concluindo a obra de revitalização da rua, importante via de ligação entre os dois bairros.

O blog Marco Aurélio D’Eça, um dos maiores cobradores das obras de urbanização da região mostra neste post o antes e o depois da obra.

Mesmo com o nome Rua da Felicidade, era assim que viviam os moradores da região entre o João Paulo e o Coroado

Com a cobertura da vala, que ganhará também espaço para circulação de veículos – a partir de uma rampa na altura da Avenida São Marçal, no João Paulo, 

A ressignificação da área – que completa o conjunto de obras de drenagem e asfaltamento do pólo João Paulo/Coroado – dá novo sentido ao nome da via.

Que, agora sim, pode ser chamada de Rua da Felicidade…

2

Abandonado, Coroado registra mortes suspeitas de CoVID-19…

Uma profusão de doentes com suspeita de contaminação pelo coronavírus foram registradas nos últimos dias, em meio a um crescente número de pessoas acamadas sem acesso a hospitais e sem poder fazer testes

 

Além das dificuldades de estruturam, moradores do Coroado agora têm que conviver, sozinhos, com os riscos do coronavírus

Uma das comunidades mais abandonadas pelo poder público maranhense, o Coroado – muitas vezes confundido com o Coroadinho – se transformou nos últimos dias em um foco de suspeitas de CoVID-19.

Em meio a uma série de pessoas doentes, com sintomas da contaminação por coronavírus, pelo menos duas mortes foram registradas nesta quinta-feira, 23, sem que as famílias pudessem, ao menos, ter a certeza de que foram vítimas da pandemia.

O blog Marco Aurélio D’Eça denunciou ontem o descaso com pacientes oriundos do Coroado, que enfrentam dificuldades de atendimento e até para fazer testes de CoVID-19.

Exatamente um desses pacientes acabou perdendo a vida no final da tarde.

Praticamente não há nenhuma rua do bairro em que não haja pelo menos um morador acamado com os sintomas da contaminação por coronavírus.

Em algumas ruas são três ou quatro casos suspeitos, muitos dos quais foram diversas vezes aos postos de atendimento e foram mandados de volta pra casa.

A realidade das ruas no Coroado – provavelmente a mesma em diversas outras comunidades carentes – não condiz com a propaganda do poder público, que fala de aumento de leitos, de compra de respiradores e de testes, sem que isso alcance quem de fato necessita.

E as mortes começam a proliferar em meio ao abandono…

1

Hospitais já rejeitam pacientes com suspeitas de coVID-19…

Embora as autoridades garantam que a situação está sob controle, UPAs, postos de atendimento e hospitais estão se recusando, inclusive, a fazer testes em pessoas com sintomas da doença, que são orientadas a se tratar em casa; blog acompanhou drama de pacientes no Coroado

 

As UPAs estão recusando pacientes com suspeita de coVID-19; não apenas as UPAs, mas todas as unidades de saúde em São Luís

Há uma clara discordância entre as informações oficiais das autoridades de Saúde no Maranhão e a realidade nas unidades hospitalares, sobretudo em São Luís.

Nas últimas semanas, o governador Flávio Dino (PCdoB) e o prefeito Edivaldo Júnior (PDT) vieram a público para garantir, entre outras coisas, compra de respiradores, de máscaras e testes de coVID-19, além do anúncio de aumento no número de leitos, sobretudo os de UTI.

Mas o que se vê nas UPAs, postos de atendimento e hospitais é um número cada vez maior de pacientes tendo que voltar para casa por falta de leitos para internação.

O blog Marco Aurélio D’Eça teve contato com pelo menos quatro pacientes suspeitos de CoVID-19 lá no bairro do Coroado; e acompanhou um deles no périplo por atendimento, na Unidade Mista do Coroadinho, na UPA do Bacanga e no Socorrão I.

Em nenhum deles o paciente foi atendido; e está em casa, com forte gripe e problemas respiratórios.

Outra paciente até chegou a fazer o teste, mas, mesmo com sintomas graves, foi mandada de volta para casa. Na tarde desta quarta-feira, 22, recebeu ligação confirmando o teste positivo para CoVID-19, seguida da orientação para ficar em casa, onde vive com o pai, um idoso de mais de 80 anos.

Na mesma quadra 42 do mesmo bairro, há pelo menos outras três pessoas acamadas, sem atendimento nas unidades de saúde.

E a realidade é a mesma em diversos bairros da periferia de São Luís.

Mas a informação é a de que está tudo sob controle.

Não está. É simples assim…

1

Coroado: as mesmas cenas ano após ano…

Ruas do bairro alagam nos mesmos locais a cada período de chuvas, sem que nenhuma ação seja feita pelo poder público; e após milhões e milhões serem gastos em uma drenagem nunca concluída

 

A Rua Carlos Macieira tem diversos trechos assim em toda a sua extensão; e nenhum metro de asfalto do início ao fim de seu trajeto, que liga a Avenida dos Africanos ao João Paulo

A foto acima é um trecho da Rua Dr. Carlos Macieira, no Coroado, no cruzamento com a Avenida Projetada, que dá acesso à Feira do joão Paulo.

A via está assim desde que começou a chover, simplesmente por que não tem canais de escoamento, nem galerias.

E ficou assim em 2019, 2018, 2017, 2016, 2015, 2014, 2013, 2012, 2011, 2010, 2009, 2008… enfim, está assim desde que se tem notícia.

O blog Marco Aurélio D’Eça mostra a situação – não apenas da Carlos Macieira, mas de todo o Coroado – desde que inciou suas atividades, em 2006; ou seja, cobrou das gestões de Tadeu Palácio (PDT), João Castelo (PSDB) e Edivaldo Júnior (PDT).

E nada foi feito.

Desde o início da gestão Castelo foram gastos quase R$ 100 milhões em uma especie de drenagem desnecessária do canal que corta o bairro, um verdadeiro escoadouro de dinheiro público, como se pode ver aqui, aqui, aqui também, aqui, mais aqui, também aqui e aqui…

O blog Marco Aurélio D’Eça também já mostrou que bastam apenas algo em torno de apenas R$ 20 mil para resolver o problema histórico.

Este é o custo aproximado da compra de apenas um terreno de 3 metros de frente, na mesma Rua Carlos Macieira,  na zona mais próxima da Avenida dos Africanos; este terreno seria transformado em uma espécie de bueiro para escoamento das águas da chuvas para o igarapé que margeia as matas do quartel do Exército, que já é um pântano.

Entenda no post “Solução para alagamento no Coroado custa menos de R$ 20 mil…”

Tudo isso já foi dito não uma, mas duas, cinco, dez vezes para os técnicos da Prefeitura de São Luís, que insistem em um imaginário projeto de drenagem profunda cortando todo o bairro – e que nunca é efetivado.

E o problema atinge a todos, indiscriminadamente.

Esta via mostrada no vídeo acima, por exemplo, é a quadra 42, onde fica o Pub Sarará Grill, atual símbolo da cultura e do lazer no bairro, que gera emprego e renda na região.

Mesmo assim, sofre com alagamentos de dia e de noite.

Sem a criação dos bueiros para escoamento da água, o Coroado sofre com os alagamentos constantes, mas também com a  falta de asfalto, que a prefeitura não faz exatamente por que alega que precisa fazer antes a drenagem.

E nunca faz nenhuma coisa nem outra.

Os anos vão passando e a comunidade do Coroado vai ficando esquecida pelo poder público, vivendo às margens da sociedade e recebendo toda a carga de preconceito oriundo exatamente da falta de infraestrutura.

E tudo bem ali, coladinho ao Centro de São Luís…

3

Solução para alagamento no Coroado custa menos de R$ 20 mil…

Embora já se tenha gastado mais de R$ 100 milhões em obras equivocadas de limpeza e urbanização do canal que corta o bairro, problema pode ser resolvido com a simples desapropriação de um ou dois pequenos terrenos, que abriria espaço para escoamento da água da chuva

 

SEM TER PARA ONDE ESCORRER, AS ÁGUAS DA CHUVA FICAM EMPOSSADAS E ALAGAM AS RUAS DO COROADO; solução chegaria com a retirada de uma única casa na Rua Dr. Carlos Macieira

Enquanto a Prefeitura de São Luís anuncia obras de asfaltamento em diversos bairros – com investimentos de mais de R$ 250 milhões – o bairro do Coroado, na região próxima ao Centro, segue esquecido.

Agentes municipais alegam que as obras só podem ser feitas após serviço de drenagem no canal que corta o bairro a partir do João Paulo até a Avenida dos Africanos.

Mas não procede esta afirmação da prefeitura.

O problema de alagamento no Coroado não ocorre com enchente do canal; o problema se dá pelo fato de as águas da chuva não terem para onde escoar.

E a questão pode ser resolvida com menos de R$ 20 mil reais.

Leia também:

Milhões e milhões gastos para nada no Coroado…

Coroado pela enésima vez embaixo d’água…

Coroado com todas as ruas destruídas…

R$ 50 milhões no Coroado por água abaixo…

A vida no Coroado: drenagem não funciona e manutenção pior ainda…

POPULAÇÃO É OBRIGADA A CONVIVER DIA E NOITE COM O PROBLEMA DAS ENCHENTES, cuja solução se dará com investimento de cerca de R$ 20 mil

De acordo com especialistas ouvidos por empresários do bairro, as casas construídas irregularmente na borda da Rua Dr. Carlos Macieira, há 30 anos, fizeram uma espécie de barreira de contenção das águas, fechando bueiros de escoamento.

– A retirada de uma única casa na borda dessa rua, ao custo de R$ 10 mil, R$ 15 mil, resolveria todo o problema de escoamento, por que as águas da chuva encontrariam destino. E há vários imóveis à venda – explicou um dos engenheiros, na última reunião com empresários.

A solução viria por que as águas da chuva encontrariam caminho para o córrego, que inunda as matas do quartel do Exército, formada por pântanos, evitando os alagamentos nas ruas do Coroado.

Cansados de esperar pela solução da prefeitura, que ignora meros serviços de asfaltamento, os empresários estão se organizando para iniciar, eles próprios, a compra e as obras de construção do escoamento.

Em mais uma iniciativa privada diante da ausência do poder público…

0

No Coroado também se vive em São Luís…

Abandonado há anos, bairro que fica bem pertinho do Centro da capital maranhense, clama por atenção de programas como o “São Luís em Obras”, da Prefeitura Municipal, e o “Nosso Centro”, do Governo do Estado

 

A RUA DR. CARLOS MACIEIRA FICA NESTA SITUAÇÃO O ANO INTEIRO, CHOVA OU FAÇA SOL, há pelo menos oito anos

A rua acima é uma das inúmeras vias do bairro do Coroado abandonadas pelo poder público.

Prestes a completar 50 anos, o bairro –  que fica praticamente no Centro de São Luís – sofre com o descaso e a falta de infraestrutura.

Há anos convive com os alagamentos no inverno e a poeira durante o verão, em ruas sem a menor condição de trafegabilidade durante praticamente todo o ano.

Agora, as lideranças, empresários e populares que, apesar do abandono, movimentam a vida socio-cultural da comunidade, clamam para que sejam beneficiados com os programas “São Luís em Obras”, da Prefeitura, ou o “Nosso Centro”, do Governo do Estado.

IMAGENS COMO ESTA, DO PREFEITO COM SEUS AUXILIARES, TAMBÉM FICARIA BONITA NO COROADO, que espera pelo programa “São Luís em obras”

A Rua Dr. Carlos Macieira, por exemplo, importante via que liga a avenida dos Africanos à avenida São Marçal, no João Paulo, está há exatamente oito anos sem ver asfalto. (Saiba mais aqui)

Além de sofrer com infiltrações causadas por falta de drenagem e instalações de água e esgotos danificadas, a via é toda esburacada do início ao fim, tornando impossível o tráfego, que desafogaria a Africanos.

DOS R$ 100 MILHÕES QUE RUBEM JÚNIOR GANHOU PARA “INJETAR” EM SUA CAMPANHA, pelo menos R$ 5 milhões resolveriam todos os problemas do Coroado

No Coroado há uma coleção de obras inacabadas.

O Centro Comunitário foi posto abaixo, a Praça do Mururu foi isolada e o Centro Esportivo e Cultural está parado desde 2015.

Tanto a Prefeitura de São Luís quanto o Governo do Estado anunciaram ampliação de programas de obras, asfaltamento e melhorias urbanas em toda São Luís. (Leia aqui e aqui)

Mas é bom não esquecer que o Coroado também faz parte da capital maranhense…