7

Escutec confirma Exata e mostra governo entre Roseana e Weverton em 2022

Ex-governadora lidera cenário em que aparece como candidata, mas já descartou disputar o pleito majoritário; com uma das menores rejeições entre os aliados do governador Flávio Dino, senador pedetista vai ao segundo turno em qualquer situação, contra a emedebista ou como líder em outros cenários

 

Roseana disputaria um segundo turno contra Weverton Rocha, que lidera todos os outros cenários como principal candidato da base de Flávio Dino

A pesquisa Escutec divulgada neste sábado, 27 pelo jornal O EstadoMaranhão praticamente confirmou os cenários apresentados pelo Instituo Exata no início da semana.

Segundo o levantamento, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB), com 23%, e o senador Weverton Rocha (PDT), com 14%, são os principais candidatos a governador do Maranhão em 2022.

Como Roseana Sarney já declarou que pretende disputar uma vaga de deputada federal, Weverton é o nome consolidado como opção de segundo turno, seja na disputa com Roseana, seja como líder de todos os outros cenários.

Sem Roseana, o senador do PDT é o principal nome da base aliada ao governador Flávio Dino, chegando a 25% das intenções de voto; o pedetista é também um dos menos rejeitados, com 9%, ao lado do vice-governador Carlos Brandão (PSDB).

A pesquisa Escutec mediu também a intenção de votos de outros possíveis, candidatos, como o ex-prefeito Edivaldo Júnior (PDT), que chegou a 13%; a senadora Eliziane Gama (Cidadania ) e Wellington do Curso (PSDB), cada um com 3% e, os secretários Simplício Araújo (2%), Márcio Jerry e Felipe Camarão (cada um com 1%).

A Escutec confirmou os números favoráveis a Weverton, que se mantém como o candidato com maior estrutura, maior força partidária e maior grupo de aliados potenciais dentro da base do governador Flávio Dino.

Uma nova pesquisa Escutec está prevista para o mês de junho….

2

Carlos Madeira vai coordenar plano de governo de Weverton Rocha…

Enquanto o senador articula frente ampla para enfrentamento à CoVID-19 no Maranhão, ex-juiz federal, que foi candidato a prefeito de São luís, conversa com representantes de todos os segmentos e do setor produtivo – do Maranhão e de fora – para montar uma proposta que, de fato, estabeleça um programa de desenvolvimento para o estado

 

Carlos Madeira aparece em destaque na reunião que organizou ações contra a CoVID-19; e afirmou estar integrado ao grupo de Weverton

Chamou a atenção a presença do ex-juiz federal Carlos Madeira na reunião coordenada pelo senador Weverton Rocha (PDT), esta semana, em Brasília, para propor ações de enfrentamento à COVID-19 no Maranhão.

O próprio Madeira explicou ao blog Marco Aurélio D’Eça o seu envolvimento com o projeto.

– Estou integrado ao projeto Weverton 22. Fui convidado para coordenar um grupo de técnicos, profissionais de diversos segmentos da sociedade, empresários e professores, que cuidará da estruturação de um plano para um possível governo – afirmou o ex-juiz, que disputou a Prefeitura de São Luís em 2020.

Madeira foi uma das lideranças presentes ao encontro com Weverton, que reuniu a senadora  Eliziane Gama (Cidadaina), os deputados federais Juscelino Filho (DEM), Cléber Verde (PRB), Gil Cutrim (PRB) e Pedro Lucas (PTB), além do ex-prefeito de Timon, Luciano Leitoa (PSB).

Também participaram os presidentes da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), da Câmara Municipal de São Luís, vereador Osmar Filho (PDT), e da Famem, prefeito Erlânio Xavier (PDT), além dos deputados estaduais Glalbert Cutrim (PDT) e Márcio Honaiser (PDT).

– Enquanto muitas ações estão sendo comandadas pelo Senador Weverton e este grupo, nessa linha de combate à Covid, irei travando diálogos com pessoas representativas da sociedade – e de fora do Estado – para estruturar os principais eixos de um possível programa de governo. Essa será a minha missão – explicou o ex-juiz federal.

A reunião de Weverton Rocha foi um dos mais importantes fatos políticos institucionais do estado neste ano pré-eleitoral.

Além de reforçar a luta contra a CoVID-19, envolvendo diversos segmentos institucionais, Weverton demonstrou a unidade de um grupo voltado para o Maranhão.

Além da presença de Madeira, chamou atenção a presença de outras lideranças, como a senadora Eliziane Gama.

Mas esta é uma outra história…

9

A força política de uma foto…

Imagens da reunião de parlamentares em Brasília foram algumas das mais postadas no Maranhão entre a noite de ontem e a manhã de hoje, em todas as redes sociais, blogs e páginas pessoais de internet, com forte potencial para desdobramentos políticos

 

Nenhuma outra reunião nos últimos meses conseguiu reunir tanta liderança de peso quanto esta, comandada por Weverton Rocha em Brasília

Análise de conjuntura

Nenhuma outra imagem ganhou tanta repercussão nos últimos tempos no Maranhão quanto a foto da reunião que o senador Weverton Rocha (PDT) presidiu na tarde desta quarta-feira, 24, em seu gabinete, em Brasília.

A imagem, em suas várias versões, mostrou nada menos que dois senadores, seis presidentes partidários,  três chefes de poder institucional, quatro deputados federais, três deputados estaduais, um ex-prefeito do interior, um vereador e um ex-candidato a prefeito de São Luís.

A presença da senadora Eliziane Gama (Cidadania), por exemplo, tem um simbolismo de peso no aspecto político maranhense.

Tendo como pano de fundo o enfrentamento da pandemia de CoVID-19, a reunião mostrou tanto a força quanto a unidade do grupo liderado pelo senador.

E ainda faltaram algumas outras lideranças e chefes partidários, que não puderam participar do encontro.

A imagem das lideranças segurando as placas contra a CoVID-19 é de um simbolismo político sem precedentes; quem mais poderia unificar este grupo?

Publicadas nas redes sociais dos participantes, em blogs e páginas pessoais em todo o Maranhão, as fotos devem se transformar em ícones da pré-campanha de 2022.

E gerar desdobramentos políticos de peso nos próximos dias…

4

Os desafios de Edivaldo Jr. em 2022…

Sem grupo político consistente que lhe dê sustentação, desgastado com a classe política após neutralidade nas eleições de 2020 e com um legado fragilizado pelas chuvas, ex-prefeito de São Luís precisa construir uma imagem forte no interior para consolidar-se como opção ao Governo do Estado

 

A boa relação com a população não será suficiente para sustentar o projeto estadual de Edivaldo Júnior em 2022

O ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (PDT) apareceu bem posicionado nas duas pesquisas sobre a sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB) divulgadas esta semana: 13,9% na Emet e 10% na Exata.

O patamar de dois dígitos seria suficiente para qualquer candidato começar a preparar a estrutura de campanha.

Para Edivaldo, no entanto, é um sinal de alerta ao projeto que pretende desenhar para 2022.

Recém-saído da prefeitura – com índices altíssimos de popularidade – natural que o ex-prefeito de São Luís aparecesse bem em qualquer pesquisa, uma espécie de recall de sua gestão, sobretudo na pesquisa Emet, feita basicamente na capital.

Esses índices, no entanto, não garantem a ele a sustentabilidade necessária para seguir em frente como candidato.

Edivaldo tem desafios difíceis até abril de 2022; e precisará muito mais do que o carinho da população para superá-los.

Primeiro, falta-lhe um grupo consistente para dar sustentação no interior, situação dificultada ainda mais pela ausência nas eleições de 2020, quando ignorou os que carregaram suas duas campanhas, a de 2012 e a de 2016.

Um exemplo é sua relação com o governador Flávio Dino (PCdoB), que esfarelou diante de sua postura nas eleições municipais.

Relação com Flávio Dino ficou desgastada após 2020, quando Edivaldo decidiu ficar “neutro” mesmo depois do que fizeram por ele em 2012 e 2016

Outro desafio para Edivaldo é manter seu legado sólido em São Luís, mesmo com o desmoronamento de suas obras pelas chuvas e a evidente falta de infraestrutura urbana na capital.

E é óbvio que o prefeito Eduardo Braide (Podemos) não fará qualquer questão de dar os louros ao antecessor por eventuais medidas que deem destaque à prefeitura.

Para garantir o potencial de votos até 2022 Edivaldo precisará, sobretudo, de uma forte estrutura de mídia, que apresente sua imagem de bom gestor para além do Estreito dos Mosquitos.

Para isso, ele necessitaria, primeiro, dos itens anteriores: grupo político sólido, liderança na classe política e um legado consistente.

Sem falar que, para ser candidato, ele vai precisar de um partido de peso, uma vez que o PDT é o outro desafio a ser transposto.

Mas esta é uma outra história…

1

Weverton reúne presidentes de partido no enfrentamento à CoVID-19

Senador disponibilizou o seu gabinete no Senado para discutir, propor e efetivar ações que possam ajudar no combate à pandemia de coronavírus; num encontro que serviu também para reforçar a unidade do grupo político

 

A imagem é uma das mais representativas no que se refere à unidade de um grupo político, todos juntos no enfrentamento à CoVID-19

O senador Weverton Rocha (PDT) reuniu nesta quarta-feira, 24, em seu gabinete, em Brasília, nada menos que cinco presidentes de partidos para uma reunião com foco no enfrentamento à CoVID-19.

– Tivemos uma importante reunião em Brasília para articularmos ações de enfrentamento à pandemia de COVID-19 no Maranhão. Há uma preocupação grande em garantirmos as condições necessárias para que a população tenha atendimento em caso de adoecimento e, sobretudo, de prevenção com as medidas corretas e vacinação em massa – disse o senador.

Além do próprio Weverton, que preside o PDT, o encontro reuniu a senadora Eliziane Gama (Cidadania), os deputados federais Juscelino Filho (DEM), Cléber Verde (PRB) e Pedro Lucas (PTB), além do ex-prefeito de Timon, Luciano Leitoa (PSB).

O encontro, que demonstrou a unidade do grupo coordenado pelo senador, reuniu também os presidentes da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), da Câmara Municipal de São Luís, vereador Osmar Filho (PDT), e da Famem, prefeito Erlânio Xavier (PDT), além dos deputados Gil Cutrim (PRB), Glalbert Cutrim (PDT), do secretário Márcio Honaiser (PDT) e do ex-juiz federal e ex-candidato a prefeito de São Luís, Carlos Madeira (Solidariedade).

– Juntos podemos trabalhar e colocar as forças dos nossos mandatos e dos nossos partidos para ajudar o estado e os municípios – afirmou Weverton Rocha.

Uma força e tanto em favor do Maranhão, como a imagem sugere…

0

Flávio Dino vence eleição para o Senado em qualquer cenário

Governador alcança 45% de intenções de voto em uma disputa com Roseana Sarney, Roberto Rocha, Josimar de Maranhãozinho e Othelino Neto; e vai a 52% quando a ex-governadora é retirada da lista de candidatos

 

Pesquisa Exata mostra que Flávio Dino lidera com folga a disputa pela úncia vaga de senador pelo Maranhão em 2022

O governador Flávio Dino (PCdoB) tem a sua candidatura ao Senado praticamente consolidada em 2022, segundo pesquisa Exata, divulgada pela rádio Difusora FM nesta terça-feira, 23.

No principal cenário pesquisado pela Exata, Dino chega a 45% de intenção de votos, contra 18% da ex-governadora Roseana Sarney (MDB), 16% do atual senador Roberto Rocha (PSDB), 6% do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) e 4% do presidente da Assembleia, Othelino Neto (PCdoB).

Quando Roseana e Othelino são retirados da lista de candidatos, Flávio Dino vai a 52% de intenção de votos, contra 22% de Roberto Rocha e 9% de Josimar de Maranhãozinho.

Esta disputa entre Dino e Rocha foi prevista pelo blog Marco Aurélio D’Eça ainda em 2014, no post “Roberto Rocha e Flávio Dino oito anos depois…”

Mas ela não deverá ocorrer, uma vez que Rocha deve optar pela disputa de governador ou de deputado federal.

Esta foto de 2014 prediz uma disputa que não ocorrerá em 2022, quando Flávio Dino deve ocupar no Senado a vaga hoje ocupada por Roberto Rocha

O senador tucano cuja vaga está em disputa em 2022 só lidera a corrida quando o próprio Dino é retirado da lista, juntamente com Roseana Sarney. 

Nesta hipótese, Rocha vai a 37%, contra 17% de Josimar e 10% de Othelino. 

Como se pode analisar dos números do Instituto Exata, a vaga de senador pelo Maranhão só nãos erá de Flávio Dino em 2022 se ele não concorrer a ela.

Hipótese esta cada vez mais descartada…

1

Com baixa rejeição e alta intenção de votos, Weverton se consolida para 2022

Senador pedetista é o candidato mais bem posicionado na base do governo Flávio Dino, ficando atrás apenas em um cenário com Roseana Sarney, que já descartou candidatura majoritária e declarou a intenção de concorrer a uma vaga de deputada federal

 

Weverton Rocha é o principal nome da pesquisa Exata, uma vez que a ex-governadora Roseana não é candidata ao governo em 2022

Por todos os aspectos que se analise a pesquisa Exata, divulgada nesta terça-feira, 22, pela rádio Difusora FM, o senador Weverton Rocha (PDT) apresenta-se em uma posição consolidada como candidato a governador em 2022.

Faltando um ano e meio para as eleições, Weverton é o único nome da base do governo Flávio Dino a superar a casa dos 20% de intenção de votos, mesmo no cenário em que a ex-governadora Roseana Sarney lidera. (Releia aqui)

Como a própria Roseana já declarou que não será candidata ao governo, Weverton pode ser considerado o líder da pesquisa Exata em todos os cenários pesquisados.

Sem Roseana, ele supera a casa dos 30% dos votos e bate Josimar de Maranhãozinho (PL) e Carlos Brandão (PSDB) juntos; e chega a 36% numa disputa direta contra o agora vice-governador tucano.

Com estrutura própria, aliados de peso nas principais instâncias de poder e agora com força eleitoral comprovada, Weverton leva ainda uma vantagem a mais em relação aos seus principais adversários: sua rejeição é a mais baixa dentre os candidatos pesquisados.

Neste quesito – liderado pela própria Roseana, com 38% – pretensos postulantes ao governo, como Josimar, registram 25% de eleitores que não votariam nele em qualquer hipótese.

Carlos Brandão, por sua vez, registra 14% de rejeição.

Weverton fica empatado no quesito rejeição com o ex-prefeito Edivaldo Júnior (PDT), na casa dos 13%.

Edivaldo, aliás – que aparece com 10% de intenções de voto no cenário liderado por Roseana – pode ser considerado outro trunfo do próprio Weverton, já que a soma dos dois pré-candidatos do PDT iguala os 30% da ex-governadora.

Um potencial eleitoral e tanto, que tende a se consolidar ao longo de 2021.

E que deve ser confirmado por pesquisas como as da Escutec e da Econométrica, com divulgação prevista a partir do próximo fim de semana.

É aguardar e conferir…

1

Roseana lidera corrida pelo governo; Weverton é o melhor da base…

Ex-governadora alcança 30% das intenções de votos em pesquisa Exata, divulgada nesta terça-feira, 23, pela rádio Difusora FM; sem ela, senador do PDT lidera em todos os cenários, sempre acima dos 30 pontos percentuais

 

Roseana lidera a disputa pelo Governo do Estado, embora já tenha declarado que não pretende disputar as eleições majoritárias de 2022

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) aparece em primeiro lugar na pesquisa do Instituto Exata para o Governo do Estado, divulgada nesta terça-feira, 23, no programa Ponto & Vírgula, da rádio Difusora FM.

No principal cenário pesquisado, ela soma 30% das intenções de votos, contra 20% do senador Weverton Rocha (PDT), o governista mais bem posicionado.

O cenário principal da pesquisa Exata mostra que Weverton Rocha é o mais bem posicionado pré-candidato ligado à base do governo Flávio Dino

Ainda de acordo com o levantamento, o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT) soma 10%; o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) aparece com 7% e o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) tem 6% das intenções de voto, um ponto à frente do Dr. Lahésio (PSL), com 5%.

Neste cenário, o índice de indecisos é de 13%; outros 9% declararam que votariam branco ou nulo se as eleições fossem hoje.

Weverton vence em todos os cenários sem Roseana

 

Weverton Rocha vence em todos os cenários sem a ex-governadora Roseana Sarney, sempre com intenção de votos acima dos 30%

A pesquisa Exata avaliou outros dois cenários, ambos sem a ex-governadora Roseana e sem o ex-prefeito Edivaldo Júnior; nestes cenários, Weverton Rocha mantém ampla vantagem sobre os adversários, superando a casa dos 30% de intenções de voto.

No primeiro cenário ele vai a 32%, contra 16% de Carlos Brandão e 13% de Josimar de Maranhãozinho. Nulos e brancos somariam 20%;. outros 19% não quiseram ou não souberam responder.

Weverton vence tanto no cenário com Josimar e Brandão quanto no confronto direto com o vice-governador

No confronto direto com Carlos Brandão, Weverton chega a 36% das intenções de votos, contra 20% do vice-governador. Neste cenário, 23% declararam votar nulo ou branco e outros 21% não souberam ou não quiseram responder.

A pesquisa Exata ouviu 1.403 eleitores em todo o Maranhão; a margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos…

3

A importância das pesquisas no ano pré-eleitoral…

Levantamentos de agora – alguns já concluídos; outros em conclusão –  servem para balizar estratégias e definir rumos políticos e partidários, mostrando quem tem potencial de largada e de chegada na disputa de 2022

 

Tanto Brandão quanto Weverton sabem que as pesquisas são fundamentais para convencer Flávio Dino das chances reais de cada um na disputa de 2022

Engana-se quem tenta desqualificar as pesquisas de intenção de votos neste momento pré-eleitoral, faltando pouco mais de um ano e seis meses para o pleito de 2022.

É exatamente neste momento que as lideranças políticas e os partidos começam a delinear suas estratégias; e para isso precisam ter uma baliza para seus movimentos.

Alguns institutos já realizam pesquisas no atual momento da pré-campanha, a maioria de consumo interno; já o Instituto Escutec deve divulgar o seu levantamento no próximo sábado, 27.

Sem estes números para analisar, nenhum candidato chega longe ao processo eleitoral, já que não terá luz sobre seus movimentos políticos, partidários e eleitorais.

Desqualificar as pesquisas neste momento é uma estratégia equivocada – e mostra muito de quem sabe que terá dificuldades para se viabilizar.

Até por que, é a opinião do eleitor neste momento – espontânea ou estimulada – que mostrará os candidatos com reais chances de, ao menos entrar na disputa de 2022.

É simples assim…

0

Brandão ganhou ou perdeu com o PSDB?!?

Vice-governador declarou no fim de semana que voltou para dar musculatura ao ninho tucano maranhense, mas o saldo imediato para ele é de perdas, de partidos e de lideranças; e ainda terá mais consequências a longo prazo

 

Seis por meia-dúzia: em termos estruturais, o PSDB maranhense tem tamanho equivalente ao PRB, mas menos prefeitos e lideranças

Repercutindo até hoje no Maranhão, a entrada surpresa do vice-governador Carlos Brandão no PSDB foi visto num primeiro momento como uma jogada de mestre.

Não foi.

De imediato, Brandão perdeu bem mais que ganhou.

Logo de cara ele afastou de sua base o PRB, que é controlado pelo deputado federal Cleber Verde, decano da bancada e dono de um cabedal acima de 100 mil votos.

Também perdeu os 25 prefeitos eleitos pelo PRB, contra apenas quatro do PSDB em, todo o estado; sem falar no tempo de TV, que são equivalentes.

O efeito imediato da ida de Brandão para o ninho tucano foi a perda do PRB, que agora, com a entrada de Cutrim, está com Weverton; haverá outras perdas

E todo este legado do PRB agora esta na base do senador Weverton Rocha (PDT), que já reúne tendência de apoio de diversas outras legendas, do DEM ao MDB; do PTB ao PSL.

A entrada de Brandão no PSDB mão representa perdas apenas imediatas para o vice-governador; ele sofrerá outras defecções ao longo de 2021, sobretudo de lideranças e partidos que poderiam estar com ele caso não houvesse a mudança de partido.

Mas esta é uma outra história…