0

Com disputa pelo Senado, Dino mexe com as peças da própria sucessão

Ao anunciar desistência da disputa presidencial, governador volta os olhos para dentro do seu estado e do seu grupo e indica que pretende ter o controle absoluto da montagem da chapa majoritária de 2022, forçando reposicionamento de aliados e adversários

 

Flávio Dino marca a própria posição para 2022 e deixa claro que pretende comandar a própria sucessão em seu estado

Análise de conjuntura

Ao anunciar nesta quarta-feira, 30, que vai mesmo disputar uma vaga no Senado em 2022, o governador Flávio Dino (PCdoB) definiu que estará no comando do seu grupo político nas próximas eleições.

Logo de cara, marca território e estabelece cenários importantes tanto no governo quanto na oposição.

Sua candidatura ao Senado terá impacto direto sobre três outras lideranças interessadas na mesma vaga: o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB), o ainda prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), o senador Roberto Rocha (PSDB) e a ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Othelino deve repensar sua estratégia e buscar novas posições dentro do grupo, o que pode indicar, inclusive, a permanência no controle da AL-MA a partir de 2023; Roseana também deve optar por outras disputas.

Fortalecido como liderança histórica em São Luís, Edivaldo passa a figurar como opção de chapa em 2022, mas já não como opção ao Senado, podendo compor uma chapa de governo ou entrar na disputa da Câmara com cacife para formar a própria bancada.

Caso Roberto Rocha – que tem o apoio declarado do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) para a reeleição ao Senado – decida enfrentar Dino, estará se confirmando o desenho do blog Marco Aurélio D’Eça, apresentado ainda em 2014 no post “Roberto Rocha e Flávio Dino oito anos depois…”

Ao definir sua candidatura – praticamente 15 meses antes de deixar o mandato – Dino fortalece a própria posição no grupo, em risco de esfacelamento desde as eleições municipais; esta ideia de fortalecimento é reforçada pela volta do deputado Márcio Jerry (PCdoB) ao governo.

Esta posição pode implicar também um acordão pela chapa encabeçada pelo vice-governador Carlos Brandão (Republicanos), mas não é automático.

Sobretudo pelo fato de que Jerry e Brandão são adversários históricos, e é Jerry quem estará definindo as cartas com aliados até abril de 2022.

Na condição de candidato a senador, Flávio Dino vai tratar diretamente com outra liderança do grupo, o senador Weverton Rocha (PDT), pré-candidato a governador.

Há duas perspectivas para esta conversa:

1 – Dino e Weverton se juntam na mesma chapa, com apoio de Brandão e um vice de peso para o pedetista, tornando o grupo praticamente imbatível em 2022, ou;

2 – Dino e Weverton se enfrentam, cada um em uma chapa de peso, com o comunista apostando todo o cacife para eleger também Brandão governador.

Estes cenários passarão a ficar mais claros a partir de janeiro, quando as primeiras pesquisas sobre 2022 começarão a ser apresentadas, agora já com as principais peças do tabuleiro – no governo e na oposição – definidas quanto às suas posições.

Com poucas chances para novos desenhos até o fim de 2021…

4

Weverton nega “candidatura intransigente” e cita Edivaldo como opção

Conciliador, senador maranhense disse que só concorrerá ao governo se houver viabilidade eleitoral e consenso na base; e afirma aceitar qualquer nome indicado pelo governador Flávio Dino que demonstre viabilidade eleitoral

 

Em paz com seu projeto político, Weverton reafirma comando de Dino na sucessão e cita Edivaldo Júnior como opção ao governo

O senador Weverton Rocha (PDT) deu mais uma mostra de sua maturidade política, nesta quarta-feira, 16, ao afirmar em entrevista à rádio Educadora que não há intransigência em sua candidatura ao governo.

– Eleição majoritária não é eleição de projeto pessoal. Eleição majoritária é grupo, não é sozinho. E tem que ouvir o povo. Vamos ver o que o povo vai dizer. E o líder desse grupo é o governador Flávio Dino (PCdoB) – ensina o senador.

Para Rocha, é equivocada e “pouco inteligente” a estratégia do grupo do grupo do vice-governador Carlos Brandão (Republicanos), de tentar afastá-lo de Flávio Dino.

– É claro que o grupo do vice-governador tenta nos afastar de Flávio Dino, de forma equivocada, penso eu, por conta de disputas internas. Para a eles, numa conta simples, mas não inteligente, é mil vezes melhor tentar me afastar, achando que isso me enfraquecerá – disse.

Brandão tem forçado a barra para ser candidato de qualquer jeito, mesmo tendo menos de dois dígitos nas pesquisas de intenção de votos já divulgadas; ele também hostiliza Weverton como adversário no grupo. (Relembre aqui e aqui)

Mesmo assim, Rocha aceita apoiar qualquer nome indicado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) que demonstre mais viabilidade eleitoral e que tenha consenso na base; e cita o prefeito Edivaldo Júnior como exemplo:

– Eu sempre construí política tendo a leitura de que não se pode construir projetos pessoais. Se Flávio Dino disser: “Weverton, Brandão nós temos o nome do prefeito Edivaldo bem avaliado, que pode unificar vocês”. Qual o problema de eu fazer parte deste projeto? – perguntou 

Weverton concluiu, reafirmando sua maturidade:

– O que não vou fazer é ir de qualquer jeito para um projeto pessoal, que não represente grupo. Se tivermos esta construção, não vejo problema nenhum. Repito: o projeto é do grupo –  afirmou o senador do PDT. 

Simples assim…

2

PSB dá como certa a filiação de Flávio Dino

Governador comunista tem espaço garantido no partido, que pode até absorver o PCdoB, criando uma superlegenda para as eleições presidenciais de 2022

 

Flávio Dino com expoentes do PSB nacional; governador deve ter caminho partidário diferente a partir de 2021

Terceiro colocado na disputa pela Prefeitura de São Paulo, Márcio França indicou em entrevista à Folha de S. Paulo que espera pela filiação do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), no seu partido, o PSB.

Segundo ele, essa pode ser uma saída para o comunista em virtude de possíveis problemas do PCdoB com a cláusula de barreira.

– Há um papel importante agora que vai ser jogado pelo Flávio Dino, que eu sinto que está de mudança. Para o PSB? Acho que sim. Sou muito amigo do Flávio. Ele é brilhante. Foi o melhor deputado que eu conheci em Brasília. O movimento dele vai ser o mais importante dos próximos dias. O PCdoB está com um problema [com a cláusula de barreira]. Ou eles migram para algum canto ou vão ser diluídos – disse o ex-governador de São Paulo, Márcio França.

Uma das alternativas é a fusão ou absorção do PCdoB pelo PSB, o que crisaria uma superlegenda à esquerda.

Dino ainda mantém-se calado sobre o assunto, sobretudo após derrota nas urnas de 2020.

De qualquer forma, o debate deve se intensificar em 2021…

1

César Pires revela detalhes de tensa reunião entre Weverton e Flávio Dino…

Embora não tenha participado diretamente do encontro – que selou a aliança do grupo pedetista com o prefeito eleito Eduardo Braide – deputado contou relatos ouvidos de quem esteve no Palácio dos Leões nos primeiros dias após o 1º turno

 

César Pires tornou públicos detalhes da reunião no Palácio dos Leões, de Marcelo Tavares, citando também o presidente da AL-MA, Othelino Neto

O deputado César Pires (PV) fez ontem um contundente relato do encontro entre o grupo dos senador Weverton Rocha (PDT) e o governador Flávio Dino (PCdoB) logo nos primeiros dias após o 1º Turno das eleições em São Luís.

De acordo com Pires – que trouxe riqueza de detalhes da reunião – que foi tensa, os aliados de Dino mostraram coragem ao dizer não ao chefe do Executivo, que queria deles o apoio incondicional ao candidato Duarte Júnior (Republicanos), apoiado pelo vice Carlos Brandão  e pelo deputado Josimar de Maranhãozinho, flagrado pela Polícia Federal com R$ 2 milhões em dinheiro vivo,.

– Sem sequer discutir a opção pelo seu candidato, o governador não queria dar a seus aliados o direito de escolha, mas recebeu um duro não do senador Weverton Rocha (PDT) e dos deputados Neto Evangelista (DEM), Juscelino Filho (DEM) e Pedro Lucas (PTB ), do prefeito de Timon, Luciano Leitoa (PSB), e do presidente da Famem, Erlânio Xavier (PDT) – relatou César Pires.

O relato de Pires foi confirmado integralmente pelo blog Marco Aurélio D’Eça com alguns dos presentes na reunião do dia 16 de novembro.

Pires revelou que Weverton e e Neto foram duro com o governador.O deputado lembrou que, mesmo ausente da reunião, o presidente da Assembleia, Othelino Neto (PCdoB), e o prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), também resistiram à pressão do governador e ficaram neutros na disputa pela Prefeitura.

– Ao referir aos maranhenses no livro Conselho aos Governantes, Marques de Pombal disse que o povo do Maranhão “seria obediente, fiel e amaria um general prudente, afável e modesto”; mas nenhum desses adjetivos se aplica ao governador Flávio Dino – enfatizou César Pires, ao acrescentar que “a obediência forçada é violenta, e a voluntária é segura”.

Na avaliação do deputado, a posição de Flávio Dino nas eleições ruíram as bases de seu governo, que caminha para o definhamento no fim do mandato.

– Flávio Dino não escuta conselho de ninguém: é um déspota, arrogante e prepotente, que por tudo isso já está vendo seu governo definhar. A guerra foi lançada no Palácio dos Leões e abafada. Houve discussão e muita pressão, mas os aliados do governador se recusaram a ceder aos seus caprichos – finalizou.

9

Em campanha aberta pelo governo, Brandão sentencia: “não vou para o TCE”

Vice-governador se declara preparado para continuar o trabalho iniciado pelo governador Flávio Dino, vincula diretamente a sua candidatura ao comunista e revela que seu indicado para o Tribunal de Contas é Marcelo Tavares

 

Brandão quer ter a candidatura ao governo totalmente vinculada a Flávio Dino; mas quer o controle da indicação do novo conselheiro do TCE, em 2022

O vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) abriu de vez a pré-campanha pelo Governo do Estado, nesta terça-feira, em entrevista ao jornalista Diego Emir.

Em campanha aberta para suceder Fla´vio Dino (PCdoB), Brandão descartou ir psara o Tribunal de Contas do Estado, como já foi especulado nos bastidores da Política.

– Não vou para o TCE – sentenciou Carlos Brandão a Diego Emir, de forma clara e objetiva.

Afirmou mais Brandão: seu candidato à vaga no TCE é o chefe da Casa Civil do governo Dino, deputado estadual Marcelo Tavares (PSB), seu principal aliado no contato com os prefeitos.

Chefe da Casa Civil do governo Flávio Dino, Marcelo Tavares é o candidato de Brandão para a vaga no TCE

Ao afirmar sua pretensão de ser candidato a governador, o vice-governador vincula diretamente a sua candidatura a Flávio Dino e afirma que pretende continuar a fazer tudo o que o comunista faz, mesmo sendo de um partido ligado à base do presidente Jair Bolsonaro.

Em seu projeto para chegar ao governo, além da pose no governo em 2022, Brandão quer, antes, ter controle sobre os prefeitos maranhenses.

Para isso, tenta influenciar nas eleições da Famem, mesmo com o governo declarando-se isento neste processo, que tem o pedetista Erlânio Xavier como principal candidato.

3

Lançamento de candidatura do PT ao Senado enfraquece Flávio Dino

Sendo ou não mais um balão-de-ensaio, apresentação do nome do sociólogo Paulo Romão à vaga única de 2022 mostra que os partidos da base aliada já não se preocupam com a posição do governador comunista, enfraquecido após derrota nas urnas

 

Negro, Jovem e gay, Paulo Romão quer ser a aposta moderna do PT ao tradicionalismo padronizado que seria a candidatura de Flávio Dino após deixar o governo

Desgastado politicamente após a derrota nas urnas de São Luís – e acompanhando como mero observador a uma guerra na base pela sua sucessão – o governador Flávio Dino (PCdoB) parece ter perdido a admiração dos aliados políticos.

A pré-candidatura do sociólogo petista Paulo Romão ao Senado pelo PT mostra que Dino perde mesmo importância política à medida que se aproxima o fim do seu mandato.

Desde o início do segundo mandato, Dino vem tentando entrar no debate presidencial, usando como trunfo a unidade de sua base e a liderança de um grupo homogêneo – mesmo agrupando diversas tendências políticas.

A candidatura de um petista ao Senado – sem levar em conta que o próprio Dino pode ser um pretendente à vaga – é mais uma mostra do tamanho que a base tem hoje do comunista.

Dino já havia sentido a solidão do fim de mandato ao tentar enquadrar a base em prol da candidatura de Duarte Júnior (Republicanos), provocando movimento totalmente inverso.

Mas não é de hoje que outros líderes dinistas sonham com o Senado, sem levar em conta a posição do governador; o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB), por exemplo, já anunciou ser candidato majoritário, em qualquer circunstância. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui, e aqui)

A apresentação do petista Paulo Romão agora, só acentua a desimportância do governador comunista…

3

Márcio Jerry: a hora do bombeiro comunista…

Deputado federal e mais próximo aliado do governador Flavio Dino sabe que o racha na base só antecipa o final do governo; mas precisará atuar forte para amainar o fogo ardente da vingança pulsando no vice Carlos Brandão e no deputado Josimar de Maranhãozinho

 

Márcio Jerry vê à distância a movimentação de Carlos Brandão na tentativas de antecipar o debate de 2022; mas entende que isso antecipa também o fim do governo Flávio Dino

Principal articulador político do governador Flávio Dino (PCdoB), o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) anda assustado com a volúpia do vice-governador Carlos Brandão e do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) em antecipar o debate sobre a sucessão de 2022.

Jerry entende que uma nova crise política na base governista – sobretudo após derrota para Eduardo Braide (Podemos) nas eleições de São Luís, forçará inevitavelmente o fim do governo comunista e a consequente diminuição da imagem de Flávio Dino.

Mesmo sem conseguir um nome para a disputa na Federação dos Municípios (Famem), Brandão e Josimar ligam quase que diariamente para prefeitos tentando criar uma base contra o atual presidente, Erlânio Xavier (PDT).

Botaram na cabeça que a reeleição de Erlânio significa, automaticamente, a força do senador Weverton Rocha como sucessor de Flávio Dino.

Essa guerrinha se dá exatamente pela ausência de Jerry do governo.

Em seus áureos tempos de bi-secretário de Comunicação Social e Articulação Política, o comunista trabalhava por uma base gigantesca, heterogênea e extremamente unificada em torno do projeto dinista.

Hoje, essas pastas estão sob a tutela de Rodrigo Lago.

O atual secretário não tem o cacife político para articular – até pela postura de servilidade a Dino – e por vezes até se transforma, também, em incendiário da base.

Também não tem a força necessária para peitar os interesses de Brandão e do chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB), que jogam juntos no projeto de 2022.

O blog Marco Aurélio D’Eça é testemunho das tentativas frustradas de Jerry pela conciliação da base em torno de um candidato ainda no primeiro turno.

Sua missão agora é outra.

Cabe ao aliado mais próximo de Flávio Dino impedi-lo de sucumbir à guerra patrocinada na base do seu governo, o que pode ser resolvido já na reforma administrativa do início do ano.

Mas esta é uma outra história…

5

Futuro de Carlos Brandão pode ser no TCE…

Se não conseguir superar o senador Weverton Rocha nas pesquisas de intenção de votos, vice-governador pode ter como garantia pós-mandato em 2022, uma vaga de conselheiro, solução vista por Flávio Dino como ideal para diminuir a tensão na base

 

Weverton e Brandão são os candidatos da base de Flávio Dino, que quer apenas um candidato no grupo; resultado: o vice pode ir para o TCE

Uma das saídas buscadas pelo governador Flávio Dino (PCdoB) para evitar o aumento da tensão em sua base, é ter apenas um candidato do grupo a governador, corrigindo o erro de 2020, em que diversos candidatos se engalfinharam no mesmo grupo, acirrando os ânimos, sobretudo entre o senador Weverton Rocha e o vice-governador Carlos Brandão (PRB).

Nesta terça-feira, 2, o governador reuniu a base e revelou a intenção de arrefecer os ânimos entre Brandão e Weverton. Entre as propostas, ter apenas um candidato a governador em 2022 apoiado pelo Palácio dos Leões. 

Coincidentemente, no dia anterior, o blog Marco Aurélio D’Eça havia publicado o post “É hora de Flávio Dino mostrar inteligência…”

Mas o que fazer com Weverton ou Brandão, caso um dos dois não seja o escolhido?

Segundo apurou o blog com alguns dos que estiveram na reunião, a questão passa por uma vaga no Tribunal de Contas do Estado. E neste caso, a questão passa, então, pelo próprio Brandão.

Dino quer convencer o vice-governador a aceitar a vaga no TCE e garantir o apoio a Weverton, que aparece mais bem posicionado nas pesquisas.

Ainda segundo apurou o blog, o próprio Brandão já teria aceitado a ideia, desde que permaneça os nove meses como governador, em 2022, assumindo a vaga logo depois de deixar o cargo. Nesse caso, levando em conta a vitória do grupo, seria nomeado pelo próprio Weverton Rocha.

O plano só daria errado se o grupo de Dino perdesse a eleição; mas, para isso, seria necessário o surgimento de um candidato de peso na oposição, o que não se vislumbra no horizonte a curto e médio prazo.

Até por que, diante das articulações de 2020, é provável que o próprio prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos) esteja na articulação envolvendo o PDT em 2022.

Mas esta é uma outra história…

1

Aliados de Brandão e Josimar forçam novo racha na base de Flávio Dino

Câmara Municipal e Famem elegem sua diretoria em janeiro – o que tem vinculação direta com as eleições de 2022 – razão pela qual secretários, aliados e jornalistas ressentidos com a derrota em São Luís querem forçar o governador a quebrar novas lanças contra o grupo que apoiou Eduardo Braide

 

Weverton apoia tanto Osmar Filho, na Câmara, quanto Erlânio Xavier, a Famem, o que incomoda aliados do vice-governador Carlos Brandão e do deputado federal Josimar de Maranhãozinho

A nova postura de conciliação do governador Flávio Dino (PCdoB) vai enfrentar desafios em janeiro, quando a Câmara Municipal de São Luís e a Federação dos Municípios (Famem) vão eleger seu comando.

Até agora, o vereador Osmar Filho (PDT) na Câmara Municipal, e Erlânio Xavier (PDT), na Famem, caminham como favoritos em suas respectivas instâncias de poder,

Mas os aliados diretos do vice-governador Carlos Brandão (PRB) e do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL), ressentidos pela derrota de Duarte Júnior (Republicanos) querem insuflar disputa, o que pode gerar novo racha na base de Flávio Dino

Na Câmara, por exemplo, tentam insuflar vereadores do PCdoB e dos partidos ligados a Josimar de Maranhãozinho (PL) a formar resistência contra a reeleição de Osmar Filho (PDT), que já tem maioria consolidada, com apoio, inclusive, da base do prefeito eleito Eduardo Braide (Podemos).

O motivo principal da “tentativa de vingança” é a ligação de Osmar e Erlânio com o senador Weverton Rocha (PDT), líder do grupo que decidiu apoiar Braide – e adversário de Brandão e Josimar na corrida pela sucessão de Flávio Dino.

O governador já avisou aos aliados que não pretende esticar a corda com a parte do grupo que decidiu apoiar Braide (Podemos); para ele, o melhor é que essas próximas disputas sejam decididas interna corporis, sem influencia do governo.

Até por que, se resolver quebrar novas lanças, o comunista corre sério risco de novas derrotas.

Além de consolidar o esfacelamento da própria base para as eleições de 2022…

2

Flávio Dino e Carlos Brandão precipitaram a derrota de Duarte Júnior

Ao pressionar, chantagear e ameaçar aliados a cerrar fileiras em torno do seu candidato, governador e seu vice forçaram uma debandada, em nome da liberdade, que afastou ainda mais quem poderia ajudar na eleição do candidato a prefeito

 

A cada vez que Flávio Dino falou em favor de Duarte, mais os aliados da base se afastaram do candidato do Republicanos num efeito contrário do que pretendia o governador

Ensaio

O candidato Duarte Júnior (Republicanos) tinha uma ampla chance de vencer as eleições do domingo, 19, tivesse ele seguido um roteiro diferente neste segundo turno.

Era preciso, principalmente, a unidade da base, o que ele nunca fez questão de conquistar.

E ainda se deixou levar pelos arroubos autoritários do governador Flávio Dino (PCdoB), que ainda no domingo, 15, vociferou a aliados com ameaças a quem não cerrasse fileiras ao seu lado.

A fala de Dino ecoou em blogs alinhados e não-alinhados ao Palácio dos Leões; e mereceu, inclusive, um post do blog Marco Aurélio D’Eça – naquele momento já percebendo os riscos de um efeito “estouro da boiada” – no post “Desafio de Dino é unificar a base em torno de Duarte Júnior”.

O desafio não foi vencido.

A pressão, a chantagem explícita e as ameaças de Flávio Dino fizeram diversos aliados alinharem-se a Eduardo Braide (Podemos) ou declarar neutralidade – muito também pela antipatia do próprio Duarte Júnior, que não é o que se pode chamar de diplomata. 

Apenas subordinados mais dependentes de Flávio Dino começaram a declarar apoio; Flávio Dino chegou a humilhar aliados forçando o apoio a Duarte, a exemplo do ex-candidato Rubens Júnior (PCdoB).

A pressão foi tanta que Rubinho adoeceu e se afastou da campanha. (Relembre aqui)

Ao voltar à campanha do aliado, Brandão piorou ainda mais a situação ao ameaçar aliados que não querem votar em seu candidato

Na reta final da campanha veio o vice-governador Carlos Brandão (PRB) terminar de entornar o caldo, chamando de “traíras” os que não seguiram a cartilha de Dino e ameaçando retaliar os rebeldes, numa postura típica dos coronéis do sertão maranhense.

Brandão deve assumir o lugar de Flávio Dino daqui a 1 ano e 4 meses; e isso apavorou mais ainda os que temem ser tratados como gado, obrigados a seguir o rebanho dos interesses da dupla.

Quanto mais Flávio Dino e Carlos Brandão ameaçam aliados, auxiliares e servidores, mais Duarte Júnior perde votos na base.

Num efeito reverso do que esperam os dois chefes políticos.

Por que chefes nunca serão líderes…