4

Lockdown: Flávio Dino admite falhas ao impor novas restrições…

Depois de passar três dias falando de “sucesso” do bloqueio geral – mesmo diante de imagens diárias de multidões nas ruas – governador decide impor rodízio de carros, antecipar feriados e emparedar bancos, numa nova tentativa de frear a escalada da coVID-19

 

De personalidade forte, Flávio Dino não reconheceu as críticas ao lockdown, mas admitiu as falhas ao impor novas medidas restritivas nesta sexta-feira

O governador Flávio Dino (PCdoB) passou três dias numa espécie de embate com a realidade afirmando diuturnamente o “sucesso do lockdown”, mesmo diante das críticas e das imagens que mostravam multidões nas ruas. 

Nesta sexta-feira, 8, porém – mesmo sem reconhecer oficialmente – o governador acabou por admitir falhas no bloqueio ao decidir endurecer ainda mais as medidas restritivas.

Haverá rodízio de carros na Grande São Luís, o feriado do dia 28 de junho será antecipado e punições aos bancos estão previstas no novo decreto.

– Estou hoje editando uma medida provisória aumentando as multas para os bancos que não estão querendo obedecer as normas sanitárias. Essa medida provisória será publicada ainda nesta sexta-feira para entrar em vigor na segunda-feira com a fiscalização do Procon – disse.

Para evitar prorrogação do bloqueio, porém, Dino adotou uma estratégia, antecipando o feriado de 28 de junho para a próxima sexta-feira, 15 de maio. 

– Nós estamos trabalhando com o cenário que não haja prorrogação. Como o lockdown termina numa quinta-feira (14) decretei feriado dia 15 (sexta-feira). Eu estou antecipando o feriado de 28 de julho para o dia 15, mantendo a restrição de entrada e saída da ilha no ferry-boat e BR-135 – explicou.

Tudo isso para tentar frear a escalada da coVID-19, que bateu novo recorde de mortes nesta quinta-feira, 7, com 25 novos óbitos.

O rodízio de carros será mais uma medida para tentar conter o grande número de pessoas nas ruas, além de multas a bancos e antecipação de feriados

Apoiando o lockdown e as medidas de restrição, este blog Marco Aurélio D’Eça tem orgulho de ter contribuído para o recuo de Dino e as novas medidas restritivas, embora não admita o governador. (Entenda aqui, aqui e aqui)

E vai continuar mostrando a realidade, apontando equívocos e mostrando soluções.

Entende, assim, que evita a fantasia politizada dos números oficiais…

2

Flávio Dino se opõe a autor de lockdown sobre rigidez das medidas

Enquanto o juiz Douglas de Melo Martins aponta sanções aos desobedientes como forma de garantir o sucesso do bloqueio, governador mostra-se contrário, alegando circunstâncias da realidade social no Brasil; enquanto isso, mortes por coVId-19 batem recorde

 

Autor do lockdown, Douglas Martins defende medidas mais duras para evitar aglomerações, mas Flávio Dino acha que não se pode encarcerar as pessoas

O terceiro dia do lockdown judicial na Grande São Luís, nesta quinta-feira, 7, marcou um momento de clara divergência conceitual entre o autor do bloqueio, juiz Douglas de Melo Martins, e o governador Flávio Dino (PCdoB).

No mesmo dia, as mortes por coVID-19 chegaram a 320, com 25 novos óbitos.

Martins mostra preocupação com o futuro do lockdown, defende a imposição de sanções “como único caminho” para impedir a presença de pessoas nas ruas e justifica:

– Foram dois dias de caráter educativo, agora terá aplicação de multa.

Dino, por sua vez, entende que o bloqueio é um sucesso até agora e acha que não deve “fazer encarceramento em massa de pessoas”. 

E justifica ser normal essa movimentação, diante da realidade do país.

– Um grau de movimentação é normal, em face dos serviços essenciais e das condições sociais no Brasil, diferentes da Europa.

Diante da divergência de opinião entre autor e executor do lockdown, os números da coVID-19 seguem crescendo no Maranhão, agora com recorde de mortes. (Entenda aqui)

Quem tem razão?!?

2

Bolsonaro começa a emparedar os demais poderes…

Feito cangaceiro em sua marcha ao Supremo Tribunal Federal – com seu exército de empresarios parecendo jagunços milicianos – presidente parece querer passar a ideia do “sou eu quem mando”, típico de déspotas ao sentir a perda da autoridade

 

Momento em que Bolsonaro marcha em direção ao STF, acompanhado de empresários, feito cangaceiros, numa clara intimidação afrontosa ao Estado de Direito

Editorial

Em mais um ato absurdo – e improvável em qualquer circunstância político-social – a marcha do presidente Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal, nesta quinta-feira, 7, é o que se pode chamar de ato final de um déspota.

Um recado, do tipo “estou disposto a tudo para manter o poder”.

Em sua tentativa de mostrar autoridade, Bolsonaro quis dizer quem é que manda, mas apenas tomou mais um ato contra a Democracia.

E a presença da turba de empresários, como espécies de jagunços-milicianos, apenas reforçou a ideia de emparedamento que ele quis passar ao provocar o STF.

Foi um ato arbitrário, desde a sua concepção até o seu desfecho, com a transmissão ao vivo, por suas redes sociais, de uma reunião que não estava sendo transmitida nas redes oficiais do próprio Supremo.

O ato de cangaço de Bolsonaro foi apenas mais um de intimidação àqueles que podem – e devem – apeá-lo do poder. Outros foram feitos antes, como preparativo para este.

E se nada for feito, outros virão, pondo em risco o estado de direito no Brasil.

E o próprio Brasil…

1

Mais da metade da população ignora lockdown no MA, diz estudo da USP

Índice de Rigidez do Distanciamento (RDS) usado pela Universidade de São Paulo – e referência no Brasil – revela que apenas 49% dos maranhenses mantiveram o isolamento social total nos dois primeiros dias de bloqueio na região da Grande São Luís

 

A população deu pouca ou nenhuma importância ao lockdown em São Luís, que Flávio Dino insiste em chamar de “um sucesso”

Duas narrativas estão se digladiando desde que foi iniciado o lockdown na região da Grande São Luís para conter o avanço do coronavírus no Maranhão.

A primeira é liderada pelo governador Flávio Dino (PCdoB), que, a despeito da realidade das ruas nos bairros populares e na zona de comércio, garante que o bloqueio “é um sucesso”.

A outra narrativa, usada por setores da imprensa – que vai às ruas constatar se há comprometimento da população e capta as imagens já amplamente divulgadas – vê erros no lockdown e aponta medidas para evitar o fracasso anunciado.

O gráfico do Índice de Rigidez do Distanciamento, da Universidade de São Paulo, mostra que apenas 49,6% ficaram em casa no lockdown da terça-feira,5

Nesta quinta-feira, 7, estudo da Universidade de São Paulo comprova oficialmente que a narrativa da imprensa, e não a de Flávio Dino, é a correta neste momento.

De acordo com o Índice de Rigidez do Distanciamento (RDS) da USP – hoje usado como referência na análise dos resultados do distanciamento social em todo o país – menos da metade da população aderiu ao bloqueio nos dois primeiros dias de lockdown na Grande São Luís.

Para ser mais preciso: foram 49,6% na terça-feira, 5; e 49,3% na quarta-feira, 6.

Em 6 de maio, o índice de comprometimento da população com o bloqueio foi ainda menor, de 49,3% da população, segundo o estudo da USP

Pior: o índice de distanciamento em pleno lockdown ficou abaixo até mesmo da maior média do distanciamento no Maranhão, que foi de 54,8% no dia 22 de março, o domingo seguinte ao anúncio do primeiro caso de coVID-19 no estado. (Veja os gráficos que ilustram este post)

O RDS da USP atribui aos estados escores que vão de zero a 2, segundo sua rigidez e seu alcance geográfico. Em seguida, soma esses escores às medidas de proibição de aglomeração, fechamento de escolas e de trabalho, atribuindo escalas de zero a 100 para a rigidez do isolamento.  (Entenda aqui)

O maior índice de distanciamento social no Maranhão, de 54,8%, só foi alcançado em 22 de março, um dia depois do primeiro caso registrado no estado

O lockdown determinado pelo juiz Douglas de Melo Martins prevê medidas rígidas de restrição de deslocamentos, como multas e até detenções. 

Mas nem Flávio Dino, nem os prefeitos envolvidos implantaram essas medidas nas cidades atingidas. (Lembre aqui e aqui)

O resultado é o grande – e crescente – número de pessoas nas ruas, situação que o governador insiste em classificar de “sucesso”.

Mas os números não mentem, jamais…

5

“Não vejo outro caminho”, diz Douglas Melo sobre multa no lockdown

Juiz que decretou o bloqueio geral diz que a aplicação de sanções a quem sair às ruas sem justificativa comprovada é a saída para salvar a situação, mas ressalta que isso cabe apenas às forças de segurança do governo e das prefeituras

 

Nos bairros populares e comerciais, o passeio de pedestres continua sem problemas, após três dias de bloqueio geral

Apesar da insistente declaração de sucesso do governador Flávio Dino (PCdoB), o lockdown decretado judicialmente na Grande São Luís, mostra claros sinais de fracasso, diante da desobediência generalizada da população.

Para mudar o quadro e garantir o bloqueio geral, a saída seria a aplicação de multa aos desobedientes, como defende o próprio autor da medida, o juiz da Vara de Interessas Difusos e Coletivos, Douglas de Melo Martins.

– Não vejo outro caminho – afirmou Martins, com exclusividade ao blog Marco Aurélio D’Eça.

O juiz ressalta, no entanto, que essa medida cabe apenas ao próprio Governo do Estado e à Prefeitura de São Luís, que dispõem das forças de segurança para aplicar as sanções a quem desobedecer o bloqueio.

Na quarta-feira, 6, o magistrado chegou a dizer, em entrevista ao blog do jornalista Diego Emir, que as multas seriam aplicadas a partir desta quinta-feria, 7, após dois dias de orientações.

Mas, ao que parece, se depender do governador Flávio Dino e dos prefeitos, essas multas não serão aplicadas, sobretudo pelo temor do desgaste político que elas trazem.

Além disso, para Flávio Dino – a despeito das imagens exibidas na imprensa nos três dias de bloqueio – “o lockdown é um sucesso”.

As avenidas desmentem com fatos o que o governador insiste em dizer nas redes sociais (imagem registradas às 13h desta quarta-feria, 7)

Dino insiste em não reconhecer que sem as medidas mais enérgicas não haverá redução na circulação de pessoas; e se recusa a radicalizar nas medidas contra os que desobedecem o bloqueio.

Pior: prefere dizer que nem existe desobediência.

As multas estão previstas na própria decisão de bloqueio proferida pelo juiz Douglas de Melo e estabelecidas também nos decretos que regulamentaram a medida, tanto o do governo quanto o das prefeituras da Grande São Luís.

Enquanto não forem usadas como coerção, a farra continuará grande nos bairros.

E o governador falando de sucesso nas redes sociais…

0

Governadores decidem lockdown que Flávio Dino preferiu terceirizar

No Pará e no Ceará os próprios gestores decidiram decretar o bloqueio geral, que, no Maranhão, foi decidida pelo Poder Judiciário por que o governador não teve a coragem necessária para decretar

 

O lockdown no Maranhão só saiu por decisão judicial, mas a propaganda comunista já o vende como modelo para outros estados. Não é

Dois novos estados brasileiros prepararam-se para entrar no sistema de lockdown contra o coronavírus a partir desta semana.

A notícia levou a propaganda comunista do Maranhão a anunciar que  o estado serviu de modelo para os demais.

Não serviu.

Ocorre que há uma diferença entre os governadores do Ceará, Camilo Santana (PT), e do Pará, Helder Barbalho (PMDB), em relação ao maranhense Flávio Dino (PCdoB).

Nos dois estados, os gestores tiveram a coragem de assumir, eles próprios, o bloqueio geral das atividades.

No Maranhão, o lockdown teve que ser terceirizado pelo Poder Judiciário, diante da insegurança demonstrada por Flávio Dino, mesmo diante do iminente colapso do sistema de saúde.

Por isso, o estado comandado pelo comunista continua a ser o único do Brasil onde a Justiça – e não o governador – decidiu pelo bloqueio.

E deve continuar a ser o único…

0

Governo estuda transformar Carlos Macieira em “UPA” para coVID-19

Objetivo é garantir mais espaços, leitos e profissionais disponíveis em um único hospital de referência para a pandemia de coronavírus; projeto esbarra na necessidade de transferência de outros tipos de atendimentos disponíveis na unidade de saúde

 

Com grande número de leitos, o Hospital Carlos Macieira seria a referência do governo para atendimento aos pacientes de coVID-19

O governo Flávio Dino (PCdoB) estuda, desde a semana passada – quando aumentaram os casos de coVID-19 e os riscos de colapso no sistema de saúde – transformar o Hospital Carlos Macieira em referência no combate e tratamento da pandemia de coronavírus.

A ideia é que o HCM vire uma espécie de grande Unidade de Pronto Atendimento (UPA), para onde seriam levados todos o casos de contaminação e suspeitos.

Segundo apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, o projeto da Secretaria de Saúde esbarra na questão envolvendo outros tipos de doenças atendidas no antigo hospital do servidor, que precisariam ser deslocadas para outras unidades, também já esgotadas.

A “UPA” Carlos Macieira seria uma alternativa à dificuldade que o governo encontra para montar o hospital de campanha em São Luís, que já deveria estar funcionando há mais de um mês.

Desde a semana passada, diretores do hospital e especialistas da SES tentam encontrar a fórmula ideal para que o HCM vire UPA na emergência de coVID-19…

1

“Medidas pífias”, diz promotor sobre ações do governo contra CoVID-19…

Titular da Promotoria de Proteção à Pessoa Idosa, Augusto Cutrim denunciou o governador Flávio Dino por falta de transparência nas medidas adotadas no Maranhão e na divulgação dos valores aplicados na pandemia

 

Atuando na defesa da vida da pessoa idosa, Augusto Cutrim cobrou ações efetivas contra a CoVID-19, e mais transparência na divulgação de dados pelo governo Flávio Dino

É dura a denúncia do promotor de Proteção à Pessoa, Idosa, Augusto Cutrim, contra o governo Flávio Dino (PCdoB), apontado como incompetente na condução do combate à pandemia de coronavírus.

– Medidas que, ao final das contas, não se concretizaram, ou, na sua maioria, foram pífias em seu alcance quando comparadas à realidade, diante das inúmeras denúncias de falta de estrutura da saúde pública no Maranhão – afirmou Cutrim.

Na denúncia encaminhada ao titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos, Douglas de Melo Martins – o mesmo que determinou o lockdown na Grande São Luís – o promotor diz que falta transparência nas ações do governo.

– [o governo precisa ser obrigado] a demonstrar e comprovar, com total transparência, […] as medidas efetivamente adotadas e valores financeiros recebidos e despendidos de repasses da União, emendas parlamentares e doações privadas, gastos no enfrentamento da pandemia ocasionada pela propagação do coronavírus – diz o documento. 

Não é a primeira vez que o Ministério Público cobra ações mais efetivas do governo Flávio Dino, apontando incompetência do sistema de saúde no  combate à pandemia. 

No dia 2 de abril, a Promotora da Saúde, Glória Mafra, acionou o governo entendendo ter havido erro nos procedimentos após a morte da primeira vítima de coVID-19 no estado.

– É possível presumir que, após a realização da autópsia do paciente, ocorreu a contaminação da ambiência física do Serviço de Verificação de Óbito (SVO) desta cidade, o que inclui os instrumentos de trabalho, equipamento, os servidores que realizaram o procedimento de autópsia, além de todos outros dos setores administrativo, serviços gerais, visitantes, etc., posto que ficaram literalmente expostos ao referido vírus – afirmou, à época, a promotora. (Entenda o caso aqui)

Há duas semanas, em discurso na sessão virtual da Assembleia Legislativa, o deputado César Pires (PV) também apontou incompetência do governo maranhense no combate ao coronavírus.

Segundo ele, há fragilidade técnica na equipe de Flávio Dino destacada para o combate.

– Ao contrário do que vemos em outros estados, onde as decisões têm a orientação de infectologistas e outros especialistas, aqui no Maranhão sentimos a ausência de virologistas, infectologistas e demais profissionais da área junto ao secretário de Saúde Carlos Lula – opinou Pires. (Leia a íntegra aqui)

Flávio Dino costuma apresentar, sozinho, dados e ações contra a pandemia de coronavírus, sem auxílio de especialistas da área

O blog Marco Aurélio D’Eça também apontou fragilidade e insegurança na atuação do governo maranhense frente ao coronavírus.

Em 1º de maio, mostrou a insegurança do próprio governador na tomada de decisões mais radicais, no post “Efetivo na pandemia, Flávio Dino mostra-se inseguro ao tomar decisões…”

Um dia depois, mostrou-se a fragilidade técnica da equipe do comunista e a incapacidade de seus auxiliares de apontar caminhos, no post: “Falta um Mandetta na equipe de Flávio Dino…”

Diante de todas as evidências, que culimaram com a decisão da Justiça sobre o lockdown – assumindo o papel que deveria ser do governador – o Ministério Público decidiu cobrar do mesmo juiz um posicionamento contra o governo.

É aguardar e conferir a decisão de Douglas de Melo Martins…

2

Lockdown gerou desorganização e incertezas, critica Dr. Yglésio…

Deputado estadual, que é médico, diz que a forma como foi anunciado o bloqueio gerou pânico na população e a falta de planejamento para a ação pode fazer com que aumente a contaminação pela CoVID-19

 

O primeiro efeito do anúncio do lockdown foi uma correria desenfreada aos supermercados, na noite de quinta-feira

O deputado estadual Dr. Yglésio (PROS) criticou o a forma como o lockdown foi anunciado em São Luís, gerando pânico e incertezas.

Para ele, falta planejamento e critério para a implantação do bloqueio.

Lockdown correto começa com informação. cabe ao governador e prefeitos dizer a população como vai ser feito o fechamento, apresentar o planejamento das ações e o plano de contingência, que engloba ação policial coordenada – disse o parlamentar, em vídeo nas suas redes sociais. (Veja abaixo)

Na avaliação de Yglésio, é preciso, antes de tudo, período para informação clara da população.

Segundo Dr. Yglésio, no lockdown do juiz Douglas Martins – “atendendo à solicitação do Ministério Público e do sindicato dos hospitais também” – o que gerou foi pânico, pela forma como foi anunciado.

– Gerou desorganização e  incertezas; e o chamado efeito despedida. Se eu não sei como vai ser minha vida daqui a dez dias, eu vou para aglomeração, vou me despedir das pessoas, eu vou estar muito mais próximo de outras pessoas que podem transmitir – avaliou o deputado,

Neste caso, segundo o parlamentar, o círculo de transmissão será muito maior.

Deixando claro que não é contra o bloqueio, Dr. Yglésio diz esperar que se corrija os rumos nestes próximos dias para que o lockdown seja efetivamente positivo.

6

Falta um Mandetta na equipe de Flávio Dino…

Sem um especialista que venha a público expor as questões envolvendo a pandemia de coronavírus – e com o corpo de auxiliares formado em sua maioria por “súditos” – governador fica sozinho na linha de frente, tentando interpretar dados e divulgando números, o que leva a população a agir por si própria durante a quarentena

 

Sozinho e no escuro, Flávio Dino assumiu o comando do combate ao coronavírus; agora, também sozinho, terá que garantir a eficácia do lockdown judicial

Não há nenhuma dúvida de que o governador Flávio Dino (PCdoB) tenha estado na linha de frente da luta contra o coronavírus no Maranhão, desde o início da pandemia.

Mas a própria personalidade centralizadora do governador – aliada à soma de auxiliares que agem como súditos, evitando contrariá-lo – levou o Maranhão a condição igual à dos Estados Unidos no que se refere à contaminação pela CoVID-19.

Falta um Henrique Mandetta na equipe de Flávio Dino.

Como se sabe, o ministro da Saúde pagou com o próprio cargo a postura técnica à frente do combate à pandemia, contrariando o próprio chefe, Jair Bolsonaro, mostrando seus erros na postura diante da crise – e não se dobrou em instante algum.

Está claro há pelo menos duas semanas que Flávio Dino está exausto e seu sistema de saúde está esgotado no que diz respeito ao atendimento aos infectados pela CoVID-19.

E há pelo menos duas semanas ele também sabe que a única saída para reduzir o número de casos é o bloqueio geral das atividades, sobretudo na Grande São Luís.

Seus auxiliares também sabiam, mas não tiveram coragem de cobrar do chefe a decretação do lockdown.

E tanto sabiam que, desde a quinta-feira, 30, quando o juiz Douglas de Melo Martins determinou que o governo implante o bloqueio, diversos secretários vieram a público para declarar que a medida era necessária.

Ora, se a medida era necessária, por que o próprio Flávio Dino não a decretou?

Se era necessário, por que seus secretários das áreas mais afins não o orientaram a fazê-lo?

Sozinho, isolado em sua própria personalidade, o governador titubeou da medida por temer um desgaste político e recuou diversas vezes antes de o juiz determinar sua implantação.

Agora, cabe só a ele garantir o sucesso do bloqueio geral.

Caso contrário, o desgaste e a desmoralização serão ainda maiores…