12

Roseana Sarney recebe Arnaldo Melo em Palácio

19h30 – A governadora Roseana Sarney (PMDB) recebeu o novo presidente da Assembléia Legislativa, Arnaldo Melo (PMDB), hoje à tarde no Palácio dos Leões.

A conversa foi reservada, apenas entre os dois e agendada logo após a vitória de Arnaldo na Assembléia.

De acordo com o que apurou o blog, tratou-se de uma conversa de chefes de Poder. Uma nova conversa, com a presença dos demais membros da Mesa Diretora, deve ser agendada nos próximos dias.

Roseana ouviu de Melo as garantias de que a direção da Mesa Diretora da Assembléia é formada em sua maioria por aliados do governo e disse que a casa ajudará no desenvolvimento do Maranhão.

Os dois chefes de poder devem manter relações de correligionários e aliados.

15

Rogério Cafeteira proporá o fim da reeleição na Assembléia

Rogério Cafeteira: reeleição deve ser extinta

O deputado Rogério Cafeteira (PMN) dará entrada ainda esta semana em uma Proposta de Emenda Constitucional tratando do fim da reeleição para os membros da Mesa Diretora da Assembléia.

– Este é um compromisso do nosso bloco e quero cumprir imediatamente – declarou o parlamentar, que está apenas ultimando os ajustes no texto que será apresentado à Casa.

A possibildiade de reeleição da Mesa Diretora perdurou na Assembléia por toda a década de 90, após aprovação de lei idêntica para presidentes, governadores e prefeitos.

Em 2003, o movimento que propôs a alternância de poder na Casa aprovou  novo texto, extinguindo a reeleição. Este projeto perdurou pelas gestões de Carlos Alberto Milhomem (DEM), João Evangelista (PSDB) e Marcelo Tavares (PSB).

No ano passado, após decisão de que Ricardo Murad (PMDB) seria o então futuro presidente da Casa, os deputados aprovaram nova emenda instituindo a reeleição, que valeria a partir da próxima eleição, em 2013.

O bloco que apoiou Arnaldo Melo decidiu por fim ao dispositivo antes mesmo de ele ser usado pela primeira vez.

– Vamos votá-lo imediatamente após a reabertura dos trabalhos – declarou Cafeteira.

4

Arnaldo Melo: “Não haverá feridas”

Arnaldo Melo vai buscar a reaproximação de todos os colegas

O novo presidente da Assembléia Legislativa, deputado Arnaldo Melo (PMDB), garantiu hoje, após vitória em plenário, que não haverá qualquer sequela da disputa com os colegas de bancada.

– O governo foi o vencedor. Somos a maioria na Mesa Diretora e conseguimos o apoio da oposição. Não haverá feridas e, espero não ter deixado nenhuma mágoas – garantiu Melo.

O parlamentar garantiu que irá procurar cada um dos colegas que estiveram apoiando a outra chapa para conversar a gestão da Assembléia.

– A Assembléia é dos 42 deputados e é isso que vou ressaltar em minha gestão, que terá a marca da  minha vida: a simplicidade – garantiu o parlamentar.

Os líderes da outra chapa também ressaltaram ter a disputa encerrada assim que saiu o resultado em favor de Arnaldo Melo.

Arnaldo Melo foi eleito com 25 dos 42 votos…

9

Arnaldo Melo chega à presidência da Assembléia Legisaltivas

O deputado Arnaldo Melo (PMDB) elegeu-se presidente da Assembléia Legislativa. Decano da Casa, ele venceu o ex-presidente Manoel Ribeiro (PTB), por 25 votos a 17.

A vitória de Arnaldo Melo corrige a história.

Em 2003, ele era o principal nome de uma frente pela alternância de poder na Casa, numa disputa com o próprio Ribeiro – após dez anos de mandato deste último – mas teve que abrir da condição de candidato em nome do consenso.

Na época, foi eleito Carlos Alberto Milhomem (DEM).

Melo chega ao comando da Assembléia como recordista de mandatos e como decano da Casa.

Vai dirigir o legislativo no biênio 2011/2013. ..

4

Anunciada a chapa de Arnaldo Melo

Saiu agora há pouco a chapa com a qual o deputado Arnaldo Melo (PMDB) disputará a presidência da Assembléia Legislativa.

Terá como 1º vice o deputado Marcos Caldas (PRB). O 1º secretário será Hélio Soares (PP).

A chapa se completará da seguinte forma:

2º vice-presidente: Neto Evangelista (PSDB)

3º vice: Francisca Primo (PT)

4º vice: Afonso Manoel (PMDB)

2º secretário: Jota Pinto (PR)

3º secretário: Edilázio Júnior (PV)

4º secretário: Cleide Coutinho (PSB)

4

Arnaldo Melo também vai buscar o consenso…

Arnaldo trabalha o consenso

Aliados do deputado Arnaldo Melo (PMDB) garantem que ele também vai procurar o consenso na Casa antes da eleição da Mesa Diretora. Melo quer ser o presidente de todos os 42 deputados e vai trabalhar por esta possibilidade.

Até o momento, Melo reúne 25 votos, mas pode ampliar este número.

O próprio Ricardo Murad (PMDB) já admitiu o consenso, ontem, ao dizer que se os parlamentares quiserem o nome de Arnaldo Melo, poderá apoiá-lo.

No grupo mais alinhado à governadora Roseana Sarney (PMDB) se trabalha três nomes: Max Barros (DEM), Manoel Ribeiro (PTB) e Antonio Pereira (DEM).

Os dois grupos vão tentar evitar, à exaustão, a disputa em plenário.

Que só ocorrerá em último caso…

8

Quem é quem na disputa pela Assembléia…

Melo virou favorito na disputa

Arnaldo Melo (PMDB) – Decano da Assembléia Legislativa, conseguiu o apoio do chamado bloquinho, que reúne 17 parlamentares, e da oposição, com outros cinco. Também espera o apoio de Edilázio Júnior (PV) e Afonso Manoel (PMDB), totalizando 25 votos, o que provocou a desistência do colega Ricardo Murad (PMDB).

Melo foi um dos símbolos da luta pela alternância de poder na Casa, em 2003. Chegou a ser apontado como virtual presidente, mas abriu mão da vaga em favor de João Evangelista (PSDB). Em 2007, ocupou a Secretaria de Cidades no governo Jackson Lago (PDT). Tem a segunda oportunidade de ser presidente da Assembléia.

Barros é o nome para uscar o consenso

Max Barros (DEM) – É um dos mais experientes e fieis aliados da governadora Roseana Sarney (PMDB). Chegou a ser cotado como candidato a presidente, logo após as eleições, na hipótese de Ricardo Murad assumir a Secretaria de Saúde. Ganhou a condição de candidato do consenso, ontem, após a desistência de Murad.

Oficialmente, reúne 17 votos, mas espera receber adesões importantes durante a manhã de hoje. Foi gerente Metropolitano e secretário de Infra-Estrutura nos governos de Roseana. Atualmente, estava de volta à Sinfra.

Ribeiro aposta na união da base

Manoel Ribeiro (PTB) – Reúne os mesmos 17 votos de Max Barros, mas pode compor com este para ajudar na atração de outros parlamentares. Ribeiro foi presidente da Assembléia Legislativa por 10 anos e chegou a ocupar por algumas vezes o Governo do Estado. Aliado inconteste do presidente José Sarney (PMDB), também sempre se manteve na base de apoio da governadora Roseana Sarney.

Não conseguiu se reeleger em 2006, mas deu a volta por cima nas eleições de 2010, como um dos mais votados do estado. Ribeiro também é um dos mais experientes da Casa.

7

Max Barros é o nome do consenso na Assembléia

Max Barros pode ser opção de consenso da base

O nome do deputado Max Barros (DEM) é defendido por todos os parlamentares alinhados ao governo Roseana Sarney (PMDB) como solução para a situação gerada após a desistência de Ricardo Murad (PMDB).

Ele tem o apoio de nada menos que 18 parlamentares, número que poderá crescer com as conversas envolvendo bloquinho e oposição.

Os líderes do governo, como o próprio Murad, pretendem esgotar todas as conversas antes do início da sessão de votação, nesta terça-feira.

Só então se decidirá se haverá ou não disputa em plenário pelo comando da Assembléia.

3

Marcelo Tavares: “A oposição vai ficar onde está, com Arnaldo”

Marcelo Tavares: Fiel da balança na AL

O presidente da Assembléia Legislativa, Marcelo Tavares (PSB) confirmou ao blog ter recebido sondagens na tarde desta segunda-feira sobre novos nomes da base governista para apoiar na eleição da Casa. Mas reafirmou apoio ao deputado Arnaldo Melo (PMDB)

– A oposição vai ficar onde está. Vai ficar com Arnaldo Melo – disse.

Tavares deve ser o líder do bloco formado por PSB, PCdoB e PPS, que reúne, além dele, os deputados Cleide Coutinho (PSB), Rubens Pereira Júnior (PCdoB), Luciano Leitoa (PSB) e Eliziane Gama (PPS).

O líder oposicionista confirmou ainda que a deputada Cleide Coutinho comporá a chapa de Melo.

– A Cleide Coutinho será membro da Mesa. O Arnaldo aceitou tranquilamente, coisa que não estávamos conseguindo do outro lado – afirmou.

Com seus cinco votos, a oposição é a fiel da balança na disputa entre os dois grupos.