32

O risco da quebra de comando…

 

O motim policial: uma afronta à hierarquia militar

O governador em exercício, Washington Oliveira (PT), seus secretários da  área de segurança e seus comandantes militares devem tomar providências urgentes contra a inssurreição militar de ontem.

A primeira delas: cadeia para os coronéis Ivaldo e  Melo, líderes dos insubordinados.

Se isso não ocorrer, o governo mostrará falta de comando e o caos se implantará. E, neste caso, serão os comandantes da PM, e o próprio secretário de Segurança, os que precisarão jogar a toalha.

O pilares-mestres da vida militar são a hierarquia, a disciplina e o respeito incondicional à Carta Magna. Se isso é quebrado, o estado não tem razão de ser. 

Tanto a disciplina quanto a hierarquia foram quebradas na última terça-feira, quando os militares afrontaram o artigo constitucional que lhes proibe as manifestações paredistas.

Sobretudo por que, o governo negociava tranquilamente as reivindicações da classe, já acordadas em reunião.

Erraram tambem os líderes da Assembléia, que sequer deveriam ter sentado com os manifestantes. O batalhão-de-Choque não cometeria nenhum desatino se levassem todos para a cadeia.

Coronel Ivaldo: afronta à disciplina

Para a oposição política e midiática, é claro que interessa este clima de insubordinação. É o melhor dos mundos para ela, já que demonstra fraqueza institucional do governo e gera a instabilidade jurídica.

Por isso estimulam os militares insubordinados.

Ainda há tempo para corrigir a insurreição e punir os seus líderes.

Até por que, é  assim que ensinam todos os melhores manuais de estratégia militar:

“Ataque o pastor e o rebanho se dispersa”…

6

José Reinaldo quer Marcelo Tavares na chapa de João Castelo…

José Reinaldo: é dele a estratégia

É do ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB) o projeto de tirar o deputado federal Flávio Dino (PCdoB) da disputa por  São Luís, em 2012.

No projeto reinaldista, Dino abre mão da candidatura a prefeito, o PCdoB lança um candidato-laranja contra Castelo e o PSB indica o deputado estadual Marcelo Tavares para compor a chapa do atual prefeito.

Mas o projeto de José Reinaldo, que já vem sendo conversado com emissários do PSDB, inclui uma outra jogada.

João Castelo terá que renunciar em 2014 para disputar a vaga de senador pelo conjunto das oposições – que inclui os partidos dinistas e os castelistas, todos no mesmo palanque.

Para viabilizar a jogada, o próprio ex-governador abre mão da candidatura senatorial, mas garante mandato de dois anos a Marcelo Tavares na prefeitura, com direito à reeleição.

Flávio Dino e João Castelo serão, assim, os candidatos majoritários da oposição no pleito de 2014.

A chapa dos sonhos de José Rrinaldo inclui – como candidatos a vice, suplentes de senador, deputado estadual e federal – de Roberto Rocha (PSB) a Tadeu Palácio (PP), passando por Igor Lago (PDT), Domingos Dutra (PT), Carlos Brandão (PSDB), Eliziane Gama (PPS) e Gardeninha Castelo (PSDB).

É,  sem dúvida, um projeto audacioso em se tratando de eleições maranhenses.

Só falta combinar com João Castelo…

8

Sarney dá mais um exemplo de democracia…

O presidente do Congresso Nacional, senador José Sarney, determinou o afastamento do policial que imobilizou uma estudante, hoje, durante manifestação na Casa.

– O Senado Federal jamais tolerará violência ou qualquer tipo de abuso contra aqueles que se dirigem à Casa para defender suas idéias democraticamente – firmou Sarney, em nota.

Os estudantes foram ao Senado para acompanhar a votação do novo Código Florestal. Durante manifestação contra a proposta, entraram em conflito com a Polícia do Senado.

 Além do afastamento do policial, Sarney determinou apuração das responsabilidades sobre o que classificou de “lamentáveis acontecimentos ocorridos hoje no interior do edifício do Congresso Nacional”.

Abaixo, a íntegra da nota:

“O presidente do Senado, José Sarney, determinou à Diretoria-Geral da Casa que, no prazo de 15 dias, sejam apuradas as responsabilidades sobre os lamentáveis acontecimentos ocorridos hoje no interior do edifício do Congresso Nacional.
O policial legislativo envolvido no episódio que resultou na imobilização de um manifestante foi afastado das suas funções, por determinação do Presidente, até que a investigação seja concluída.
O presidente Sarney reafirmou que o Senado Federal jamais tolerará violência ou qualquer tipo de abuso contra aqueles que se dirigem à Casa para defender suas idéias democraticamente.”
Secretaria Especial de Comunicação Social – SECS

0

Recursos para demandas dos Seminários de Lideranças começam a ser liberados pelo governo

Luis Fernando comanda reunião para assinatura de convênios

Prefeitos de sete municípios maranhenses assinaram hoje, em reunião no Palácio dos Leões, convênios que contemplam construções de novas escolas e reformas, quadras poliesportivas e implantação de transporte escolar.

São as propostas dos Seminários Regionais de Lideranças começando a aparecer de forma mais concreta.

Serão R$ 2,6 milhões em recursos provenientes de emendas dos deputados estaduais, que beneficiarão os  municípios de Anapurus, Araguanã, Carutapera, Imperatriz, Maranhãozinho, São José de Ribamar e Mata Roma.

– Estamos começando a atender as demandas da população coletadas nos 217 municípios maranhenses, ouvindo as lideranças e cidadãos – diz o secretário-chjefe da Casa Civil, Luís Fernando Silva.

Para ele, os seminários representam um divisor de água na forma de planejar o estado.

Os parlamentares autores das emendas, também presentes ao ato de assinatura do convênio, elogiaram a descentralização do orçamento.

Para Jota Pinto (PR) e Rogério Cafeteira (PMN), o fundamental é que, com os seminários, os cidadãso terão noção clara de onde estãos endo aplicados os recursos.

Outro que elogiou o processo foi Marcos Clçadas, (PRB, autor de emenda que beneficia o município de Anapurus.

– Sem esse estudo ficava difícil definirmos onde nossas emendas deveriam ser investidas. Agora temos a certeza do que é mais urgente para podermos direcioná-las, dentro das nossas áreas de atuações, mas observando as necessidades prioritárias – frisou Caldas.

O goveno deve realizar novos atos para assiantura dos convênios indicados pelos deputados.

Os recursos estarão disponíveis no orçamento do Governo do Estado…

3

Acordo com militares gera desgaste entre governo e AL…

O acordo entre os líderes de bancada na Assembléia Legislativa e os militares que reivindicam reajuste salarial gerou um desgaste, hoje, entre alguns secretários do governo Roseana Sarney (PMDB) e os parlamentares.

Deputados, militares, overnador e secretários em reunião no Palácio

Os deputados garantiram aos policiais e bombeiros militares que fariam parte de suas manifestações contra o governo, caso as reivindicações não fossem cumpridas em duas semanas. Em troca, os manifestantes paralisariam a “greve” iniciada hoje pela manhã.

Terminada a sessão, os deputados foam ao Palácio dos Leões, comunicar o que conseguiram com a categoria. Os secretários – e aprte da cúpula da Segurançla – mostraram irritação com as promessas da bancada.

Para eles, os militares estão infringindo a lei e, por isso, não teriam direito à negociação.

O governo já tem articulado, inclusive, um convênio com o Minsitério da Defesa, garantindo a presença do Exercíto nas ruas, caso os Pms insistam na paralisação.

Diante da ponderação de líderes govenistas e oposicionistas, os secretários e comandantes da Segurança Pública aceitaram analisar a pauta dos militares.

O prazo pedido pelos deputados, de duas semanas, termina no dia 23 de novembro…

16

Flávio Dino quer dos outros o que não fez pelos outros…

Flávio Dino, agora como ser supremo...

Absolutamente convencido de que será governador do Maranhão em 2014, o ex-deputado federal Flávio Dino (PCdoB) acha que pode conduzir o processo eleitoral de 2012 mesmo sem entrar na disputa.

Hoje, o comunista se acha liderança estadual e se coloca acima das disputas municipais.

Acredita támbém ter a capacidade de unir todo mundo no mesmo palanque – do PDT ao PP, do PT ao PSDB – cobrando destas legendas o que ele próprio não fez por elas em 2010.

Flávio Dino foi o principal responsável pela derrocada eleitoral do ex-governador Jackson Lago (PDT), e chegou a cobrar do pedetista a renúncia da candidatura em 2010.

À época, o PDT pregava a união das oposições em torno de Jackson, mas Dino preferiu apostar no projeto pessoal.

Como profeta, ele quer indicar o caminho

Agora, quer que todo mundo se una em torno dele, sendo ele o principal articulador das eleições municipais, orientando desde o prefeito João Castelo (PSDB) até o petista Bira do Pindaré, passando pela deputada Eliziane Gama (PPS), o ex-prefeito Tadeu Palácio (PP) e o ex-deputado Roberto Rocha (PSB).

Por esta articulação, Flávio Dino ficaria como entidade suprema, dizendo como cada um deveria se portar em 2012, preparando-se para o embate estadual, em 2014.

Ele conduzindo a todos e todos servindo a ele.

Como um verdadeiro messias…

5

Acaba a “greve” da PM…

Arnaldo Melo comanda negociações com PMs

Os policiais militares foram convencidos pelo presidente da Assembléia, Arnaldo Melo (PMDB), e pelo líder do governo,  Manoel Ribeiro (PTB), e decidiram supender a “vigília” que faziam na Assembléia Legislativa.

A princípio alterados – sobretudo os líderes dos praças – os policiais arrefeceram os ânimos à medida que Arnaldo Melo mostrava autoridade para resolver o problema.

Ribeiro, por sua vez, garantiu que vai brigar pelas suas reivindicações. E se não conseguir, em duas semanas, estará com eles no movimento.

Com postura firme, Ribeiro cobrou dos militares que devolvessem as viaturas aos quartéis, uma vez tratar-se de equipamento público.

Em seguida, tratando diretamente com o coronel Ivaldo, pediu o prazo de duas semanas para conversar com o governo sobre a adequação dos vencimentos da categoria à dos policiais civis.

A negociação entre deputados e policiais evitou uma crise entre Polícia e Polícia. O Batalhão de Choque já estava a postos na Assembléia, para defender o patrimônio público.

Mas o movimento dos PMs e Bombeiros foi pacífico e ordeiro, como deve ser…

15

Bafômetro não pode ser só pra pobre…

Corolla de Rodrigo Araújo: mais um assassino à solta...

Tudo indica ter havido uma decisão política – e velada – da Polícia Militar no uso de bafômetros nas blitzen de São Luís.

Os PMs, cansados de abordar filhinhos-de-papai altamente tochados – que depois eram liberados, por “ordens superioes”, sem sequer ter registrada a ocorrência – decidiram suspender este tipo de operação.

Afinal, não é justo que o Chico da Esquina ou o filho de João da Padaria sejam expostos por que beberam e dirigiram, enquanto filhinhas-dondocas de político, pseudo-empresários do dinheiro público, ou filhos de papai-do-Judiciário nem precisem passar pelo constrangimento de soprar um bafômetro.

Há vários casos envolvendo estes “filhos da burguesia ludovicense” – muitos deles, inclusive, já envolvidos em mortes no trânsito. Do alto de sua arrogância, se sentem até ofendidos quando abordados, entupidos de cachaça, em uma blitz policial.

Bafômetros entregues à PM ainda no mês de agosto

Patricinhas da alta burguesia política, empresários que vêem os carros como helicopteros prontos para voar – e muitos cachaceiros que vivem na cola dos endinheirados, cometendo os mesmos crimes por que se acham protegidos pela amizade com o poder.

O resultado é a “greve” policial no uso do bafômetros – até justa, por sinal – como forma de protesto ao abuso dos playboys e periguetes das altas rodas, que têm as instituições como patrimônio pessoal.

E infelizmente, as mortes vão se multiplicando.

Dia após dia…

12

Posto de onde pedreiro teria saído sem pagar abastece carros da PM…

 

Vieira, já abatido, é arrastado pelos PMs

Quem passa pela manhã no posto da Petrobras pivô da confusão que resultou na execução do pedreiro José Ribamar Vieira Batista pode perceber a fila de viaturas da PM.

É ali que o 6º Batalhão de Polícia Militar abastece os carros utilizados nas rondas policiais da região.

O posto fora apontado pelos policiais como o local onde Vieira teria abastecido R$ 10,00 de gasolina em seu carro e, segundo a versão dos PMs, saído sem pagar.

Detalhe: os médicos que fizeram a autópsia do pedreiro recolheram R$ 50,00 de sua bolsa, entregues à família da vítima.

Mas, e daí???

Daí que, até agora, os PMs envovlidos na execução são os únicos a sustentar que o pedreiro esteve mesmo no posto.

Ninguém no local se manifestou até agora, nem há qualquer prova de que o pedreiro tenha passado por lá.

O silêncio é total na empresa que abastece a frota da PM.

Será por quê???