11

Governo pode refundir Esportes e Juventude…

Haickel conseguiu agradar no Esporte com apenas um mês de trabalho

O governo já pensa em refundir as secretarias de Esportes e de Juventude. As duas pastas foram separadas com a reforma do ano passado, mas com objetivo mais político do que têcnico – chamando o deputado Roberto Costa (PMDB) para a Juventude, abriu-se vaga na Assembléia para o suplente Fábio Braga (PMDB).

Ocorre que a estrutura da Juventude, como extraordinária, não agradou a Costa, que prefere mesmo atuar como parlamentar na Assembléia. Além disso, a volta praticamente definida de Ricardo Murad (PMDB) para a Secretaria de Saúde já garantiria, de qualquer forma, Fábio Braga no parlamento.

A reunião das duas secretarias fortaleceria também o secretário de Esportes, Joaquim Haickel, que ganharia novas atribuições.

Haickel assumiu em janeiro uma pasta reduzida, exatamente por causa da divisão. Mesmo assim, deu destaque ao setor do Esporte e Lazer com ações de forte repercussão social, o que agradou a governadora Roseana Sarney (PMDB).

Com a Juventude e o Esportes juntos, essas ações poderiam ter repercussão ampliada…

17

Eduardo Braide endurece o discurso com o governo e Roberto Costa pede equilíbrio aos colegas da base governista

Eduardo Braide: postura firme em relação ao governo

O líder do Bloco da União Parlamentar, Eduardo Braide (PMN) revelou hoje, em seu primeiro discurso na tribuna da Assembléia Legislativa, oa sua versão dos bastidores da eleição que levou o deputado Arnaldo Melo (PMDB) ao comando da Casa. De acordo com Braide, não houve traição alguma a Ricardo Murad (PMDB), mas quebra de acordos já definidos.

– Quando conseguimos o apoio do PSDB, e reivindicamos a quarta vaga, Ricardo nos negou e ainda tentou quebrar o bloquinho, propondo formar novo bloco, entre PSDB e PP – revelou o parlamentar, citando como testemunhas o colega Stênio Rezende (PMDB) e o ex-deputado Carlos Alberto Milhomem (DEM).

Também em discurso na tribuna, o deputado Roberto Costa (PMDB) considerou desmedido o discurso do líder do bloquinho.

Costa pediu serenidade

– Entendo a energia da junvetude, até porque também me considero desta geração. E fiz parte deste bloco; mas a discussão se encerrou com a eleição de ontem. Temos tudo para construírmos uma nova era, mas tudo se resolve com discussão.

Para Costa, não coube a crítica ao governo, sobretudo após a governadora e o presidnete da Assembléia, Arnaldo Melo, terem se encontrado, ontem, após a eleição na Casa.

– A governadora sempre estará aberta ao díálogo, tanto que recebeu ontem o nosso presidente, Arnaldo Melo, que é do meu partido. É preciso parar com as questões da eleição da Mesa – pregou Costa. 

Em seu discurso, Eduardo Braide também deixou clara a posição do bloco e mandou um recado ao governo:

– Caberá ao governo decidir a postura do bloco. Somos da base do governo, mas se formos tratados como oposição, então saberemos como agir – disse o líder do bloquinho, afirmando ter ouvido existirem ameaças de retaliação aos deputados que votaram em Melo.

– Se houve traição, foi do Manoel Ribeiro (PTB), que lançou seu nome quando Ricardo Murad era o candidato de consenso. Se houve traição foi do governo, que decidiu apoiar Ribeiro, exatamente o que cobrou o consenso, como alternativa a Ricardo Murad – desabafou o parlamentar.

O discurso de Braide foi seguido também pelos deputados Marcos Caldas (PRB) e apoiado pelos membros do BUD.

Rezende também entrou no debate

Outro que foi à tribuna para tentar serenar os ânimos foi o experiente deputado Stênio Rezende (PMDB).

– Não estava previsto para falar, ams alguns discursos me incomodaram. Não concordo que o governo traiu, como não concordo que o governo seja encurralado. Já passou a eleição. O momento é de ajuda mútua entre o governo e a Casa. Política é a arte do diálogo, da conversa. Nem um rei, em um ambiente democrático, é totalmente soberano – afirmou Rezende.

Em conversa com o blog ainda durante a sessão, o oposicionista Rubens Pereira Júnior (PCdoB) justificou o discurso de Eduardo Braide alegando que, “até agora, só saiu a versão do Ricardo” sobre a eleição da Mesa.

3

Os novos rumos da oposição na Assembléia Legislativa…

Pedetistas apiaram candidato oficial do governo

A eleição na Assembléia Legislativa não causou reviravoltas apenas na base governista, mas alterou também os rumos da oposição na Casa.

Há três grupos distintos neste segmento político em plenário. Um formado por PSB/PCdoB e PPS, outro apenas com PSDB e um terceiro, com o PDT. 

Tucanos foram com a dissidência do governo

Apesar de juntos na formação da base de apoio do vitorioso Arnaldo Melo (PMDB), o PSDB e o bloco formado por PSB/PCdoB e PPS não seguirão unidos para o projeto.

A adesão tucana ao Bloco da União Democrática, o bloquinho, deve ser permanente. A da tendência mais à esquerda foi sazonal, apenas para a disputa.

Comunistas, socialistas e pepessistas devem formar bloco independente, sob a liderança do ex-presidente Marcelo Tavares (PSB).

Comunistas fecharam em bloco...

Mais indefinida é a situação do PDT.

A bancada decidiu unanimemente apoiar a candidatura oficial de Ricardo Murad (PMDB). E permaneceu unida ao grupo mesmo após a retirada da candidatura muradista, inclusive somando dois nomes na chapa de Manoel Ribeiro (PTB).

...juntos com psb

Mas os pedetistas devem, também, formar bloco único na Casa.

A posição oficial da bancada deve ser anunciada hoje…

5

Três suplentes podem disputar vaga de Ricardo Murad na Assembléia

A eventual confirmação da volta do deputado Ricardo Murad (PMDB) à Secretaria de Saúde abrirá vaga na Assembléia Legislativa para mais um suplente do bloco governista.

Pelas regras entendidas pelos Parlamentos, o suplente da vez seria Chico Gomes (DEM), que está na Secretaria de Desenvolvimento Social. Neste caso, a vaga passaria para Jura Filho (PMDB), que também está no governo, ocupando a pasta dos Projetos Especiais.

O mandato passaria, então, para o sexto suplente da coligação, Alberto Franco (PMDB), que retornaria à Assembléia.

12

Roseana Sarney recebe Arnaldo Melo em Palácio

19h30 – A governadora Roseana Sarney (PMDB) recebeu o novo presidente da Assembléia Legislativa, Arnaldo Melo (PMDB), hoje à tarde no Palácio dos Leões.

A conversa foi reservada, apenas entre os dois e agendada logo após a vitória de Arnaldo na Assembléia.

De acordo com o que apurou o blog, tratou-se de uma conversa de chefes de Poder. Uma nova conversa, com a presença dos demais membros da Mesa Diretora, deve ser agendada nos próximos dias.

Roseana ouviu de Melo as garantias de que a direção da Mesa Diretora da Assembléia é formada em sua maioria por aliados do governo e disse que a casa ajudará no desenvolvimento do Maranhão.

Os dois chefes de poder devem manter relações de correligionários e aliados.

15

Rogério Cafeteira proporá o fim da reeleição na Assembléia

Rogério Cafeteira: reeleição deve ser extinta

O deputado Rogério Cafeteira (PMN) dará entrada ainda esta semana em uma Proposta de Emenda Constitucional tratando do fim da reeleição para os membros da Mesa Diretora da Assembléia.

– Este é um compromisso do nosso bloco e quero cumprir imediatamente – declarou o parlamentar, que está apenas ultimando os ajustes no texto que será apresentado à Casa.

A possibildiade de reeleição da Mesa Diretora perdurou na Assembléia por toda a década de 90, após aprovação de lei idêntica para presidentes, governadores e prefeitos.

Em 2003, o movimento que propôs a alternância de poder na Casa aprovou  novo texto, extinguindo a reeleição. Este projeto perdurou pelas gestões de Carlos Alberto Milhomem (DEM), João Evangelista (PSDB) e Marcelo Tavares (PSB).

No ano passado, após decisão de que Ricardo Murad (PMDB) seria o então futuro presidente da Casa, os deputados aprovaram nova emenda instituindo a reeleição, que valeria a partir da próxima eleição, em 2013.

O bloco que apoiou Arnaldo Melo decidiu por fim ao dispositivo antes mesmo de ele ser usado pela primeira vez.

– Vamos votá-lo imediatamente após a reabertura dos trabalhos – declarou Cafeteira.

4

Arnaldo Melo: “Não haverá feridas”

Arnaldo Melo vai buscar a reaproximação de todos os colegas

O novo presidente da Assembléia Legislativa, deputado Arnaldo Melo (PMDB), garantiu hoje, após vitória em plenário, que não haverá qualquer sequela da disputa com os colegas de bancada.

– O governo foi o vencedor. Somos a maioria na Mesa Diretora e conseguimos o apoio da oposição. Não haverá feridas e, espero não ter deixado nenhuma mágoas – garantiu Melo.

O parlamentar garantiu que irá procurar cada um dos colegas que estiveram apoiando a outra chapa para conversar a gestão da Assembléia.

– A Assembléia é dos 42 deputados e é isso que vou ressaltar em minha gestão, que terá a marca da  minha vida: a simplicidade – garantiu o parlamentar.

Os líderes da outra chapa também ressaltaram ter a disputa encerrada assim que saiu o resultado em favor de Arnaldo Melo.

Arnaldo Melo foi eleito com 25 dos 42 votos…

9

Arnaldo Melo chega à presidência da Assembléia Legisaltivas

O deputado Arnaldo Melo (PMDB) elegeu-se presidente da Assembléia Legislativa. Decano da Casa, ele venceu o ex-presidente Manoel Ribeiro (PTB), por 25 votos a 17.

A vitória de Arnaldo Melo corrige a história.

Em 2003, ele era o principal nome de uma frente pela alternância de poder na Casa, numa disputa com o próprio Ribeiro – após dez anos de mandato deste último – mas teve que abrir da condição de candidato em nome do consenso.

Na época, foi eleito Carlos Alberto Milhomem (DEM).

Melo chega ao comando da Assembléia como recordista de mandatos e como decano da Casa.

Vai dirigir o legislativo no biênio 2011/2013. ..

4

Anunciada a chapa de Arnaldo Melo

Saiu agora há pouco a chapa com a qual o deputado Arnaldo Melo (PMDB) disputará a presidência da Assembléia Legislativa.

Terá como 1º vice o deputado Marcos Caldas (PRB). O 1º secretário será Hélio Soares (PP).

A chapa se completará da seguinte forma:

2º vice-presidente: Neto Evangelista (PSDB)

3º vice: Francisca Primo (PT)

4º vice: Afonso Manoel (PMDB)

2º secretário: Jota Pinto (PR)

3º secretário: Edilázio Júnior (PV)

4º secretário: Cleide Coutinho (PSB)