12

Governo se dá conta do racha na base e chama deputados para conversa

Os coordenadores políticos do governo Roseana Sarney (PMDB) vão, finalmente, chamar a bancada governista na Assembléia Legislativa para buscar entendimento entre eles.

Os deputados do Blocão e do Bloquinho mantêm clima de tensão diária na Assembléia desde a eleição de Arnaldo Melo (PMDB) para a presidência da Casa.

Os 30 parlamentares que compõem a bancada vão se reunir amanhã com o chefe da Casa Civil, Luís Fernando Silva, e com o secretário de Articulação Política, Hildo Rocha.

Mas o presidente da Assembléia, Arnaldo Melo (PMDB), não participará do encontro -viajará para o interior logo cedo.

O blog alertou em post abaixo que a crise na bancada governista tinha a ver, também, com a ausência do governo. Desde que a governadora Roseana Sarney adoeceu, os palamentares não mais se reuniram, e têm mostrado clara cizânia na Casa.

A reunião desta sexta-feira tende a serenar os ânimos…

12

PDT entre Castelo e Roseana…

O PDT emplacou hoje o quinto secretário na administração de João Castelo (PSDB), em São Luís. Assume a Secretaria do Orçamento Participativo o ex-deputado Pavão Filho.

Além dele, já estão na administração tucana os pedetistas Clodomir Paz (Trânsito e Transporte), Sandra Torres (Sec. da Mulher), Júlio França (Agricultura e Abastecimento), Ribamar Soares (Metropolitana) e Euclides Moreira Neto (Cultura).

A bancada do PDT na Assembléia Legislativa está, ainda que informalmente, na base do governo Roseana Sarney (PMDB).

Sob a liderança de Graça Paz, os deputados Carlinhos Amorim, Valéria Macêdo e Camilo Figueiredo têm tomado posições ainda mais firmes em favor de Roseana que a própria bancada governista, hoje ocupada apenas com a autofagia pelo poder na Casa.

As duas situações mostram os dois caminhos a serem percorridos pelo PDT nas próximas eleições.

Nada de PSB, PCdoB ou PPS.

O partido de Jackson Lago pode escolher entre Castelo e a aliança PT/PMDB em 2012.

Em 2014, pode estar, inclusive, na aliança com o PMDB…

8

A ausência do governo e a crise na Assembléia..

Há um vácuo de poder no Maranhão. A ausência da governadora Roseana Sarney (PMDB) do debate político e do dia-dia administrativo do estado gera um vazio de lideranças em todos os níveis.

E este vácuo influencia também nas constantes crises vividas na Assembléia Legislativa, desde a posse do deputado Arnaldo Melo (PMDB) na presidência da Casa.

O governo briga com o governo em plenário.

A Oposição, em céu de brigadeiro, apenas estimula esta briga para colher os louros da crise governista.

Um interlocutor político de peso já teria chamado a bancada para reunião em Palácio e “enquadrado” eventuais rebeldias.

Mas sem esta referência no Executivo, ninguém sabe a quem recorrer.

Os mais experientes ainda buscam o atual secretário de Saúde, Ricardo Murad, que decidiu cuidar apenas do dia-dia de sua pasta.

Há uma evidente falta de norte à bancada.

De um lado os medalhões – raposas felpudas e experientes, ressentidas com a força dos garotos que levaram Arnaldo Melo ao poder.

Do outro, exatamente estes meninos – jovens parlamentares arrojados, mas sem a devida percepção do que é estar sendo usado como estopim de cizânias.

Sem o comando do Executivo, as duas bandas se engalfinham dia após dia, deteriorando as relações na base.

E a oposição agradece…

0

Quem tem razão???

Arnaldo fala de ajustes e redução de gastos

Declaração do presidente da Assembléia Legislativa, Arnaldo Melo (PMDB), ao jornal “O Estado do Maranhão”, edição do dia 15 de fevereiro de 2010:

O que pretendo é ter uma postura uniforme com todos os colegas. Tomei a decisão de colocar todos os gabinetes, inclusive o meu, no mesmo padrão. O deputado com menos votos terá o mesmo que o deputado mais votado.

Declaração do ex-presidente da Assembléia, Marcelo Tavares (PSB), dada ontem, 23 de fevereiro, a este blog:

Não havia diferenciação de gabinetes. E todas as gratificações e vantagens dos gabinetes dos deputados eram, em minha gestão, estritamente regimentais.

Marcelo fala de ajustes e orçamento

Declaração do presidente Arnaldo Melo, ao mesmo jornal, na mesma edição do dia 15 de fevereiro:

Estou tentando ajustar [o orçamento da Casa] para que se for necessário suplementar, que o funcionamento da Casa não seja prejudicado por falta de recurso.

Declaração do ex-presidente Marcelo Tavares, ontem, também a este blog:

Deixei em caixa, ao entregar a presidência da Assembléia, no final de janeiro, R$ 14 milhões em caixa e mais R$ 1,2 milhões para a rubrica “Restos a pagar”.

9

Deputados tentam jogar “panos quentes” na crise da Asembléia, mas Cutrim pretende manter “postura crítica e vigilante”

Cutrim pretende manter postura crítica na Assembléia

Os líderes de blocos e deputados mais experientes da Assembléia tentaram hoje arrefecer os ânimos entre os deputados Raimundo Cutrim (DEM) e o presidente da Casa, Arnaldo Melo (PMDB), durante reunião secreta no gabinete principal da Casa.

De acordo com o que apurou o blog, os parlamentares consideraram que as constantes crises em plenário, desde que o atual presidente assumiu o posto, só prejudicam a imagem do próprio Poder.

– Já existe uma reserva da sociedade em relação à imagem da Casa. Expor situações outras é ajudar na formação da imagem negativa – disse um dos parlamentares, ainda segundo apurou o blog.

Arnaldo: bombardeios quase diários em sua gestão

Não adiantou a tentativa de jogar “panos quentes”.

Raimundo Cutrim deu a entender que continuará com as cobranças de transparência e publicidade dos atos da Casa.

O que implicará, fatalmente, em novas crises em plenário…

26

Antonio Muniz reforça time da Casa Civil

Antonio Muniz: de volta à Casa Civil

O advogado Antonio Muniz vai estrear segunda-feira na secretaria-adjunta de Relações Institucionais da Casa Civil.

Ele próprio já chefiou a pasta, hoje comandada por Luís Fernando Silva, e sabe como funciona o principal gabinete do secretariado de Roseana Sarney (PMDB).

Antonio Muniz tem uma extensa lista de serviços prestados ao setor público, onde atua há mais de 30 anos.

Foi chefe da Casa Civil em dois governos e sub-chefe em outros três. Também atuou como assessor em outros poderes, além de assessorar secretarias de vários setores dos poderes Exercutivo estadual, municipal e federal.

Experiente no trato político, ele vai auxiliar Luís Fernando nas relações com os demais poderes.

E terá atuação importante entre deputados e prefeitos…

6

Gastão Vieira na polêmica da Vale

Gastão Vieira quer envolvimento da Câmra na questão da Vale

O deputado Gastão Vieira levou ao conhecimento da Câmara Federal a polêmica envolvendo os contratos da mineradora Vale com empresas maranhenses.

Os empresários do estado denunciam que a Vale cria situações que os tem levado à quebradeira.

A informação é do blog de Gilberto Léda.

Gastão falou no plenário hoje e pretende fazer novo pronunciamento, mais detalhado, sobre o assunto.

As irregularidades na relação da Vale com as empresas maranhenses foi revelada em primeira mão no blog de Décio Sá, e ganhou repercussão nacional.

Na Assembléia, apenas o deputado Neto Evangelista (PSDB) já se pronunciou sobre o assunto.

Que agora ganha destaque também na Câmara Federal…

6

O que querem esconder os deputados???

Um novo entrevero entre os deputados Raimundo Cutrim (DEM) e Arnaldo Melo (PMDB) levou hoje Carlos Alberto Milhomem (DEM) a pedir uma reunião secreta para discutir a “roupa suja” dos parlamentares.

A proposta acabvou gerando nova confusão.

O líder do Bloco União Democrática, Eduardo Braide (PMN), pregou o fim das reuniões secretas na Casa, alegando não haver nada a esconder pelos parlamentares.

O líder da oposição, Marcelo Tavares (PSB),também disse que a sua bancada não mais paricipará de nenhuma reunião secreta.

Os deputados Bira do Pindaré (PT) e César Pires (DEM) se recusaram a parar a sessão para a reunião secreta.

– Não me sinto a vontade para participar desta reunião, pelos temas a serem tratados – disse Bira.

– Me associo ao deptuado Bira,. mas não vejo porque impedir que o deputado Cutrim fale o que tem que falar – afirmou Pires.

A nova confusão na Assembléia começou quando Cutrim voltou a cobrar transparência da atual Mesa Diretora da Assembléia. Segundo ele, há nomeações de muita gente que não dá expediente na Casa.

Em resposta, Arnaldo Melo reclamou que Cutrim tem cobrado sua gestão por “não ter pleitos atendidos”, o que gerou o mal estar.

A declaração de Melo foi considerada infantil pelos líderes governistas, que propuseram a reunião sigilosa.

Com a reação dos novos parlamentares, que se recusam a discutir a  Assembléia de forma escondida.

10

São Luís recebeu R$ 9,5 milhões do SUS, em janeiro, para atendimento de pacientes do interior

A deputada Gardeninha Castelo (PSDB) informou, segunda-feira, em discurso na tribuna da Assembléia, que a Prefeitura de São Luís não está recebendo repasses pelo atendimento de pacientes do interior em hospitais de sua responsabilidade.

E afirmou, textualmente, em resposta ao colega Roberto Costa (PMDB):

O Socorrão I tem em media 120 pessoas nas macas; o Socorrão II, 100 pessoas nos corredores. Essas pessoas que estão nos corredores, elas não entram para a produtividade do SUS. Portanto São Luís não recebe. Essas pessoas realmente estão vindo do interior do Maranhão, isso está sendo arcado com recursos próprios da Prefeitura de São Luís. Não está sendo repassado por município algum.

 A Secretaria de Estado da Saúde cita o quadro de janeiro de 2011 da Programação Pactuada Integrada (PPI), do Ministério da Saúde para questionar as informações de Gardeninha.

No detalhamento da composição do teto financeiro de São Luís, referente à assistência ambulatorial e hospitalar – e aos ajustes da PPI – São Luís recebeu R$ 9.546.139,72, para atendimento da população referenciada de outros municípios.

Enfermarias do Socorrão são tomadas por pacientes do interior, mas São Luís recebe por isso

 

Segundo Gardeninha, quem fica no corredor não é contado pelo SUS

Outros R$ 7.942.141,33 são referentes à sua própria população.

Pelos dados do PPI, o valor recebido pela capital maranhense para atendimento à população de fora é maior que a recebida para atendimento da própria população.

De acordo com o PPI, os municípios do interior têm descontados outros R$ 3.585.552,81/mês para atendimento no Hospital Universitário, de responsabilidade do Governo Federal.

Simples assim…

12

Eles continuam em silêncio…

Pádua: faculdade em Imperatriz

Faltando sete dias para o fim do primeiro mês de trabalhos na Assembléia Legislativa, cinco dos 19 deputados estaduais estreantes continuam em silêncio no plenário.

Valéria: visita às unidades de saúde

Doutor Pádua (PP), Carlinhos Florêncio (PSL), Francisca Primo (PT), Léo Cunha (PSC) e Valéria Macêdo (PDT) ainda não se pronunciaram na tribuna nem participaram de nenhum debate em plenário.

Francisca: também em silêncio

O levantamento foi feito com base nos arquivos da Assembléia Legislativa, desde o dia 1° de fevereiro, quando começaram os trabalhos da atual legisaltura.

Florêncio: silêncio total

Hemetério Weba (PV), que retorna após oito anos afastado do parlamento – época em que foi prefeito – também não subiu à tribuna, mas participou dos debates em apartes aos colegas.

Léo Cunha: já tem experiência

Embora a atividade parlamentar não se resuma aos discursos, é exatamente no debate em plenário que se percebe o preparo do deputado para a vida legislativa.

E, neste caso, o silêncio nem sempre é o refúgio dos sábios…