69

Lista de federais praticamente fechada, mas ainda há espaço para mudanças

Faltando 23 dias para as eleições, a disputa por vagas na Câmara Federal está praticamente fechada.

Em termos de partidos  e coligações, apenas uma pendência: a aliança formada por PTdoB, PSL e outros pequenos partidos elegerá um deputado? Se a resposta for não, esta vaga deverá aumentar o número de eleitos pelo chapão roseanista, o campeão de votos.

A chapa formada por PMDB. DEM, PTB, PSC, PR, PRB, PP, PT e PV elegerá, certamente, 12 parlamentares. Entre os mais votados estão Sarney Filho (PV), Gastão Vieira (PMDB), Luciano Moreira (PMDB), Pedro Fernandes (PTB), Waldir Maranhão (PP), Pedro Novais (PMDB), Nice Lobão (DEM) e Sétimo Waquim (PMDB).

No  segundo grupo aparecem Costa Ferreira (PSC), Cléber Verde (PRB) e a grande surpresa da terceira prévia do blog: Alberto Filho (PMDB), de Bacabal. Sobraria uma ou duas vagas disputadas por um contingente equilibrado, que inclui Davi Alves Filho (PR), Domingos Dutra (PT), José Vieira (PR), Chiquinho Escórcio (PMDB), Ricardo Archer (PMDB), Raimundo Monteiro (PT), Antonio Bacelar (PV) Rodrigo Comerciário (PT) e Paulo Marinho Júnior, não necessariamente nesta ordem.

Se a chapinha roseanista atingir o quociente eleitoral em torno de 170 mil, garantirá uma vaga, diminuindo a do chapão. Disputam esta vaga Fernando Palácio (PSL), Lourival Mendes (PTdoB), Welington do Curso (PTdoB), Jônatas Freitas (PTdoB) e uma provável surpresa, conhecida por Lino.

As outras cinco ou seis vagas seriam divididas entre as coligações oposicionistas. A de Jackson Lago, formada por PDT/PSDB/PTC deve eleger Pinto Itamaraty e Carlos Brandão (ambos do PSDB). A novidade nesta chapa é Edivaldo Holanda Júnior (PTC), que cresceu nesta reta final e deve superar os adversários.

Apenas no caso de a aliança jackista eleger quatro – algo muito difícil – é que se abririam as possibilidades para os pedetistas Julião Amin e Weverton Rocha – este último perdeu fôlego na reta final.

Se os tucanos pedetistas elegerem três, a chapa de Flávio Dino (PSB/PCdoB e PPS) elege apenas um: Ribamar Alves (PSB). Se houver uma segunda vaga, a disputa ficará entre Simplício (PPS), Altemar Lima (PPS), Alexandra Tavares (PSB), Maurício Almeida (PSB) e Tati Palácio (PCdoB).

O fato é que nesta lista, de uma forma ou de outra, estão os futuros 18 deputados federais maranhenses…

6

Coordenação de Jackson nega aceno a Flávio Dino

Flávio e Jackson: juntos ou distantes?

Não procede a informação de aliados de Flávio Dino (PCdoB) de que o candidato do PDT, Jackson Lago, teria feito acenos para uma agenda única nesta reta final de campanha.

– Não faz sentido. Até porque, Jackson e Flávio têm o mesmo interesse: chegar ao segundo turno – disse o coordenador-geral da campanha pedetista, Clodomir Paz.

A informação foi dada por um deputado estadual da campanha dinista ao blog do jornalista Itevaldo Júnior – depois reproduzida também no blog de Décio Sá.

De acordo com Clodomir, o que existe é um consenso – definido antes mesmo da campanha – de que os dois candidatos da oposição têm o mesmo objetivo de vencer as eleições.

– O que existe é que, aquele que chegar ao segundo turno terá o apoio do o outro, até de forma natural – disse o coordenador.

O ex-deputado achou estranho, inclusive, a idéia de que os dois poderiam estar no mesmo palanque ainda no primeiro turno.

– Fica sem sentido – disse.

Em seu texto, Itevaldo Júnior lembra que Jackson aguarda o julgamento de um recurso sobre sua candidatura ainda aguardando pauta no TSE.

Décio Sá, por sua vez, afirma que o pedetista e o comunista planejam comícios conjuntos na reta final da campanha.

A leitura do blog de Itevaldo leva à impressão de que Jackson já estaria preparando uma alternativa, caso seja mesmo cassado pelo TSE.

Já na interpretação de Décio Sá, quem estaria a ponto de jogar a toalha é exatamente Flávio Dino.

Leia aqui a notícia do blog de Itevaldo Júnior

Veja a análise do blog de Décio Sá

9

Condução da campanha comunista desagrada aliados…

Homem de confiança de Flávio Dino, Jerry é alvo de críticas de aliados

O presidente da Assembléia Legislativa, Marcelo Tavares (PSB), tentou contemporizar, hoje, mas acabou admitindo para jornalistas, que, de fato, há uma insatisfação com a condução da campanha do candidato do PCdoB ao governo, Flávio Dino.

De acordo com a coluna “Estado Maior”, de O estado do Maranhão, Tavares estaria chateado, sobretudo, com o jornalista Márcio Jerry, assessor pessoal e faz-tudo de Flávio Dino.

O deptuado não cita o nome de Jerry, mas diz claramente que “o problema é que falta coordenação à campanha”.

Marcelo Tavares não é o primeiro a reclamar de problemas na campanha de Flávio Dino. Membros do PPS, do PSB e até do próprio PCdoB reclamam da organização e da dificuldade em conversar com o candidato.

Os dirigentes do PPS, por exemplo, reclamam que o PCdoB não cumpriu nenhum dos compromsisos assumidos com a legenda para formar a coligação.

Para comunistas de alto coturno, o erro está na condução da campanha, “que parece ser de prefeito”, com erros estratégicos e estruturais.

Nem o o ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), que seria o coordenador-geral, tem aparecido no comitê para discutir os rumos, preocupado que está com a própria eleição.

O fato é que há um clima de debandada na campanha comunista.

Que já se reflete na aceitação do eleitor, segundo as pesquisas…

108

Novidades marcam terceira prévia do blog sobre eleição para a Assembléia

As mudanças dos últimos trinta dias, combinadas com as decisões da Justiça Eleitoral sobre candidatos mexeram em algumas posições na lista dos favoritos para a Assembléia Legislativa.

O Chapão da governadora Roseana Sarney (PMDB), por exemplo, deve eleger, no máximo, 17 parlamentares, diante da ameaça de cassação de Hemetério Weba (PV), Márcia Marinho (PMDB) e Magno Bacelar (PV).

Os 17 favoritos são, não necessariamente nesta ordem: Ricardo Murad (PMB), Victor Mendes (PV), Max Barros (DEM), Raimundo Cutrim (DEM), César Pires (DEM), Rigo Teles (PV), Roberto Costa (PMDB), Vianey Bringel (PMDB), Stênio Rezende (PMDB), Carlos Filho (PV), Antonio Pereira (DEM), Tatá Milhomem (DEM), Chico Gomes (DEM), Edilásio Júnior (PV), Arnaldo Melo (PMDB), Alberto Franco (PMDB) e Fábio Braga (PMDB).

A coligação de Jackson Lago (PDT) deve eleger enter sete ou oito parlamentares. André Fufuca (PSDB), que substituiu o pai, Fufuca Dantas (PMDB), é a novidade na lista. Além dele, devem se eleger Gardênia Castelo (PSDB), Camilo Figueiredo (PDT), Pavão ilho (PDT), Graça Paz (PDT), carlinhos Amorim (PSDB), Neto Evangelista (PSDB). A última vaga, se houver, será disputada por Aderson Lago (PSDB) e Edivaldo Holanda (PTC).

Na coligação de Flávio Dino (PCdoB) não há alteração. Estão certamente eleitos Cleide Coutinho (PSB), Marcelo Tavares (PSB), Luciano Leitoa (PSB) e Rubens Pereira Júnior (PCdoB). Se houver outras duas vagas, serão disputadas por Othelino Neto (PPS), Eliziane Gama (PPS) e Júlio Guterres (PCdoB).

As outras coligações a elegerem deputados são, pela ordem:

PRB, PMN, PSL e outros: Marcos Caldas (PMN), Rogério Cafeteira (PMN), Eduardo Braide (PMN) e Canindé Barros (PSL) devem garantir as primeiras vagas. As demais – uma ou duas – são disputadas por Nonato Aragão (PSL),  Edson Araújo (PMN), Lima Neto, que subsitutiu ao pai, José Lima (PV),  e Carlinhos Florêncio.

PR, PTB, PSC e outros: Jota Pinto (PR) deve ser o primeiro, seguido por Alexandre Almeida (PTdoB). A última vaga deve ficar com Darci Terceiro (PTB), embora Marly Abdalla (PSC) dispute com chances.

Outra coligação a eleger deputados será PP e outros: Hélio Soares e João Batista (ambos do PP), disputam as primeiras vagas. Se alcançar uma terceira, há uma incógnita sobre o ocupante, com mais chances para Doutor Pádua (PP).

As últimas vagas da Assembléia devem ser ocupadas pelo PT, que disputa sozinho: Mauro Jorge e Francisca Primo certamente devem garantir as duas primeiras. Se o partido fizer outra, disputam Zé  Carlos da Caixa, Edmilson Carneiro, Fransuíla Soares, Valdinar Barros e Bira do Pindaré.

Está nesta lista, portanto, a nova Assembléia Legislativa…

33

As infâmias e canalhices de Marcos Silva e seus asseclas…

São, no mínimo, irresponsáveis as insinuações do candidato a governador pelo PSTU, Marcos Silva, contra o candidato a senador João Alberto de Sousa (PMDB) – e de um mau caratismo incompatível com as práticas políticas mais saudáveis.

De uma hora para outra, Silva resolveu insinuar no programa eleitoral ameaças da Polícia Militar contra seus candidatos a senador – Luiz Noleto Chaves e Claudicéia Durans. E relacionar estas supostas ao vice-governador.

Infames por que usadas apenas como discurso político; canalhas por que jogam suspeita em um adversário e em uma instituição sem base em fatos concretos.

E o que fez João Alberto para despertar a ira do PSTU?

Acusado covarde e irresponsavelmente por Claudicéia Durans de ter comandado “um grupo de extermínio insitucional”, o peemedebista recorreu à Justiça Eleitoral, que suspendeu o programa. Apenas isso.

Em resposta, Marcos Silva criou, também irresponsavelmente, a idéia de que estariam os dois – Claudicéia e Noleto -ameaçados pela PM e por Alberto.

As insinuações grosseiras são de uma marginalidade sem precedentes.

Por mais que use o manto da esquerda para se manter em evidência; por mais que utilize as questões de gênero e de raça como escudo para irresponsabilidades, Marcos Silva e seus asseclas não têm o direito de cometer desatinos como estes.

A menos que tenham provas concretas de que há ameaças contra seus dois candidatos a senador – que, a propósito, a julgar pelos índices das pesquisas, não têm qualquer importância no cenário da disputa senatorial.

E se têm provas, devem procurar as instâncias adequadas para denunciar e não usá-las como mote de campanha.

Usando o horário eleitoral de forma irresponsável, apenas se iguala aos canalhas que usam a política em proveito próprio – para se manter ad eternun em direções sindicais, partidárias ou de movimentos sociais.

Coisas que, a propósito, o próprio Marcos Silva já disse combater…

37

São Luís do futuro…

Aspecto de uma das obras anunciadas por Roseana

As novas obras anunciadas pela governadora Roseana Sarney (PMDB), hoje, no horário eleitoral da candidata, vai transformar o trânsito e melhorar a qualdiade de vida da capital.

A Ponte do Quarto Centenário vai ligar a cidade nova – formada pelos bairros da zona costeira, como São Francisco, Ponta D’Areia, Calhau e Araçagy – à cidade antiga, com um ramal para o novo litoral, formado pelas praias da área Itaqui-Bacanga.

Vai praticamente interligar todo o litoral de São Luís, desde a Raposa até a Praia da Guia.

O Anel se completará com a Avenida Metropolitana, que sairá exatamente da BR-135, passando por São Raimundo, Cidade Olímpica, Maiobão e se encontrando com a Holandeses na altura do Araçagy. A metropolitana vai permitir o acesso à outra pate do Litoral, na região de São José de Ribamar, formada por praias como Juçatuba e Tajipuru, próximas à Zona Rural.

E no meio da capital a Via Expressa, uma nova opção de escoamento do trânsito, que vai do Jaracaty ao Ipase, interligando Vinhais, Cohafuma e Cohama, desafogando o trânsito na Jerônimo de Alburquerque.

Esta nova via se completará com um ramal que deve surgir do Vinhais ao Monte Castelo, por meio de uma ponte que deve ligar a avenida e está no projeto do PAC-Rio Anil.

São obras, como disse Roseana, que garantirão a qualidade de vida da São Luís dos quatrocentos anos…

32

Por que Flávio Dino esconde seus amigos?

Amizade com José Reinaldo é seletiva

A tentativa de censura do deputado Flávio Dino (PCdoB) ao blog do jornalista Décio Sá é uma perigosa evidência do comportamento mais obscuro do candidato a governador.

Dino quer evitar que Décio faça menção ao fato de que o diretor da TV Difusora de Caxias, Carlos Alberto Silva, é seu amigo pessoal “há mais de 20 anos”.

Silva foi envolvido em acusações de agressão a uma funcionária de sua empresa. por isso Flávio não quer expor as ligações com ele. Teme perder votos.

É assim que age Flávio Dino.

Carlos Alberto, amigo de 20 anos

Ele renega amigos, familiares e aliados de acordo com seus interesses pessoais. E isto tem sido recorrente no comportamento do deputado.

A amizade com Carlos Alberto ele esconde por que teme perder votos em Caxias. Assim como tentou esconder ao máximo o apoio que recbe do ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB).

Em 2008, o então candidato a prefeito de São Luís – cujo marqueteiro era o próprio Carlos Alberto Silva – discutia nos bastidores o apoio de setores do grupo Sarney à sua candidatura, mas negava isso publicamente.

O comunista mostra-se absolutamente constrangido com qualquer menção à relação que mantém com José Reinaldo – e demonstra irritação ao comentar o fato, como ocorreu em recente entrevista à rádio Mirante AM.

Carlos Alberto Silva envolveu-se em um caso complicado, que pode atingir qualquer um.

Tentar negar uma relação com ele apenas por causa disto – ou por causa dos próprios interesses – é simplesmente uma mostra de mau caratismo.

Que enfeia mais a biografia de Flávio Dino que a própria relação em si…

6

Campanha da mídia paulista-quatrocentona contra Dilma só prejudica Serra, mostra pesquisa IG/Vox Populi

A pesquisa diária tipo tracking, realizada pelo portal IG, em parceira com o Vox populi, mostra que a petista Dilma Rousseff ampliou a vantagem sobre o seu principal adversário, o tucano José Serra – Tracking são medições diárias, por telefone.  

Dilma tem agora 56%, contra 21% e José Serra.

O resultado se dá exatamente no período em que a Globo e seus satélites serristas de São Paulo resolveramn tentar ligar a imagem de Dilma ao suposto vazamento de informações das declarações de renda da filha de Serra.

Os jornais da Globo falam diariamente no assunto – e pedem declarações diárias dos presidneciáveis – uma forma de manter o tema em evidência, tática conhecida da emissora quando pretende atacar alguém.

O crscimento de Dilma leva ao desespero a mídia-paulista-quatrocentona-falida-serrista-e-e-anti-nordestina.

E descobriram na própria filha do candidqato a única alternativa de salvação dos interesses globais.

Felixmente, não está funcionando…

Veja aqui o resultado do tracking

15

Lula tem 100% de aprovação no Centro e no Sul do Maranhão

Lula: só alegria

O presidente Luíz Inácio Lula da Silva (PT) alcançou a unanimidade em duas das regiões mais produtivas do Maranhão.

Ele tem nada menos que 100% de reconhecimento nos conceitos “Bom” e “Ótimo” tanto no Sul maranhense – que reúne pólos produtivos como Balsas – quanto no Cento do estado, onde estão as progressistas cidades de Barra do Corda e Grajaú.

Os números fazem parte da pesquisa Escutec/O Estado do Maranhão, divulgada no final de semana e registrada no TRE sob o número 32231/2010.

De acordo com Escutec, 51,4% dos eleitores consideram “Ótimo” o governo do PT na região central do Maranhão; outros 48,6% acham o governo “Bom”.

Já na região Sul, somam 42,4% os que consideram Lula “Ótimo” e 57,6% aqueles que vêem o governo como “Bom”.

Na média do estado, a aprovação do Governo Federal é de 97,4%.

24

Campanha de Jackson só existe com Graça Paz e Camilo Figueiredo…

Palanque de Graça Paz para Jackson em D. Pedro

Apenas os deputados Camilo Figueiredo e Graça Paz (ambos do PDT) divulgam o nome do candidato pedetista ao governo, Jackson Lago.

São eles que apresentam o ex-governador ao eleitor, em carros de som, trios elétricos e em comícios no interior maranhense.

Os demais candidatos do PDT e do PSDB fazem de conta que não é com eles.

Carreata de Camilo e Jackson em Codó

É Graça Paz quem alavanca o nome de Jackson em cidades como Coroatá e São Luís. Sem sua estrutura de campanha, o candidato do PDT sequer seria visto na capital maranhense.

Camilo Figueiredo, por sua vez, leva a campanha jackista a Codó.

Não se vê o nome de Jackson na campanha de outros candidatos. A tucana Gardeninha Castelo, por exemplo, tem uma das maiores estruturas de campanha, mas o nome de Jackson fica escondido.

Nem pedetistas históricos, como Julião Amin, parecem dispostos a divulgar o candidato do PDT. Não se vê destaque ao nome do ex-governador nos carros do deputado.

Não fossem Camilo Figueiredo e Graça Paz…