3

“Coronelismo gospel” pode gerar cassação de políticos no TSE…

Justiça Eleitoral iniciou este mês discussão sobre punição ao “Abuso de Poder Religioso” nas eleições, o que gerou reação dura de grupos conservadores; objetivo é frear o uso de igrejas em projetos de poder político, comumente associado ao toma-lá-dá-cá

 

O coronelismo gospel criado nas últimas décadas no Maranhão tem gerado imagens como esta em épocas eleitorais: um comunista com bíblia nas mãos em culto evangélico

O Tribunal Superior Eleitoral iniciou neste mês de julho uma discussão sobre formas de punir o abuso de poder religioso nas eleições.

Até agora, o TSE só punia – inclusive com perda de mandato – políticos flagrados em abuso de poder político ou econômico; mas o ministro Edson Fachin decidiu iniciar o debate sobre o abuso de líderes religiosos para favorecer candidatos.

– A imposição de limites às atividades eclesiásticas representa uma medida necessária à proteção da liberdade de voto e da própria legitimidade do processo eleitoral, dada a ascendência incorporada pelos expoentes das igrejas em setores específicos da comunidade – disse Fachin.

O processo – resultante do pedido de cassação de uma pastora da Assembleia de Deus de Goiás, eleita vereadora sob acusação de usar seu posto na igreja – está suspenso por um pedido de vistas; deve voltar à pauta em agosto. (Saiba mais aqui)

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou nesta quarta-feira, 8, o post “Políticos fatiam Assembleia de Deus entre candidatos a prefeito…”.

Trata-se de Editorial crítico sobre o abuso de lideres religiosos em tempos eleitorais, que é recorrente, sobretudo no Maranhão, onde as igrejas se transformaram em um imenso filão eleitoral; e não é de hoje. (Relembre aqui,  aqui e aqui)

É exatamente este abuso e formas de puni-lo, que Fachin e seus colegas começaram a analisar no TSE.

A posição do ministro gerou reações, sobretudo na base do governo Jair Bolsonaro, extremamente vinculado aos movimentos evangélicos.

– Fachin propôs ao TSE a hipótese de cassação de mandato por “abuso de poder religioso”. Problema: a lei fala em abuso de poder econômico ou político. Um tribunal não pode, por ativismo, criar a nova hipótese – provocou a controvertida deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP).

Mas há quem veja o início do debate como salutar para a democracia brasileira e para a liberdade de escolha do cidadão.

– Igrejas não podem doar recursos ou usar de sua estrutura e de seus meios de comunicação para beneficiarem candidatos – afirmou o advogado Luiz Eduardo Peccinin, especialista em direito eleitoral.

Ele é autor do livro “Discurso Religioso na Política Brasileira: Democracia e Liberdade Religiosa no Estado Laico”. (Conheça aqui)

Em nenhum estado do Brasil as forças policiais têm tantos capelães como o Maranhão mostra nesta foto, fruto da relação de troca entre as igrejas e o poder político

No Maranhão, é histórico o posicionamento político-religioso, sobretudo na Assembleia de Deus.

Desde a década de 80, a denominação religiosa manteve ao menos um representante na Assembleia Legislativa ou na Câmara Federal; chegou a ter o vice-governador, pastor Luiz Porto (PPS), no governo Jackson Lago (PDT).

Atualmente, conta com uma senadora, um deputado federal e dois estaduais eleitos como “representante oficial” da igreja no pleito de 2018.

A força eleitoral da AD é proporcional ao espaço conquistado por pastores e líderes da igreja nas instâncias de poder, sobretudo no governo Flávio Dino (PCdoB) e na gestão de Edivaldo Júnior (PDT), desde 2012. (Entenda aqui)

E é justamente esta troca que caracteriza abuso, agora julgado no TSE…

5

Por que os capelães da Assembleia de Deus não entregam seus cargos?!?

Ao criticar a deputada Eliziane Gama por apoiar Fernando Haddad e Manuela D’Ávilla, pastor presidente expõe o fisiologismo da Assembleia de Deus, que não aceita apoiar petistas e comunistas, mas aceita se beneficiar da troca de cargos e favores no mesmo governo comunista

 

POSTURA SELETIVA. Pastor Pedro Aldir: revolta com comunista só após eleger a filha deputada no próprio palanque comunista

O discurso visceral, agressivo e virulento do pastor-presidente da convenção estadual das Assembleias de Deus, Pedro Aldir Damasceno, expõe não apenas a truculência de evangélicos enfileirados em torno do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), mas também o jogo de interesses e a troca de favores políticos que marca a liderança desta denominação.

Damasceno expôs seu ódio religioso ao saber de um certo discurso da deputada federal e senadora eleita Eliziane Gama (PPS), de apoio a Fernando Haddad (PT), candidato do governador Flávio Dino (PCdoB).

Nada mais natural que Eliziane tomasse esta atitude, sobretudo diante da inequívoca força dada por Dino à sua eleição, quando poucos acreditavam nesta possibilidade.

Ao proferir palavras de ódio contra a posição da parlamentar, o líder religioso chegou a se utilizar de uma mentira – a de que a vice de Haddad, Manuela D’Ávilla, teria dito que Jesus era gay.

Mas se o pastor se revoltou com esta afirmação – sendo ela mentira ou não – por que o nobre líder religioso não fez este mesmo discurso no primeiro turno, quando sua filha disputava eleição no palanque do próprio Flávio Dino?

Por que o pastor assembleiano não se revoltou com os comunistas também quando eles nomearam uma “renca” de pastores para ser capelão militar sem concurso público?!?

O discurso seletivo e hipócrita do pastor Aldir Damasceno revela a face mais covarde das denominações religiosas, quando trata o fiel como gado, em currais eleitorais – para atender seus interesses – e se mostra indignado quando já com os interesses saciados.

Felizmente, os fiéis evangélicos – pelo menos uma parte deles – já não dá tanta importância para tipos como Pedro Aldir Damasceno.

Mas eles poderão continuar gritando desmedidamente seu ódio e seu proselitismo religioso…

1

Farra dos capelães é denunciada também ao Ministério Público estadual…

Deputada Andrea Murad protocola representação por Improbidade Administrativa contra o governo Flávio Dino, e pede agilidade do chefe da Procuradoria-Geral de Justiça

 

Andrea Murad quer apuração ágil do Ministério Público sobre a farra de capelães na Polícia Militar

A deputada Andreea Murad (PRP) protocolou nesta quinta-feira, 3, mais uma denúncia contra o abuso de nomeações de capelães da Polícia Militar contra o governador Flávio Dino (PCdoB).

Desta vez, a denúncia acusa o comunista de abuso do poder com a captura de líderes religiosos, visando os votos dos fiéis nestas eleições.

Em março, a legenda de Andrea denunciou ao Ministério Público Eleitoral a farra das nomeações de novos capelães. O órgão deu um prazo até 6 de maio para o Governo do Estado responder os questionamentos do órgão.

– Espero do procurador Luiz Gonzaga a mesma agilidade da procuradora Raquel Dodge e do procurador Pedro Henrique, do MPF, por causa da gravidade dos últimos fatos ocorridos no Maranhão. E como até o momento não foi aberto nenhum procedimento no âmbito da Procuradoria  Geral de Justiça para investigar esse caso gravíssimo, resolvi acionar o procurador para que investigue e tome todas as providências para coibir essa prática ilegal de Flávio Dino – ressaltou Andrea.

Flávio Dino nomeolu 36 capelães sem concurso público na estrutura do sistema de Segurança Pública do Maranhão, incluindo postos de oficiais do Estado Maior da Polícia Militar.

Outros 10 cargos foram criados este ano para serem ocupados por religiosos.

Os salários chegam até R$ 21 mil…

1

Imagens do dia: aliados de Eliziane Gama fortalecem o PTB…

Entraram no partido a administradora Mical Damasceno e o ex-deputado federal Wagner Lago; ela deve disputar vaga na Assembleia Legislativa e tem o apoio da igreja Assembleia de Deus

 

Mical assina ficha de filiação, ao lado de Eliziane, Pedro Fernandes e Pedro Lucas

A deputada federal Eliziane Gama (PPS) prestigiou nesta sexta-feira, 6, a filiação do ex-deputado federal Wagner Lago e da candidata a deputada estadual Mical Damasceno ao PTB. Ao lado do colega Pedro Fernandes e do vereador Pedro Lucas, Eliziane – pré-candidata a senadora – disse que as filiações fortalecem o partido.

Mical Damasceno é uma das candidatas homologadas pela convenção estadual da igreja Assembleia de Deus; Wagner Lago é irmão do ex-governador Jackson Lago (PDT).

Os novos e antigos filiados do PTB posam para foto histórica

Também participou do ato de filiação o presidente da Convenção Estadual das Assembleias de Deus no Maranhão, pastor Pedro Aldi Damasceno, que é pai da candidata Mical.

O PTB vai com chapa completa de candidatos a deputado federal e estadual nas eleições de outubro…

2

Flávio Dino e a Santa Ceia do Senhor na Assembleia de Deus…

Mesmo sem ser batizado pela denominação religiosa, governador tomou parte na cerimônia presidida pelo pastor José Guimarães Coutinho, que deveria ser restrita a membros em plena comunhão com Deus, segundo a tradição evangélica

 

DE BÍBLIA NA MÃO. Dino ao lado do pastor Coutinho, no culto de Santa Ceia: vilipêndio

O governador Flávio Dino (PCdoB) não tem feito restrição doutrinária a qualquer tipo de situação religiosa – católica, evangélica, espírita ou qualquer outra – nestes anos de poder político no Maranhão.

E tem sido criticado por este blog pelo vilipêndio. (Relembre aqui, aqui e aqui)

Mas o que Dino fez na última reunião de Assembléia Geral da Igreja Assembleia de Deus em São Luís – segundo contam líderes da denominação – é considerado abominável aos olhos da fé evangélica.

De acordo com os presentes ao culto, o governador comunista tomou parte até mesmo na Santa Ceia do Senhor, presidida pelo líder da denominação em São Luís, pastor José Guimarães Coutinho.

Dentro da tradição evangélica, só podem tomar parte na Santa Ceia os membros batizados de uma denominação religiosa, e que estejam em plena comunhão com o Senhor.

O assunto foi, inclusive, abordado nesta terça-feira, na coluna Estado Maior, do jornal O EstadoMaranhão.

Leia também:

De Jackson a Dino: ateísmo e religião como profissão de fé política…

A conversa de “Deus” com o papa…

O comunismo e a religião…

SINCRETISMO DE BÊNÇÃOS. Flávio Dino em dois momentos, com pastores e com padre: ajoelhou, tem que rezar

Para o presbítero André Sanchez, do site esboçando ideias, o princípio do batismo antes da Ceia – embora não esteja explicitamente ordenado na Bíblia – é o mesmo do “crer antes do batismo”.

– O “crer” em Jesus é a condição mais básica do discipulado, que vai avançando na direção do batismo e do ensino cada vez mais aprofundado da doutrina de Cristo (crescimento cristão). Parece óbvio no texto que existe certa sequência no acontecimento das coisas. Será que seria correto alguém ser batizado antes de crer em Jesus e professar essa fé? Óbvio que não. Uma coisa depende da outra. O batismo só faz sentido se a pessoa já creu em Jesus. Da mesma forma, será que alguém poderia participar da Santa Ceia antes de ter crido em Cristo? Não parece lógico e apoiado pelas Escrituras que as coisas aconteçam assim, em uma sequência confusa e sem embasamento algum – explicou Sanchez. (Leia a íntegra aqui)

Mas para Dino, tudo parece permitido; e pior: aos olhos complacentes de líderes religiosos.

Ele já se ajoelhou em missa católica, passou a usar o Tau, vestiu cocar de pajé indígena e agora saboreia a Santa Ceia na Assembleia de Deus.

Tudo em nome de um projeto de poder…