1

Lucas Porto se diz agredido em Pedrinhas e juíza determina corpo de delito…

Alegação do acusado de matar a publicitária Mariana Menezes foi corroborada pelo Ministério Público, que também comunicou suposta violência policial e pediu o novo exame

 

Lucas Porto aguardando a audiência de custódia, já com a cabeça raspada e com roupa de presidiário

Lucas Porto aguardando a audiência de custódia, já com a cabeça raspada e com roupa de presidiário

A juíza da Central de Inquéritos Andrea Maia determinou, em audiência de custódia nesta segunda-feira, 14, que o empresário Lucas Ribeiro Porto seja submetido a novo exame de corpo de delito.

A magistrada atendeu a requerimento do Ministério público, cujo representante na audiência,  Norimar Gomes Nascimento Campos, alegou ter ouvido do acusado relatos de agressão na Central de Triagem, em Pedrinhas.

– Por fim, requer este Órgão Ministerial que o autuado seja submetido a novo exame de Corpo de Delito, porquanto o autuado declarou haver sido agredido fisicamente na Central de Triagem de Pedrinhas, fato ocorrido após a primeira perícia realizada, conforme fundamentação oral registrada em áudio – diz o requerimento do Ministério Público.

Lucas Porto foi preso na manhã de ontem, como principal suspeito de ter matado a publicitária Mariana Costa, crime ocorrido no último domingo, 13.

O empresário nega o crime.

O acusado foi transferido ainda ontem para Pedrinhas, onde teve a cabeça raspada.

Diante do relato do preso e do pedido do Ministério Público, a juíza determinou o novo exame de Corpo de Delito.

– Defiro, ainda, o requerimento ministerial, a fim de encaminhar o autuado para realização de novo Exame de Corpo Delito, diante da afirmação do autuado Lucas Leite Ribeiro Porto de maus tratos quando da sua entrada no Centro de Triagem nesta data – decidiu a juíza, que decretou também a prisão preventiva do acusado.

Lucas Porto deve continuar preso durante toda a duração do inquérito…

0

Wellington cobra rigor na apuração de morte de blogueiro…

O deputado estadual Wellington do Curso  (PPS), vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Maranhão, utilizou a tribuna da Casa Parlamentar, na tarde desta segunda-feira (16), para cobrar esclarecimentos acerca do assassinato do blogueiro Ítalo Diniz, ocorrido no município de Governador Nunes Freire, no último final de semana.

weliNo último final de semana, a população do município de Governador Nunes Freire e a imprensa maranhense, mais uma vez, assistiram à execução covarde de mais um blogueiro. Desta vez, o ataque aconteceu na cidade de Governador Nunes Freire e vitimou o jovem Ítalo Diniz. Protocolamos uma Nota de Pesar à senhora Maria de Fátima Diniz Barros, mãe do blogueiro Ítalo, e à sua esposa Élida Moraes, pelo ocorrido. Estamos protocolando também à Secretaria de Segurança Pública do Estado do Maranhão, proposição para que, em um curto espaço de tempo, possa solucionar esse crime na cidade de Nunes Freire, que consternou todo o município e tem consternado toda a imprensa e todos os meios de comunicação. Em menos de três anos, temos outro jovem jornalista, blogueiro tendo sua vida ceifada e retirada do nosso convívio devido à pistolagem que ainda insiste em imperar no Maranhão. É responsabilidade da polícia e do Estado apresentar o resultado das investigações para que possa levar os culpados a responderem na justiça pelo ato de ‘covardia’. Seja quem for, a polícia tem o dever de prendê-los e mostrar à sociedade que ninguém está acima da lei. A família espera por uma resposta das autoridades policiais para que os assassinos possam ser julgados na forma da lei. Enquanto parlamentar em defesa do povo maranhense, não me calarei e muito menos deixarei passar despercebido na Assembleia Legislativa do Maranhão a referência a essa morte”, protestou o deputado.

3

Cabo Campos comemora liberdade de PM acusado de matar Fagner Barros…

camposO deputado Cabo Campos (PP) foi hoje, pessoalmente, levar o Alvará de Soltura do cabo PM Janilson Silva, um dos acusados de matar o jovem Fagner Barros, durante uma desocupação no Turu/Miritiua, semana passada. Campos já havia acusado a mídia de ter condenado os PMs antecipadamente, embora tenha sido o próprio governo quem fez isso, ao divulgar nota açodada. Agora, apenas Marcelo dos santos, também cabo PM, continua preso

5

Uso de leigos na polícia é comum no interior, diz mulher de soldado preso

Gisele Tavares Santos defende o marido – acusado de cumplicidade na execução do mecânico Irialdo Batalha, em Vitória o Mearim – e acusa prefeitos e o comando da PM por manter a prática de gente sem formação nas ações policiais em todo o Maranhão 

 

Após executa o mecânico, vigilante é ajudado por PM a colocar o corpo na iatura da polícia; cena comum no interior?

Após executa o mecânico, vigilante é ajudado por PM a colocar o corpo na iatura da polícia; cena comum no interior? (imagens: Portal “É Maranhão”)

O  comandante da Polícia Militar, coronel Marcos Alves, em entrevista ao Fantástico, classificou de “fato isolado” a participação do vigilante Luiz Carlos Machado – executor do mecânico Irialdo Batalha, em Vitória do Mearim – em uma operação da PM no município.

Mas não foi fato isolado, segundo Gisele Tavares Santos, mulher do soldado Gomes, preso na operação, acusado de cumplicidade no crime.

Segundo Gisele, a prática de usar leigos em ações da polícia é comum no interior do Maranhão, facilitada por prefeitos e acatada pelo comando da PM.

– Até onde tenho conhecimento este fato ocorre não só em Vitória do Mearim, mas em todo o Maranhão – disse a esposa do militar, em desabafo que ganhou as redes sociais na semana passada.

De acordo com Gisele Tavares, a prática é influenciada por prefeitos, que tentam controlar as ações policiais. E aceita pelo comando da PM.

– O que dizer dos prefeito que autorizam e mantêm esta prática? O que dizer do comando da PM, que acata tal situação? – questiona a mulher do militar.

A denúncia de Gisele Tavares abre nova pauta sobre o caso de Vitória.

E não encerra a questão na punição aos dois PMs envolvidos no caso.

Ela vai bem mais além, e precisa ser esclarecida…

2

Imagem do dia: execução em praça pública…

aaaaaaO homem deitado em plena via pública, em Vitória do Mearim, é o mecânico Irinaldo Batalha. Ele está ferido e indefeso. O braço que aparece é o do vigilante Luiz Carlos, da Prefeitura Municipal. Luiz Carlos executou Irinaldo em via pública, na frente de dezenas de testemunhas. O governo Flávio Dino, tentando minimizar o fato, chegou a classificar Irinaldo de assaltante, em nota distribuída à imprensa, uma irresponsabilidade.

vitoriaA imagem acima é ainda mais grave: mesmo após executar o crime, o vigilante Luiz Carlos é auxiliado normalmente pelos policiais militares que chegaram para atender a ocorrência. E ainda ajuda a colocar na viatura o corpo da vítima que próprio matou. Há vídeos da execução e da pós-execução, mas o blog se reserva o direito de não publicar. O crime chocou Vitória do Mearim.

As duas imagens são do blog de Domingos Costa
2

Eliziane pede Polícia Federal no caso do índio Kaapor…

Em discurso na Câmara, Eliziane demonstra preocupação com assassinato de indígena

A deputada Eliziane Gama (PPS-MA) manifestou indignação com a morte do líder indígena Euzébio Kaapor, no Maranhão. Ela solicitou que a Polícia Federal faça a investigação sobre o caso.

O assassinato do índio ocorreu terça-feira, 28.

Este blog apurou ontem que o crime pode envolver políticos da região de Santa Luiza. (Releia aqui)

A informação é que o líder indígena Euzébio Kaapor foi alvejado com dois tiros nas costas no povoado Buraco do Tatu, que fica a 40 km do município de Santa Luzia do Paruá.

A investigação dos assassinatos ocorridos em terras indígenas são de competência federal. Portanto, a Polícia Federal precisa assumir a investigação deste assassinato, sob pena de ser mais um assassinato colocado no rol da impunidade, como tantos outros no Brasil” – Eliziane Gama, deputada federal.

A deputada maranhense lamentou a falta de políticas públicas arrojadas e de atenção aos indígenas no país e informou que assim como o Conselho Indigenista Missionário também pedirá ao Ministério da Justiça e à Polícia Federal que tomem as devidas providências para evitar que o assassinato do líder indígena fique impune.

4

Tragédia de Coroatá comove o Maranhão…

Andrea: tragédia é resultado de desleixo

A semana inicia com as denúncias graves de mortes na UTI do Hospital Macrorregional de Coroatá.

A tragédia que chocou a região, revela um descaso na gestão da unidade que exige dedicação constante, conhecimento e comprometimento com os pacientes.

Segundo denunciado nas redes sociais do ex-secretário de saúde, Ricardo Murad, existe a suspeita de até 5 mortes por falta de oxigênio na ala que comporta pacientes em estado grave.

Todos os dias tenho dito e repetido que não estava longe de coisas piores acontecer. [Flávio Dino] poderia ter evitado tudo isso se por vingança não tivesse colocado pessoas sem o menor preparo para gerir a saúde do estado. Se por vingança política, não tivesse tirado técnicos competentes, preparados e treinados para situações de emergência, para colocar seus apadrinhados políticos. Se por vingança, não tivesse reduzido despesas de uma área que sempre precisará de mais recursos. Se por vingança, não tivesse desmanchando um trabalho sério de anos de dedicação de todos aqueles que mudaram a saúde do nosso estado” – Andrea Murad, via facebook.

O assunto, com certeza, deverá ser pauta nos discursos da deputada Andrea Murad (PMDB) a partir desta segunda-feira. A parlamentar também usou a sua página para destacar a tragédia e criticar a postura do governador Flávio Dino ao tratar a saúde do Maranhão com descaso.

– Uma tragédia criminosa, isso sim! Sempre soube que meu mandato e minhas lutas seriam difíceis porque o governador eleito é uma pessoa muito difícil, incapaz de assumir erros e procurar rever seus atos – escreveu Andrea Murad.

Enquanto a pasta é administrada para servir de braço político para os projetos de poder dinista, como a deputada vem revelando desde o início das atividades parlamentares, usuários do serviço público de saúde sofrem com a queda na qualidade do atendimento e até mortes como é o caso no município de Coroatá.

Andrea atribui o ‘desleixo’ de Flávio Dino com a gestão da saúde, por causa de vingança política e de uso do órgão para aparelhar o partido do governador, o PCdoB.

11

Reconstituição pode mostrar o monitoramento de Décio no dia do crime…

O assassino na “tocaia” para matar Décio; sem ajuda, ficaria difícil…

Desde o início das investigações da polícia, este blog tem levantado a hipótese – baseado em convicção lógica e fortes evidências – de que o jornalista Décio Sá tenha sido monitorado até o restaurante Estrela do Mar, onde foi assassinado pelo bandido Jhonatan de Sousa.

Em 27 de abril – três dias após o assassinato – publicou o post “Perseguição ou tocaia???”,  primeiro texto a levantar esta hipótese.

Depois, em 19 de junho, com a confirmação de que o bandido havia perdido Décio Sá e retornado à Litorânea, reforçou ainda mais esta tese, no post “Revelações de Pistoleiro sugerem monitoramento de Décio Sá….”.

Agora, após reconstituição do crime, ficou ainda mais claro que Jhonatan Souza só conseguiu localizar Décio no Estrela do Mar – em um espaço de tempo tão curto – por que fora informado de seu paradeiro.

Não haveria lógica alguma em o bandido, após ter percebido que perdera Décio de vista – já em frente ao Shopping do Automóvel – ter decidido pela Litorânea de forma tão convicta. (Leia trecho do depoimento do bandido)

Depoimento do matador: Ele se deu conta que havia perdido Décio muito distante do local do crime

A menos que tenha ligado para alquém, que checou a localização do jornalista e o informou detalhadamente.

Até por que, se fosse procurar de bar em bar, como disse – e mesmo sabendo a placa do seu carro – passaria pelo menos uma hora procurando, sobretudo por ter feito a escolha de seguir no sentido Caolho/Calhau na Litorânea.

E quem informou ao bandido ligou para o próprio Décio para saber sua localização.

Este blog tem convicção de que a polícia já sabe deste monitoramento; e que a reconstituição foi feita apenas para esclarecer este último elo da trama que levou à morte de Décio.

Novas prisões, portanto, podem estar sendo providenciadas…

18

Assassino de Décio sorriu, de novo, ao confirmar arma do crime…

Assassino sorri ao ser apresentado à pistola Ponto 40

Foi o próprio assassino Jhonatan Souza quem levou a polícia ao local onde estava a arma usada para matar o jornalista Décio Sá.

Ao contrário do que disse no primeiro depoimento, a arma não foi jogada ao mar durante uma viagem ao ferry-boat. Ele escondeu a pistola “Ponto 40” nas dunas por onde escapou após executar o jornalista.

Jhonatan confessou o local exato após pressão da própria polícia que percebeu contradições em seu depoimento após a reconstituição.

Para localizar a arma, enterrada em meio a um matagal no meio das dunas, foram usados detectores de metal.

Policiais usaram pás para escavar o local até localizar a arma

Mas a polícia precisou do próprio Jhonatan, que explicou várias vezes a área, mas não lembrava mais do local exato.

Os policiais cercaram então um perímetro de cerca de dez metros, e começaram a escavar.

Com as máquinas de detectção de metal, conseguiram finalmente localizar a arma. Ao ser apresentado à pistola, o bandido ainda sorriu, confirmando ser a própria usada no crime.

A perícia irá fazer a análise para tirar todas as dúvidas em relação à propriedade da pistola.

Que será apresentada em uma coletiva amanhã, na sede da Secretaria de Segurança…

 Imagens: Biné Morais (O EstadoMaranhão)

44

Caso Décio: Polícia acha a arma do crime na Litorânea…

A polícia encontrou a pistola “Ponto 40” usada pelo pistoleiro Jhonatan de Sousa para matar o jornalista Décio Sá.

A arma foi enterrada em uma das dunas da Litorânea, por onde o assassino fugiu depois de fazer o serviço.

A princípio, havia a suspeita de que a arma não fosse a mesma usada na morte do jornalista.

Mas bastaram as primeiras análises para confirmar…