1

Testemunha do caso Décio acredita no trabalho da polícia, revela blog…

O blog de Robert Lobato traz hoje conversa exclusiva com uma das testemunhas do assassinato do jornalsita Décio Sá.

Sem revelar nomes, Lobato conta que a testemunha se mostra otimista com o desenrolar das investigações.

–  Nunca me senti tão pressionado. Os caras são de um profissionalismo que assusta, mas o positivo é que deixei o local do depoimento com a certeza de a polícia vai pegar os responsáveis pelo assassinato de Décio Sá – disse o depoente, segundo o blog.

A desenvoltura da testemunha revelada por Lobato derruba o principal mito da polícia para decretar o sigilo das investigaçês: que as testemunhas estavam apavoradas com a divulgação dos depoimentos.

Não é verdade. Pelo contrário, estão buscando forma de colaborar, como revela este trecho da conversa com Robert Lobato:

– Já quase no final do meu depoimento veio a pergunta mais surpreendente: se desconfiava de alguém que poderia encomendar o assassinato de Décio Sá. Falei que sim, depois revelei a minha opinião e de quem eu suspeito – contou o depoente.

Se a polícia teme ausência de testemunha, portanto, Robert Lobato traz a prova de que elas querem é colaborar.

O resto é com a própria polícia…

20

O óbvio ululante…

É só daqui que podem ser as testemunhas

Se um assassinato ocorre em uma academia de ginástica, por exemplo, o natural é que as testemunhas sejam os donos, funcionários e até frequentadores desta academia.

É o óbvio ululante.

Mas a polícia maranhense acha que não.

A polícia maranhense mostra-se preocupada com o vazamento dos depoimentos das testemunhas do caso Décio Sá por que, justifica, os bandidos podem saber quem são elas.

O morro da fuga: como saber quem estava aqui?

É muita tolice para uma polícia só.

Ora, os bandidos – matadores e executores – sabem desde sempre que a polícia iria começar a investigar exatamente pelo restaurante Estrela do Mar.

A menos que a polícia não conhecesse sequer o básico da investigação criminal – o que não é o caso.

Não precisa de vazamento de informações para que toda a sociedade – bandidos e cidadãos de bem – saiba que as principais testemunhas vêm do restaurante.

Isto por que, repita-se, é o óbvio ululante.

A justificativa da polícia maranhense para reclamar o sigilo, portanto, é uma balela.

Pior é ver a Justiça maranhense se dar ao trabalho de perder tempo com uma investigação para apurar vazamentos.

Este blog vai continuar ignorando solenemente a determinação de sigilo no caso Décio – mesmo por que, este blog não é subordinado à polícia.

Este blog entende que a sonegação de informações só encobre a própria incapacidade da polícia maranhense de resolver o caso.

Ou a sua cada vez mais evidente – e suspeita – má-vontade…

11

Demora da PM facilitou fuga de bandidos, afirmam testemunhas…

Aluísio ainda não admite falhas na apuração da morte de Décio Sá

Uma viatura policial que passou minutos depois do assassinato do jornalista Décio Sá foi avisada pelas testemunhas da fuga do matador.

Segundo uma das testemunhas, a viatura “deveria dar a ré e sair em perseguição aos suspeitos, ao invés de ir até o bar Estrela D’Alva fazer o retorno”, contou a testemunha, que foi taxativa:

Os policiuais demoraram imprimir perseguição aos supostos assassinos, o que certamente facilitou a fuga deles.

A demora pode ter facilitado a fuga, sobretudo por que, segundo outra testemunha, os motoqueiros ainda pararam, próximo às dunas, para que o atirador pudesse subir o morro, em direção a outros dois comparsas.

O tempo deles foi tão suficiente, que deu até para que a testemunha olhasse detalhes da subida, do comportamento, e da vestimenta do assassino.

– O indivíduo subia com dificuldade, pois aparentava estar fora de forma (…) estava escabreado, nervoso, olhava para baixo e para os lados – contou a testemunha.

Ainda segundo a testemunha, “poucos minutos após o comparsa ter deixado o indivíduo sobre as dunas (…) passou uma viatura militar pela avenida, em velocidade acentuada”. 

Fica claro que a demora na perseguição foi fundamental para o sucesso da fuga.

19

Moreno; 1,70m; cabelos escuros e curtos – assim é o assassino de Décio Sá…

O restaurante onde Décio foi assassinato

A descrição acima foi dada à polícia pelas testemunhas que tiveram contato visual com o assassino do jornalista Décio Sá, na segunda-feira, dia 23.

Todos confirmaram tratar-se de um homem moreno, forte, mas não gordo, com cabelos pretos e bem curtos, com cerca de 1,70m e aparentando ter, no máximo, 30 anos.

Três destes depoimentos foram divulgados hoje, com exclusividade, no blog de Itevaldo Júnior. (Leia aqui)

Uma das testemunhas definiu o assassino como “parecido com índio ou boliviano”. Também usava, sgundo o conjunto dos depoentes, camisa cinza escura, de malha – provavelmente com a inscrição “Maresia” atrás.

Apesar da ausência de retrato falado – prometido pela polícia para o dia seuginte ao crime – a descrição pode servir para quem, porventura, posa ter visto o assassino no dia do crime.

Saindo de algum lugar, por exemplo – se estava em um hotel, se passou por algum outro lugar, etc.

Todas estas informações podem contribuir para a elucidação do crime…

0

A realidade lá e cá…

Policial monitora vias em São Paulo

Cada morador da cidade de São Paulo é filmado por, pelo menos, dez câmeras ao longo de um dia comum.

A cidade conta com mais de 1 milhão de câmeras de segurança instaladas e operadas 24 horas por dia.

São sete câmeras privadas para cada três controladas pelo poder público.

Avenida em São Luís: escura e sem segurança

O número de filmadoras garante que praticamente todos os principais pontos sejam monitorados.

Em São Luís, na administração de Tadeu Palácio, câmeras de segurança foram instaladas em toda a extensão da avenida Guajajaras.

Serviriam para monitoramento específico do trânsito, mas suas imagens poderiam ser requisitadas por qualquer órgão de segurança.

Não se tem notícias de que estas câmeras ainda estejam em operação…

32

Perseguição ou tocaia???

Local onde Décio Sá foi morto: jornalitas se aglomeram em frente ao bar

Este blog segue a linha de raciocínio do jornalista Roberto Kenard com relação à dinâmica do assassinato de Décio Sá.

A própria polícia já reconhece oficialmente que, para matar Décio, o assassino contou com uma logística envolvendo outras três pessoas – uma numa moto, outro a observar a área e um terceiro, de carro, aguardando em outro local.

A questão está exatamente neste ponto.

Com estes dados já comprovados, não há como duvidar de que, mais do que seguido – ou perseguido – até o local do crime, Décio Sá fora vítima de uma emboscada.

Para montar uma rota de fuga com tantos detalhes, os bandidos necessitavam saber que Décio Sá iria estar, exatamente, no restaurante Estrela do Mar.

Por isso montaram a estratégia: o executor chega na garupa em uma moto, atira, volta pro veículo, segue até antes da barreira eletrônica – para evitar ser filmado – e sobe o morro, onde um carro o aguardava do outro lado.

É assim que a polícia conta.

Mas, e se Décio Sá não fosse para o Estrela do Mar? E se ele resolvesse jantar com o colega Luís Cardoso no Dona Maria?  Ou optasse por comer o macarrão com Fábio Câmara, no Sushibar?

Os bandidos montaram a tocaia por que tinham convicção de que ele sairia mesmo do jornal diretamente para o Estrela do Mar.

E para isso, teria que ser atraído pra lá…

15

Aluísio Mendes admite: “crime é de difícil solução”…

Aluísio: sem prazo para resultados...

O secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes, admitiu hoje que o assassinato de Décio Sá “é um crime de difícil solução”.

Só provas do tipo imagens, sons, mensagens eletrônicas e telefones, segundo ele, são 22,8 mil para serem analisadas.

Aluísio decretou o sigilo das investigações e afirmou:

Vamos usar todo o tempo que for preciso para elucidar este caso. Não temos obrigaçãod e resolvê-lo em 24, 48, 72 horas… Vamos usar o tempo necessário.

De tudo o que foi dito na entrevista, a admissão da dificuldade e solução do crime foi a mais importante declaração do secretário.

Perguntas sobre pessoas que falaram com Décio Sá no caminho dele para a morte, Aluísio resiste a responder.

Também não diz que linha de suspeição é  a mais provável para se definir a linha de investigação.

A polícia precisa ter tranquilidde para a investigação, mas pode trabalhar sem prazo para dar respostas à sociedade.

E o tempo só beneficia os interessados na morte de Décio Sá – todos eles.

4

A última viagem…

Décio, com Caio, André e Gilberto passando atrás...

A imagem ao lado foi a última de Décio Sá registrada em um momento de trabalho no interior.

Sua última viagem, sexta-feira, dia 13, acompanhando a governadora Roseana Sarney (PMDB), em Barreinhas, para inauguração de um hospital.

Ao lado do blogueiro Caio Hostílio e o assessor da Secretaria de Saúde, André Belquior, eles brincam com uma garrafa de “cana” em um quiosque.

Ao fundo, se vê o também jornalista Gilberto Léda.

Nos dias seguintes, publicou denúncias graves de, várias partes do estado.

E qualquer uma podem ter a ver com a sua morte.

O clima de descontração em Barreirinhas nem pronunciava o que estava por vir…

4

Delegados confirmam prisão de suspeito da morte de Décio…

Décio: covardemente assassinado

Os delegados Maimone Barros e Guilherme Souza confirmaram ao jornalista Marcial Lima, a prisão de Fábio Roberto Cavalcante Lima, suspeito de envolvimento na execução do jornalista Décio Sá.

O suspeito está sendo ouvido desde o final da manhã e é apontado como um dos que deram fuga ao executor dos disparos.

Apesar de os delegados confirmarem a prisão, a polícia só irá se pronunciar oficialmente após a conclusão das investigações.

Fábio Roberto foi preso na noite de ontem, na Vila Pirâmide, a partir de informações do Disque-Denúncia.

3

Suposta prisão de matador de Décio Sá foi alarme falso…

Não passou de um alarme falso a suposta prisão de um dos envolvidos na morte do jornalista Décio Sá, divulgada em alguns blogs e, principalmente, nas redes sociais, agora à noite.

A Secretaria de Segurança negou as informações e garantiu que as investigações continuam e estão avançadas.

A foto do suposto preso foi publicada no perfil “Rafael Ayres” na rede social Facebook, e rapidamente se alastrou por outros perfis e blogs.

Emissoras de rádio também chegaram a divulgar a falsa prisão.

Mas o próprio autor da postagem a retirou depois da confirmação da Segup de que tudo não passava de informação errada.

A polícia já tem imagens do provável executor, flagrado por câmeras de segurança de prédios da orla marítima.

Estas imagens já foram mostradas para testemunhas, que confirmaram as características com as do homem que foi ao Restaurante Estrela do Mar.

Mas nenhuma prisão foi oficializada até agora…