3

Governo Dino mantém tudo em atraso, mas entrega R$ 140 milhões para candidato a prefeito…

laboratórios, empresas de vigilância e até setores do funcionalismo público estão com recursos em atraso ou defasados, mas comunistas acabam de anunciar verba milionária para fazer de Rubem Júnior sucessor de Edivaldo Júnior

 

POLICIAIS CIVIS FIZERAM GREVE NESTA QUARTA-FEIRA por melhores condições de trabalho do governo comunista

Os telejornais do meio-dia no Maranhão noticiaram os fatos: vigilantes estão com salários atrasados em até seis meses nas empresa que prestam serviços para o governo Flávio Dino (PCdoB).

No mesmo dia, policiais civis fizeram protestos pela defasagem de até 7% nos salários recebidos.

Mas não são apenas estas categorias a reclamar de falta de pagamentos do governo comunista; laboratórios que atuam no setor da Saúde estão com atraso de até seis meses em seus repasses.

É um caos financeiro generalizado no Maranhão, portanto.

Mesmo assim, Flávio Dino acaba de anunciar um aporte de R$ 140 milhões – isso mesmo: R$ 140 milhões – para catapultar a candidatura do secretário de Cidades, Rubens Pereira Júnior (PCdoB) a prefeito de São Luís.

MANCHETES DAS MÍDIA GOVERNISTA CONFIRMAM; R$ 140 milhões servirá para Rubem Júnior alavancar campanha

E o dinheiro será mesmo usado na pré-campanha do aliado de Dino porque foi assim que ele foi anunciado na mídia alinhada ao Palácio dos Leões.

– Rubem Júnior dá largada para 2020 com Projeto “Nosso Centro” –  foi assim que anunciou, por exemplo, o blog de Clodoaldo Correa.

Flávio Dino tem R$ 140 milhões para ajudar eleitoralmente seu aliado em São Luís.

Poderia usar os mesmos recursos para pagar fornecedores e colaboradores.

É simples assim…

3

EP Engenharia responsabiliza Infraero por atraso nas obras do Aeroporto…

A interminável obra do aeroporto: culpa da Infraero

Representantes da EP Engenharia apresentaram à Assembleia Legislativa, relatórios que comprovariam a responsabilidade da própria Infraero no atraso das obras de reforma do Aeroporto Cunha Machado, em São Luís.

O documento da empresa foi lido, ontem, em plenário, pelo líder do bloco “União Democrática”, Eduardo Braide e desmentem afirmações dadas até agora pela Infraero – que levaram também o ministro do Turismo, Gastão Vieira, a divulgá-las.

Entre as irregularidades, a empresa afirmou que, até hoje, a Infraero nunca entregou os projetos executivos, fundamentais para a administração da obra.

Braide quer ouvir também a Infraero

De acordo com o parlamentar, a EP Engenharia deixou claro que a data de 26 de maio – acertada com o Ministério Público Federal para conclusão da obra – só será cumprida se a Infraero entregar os projetos executivos.

Braide defendeu que a Assembléia convoque o pessoal da Infraero.

O líder do bloco “Pelo Maranhão”, Carlos Alberto Milhomem (PSD), reforçou a solicitação que ele fez à Mesa, para que encaminhe pedido de auditoria da Controladoria-Geral da União nos contratos da Infraero com a EP Engenharia.

Os documentos também afirmam que nunca houve ameaça de abandono da obra e nunca houve contratações de cinco novas empresas para acelerar o trabalho, como divulgaram a Infraero e o ministro Gastão Vieira, em seu perfil no Facebook.

– A EP garante ter pedido aditivo apenas por causa de questões não previstas no decorrer da obra, até porque seguia a rotina da reforma. E as únicas empresas contratadas, são as que auxiliam a construtora em trabalhos paralelos, como a montagem das tendas, por exemplo. E, segundo a empresa, não são cinco, mas apenas três – explicou o líder parlamentar.

Para Eduardo Braide, os documentos apresentados pela EP Engenharia são praticamente incontestáveis.

Eles provam que pediram, desde o dia 26 de setembro de 2011, nada menos que12 projetos executivos, nunca entregues pela Infraero – revelou o parlamentar.

Para se ter idéia do descaso, somente 51 dias após o início da obra, a Infraero entregou o projeto de Execução, mesmo assim, sem a devida ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) – completou ele.

A Assembléia deve decidir nos próximos dias a convocação dos diretores da Infraero para explicações à Casa…