6

“Bolsonaro teme avanço da vacinação no Maranhão enquanto seu governo é incapaz de vacinar a população”, diz Zé Inácio

O deputado estadual Zé Inácio, durante sessão virtual da Assembleia Legislativa, falou  sobre a aprovação da vacina russa Sputnik V, pela Anvisa.

“Foi um passo importante com o objetivo de vacinar toda a população brasileira, em especial a população do Nordeste. Eu acho que a decisão demonstra que a vacina tem que ser uma das metas prioritárias dos nossos governantes e aí eu destaco a atuação do Consórcio Nordeste, dos governadores do Nordeste, como a luta do Governador Flávio Dino nessa batalha em favor da vacina para garanti-la em massa para a população maranhense.”, disse.

O deputado criticou aqueles que têm questionado a eficácia da vacina e definiu como política a decisão da Anvisa, aprovando apenas 1% da quantidade de doses solicitadas pelos governadores do Nordeste, que era de 37 milhões de doses, dessas pouco mais de 4 milhões seriam para o Maranhão. 

“Após a decisão da Anvisa, setores bolsonaristas continuam questionando a eficácia da vacina, com o seu negacionismo de sempre. Sabemos que essa decisão da Anvisa tem um viés altamente político, e nós observamos isso por conta da quantidade  que foi aprovada para o Nordeste (apenas 1% da quantidade que está sendo contratada pelos Estados). No Maranhão foi apenas 1% liberado, o que corresponde a 140 mil doses apenas. Ou seja, se a vacina não tivesse eficácia, isso significaria colocar milhares de pessoas em risco no País. Isso demonstra que a Anvisa não liberou mais vacinas simplesmente por conta da guerra política que Bolsonaro trava com os governadores sobre a vacina, sobretudo no Nordeste”, afirmou.

Zé Inácio também criticou a postura negacionismo do presidente Jair Bolsonaro diante da pandemia e sua influência na decisão da Anvisa para aprovação da vacina. 

“Bolsonaro tem medo de que, com a liberação de todas as doses da vacina Sputnik V solicitadas pelos governadores do Nordeste, esses estados, em especial o Maranhão – onde o governador Flávio Dino tem repreendido seu descaso com a pandemia veemente, vacinem 100% da sua população antes do restante do país, ou seja, antes que ele “mate” 500 mil brasileiros.”, afirma.

Da Assessoria

4

As mentiras de bolsonaristas sobre cloroquina e governadores…

Aliados do presidente no Senado, nas ruas, nas redes sociais e na imprensa, tentam criar a ideia de que governadores – incluindo o maranhense Flávio Dino – também pregaram o uso da cloroquina, mas escondem que isso só ocorreu enquanto a Ciência não havia desautorizado o medicamento

 

Bolsonaro – e não os governadores – fez e faz campanha aberta pela Cloroquina, sem nenhum respaldo científico; e mesmo depois de a Ciência descartar a eficácia do medicamento

Uma tentativa de bolsonaristas de igualar os governadores aos arroubos ignorantes do presidente Jair Bolsonaro começou a ganhar corpo após oitiva do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na CPI dos Combustíveis.

Mas é uma mentira criada para nivelar por baixo com o próprio Bolsonaro.

Demonstrando absoluto despreparo e uma covardia incompatível com sua patente, Pazuello se enrolou todo defendendo, envergonhado, o uso da cloroquina.

Para contrapor, senadores bolsonaristas usaram vídeos antigos para dizer que os governadores também defenderam este medicamento.

Desde então, aliados e simpatizantes do presidente passaram a espalhar nas redes sociais, nas ruas e na imprensa uma meia-verdade sobre a cloroquina e os governadores.

É claro que todo brasileiro ficou empolgado com a possibilidade – descoberta ainda em março do ano passado – de a Cloroquina e a Hidroxicloroquina serem usadas no tratamento da CoVID-19. 

Inclusive o blog Marco Aurélio D’Eça noticiou os protocolos dos governadores; mas só no início da pandemia. (Relembre aqui e aqui)

Essa empolgação só ocorreu enquanto a Ciência ainda não havia descartado a eficiência do medicamento.

Depois que a Ciência demonstrou a ineficácia neste tratamento, nenhum dos governadores continuou a defender cloroquina.

Apenas Bolsonaro; apenas bolsonaristas.

Chegaram a criar, inclusive, um tal protocolo de tratamento precoce com cloroquina contra o coronavírus, o que também tem levado muita gente aos hospitais.

Um crime de responsabilidade do presidente.

É, portanto, uma fake news que os governadores defendam o uso da cloroquina.

Uma fake news que nivela por baixo gente séria com o presidente, que não é…

12

Imagem do dia: o desrespeito bolsonarista no Maranhão…

No mesmo dia em que o estado registra casos da cepa indiana do coronavírus – a mais letal – presidente e seus aliados agridem a população maranhense ao provocar aglomeração e circular pelo interior sem máscaras, debochando de quem já morreu por coVID-19

 

No toque a toque de cabeça, Roberto Rocha se deixa influenciar por Bolsonaro e aglomera sem máscaras, prática abjeta do presidente e seus auxiliares

Agindo como sempre agiu, com inexplicável desdém pela vida dos quase 450 mil mortos, o presidente Jair Bolsonaro passeia desde a manhã desta quinta-feira, 20, numa verdadeira ciranda de morte pelo interior maranhense.

Sem máscara e provocando aglomerações – no mesmo dia em qeu o estado registra casos da cepa indiana do coronavírus, a mais letal, Bolsonaro desdenha das determinações contra a CoVID-19.

Mas de Bolsonaro – boçal, ignorante, incompetente e despreparado – é esperada reação deste tipo, uma vez que ridiculariza as vítimas da covID-19 desde o início da pandemia.

Pior é ver gente como o senador Roberto Rocha (sem partido), que chega a pregar uso de máscaras em suas redes sociais, mas se deixa levar pelos arroubos autoritários do presidente.

Um triste registro de um triste momento por que passa o país…

0

A aposta de Sarney e os 49% de indecisos sobre 2022…

Após receber Jair Bolsonaro e Lula, ex-presidente comentou com aliados que a rejeição dos dois deve favorecer o surgimento de um nome alternativo para a disputa presidencial, sobretudo pelo fato de que quase a metade do eleitorado ainda não se decidiu

 

Nas conversas que teve com Bolsonaro e com Lula, Sarney percebeu abertura para uma terceira via em 2022

O ex-presidente José Sarney (MDB) apontou no fim de semana um prognóstico alternativo para as eleições presidenciais de 2022.

De acordo com o jornal O Globo, Sarney vê chances abertas para uma terceira via, diante da polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-p´residente Lula, ambos com altas taxas de rejeição.

Sarney recebeu tanto Bolsonaro quanto Lula, em Brasília, ambos interessados no apoio do MDB e no controle da CPI da CoVID-19, no Senado.

De acordo com a última pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada semana passada, 49% do eleitorado ainda não se decidiu em quem votar nas eleições do ano que vem.

O índice, obtido na pesquisa espontânea, representa quase a metade do eleitorado, que pode optar por uma alternativa diferente da polarização ora em curso.

Embora aponte que a alta rejeição de Lula e Bolsonaro possa tirar um dos dois de um eventual segundo turno, o ex-presidente não cita nomes como alternativa à polarização.

Até por que, dos nomes já postos, nenhum alcançou dois dígitos…

10

Números já mostram chances de Lula vencer em primeiro turno…

Pesquisa DataFolha divulgada nesta quarta-feira, 12, mostrou o petista apenas seis pontos percentuais atrás da soma de todos os seus adversários – incluindo o presidente Jair Bolsonaro, que pode até mesmo perder posições para os candidatos do grupo de trás

 

Lula amplia vantagem sobre Bolsonaro e pode vencer em primeiro turno; se houver segundo turno, Bolsonaro pode ficar de fora

A pesquisa do Instituto DataFolha divulgada nesta quarta-feira, 12, trouxe dois novos cenários para a corrida presidencial de 2022:

1 – com 41% das intenções de votos, o ex-presidente Lula tem ampla vantagem sobre o presidente Jair Bolsonaro (23%) e já amplia as chances de vencer a disputa em primeiro turno;

2 – Bolsonaro perde cada vez mais pontos e pode até ver ameaçadas suas chances de chegar a um eventual segundo turno.

De acordo com o levantamento DataFolha – o primeiro do instituto desde que Lula teve os direitos políticos recuperados – se houver segundo turno contra Bolsonaro, o petista vence com mais de 20 pontos percentuais de vantagem (55% a 32%).

O que ainda segura Bolsonaro como adversário direto de Lula é a baixa densidade eleitoral dos demais candidatos, que ainda não conseguiram chegar aos dois dígitos.

Sergio Moro (sem partido) registra 7%, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), 6%, o apresentador Luciano Huck (sem partido), 4%; o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), obtém 3%, e, empatados com 2%, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta e o empresário João Amoedo. 

Dependendo do avanço destes candidatos e do distanciamento de Lula, Bolsonaro pode correr riscos de nem chegar ao segundo turno.

Mas esta é uma outra história…

3

Oposição pode reunir até 7 partidos contra grupo dinista em 2022

Aos poucos, lideranças não subordinadas ao projeto do governador comunista vão se unindo em torno de um objetivo comum: chegar ao segundo turno das eleições para o Governo do Estado em aliança que pode envolver de bolsonaristas a sarrneysistas, ex-governadores e ex-candidatos a governador, deputados federais, estaduais e prefeitos com repercussão estadual

 

Pré-candidatos a governador, Roberto Rocha e Josimar de Maranhãozinho trabalham na reunião do maior número de partidos na oposição a Flávio Dino

Enquanto o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) ainda bate cabeça para definir um candidato ao Governo do Estado, a oposição ao governo comunista vem aos poucos se alinhando em torno de um projeto comum: chegar, de forma decisiva, ao segundo turno em 2022.

Com este foco, já há lideranças de pelo menos sete partidos, como MDB, PSD, PTB, PL e PV, além de partidos de média estrutura, como PSC e Podemos.

Para efeito de comparação, se houver composição em torno de um único candidato, o grupo já reúne mais partidos que o senador Weverton Rocha (PDT), pré-candidato mais bem viabilizado no grupo dinista.

As conversas já envolve ao menos três pré-candidatos a governador: senador Roberto Rocha (sem partido), deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) e o prefeito Lahésio Bonfim (sem parido).

Ao lado do colega Lahésio Bonfim, Maura Jorge é uma das lideranças bolsonaristas de oposição ao projeto de poder do governador Flávio Dino

Além deles, a oposição pode reunir em torno de um candidato lideranças do porte da ex-governadora Roseana Sarney (MDB), deputados federais como Edilázio Júnior (PSD), Aluísio Mendes (PSC), Hildo Rocha (MDB) e prefeitos com repercussão estadual, do porte de Maura Jorge.

Na Assembleia, um bom grupo de parlamentares – com nomes do peso de César Pires (PV), Wellington do Curso (PSDB) e Dr. Yglesio (Pros) – sonha com a consistência de um grupo não-alinhado ao dinismo; ou pelo menos mais independente.

Os deputados Adriano Sarney, Dr. Yglésio, Wellington do Curso e César Pires também sonham com abertura de diálogo que uma disputa pelo govenro pode representar

Para forçar um segundo turno, a reunião de sarneysistas e bolsonaristas em torno de um projeto único tem um objetivo claro: aproveitar-se do racha – ou da falta de consistência do candidato dinista.

Nesta hipótese, poderão disputar efetivamente contra o legado do atual mandatário.

Ou influenciar de forma decisiva a disputa entre dois oriundos do dinismo…

7

Acuado, Bolsonaro tenta envolver governadores em CPI para escapar da investigação

Presidente expôs a fragilidade do seu governo ao tentar manipular o senador Jorge Kajuru; e acabou cometendo mais um crime ao mostrar interesse na derrubada do Supremo Tribunal Federal

 

Aliado de Bolsonaro, Kajuru pretende atender aos pedidos do presidente, mas o expôs publicamente ao revelar conversas graves

A conversa do presidente Jair Bolsonaro com o senador Jorge Kajuru expôs o desespero do chefe do Executivo com a CPI da CoVID-19, também conhecida por CPI do Genocídio.

O pedido de Bolsonaro para que sejam incluídos os governadores na investigação tem objetivo de apenas frear a comissão, não de esclarecer os fatos envolvendo ações contra a pandemia.

Bolsonaro está acuado e isolado; e tenta usar aliados para impedir que as investigações avancem.

Ms a CPI deve mesmo investigar não apenas o presidente, mas também governadores e prefeitos; e quem for fraco que se arrebente.
O aspecto mais grave da conversa do presidente com o senador é a revelação de que ele tenta mesmo derrubar o Sypremo Tribunal Federal.

E essa posição é crime de responsabilidade de Bolsonaro.

Mas esta é uma outra história….

6

Lula deve assegurar vaga no segundo turno de 2022, mostra pesquisa

De acordo com levantamento feito pelo Instituto Ipespe para a XP Investimentos, ex-presidente já ultrapassou o atual presidente em intenção de votos – embora os dois ainda estejam tecnicamente empatados – e tende a assegurar vaga no segundo turno das eleições presidenciais

 

Lula já lidera a corrida presidencial de 2022, segundo pesquisa Ipespe /XP Investimentos, divulgada nesta segunda-feira, 5

Na segunda rodada de pesquisas Ipespe/XP Investimentos, o ex-presidente Lula (PT) já aparece nominalmente à frente do atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Lula aparece com 29% das intenções de votos, contra 28% de Jair Bolsonaro. (Saiba mais aqui)

Esta foi a segunda rodada da pesquisa Ipespe a incluir Lula; na primeira rodada com a presença do petista, em março, ele ficou dois pontos percentuais atrás do presidente – 27% a 25%.

As rodadas da pesquisa Ipespe estão sendo divulgadas também pelo blog Marco Aurélio D’Eça.

Na análise dos dados da pesquisa Ipespe, percebe-se que a tendência é a de que Lula se afaste de Bolsonaro à medida que se aproximar as eleições de 2022, sobretudo pelo fato de que o desgaste do atual presidente também v em tendo sequência efetiva.

O pré-candidato do PT deve ter vaga assegurada no segundo turno, se mantiver as garantias atuais de entrar na disputa.

A outra vaga deve ser disputada por Bolsonaro e um dos demais candidatos…

13

Maranhão é majoritariamente Lula, mostra Escutec

Ex-presidente venceria a eleição com quase o triplo dos votos do atual presidente Jair Bolsonaro se as eleições presidenciais ocorressem agora; Boslonaro é também o mais rejeitado no estado

 

Lula deve vencer as eleições contra Jair Bolsonaro, segundo apontou pesquisa Escutec deste sábado

O petista Luiz Inácio Lula da Silva seria eleito presidente se as eleições de 2022 fossem agora, mostra pesquisa Escutec, divulgada neste sábado pelo jornal O EstadoMaranhão.

Lula aparece com 54% das intenções de votos, quase três vezes mais que Bolsonaro, citado por 20% dos entrevistados.

No cenário único apontado pela Escutec, o pedetista Ciro Gomes aparece com 7%, seguido por Sérgio Moro, com 3%, Dória e Luciano Huck com 2% e João Amoedo com 1% das intenções de votos.

Bolsonaro é também o mais rejeitado no maranhão, com 48% de eleitores que declaram não votar nele de jeito nenhum;. Lula soma 22% de rejeição.

A pesquisa Escutec  reafirma os cenários já apresentados país a fora pelas pesquisas, de vitória de Lula nas eleições 2022.

O presidente recuperou seus direitos políticos após anulações das suas condenações pelo STF.,..

5

Eliziane critica ação de Bolsonaro contra governadores e prefeitos

Acusado de não agir contra a pandemia de coronavírus, presidente quer, agora, impedir as medidas restritivas dos demais gestores; para senadora maranhense, Governo Federal causa desordem no país

 

Eliziane Gama criticou Jair Bolsonaro, que não age contra pandemia e não quer deixar prefeitos e governadores agirem

A senadora Eliziane Gama (Cidadania) criticou nas redes sociais a notícia de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) com ações contrárias às medidas restritivas que prefeitos e governadores estão adotando para tentar frear a disseminação do novo coronavírus.

Segundo Bolsonaro, um dos instrumentos é uma ação direta de inconstitucionalidade no STF (Supremo Tribunal Federal) contra decretos de três governadores, que ele não especificou quem são.

Para Eliziane, “o povo está em ordem” e qualquer desordem no país tem sido causada, na verdade, pelo próprio presidente.

Ao invés de trabalhar com a sociedade para mitigar a pandemia, o PR anuncia que vai ao Congresso e STF para ‘restabelecer a ordem no Brasil’. Ora, o povo está em ordem, se existe desordem, ela está na falta de um comando, de uma política de saúde séria e comprometida.