1

De como as ações de Weverton em favor dos trabalhadores consolidam sua base nos segmentos sociais progressistas

Senador que já tem o apoio da Fetaema, do Sindsep e de diversos sindicatos ligados à CUT e ao PT atuou diretamente em Brasília em favor dos agentes de Saúde, agentes de endemias e enfermeiros do Maranhão

 

Weverton em plenária da Federação dos Agentes Comunitários de Saúde, comemorando aprovação do piso da categoria

Os agentes comunitários de Saúde também tiveram o apoio de Weverton em sua luta salarial

Historicamente ligado às lutas dos trabalhadores, como liderança de esquerda filiado desde sempre ao PDT, o senador Weverton Rocha tem base consolidada nos setores mais progressistas dos movimentos sociais.

O apoio oficial da Fetaema e do Sindsep, além de vários outros sindicatos filiados à CUT e ligados ao PT, é um reconhecimento da esquerda à atuação do senador em favor da classe trabalhadora.

Esta semana, ele reuniu-se com a Federação Maranhense dos Agentes Comunitários de Saúde (Femacs) para comemorar a aprovação da Emenda Constitucional que criou o piso salarial da categoria.

– A proposta estava parada há dez anos no Congresso e ajudei a aprovar – conta Weverton.

 

Este ano, Weverton também já comemorou com enfermeiros a aprovação do piso salarial da categoria.

Ligado historicamente à esquerda, o senador pedetista já recebeu apoio à sua candidatura de setores do PT, do PSB e do PSOL; é um dos mais fortes candidatos entre os servidores públicos e tem forte identificação com as lutas do trabalhador no campo.

Sua bandeira de esquerda Weverton levanta desde jovem, no movimento estudantil e na luta da juventude socialista.

No Congresso, primeiro como deputado federal, depois como senador, sempre votou a favor das pautas progressistas, na defesa do trabalhador e contra o autoritarismo.

Na política, Weverton sempre esteve ao lado do ex-governador Jackson Lago, uma das lendas da esquerda brasileira, referência internacional socialista; a relação é tão forte que o senador é visto nacionalmente como o herdeiro político do pedetista.

Com os agentes de endemias, categoria que também conta com o apoio do senador pedetista em Brasília

No Maranhão, sempre esteve na oposição ao chamado grupo Sarney, atuando diretamente nas ruas, em passeatas, movimentos grevistas e atos públicos.

Em Brasília, como deputado e senador, combateu o golpe contra a ex-presidente Dilma e denunciou a prisão do ex-presidente Lula.

É por sua história em favor da classe trabalhadora que Weverton é procurado primeiramente em Brasília pelas categorias que buscam ajuda dos congressistas maranhenses.  

E é por sua história que ele tem base tão consolidada nos setores progressistas e nos movimentos sociais maranhenses.

Uma base histórica e natural…

2

Flávio Dino exclui Brandão de comitê das universidades pró-Lula

Como o governador-tampão tem pouca penetração na academia – que o vê como coronel do sertão maranhense – seu padrinho decidiu ignorar seu nome em evento que reúne professores ligados ao seu projeto de poder nas universidades públicas

 

O evento do meio universitário com Dino; sem identidade no setor, Brandão ficou de fora

Na sua tentativa de tornar-se “dono” da candidatura de Lula no Maranhão – e para tentar burlar sua pouca penetração nos movimentos sociais – o ex-governador Flávio Dino (PSB) decidiu promover um tal “Comitê de Luta das Universidades” em defesa da “Pré-candidatura de Lula”.

Mas, curiosamente, Dino decidiu banir do evento – inclusive das mídias divulgadoras – o seu candidato a governador, o tampão Carlos Brandão (PSB).

Aliás, Dino mantém Brandão escondido de todo e qualquer evento pró-Lula com a base da esquerda.

A explicação estaria na pouca – ou quase nenhuma – identidade ideológica de Brandão com a candidatura de Lula e, muito menos, com a comunidade acadêmica, sobretudo nas universidades públicas.

Neste segmento, Brandão é visto como um coronel da política do sertão maranhense, sem nenhuma ligação com os movimentos sociais e com os reclames das universidades públicas.

A movimentação do próprio Flávio Dino neste segmento é uma tentativa de mostrar penetração social na base da esquerda, que ele não tem, como mostrou o blog Marco Aurélio D’Eça no post “Fora do governo, Flávio Dino não consegue construir agenda popular…”

Tanto que, para o evento, Dino convidou apenas gente ligada a ele próprio na Uema, na Ufma e no Ifma.

Mas Brandão continuará excluído dos eventos pró-Lula em círculos fechados de Flávio Dino.

Por absoluta falta de identidade ideológica com o ex-presidente…

6

“Minha história com Lula fala mais alto que qualquer coligação formal”, diz Weverton

Senador do PDT diz que o Palácio dos Leões tenta afastá-lo do ex-presidente – com quem tem ligação histórica – por que sabe que o governador-tampão Carlos Brandão sempre foi de direita, que agora está volta ao governo, “junto com o que há de mais antigo na política do Maranhão”

 

Weverton tem fotos para todos os gostos com Lula, por que sempre esteve ligado ao ex-presidente e ao PT, na luta pelos trabalhadores…

O senador  Weverton Rocha (PDT) reagiu à altura nesta terça-feira, 10, a mais uma tentativa do Palácio dos Leões, do governador-tampão Carlos Brandão e do deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) de tentar afastá-lo do ex-presidente Lula.

– Há uma tentativa insistente em me dissociar do Lula por que sabem que a minha história fala mais alto do que qualquer coligação formal que eles possam fazer com o PT – afirmou o senador.

…A relação é tanta que até os filhos do senador e a eposa já posaram para fotos na casa do ex-presidente…

 

O governo Flávio Dino e o tampão primeiro tentaram criar a candidatura bolsonarista de Dr. Lahésio Bonfim para enfrentá-los no segundo turno, acreditando na desistência de Weverton; fracassados, tentam agora transformar o próprio Weverton em bolsonarista.

– Desafio que mostrem qualquer votação minha a favor do governo Bolsonaro ou contra os trabalhadores; desafio que mostrem uma atitude minha contra o ex-presidente Lula. E desafio o governador Brandão a mostrar que esteve do lado de Lula antes destas eleições – rebateu Weverton.

Weverton esteve em jantar com o ex-presidente, em Brasília, onde recebeu apoio para seu projeto de disputar o Governo do Estado…

Ligado historicamente ao ex-presidente, com quem esteve em todas as eleições que o petista disputou, Weverton foi o primeiro – e único – maranhense a visitá-lo na cadeia, em Curitiba, após o golpe contra o qual o pedetista votou contra na Câmara Federal.

A relação de Weverton com Lula se estreitou ainda mais nestas eleições, em que o ex-presidente já declarou publicamente que prefere o senador ao candidato escolhido pelo ex-governador Flávio Dino.

…E nas conversas que teve com o petista em São Paulo, recebeu a certeza de que Lula prefere a sua eleição a do tampão Carlos Brandão

Sem relação com Lula, Brandão tenta há meses, sem sucesso, conseguir uma foto convincente com o ex-presidente; ele quer fotos iguais  – ou pelo menos próximas – das que Weverton tem com Lula o longo de sua história, e ainda mais agora, nestas eleições.

– Estão tentando nacionalizar o debate por querem evitar discutir o que mais interessa: o empobrecimento do Maranhão, a miséria e a pobreza espalhada pelo estado – afirmou.

Miséria que só piorou nos últimos quase oito anos de Flávio Dino. (Entenda aqui, aqui, aqui e também aqui)

Mas esta é uma outra história…

2

Brandão demite aliados de Flávio e Jerry em Imperatriz e militância culpa Madeira

Crise nos bastidores do governo-tampão no segundo maior colégio eleitoral do estado se dá pela histórica relação de guerra dos partidos do campo progressista com o ex-prefeito da cidade, tucano que hoje comanda a Casa Civil

 

Madeira é apontado como responsável pelo corte nas posições de Adonilson (sentado à direita do ex-prefeito), aliado de Márcio Jerry

A demissão de gente ligada ao ex-governador Flávio Dino (PSB), ao deputado federal Márcio Jerry (PCdoB), ao PT e outros partidos do campo progressista, tem gerado uma nova crise nos bastidores do governo-tampão de Carlos Brandão (PSB).

Os cortes nas estruturas do estado na região tocantina são apontados como uma ação do chefe da Casa Civil, Sebastião Madeira (PSDB), que sempre sofreu oposição do PT, do PCdoB e do PSB em Imperatriz.

Ex-prefeito da cidade, Madeira é hoje o chefe da Casa Civil do governo Brandão, responsável pelo comando da máquina do estado.

Os cortes teriam atingido diretamente posições do professor Adonilson Lima (PCdoB), ligado diretamente a Márcio Jerry; outros cortes atingiram outros membros do PCdoB e do PT.

As demissões promovidas pelo governo Brandão estão ocorrendo também em diversos municípios, o que acaba sendo usado por adversários locais e criando clima de instabilidade política no Palácio dos Leões.

Brandão tenta se livrar da imagem de “poste” de Flávio Dino, nomeando homens de confiança no governo; mas acaba por chamar gente da antiga elite política tradicional, o que gera insatisfação nos setores do campo progressista.

E ele só tem mais 70 dias para ajustar sua gestão antes da campanha…