3

Maioria da base de Flávio Dino já tem posição definida para 2022 no MA…

Já convocados para reunião em Palácio dos Leões, nove dos “14 ou 15 partidos” governistas se dividem entre as candidaturas do senador Weverton Rocha e do deputado federal Josimar de Maranhãozinho; e deverão fazer este comunicado ao governador, que pode também optar pela orientação de José Reinaldo e impor o vice Carlos Brandão; “e quem discordar está fora”

 

Flávio Dino já começou a chamar os dirigentes partidários para ouvi-los sobre a candidatura governista em 2022

Os “14 ou 15 partidos” da base do governo Flávio Dino (PCdoB) devem se reunir com ele entre o final de maio e o início de junho, quando começarão a ser ouvidos sobre a candidatura governista nas eleições de 2022.

Destes 14 ou 15, pelo menos nove já têm posição definida.

Seis estão fechados com o senador Weverton Rocha: PDT, DEM, PSL, PRB, Cidadania e PSB.

Outros três dirão ao governador que estão com o deputado federal Josimar de Maranhãozinho: PL, Avante e Patriotas.

Ainda sem definição na base estão o PTB, o PP, o PROS, o PT e o PCdoB, do próprio governador.

Com o vice-governador Carlos Brandão, até o momento, apenas sua própria legenda, o PSDB.

Neste contexto, se levar em conta a posição da maioria, Flávio Dino deve se posicionar pela candidatura de Weverton.

Se, por outro lado, seguir a orientação do ex-governador José Reinaldo Tavares, vai decidir por Brandão.

“E quem não quiser estará fora”, como pregou Tavares. (Entenda aqui)

É claro que, até abril do ano que vem, quando deixará o governo, Dino enfrentará mudanças de contexto que podem corroborar ou não sua decisão; e também a dos partidos.

Todos os dirigentes partidários já foram comunicados da reunião com o governador…

3

Zé Reinaldo repete o erro de Brandão em 2020

Ao pregar a escolha, na marra, do vice-governador como candidato da base dinista, ex-governador tenta forçar Flávio Dino ao mesmo gesto que afastou os aliados do Palácio dos Leões ao tentar impor o nome de Duarte Júnior como opção obrigatória da base em São Luís

 

Após anos afastado por causa de suas teses, Zé Reinaldo volta a Flávio Dino; e pode levá-lo a novo erro em 2022

Ensaio

Um dos maiores erros da história política maranhense foi cometido pelo Palácio dos Leões no segundo turno das eleições de 2020, quando o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) acabou convencendo o governador Flávio Dino (PCdoB) a impor – obrigatoriamente – a candidatura do deputado estadual Duarte Júnior (PRB) como opção da base aliada nas eleições de São Luís.

A pressão de Brandão – que chegou a propor expulsão de quem não seguisse a orientação palaciana – acabou entregando no colo dos seus principais adversários internos uma inesperada aliança com o então deputado federal Eduardo Braide (Podemos).

Como se sabe, Braide venceu o pleito, com apoio fundamental do PDT, do DEM, do PTB e do MDB; e a aliança inesperada pode, inclusive, ser fundamental também nas eleições de 2022.

À época, a ansiedade de Brandão por uma “caça-às-bruxas” na base dinista foi visto como exemplo de desequilíbrio e falta de articulação política; passados seis meses da vitória de Braide, descobre-se agora que a “brilhante” ideia persecutória pode ter tido como pai o ex-governador José Reinaldo Tavares.

Criador e mentor político de Brandão, Zé Reinaldo – aos 82 anos – vem agora com a mesma tese para as eleições de 2022.

Segundo o ex-governador, que ganhou de volta espaço no governo a pedido de Brandão, Flávio Dino deve escolher, na marra, o atual vice como candidato em 2022.

“E quem discordar”, prega ele, “que saia do governo”.

– “É um jogo de poder; e o jogo de poder não tem essa compreensão. É como rivalidade futebolística, não tem conversa – completou o ex-governador Zé Reinaldo, em entrevista à TV Mirante, semana passada.

Como o Maranhão inteiro sabe, o senador Weverton Rocha (PDT) lidera todas as pesquisas de intenção de votos dentre os candidatos da base de Flávio Dino e tem alianças nos principais colégios eleitorais.

O Maranhão também sabe que Weverton já tem o apoio declarado do DEM, do PSB, do PSL, do Cidadania e do próprio PRB, onde Brandão estava em 2020 e saiu para entrar no PSDB.

É sabido no Maranhão que outro aliado da base, o deputado Josimar de Maranhãozinho, reúne em torno de si três partidos da base – PL, Avante e Patriotas – podendo chegar a cinco, se conseguir PP e PTB.

Pois bem, o que Zé Reinaldo propõe agora é que Flávio Dino mande tudo isso às favas e imponha, “sem conversa”, que Carlos Brandão é o candidato a governador. E ponto. 

E diz mais o ex-governador: o resto, o governo atropela com o seu poder. 

“Desertores”, Weverton Rocha, Neto Evangelista, Othelino Neto, Juscelino Filho, Glalbert Cutrim deram a vitória a Braide em São Luís

A história das eleições de 2020 mostra que Flávio Dino – após os arroubos do vice  – deixou a sensatez falar mais alto diante do fracasso em São Luís, evitando afastar quem não seguiu a ansiedade de Brandão e rearticulando a base para 2022.

Essa rearticulação pode garantir o futuro político do seu grupo e uma eleição relativamente tranquila, sem divisões na base.

Se Brandão e seu mentor Zé Reinaldo discordam disto, o próprio ex-governador já ensinou qual o caminho a seguir.

Simples assim…

1

Flávio Dino pode perder até cinco partidos de sua base em 2022…

Com dificuldades para manter a base em torno de um projeto único – e com a resistência dos dirigentes partidários em apoiar o vice-governador Carlos Brandão – comunista pode ver PL, Avante, Patriotas, PROS e PTB em palanques da oposição, o que pode tirar o governo de um eventual segundo turno

 

Com oposição mobilizada, Flávio Dino corre o risco de não ter um representante no segundo turno das eleições de 2022

O governador Flávio Dino (PCdoB) declarou recentemente que pretende ouvir os dirigentes “dos 14 ou 15 partidos” que ele espera estar ao seu lado para decidir sobre o candidato a governador em 2022.

O problema é que a maioria desses dirigentes não se entusiasma com a provável candidatura do vice-governador Carlos Brandão (PSDB).

E pelo menso cinco deles pode acabar em palanques da oposição.

Dos “14 ou 15 partidos” que Dino diz ter em sua base, seis já declararam publicamente apoio ao senador Weverton Rocha (PDT); são eles: PDT, PSB, DEM, PSL, PRB e Cidadania.

Outros três estão com o deputado federal Josimar de Maranhãozinho: o PL, o Avante e o Patriotas.

Já o PTB e o PROS estão sendo cobiçados por membros da oposição, como o senador Roberto Rocha e o prefeito de São Pedro dos Crentes, Dr. Lahesio.

Tanto Rocha quanto Lahésio são alinhados ao presidente Jair Bolsonaro e tendem a se aliar a Josimar, o que levará tanto o PL quanto o Avante e o PROS para a oposição. (Entenda aqui)

Sobraria a Flávio Dino e ao seu projeto apenas o PCdoB, o PP, o PT e o PSDB de Brandão.

Sem mandato a partir de abril de 2022, o governador terá que optar entre juntar-se com os partidos já alinhados a Weverton Rocha – que busca publicamente o seu apoio – ou insistir na candidatura de Brandão e ter que enfrentar três chapas adversárias, incluindo aí a que juntará os partidos dos chamados remanescentes do grupo Sarney, reunidos no MDB, no PSD, no PSC e no PV.

Neste caso, a disputa vira uma incógnita, com possibilidades, inclusive, de um inédito segundo turno sem candidato governista.

É aguardar e conferir…

5

Weverton quer Flávio Dino e Brandão em seu palanque de 2022

Pré-candidato do PDT ao Governo do Estado já com apoio de seis partidos, senador reforça a importância de ter não apenas o atual governador em seu palanque, mas também o atual vice, que terá papel importante em 2022 ao assumir o comando do estado

 

Já com o apoio de Eliziane Gama, Weverton busca o apoio de Brandão de Flávio Dino para manter a base unida em 2022 contra a oposição

O senador Weverton Rocha (PDT) trabalha apara garantir a unidade da base do governador Flávio Dino (PCdoB) em torno do seu nome para o Governo do Estado, em 2022.

Rocha também acredita que o apoio do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) seja fundamental para a consolidação da aliança, uma vez que, como ocupante do cargo a partir de abril, ele será o condutor da campanha da chapa governista. 

Brandão é cotado para a vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado que será aberta em 2023, com aposentadoria do conselheiro Edimar Cutrim. Com a vitória do seu grupo, ele garantiria o período como governador, e assumira o TCE após encerrar o mandato. (Entenda aqui e aqui)

Com aval de seis partidos que já declararam apoio à sua candidatura – PDT, PSB, DEM, PSL, PRB e Cidadania – Weverton trabalha para que esta aliança chegue a pelo menos 10 partidos, buscando o apoio também do PP, do PTB e do PROS.

– Nós buscamos a aglutinação com as diversas lideranças políticas, com os chefes de poder político do estado e com a maioria dos partidos – já afirmou Weverton Rocha.

A unidade da base do governador Flávio Dino em torno do seu nome – que lidera as pesquisas entre os candidatos ligados ao comunista – é fundamental para neutralizar os dois grupos de oposição que podem se formar para as eleições de 2022.

O deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) já informou ao próprio Flávio Dino que vai ser candidato. Ele tem, além do PL, também o Avante e o Patriotas; além disso, pode ganhar o PTB, hoje mais alinhado ao projeto de Jair Bolsonaro. 

Por outro lado, a oposição dos chamados remanescentes do Grupo Sarney reúne partidos como PSD, PSC, PV, MDB e outras pequenas legendas.  

– Eu tenho buscado diálogo com o MDB e com o PTB – diz Weverton, para quem, é preciso evitar que a oposição forme alianças consistentes.

A preocupação do senador pedetista se justifica pelo fato de a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) liderar as pesquisas nos cenários em que aparece, o que pode estimular as legendas a compor em uma coligação que possa ameaçar a força do grupo dinista.

Embora tenha se dedicado integralmente às ações contra a CoVID-19 e em busca de melhorias ao desenvolvimento do Maranhão, Weverton entende que é fundamental conversar com as lideranças partidárias desde já, para formar um grupo sólido para as eleições de 2022.

– Confio que o governador e o vice saberão ouvir nossas lideranças para decidir e preservar o legado do nosso grupo – pondera o senador…

6

José Reinaldo quer reaproximar Brandão da velha guarda sarneysista

Ex-governador sabe que não terá a base do governo Flávio Dino na campanha do vice-governador; e tem usado a aproximação com o comunista para acenar a deputados, ex-deputados, prefeitos e ex-prefeitos de sua geração, como João Alberto, Hildo Rocha, Arnaldo Melo, Tatá Milhomem, Aderson Lago e Marcone Farias

 

A missão de José Reinaldo é criar uma base partidária para Brandão; como a de Dino está com a juventude, saída é buscar velha guarda, mas identificada com o vice

O vice-governador Carlos Brandão (PSDB) já sabe que não terá o apoio da base do governador Flávio Dino (PCdoB), formada em sua maioria por jovens deputados, prefeitos e vereadores, com dinâmica política diferente da sua.

Este grupo, que tem hoje o controle dos principais partidos no estado, se alinha ao projeto do senador Weverton Rocha (PDT) ou ao do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL); e deve influenciar diretamente a decisão de Dino sobre o candidato da base.

Foi o próprio Flávio Dino quem disse que iria ouvir os “14 ou 15 partidos da base” para decidir sobre candidaturas em 2022.

Brandão tem dificuldade de se aproximar da ala mais jovem dos aliados de Dino por que é, ele próprio, um político de outra geração. (Entenda aqui,  aqui e também aqui)

Para tentar fazer contraponto a esta força, o ex-governador José Reinaldo Tavares entrou em cena, para reaproximar antigas lideranças do chamado grupo Sarney – e a velha guarda da política sarneysista ainda em atividade – com os quais o próprio Brandão conviveu durante décadas.

Por isso buscou a reaproximação entre Flávio Dino e o ex-governador José Reinaldo Tavares.

O vice-governador já conversou com o ex-senador João Alberto, com o ex-secretário Ricardo Murad e já tentou, inclusive, aproximação com a ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Ele conta também com políticos da velha guarda sarneysista ainda em atividade, como os deputados Hildo Rocha (MDB), César Pires (PV) e Arnaldo Melo (MDB).

A todos, garante espaço de poder assim que assumir o governo, em abril de 2022.

José Reinaldo trabalha não apenas em aproximar Brandão de sarneysistas, mas busca também seus próprios aliados das antigas, como os ex-deputados Sebastião Madeira, Jaime Santana, Marcone Farias e Aderson Lago.

O próprio Brandão sempre foi mais próximo desses políticos, uma vez que fez parte do grupo Sarney durante anos.

E é com este pessoal que quer governar e viabilizar sua candidatura ao governo…

6

Carlos Brandão ouve mais um não na tentativa de consolidar candidatura

Vice-governador corre contra o tempo na tentativa de viabilizar uma aliança consistente, mas enfrenta resistências, diante da baixa empolgação que desperta entre as lideranças partidárias;  e pode acabar com a menor parte das legendas que compõem a base do governo Flávio Dino

 

Josimar disse não às tentativas de Brandão de ter seu apoio em 2022; é a segunda resposta negativa do vice-governador, que vai ficando sem margem partidária

O governador Flávio Dino (PCdoB) chamou nesta quarta-feira, 28, ao Palácio dos Leões, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL); era mais uma tentativa de o seu vice, Carlos Brandão (PSDB), viabilizar uma coligação consistente para sua candidatura em 2022.

E mais uma vez ouviu um “não!” como resposta.

Josimar disse ao governador que será candidato em 2022; o deputado revelou também ter ouvido do próprio Dino a afirmação de que Brandão será seu candidato.

Brandão corre contra o tempo por que precisa dar à sua candidatura uma aliança consistente para a disputa de 2022.

Há duas semanas, também sob a custódia de Flávio Dino, o vice reuniu-se com o senador Weverton Rocha (PDT) e tentou a mesma estratégia usada com Josimar – ainda que de forma mais sutil – ouvindo também do pedetista a confirmação de candidatura, embora queira o apoio não apenas de Dino, mas do próprio Brandão.

Flávio Dino já disse em entrevista que tem algo em torno de 14 ou 15 partidos em sua base de apoio, com os quais pretende conversar sobre a sua sucessão.

Destes 15 partidos, pelo menos seis já declararam apoio a Weverton Rocha: PDT, PSB, Cidadania, Republicanos, DEM e PSL.

Com Josimar reúnem-se outros três partidos: PL, Patriotas e Avante.

Dentro da base, ainda não se posicionaram o PROS e o PP, que está mais próximo de Weverton. Já o PTB, alinhado ao bolsonarismo, caminha para a oposição.

Caso tenha sido ungido pelo governador, como afirma Maranhãozinho, sobrariam a Brandão seu próprio PSDB, o PCdoB dinista e o PT.

É por isso a pressão, tentando antecipar o jogo da sucessão.

Que ele mesmo tentou adiar…

0

Weverton crê em consenso na escolha do candidato do grupo dinista

Senador e pré-candidato do PDT ao Governo do Estado entende que o governador Flávio Dino vai levar em conta a força eleitoral de cada candidato e o apoio das lideranças e partidos aliados, sem tentar impor nenhum nome à base

 

Weverton faz a sua parte, articulando apoios e consolidando seu nome, esperando que Flávio Dino respeite o consenso no grupo

 

Do blog de Gilberto Léda

Apesar de o governador Flávio Dino (PCdoB) já haver revelado nos bastidores preferência pela candidatura de Carlos Brandão (PSDB) ao Governo do Estado em 2022, o senador Weverton Rocha (PDT) não acredita que o comunista pense em impor o nome do tucano aos aliados.

O pedetista também é pré-candidato a governador e almeja o apoio do Palácio dos Leões.

Em entrevista ao programa Ponto Final, da Mirante AM, nesta quarta-feira (14), ele disse acreditar que a escolha do candidato governista ocorrerá por consenso.

“O Flávio não vai impor. Fosse assim, o Edivaldo [Holanda Júnior] não teria sido reeleito. Ele [Dino] poderia ter um outro candidato, mas ele ouviu os partidos e o grupo”, disse. Continue lendo aqui…

2

Weverton pode reunir até nove partidos da base de Flávio Dino

Governador declarou em entrevista que um dos critérios de escolha do nome do grupo para a disputa de 2022 será o posicionamento dos “14 ou 15 partidos” que compõem sua base de apoio, o que fortalece ainda mais a candidatura do senador pedetista, encaminhada pela maioria das legendas

 

Weverton já se viabilizou eleitoralmente e partidariamente, critérios a serem usados por Flávio Dino na escolha entre ele e Brandão

A escolha do candidato do governador Flávio Dino (PCdoB) à sua sucessão em 2022 levará em consideração a opinião dos cerca de “14, 15 partidos” que compõem a sua base de apoio no Maranhão.

A afirmação foi dada pelo próprio Dino, quatro dias atrás, em entrevista ao site Poder360.

– Entre julho e agosto farei conversa com os 14, 15 partidos que acho que ficarão conosco – afirmou Dino, citando o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e o senador Weverton Rocha (PDT) como as opções do seu grupo. (Leia a íntegra aqui)

Weverton lidera praticamente todos os cenários das pesquisas já divulgadas, o que lhe dá vantagem eleitoral sobre Brandão. (Relembre aqui, aqui aqui, e aqui)

Levando em conta a declaração do governador, o pedetista leva vantagem também no critério partidário.

O senador tem o apoio declarado de seis partidos – além do seu PDT já afirmaram estar com ele o PSB, PSL, PRB, DEM e Cidadania – e pode reunir nada menos que nove legendas, se viabilizar PTB, PP e PT.

Levando em consideração o número de partidos na base – citado pelo próprio Flávio Dino – significa que a maioria poderá declarar a Dino a preferência por Weverton.

Sobrariam a Brandão o seu PSDB e mais o PTC, o PCdoB do próprio Dino e duas ou três outras pequenas legendas que compõem a base. 

Se o comunista cumprir sua promessa e levar em conta os critérios das pesquisas e da preferência da base, portanto, Weverton Rocha estará bem à frente de Brandão.

A menos que Dino queira desconsiderar não apenas o pedetista, mas todos os outros aliados partidários…

5

Os prazos de Brandão e os prazos de Weverton…

Vice-governador força por uma definição antecipada do governador Flávio Dino por sua candidatura em 2022, enquanto o senador ganha tempo, construindo uma base que pode tornar irreversível seu projeto

 

Brandão quer logo o apoio de Dino por que precisa correr atras de partidos; Weverton já tem o apoio de seis e pode ganahr mais quatro

O fim e semana produziu mais uma enxurrada de interpretações das declarações do governador Flávio Dino (PCdoB) sobre seu candidato em 2022.

E mais uma vez os aliados do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) precipitaram-se em ver as afirmações de Dino como uma garantia de que seu candidato será o tucano.

É natural a pressa de Brandão em ter o apoio declarado de Dino; É a partir deste apoio que ele pode construir seu projeto.

Brandão tem até abril de 2022 para negociar com partidos e lideranças políticas sua candidatura; e não há dúvida de que, quanto mais cedo puder anunciar-se como “candidato de Dino”, melhor para ele.

A partir de abril do ano que vem, o vice tera que se virar sozinho para conseguir o maior número de partidos e lideranças em sua campanha.

E so terá dois meses para atrair estas legendas e lideranças.

Só com a chancela dinista, o vice-governador terá condições de atrair partidos e líderes políticos no interior, coisa que o senador Weverton Rocha (PDT), o outro nome do grupo, já faz desde agora.

Por isso o tempo de Weverton e diferente do de Brandão.

Embora também querendo o apoio de Flávio Dino, Weverton se movimenta com estrutura própria, evitando o papel de poste do governador e construindo por si só sua aliança partidária e política.

O pedetista já tem o apoio de seis partidos – PDT, DEM, PSL, PRB, PSB e Cidadania – e pode chegar a 10 até o início da campanha, se confirmar o apoio do PTB, MDB, PP e PT.

Além disso, tem o apoio da senadora Eliziane Gama (Cidadania), dos presidentes da Assembleia, Othelino Neto (PCdoB), da Camara Municipal, Osmar Filho (PDT), da Famem, Erlanio Xavier (PDT), além de alianças encaminhadas com os prefeitos de Sao Luís, Imperatriz, Timon, Bacabal e Pinheiro.

Weverton quer o apoio de Flávio Dino e deixa publicamente claro o eu desejo.

Mas, diferente de Brandão, pode esperar e lutar por isso até junho do ano que vem, ao mesmo tempo em que constrói suas próprias alianças e monta sua estrutura de campanha.

Quando chegar a época das convenções, caberá a Dino decidir quem apóia, levando em consideração – além da força eleitoral de cada um  – também, de que lado estão os 14 partidos que formam a base do seu governo.

E essa decisão influenciará tambem sua própria candidatura ao Senado.

E simples assim…

2

A ansiedade de Carlos Brandão…

Vice-governador parece açodado para assumir o governo; e na falta de fatos consistentes gerados por suas ações, utiliza-se de aliados na mídia para repetir obviedades tentando se manter em evidência diante das pesquisas que mostram o desconhecimento da população ao seu nome

 

Carlos Brandão demonstra forte ansiedade pela saída de Flávio Dino do cargo de governador; e ansiedade nem sempre é boa companheira na política

Ensaio

É óbvio ululante que o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) será governador a partir de abril de 2022, quando o titular do cargo, Flávio Dino (PCdoB), deixará o mandato para concorrer às eleições.

Só Brandão pode suceder Flávio Dino nesta hipótese; Não Edivaldo Júnior (PDT), não Roseana Sarney (MDB) e muito menos Márcio Jerry (PCdoB).

Flávio Dino, portanto, não diz nada de mais quando declara que Brandão concluirá as obras que, eventualmente, o comunista não conseguir concluir antes de deixar o cargo.

Flávio Dino já disse isso em 2019, 2020, agora em janeiro, em fevereiro e em março de 2021; e não poderia dizer diferente.

Ao repetir isso a cada vez que o comunista falar do assunto – e espalhar em blogs, sites e portais de aliados políticos Maranhão a fora – Carlos Brandão demonstra uma descontrolada ansiedade por assumir o governo.

É mais do que óbvio que Brandão será governador do Maranhão.

Mas antes de ser efetivado no mandato, ele precisa gerar fatos consistentes, que demonstrem ao povo do Maranhão sua capacidade gerencial e política para estar à frente do governo.

Ficar repetindo, semana após semana, que sucederá a Flávio Dino, revela uma ansiedade e uma pressa incompatíveis com o exercício da liderança política.

E todo apressado acaba comendo cru…