2

Após chuvas, Edivaldo monta força-tarefa para ações de emergência…

Prefeito acompanhou pessoalmente a situação em várias localidades atingidas em São Luís, cobrou ações imediatas de sua equipe e buscou também auxílio de outros órgãos

 

ACOMPANHADO DE SECRETÁRIOS, Edivaldo visitou locais de desabamento e alagamentos

O prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), passou todo o domingo, 24, em visita a localidades atingidas pelas fortes chuvas que caíram na madrugada causando transtornos e prejuízos.

Acompanhado de equipes da Defesa Civil e da limpeza urbana, Edivaldo reuniu áreas com desabamentos e alagamentos.

– Chove muito em São Luís desde ontem à noite [sábado]. Foram mais de 160 milímetros de chuvas nas últimas 12 horas. e muito superior ás chuvas de anos anteriores. Já determinei o levantamento de todas as necessidades que precisam ser atendidas – ressaltou o prefeito.

As chuvas destruíram casarões, derrubaram árvores e causaram diversos alagamentos em São Luís.

DURANTE REUNIÃO COM AUXILIARES, o prefeito determinou atendimento emergencial às pessoas atingidas

À tarde, reuniu o secretariado para avaliar as ações e definir estratégias para enfrentar o período de chuva, que deve durar até junho.

– Já determinei a retirada das famílias de áreas de ricos para abrigo  a agilidade no pagamento do aluguel social. Aumento de efetivo dos agentes de trânsito. Vamos continuar visitando as áreas e prestando toda a assistência às famílias – disse Edivaldo, em vídeo divulgado em suas redes sociais.

0

Alagados por chuvas de novembro, moradores do Altos do Calhau temem por novas enchentes…

Todas as casas da Rua Duque Bacelar, no condomínio que fica ao lado do Athenas Park, foram inundadas; quase dois meses depois, nenhuma providência foi tomada pelas autoridades

 

A marca de lama em um dos quartos revela até que altura a água subiu nas chuvas de 30 de novembro

Os moradores da quadra 11, da Rua Duque Bacelar, no Recanto dos Nobres, condomínio do Altos do Calhau, vivem há dois meses em um espécie de “vigília da angústia”, esperando pelas chuvas.

No dia 30 de novembro, no primeiro sinal de que o período chuvoso de 2019 será intenso e rigoroso, as casas desses moradores foram todas inundadas por uma espécie de mistura de água e esgoto.

Eles resolveram mandar fotos e vídeos ao blog Marco Aurélio D’Eça depois de um post, que denunciava um esgoto jorrando há quase três meses na região do Parque Athenas. (Relembre aqui)

Foi justamente este esgoto que invadiu as casas dos moradores da região.

– Para melhor entendimento, pelos bairros Recanto dos Nobres-Altos do Calhau (Rua Duque Bacelar), Parque Atenas, Vila Conceição e Quintas do Calhau, passa uma galeria que, corriqueiramente, está sendo fechada, tampada, obstruída por construções irregulares e pela falta de limpeza e manutenção. Tais construções não obedecem o plano de drenagem devido – explica o morador Vitor Augusto, morador da área.

Ele conta que, há 10 anos, quando chegou à área, a vala era aberta, mas a construção das demais casas, e, principalmente, “a construção irregular de centro comercial a vala foi completamente fechada”.

O drama dos moradores do Recanto dos Nobres se repete entre os bairros e conjuntos habitacionais da região do Cohajap, Parque Shalon, Altos do Calhau, Barramar, Quintas do Calhau e as vilas Conceição e Portelinha.

– Vale salientar que já fomos à Prefeitura (SEMOSP e Blitz Urbana) registrar a denúncia e solicitar as devidas providências, mas, infelizmente, nada foi feito até o presente momento – denuncia Vitor Augusto.

Todas as casas tiveram quase 1 metro de alagamento durante as chuvas do início e do fim de 2018; e nenhum serviço foi feito

E o drama de esperar, torcendo para que as chuvas demorem o máximo, vai angustiando os moradores em plena época de festas de fim de ano.

Em tempo: o esgoto denunciado neste blog, continua jorrando imundície, diante da omissão da Caema…

1

Roberto Costa consegue apoio para cidades que enfrentam enchentes…

Acompanhado do senador João Alberto, deputado estadual esteve no Ministro da Integração Nacional, em Brasília, onde viabilizou a liberação de ajuda

 

João Alberto e Roberto Costa com o ministro da Integração

O deputado estadual Roberto Costa (MDB) participou de reunião na última terça-feira (18), em Brasília,  com o ministro da Integração  Nacional, Antônio Pádua de Deus Andrade, no gabinete do senador João Alberto (MDB), para buscar apoio junto ao Ministério de Integração Nacional aos municípios maranhenses atingidos pelas enchentes.

Costa é o presidente da Frente Parlamentar da Assembleia Legislativa que acompanha e presta assistência às cidades maranhenses atingidas pelas enchentes.

Segundo Dados da Defesa Civil 11 municípios maranhenses  decretaram estado de emergência – Marajá do Sena, Pedreiras, Trizidela, Lago dos Rodrigues, Presidente Vargas, Brejo, São João do Sóter, Tuntum, Caxias, Formosa da Serra Negra e São Luís Gonzaga.

De acordo com o último levantamento do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil do Maranhão existem 2.357 famílias desabrigadas pelas enchentes.

– É importante que o socorro seja completo para que todos os afetados retomem suas vidas o mais rápido possível, com atendimento médico, construção de casas e de redes de escoamento da água – defendeu o senador João Alberto.

Em Bacabal, há mais de 700 pessoas desabrigadas que se encontram em situação de calamidade, em ginásio e estádio.

– Estive nestes locais e pude perceber o sofrimento do povo, que padece por falta de alimentos, falta de medicamentos, falta de água.  Estamos denunciando o prefeito de Bacabal, o senhor Zé Vieira,  que não decretou estado de emergência ao município – lembrou Roberto Costa.

O parlamentar denunciou a falta de prioridade da Prefeitura de Bacabal, que optou por gastar dinheiro em bandas de forró.

– Foram R$ 1 milhão com bandas de forró no aniversário da cidade. Em função dessa festa, a Gestão Municipal deixa de decretar estado de emergência, que é  a real situação da cidade. Enquanto isso,  o povo bacabalense sofre e clama por assistência, saúde, educação, infraestrutura. Embora, a Gestão Municipal não ter decretado estado de emergência – denunciou.

Bacabal

Durante a reunião, João Alberto r Ropberto Costa conseguiram apoio para que  o  município de Bacabal seja cidade-polo, o posto de comando para atender aos municípios da região do Médio Mearim atingidos pelas chuvas.

– Bacabal receberá toda a estrutura da Defesa Civil Nacional, com cestas básicas, colchões e equipamentos para serem distribuídos aos demais municípios da Região Mearim – concluiu Roberto Costa.

O nível do rio Mearim já está oito metros acima do normal e mais de 9 mil pessoas foram afetadas direta ou indiretamente, de acordo com a Defesa Civil do Maranhão.

O ministro afirmou que o Ministério não tem medido esforços para prestar todo apoio necessário aos municípios afetados.

2

Edivaldo Junior em correta postura de homem público…

Prefeito esteve presente nos principais pontos de alagamento ainda durante as chuvas da madrugada e manhã de segunda-feira, ao lado do secretário Antonio Araújo, para tentar refazer os estragos causados pelas inundações

 

Ao lado de Antonio Araújo, Edivaldo coordena as ações da Semosp em área da Jerônimo de Albuquerque atingida pelas chuvas

Está certo que aquele trecho da Avenida Jerônimo de Albuquerque – como vários outros de São Luís – parecem ter uma “cabeça de burro” enterrada, já que entra chuva e sai chuva e eles continuam assim, como mostram as imagens.

Está certo também que a prefeitura de São Luís, entra gestão e sai gestão, não consegue dar jeito ao problema.

O trecho ficou drasticamente destruído pelas chuvas de segunda-feira, que continuaram ontem

Mas está certo também dizer que a postura do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) durante as chuvas da madrugada e manhã da última segunda-feira adotou uma postura respeitável para enfrentar o caos gerado na cidade.

Ao lado do secretário de Obras, Antonio Araújo, Edivaldo esteve ainda pela madrugada nos locais como o da Jerônimo de Albuquerque, acompanhado os trabalhos de recuperação dos trechos destruídos pelas chuvas.

As equipes da Semosp continuaram ontem os serviços de concretagem para contenção da erosão provocada pelas fortes chuvas

E as equipes da prefeitura estiveram em várias frentes, em busca de garantir o ir e vir dos cidadãos em meio à tempestade.

São Luís sofre há anos com alagamentos que poderiam ser evitados com obras estruturantes e definitivas.

Mas é preciso reconhecer a ação de homens públicos que não fogem às responsabilidades.

E Edivaldo Júnior mostrou ser um desses homens públicos…

0

Prefeitura busca saídas para alagamentos no Coroado…

Equipes da Secretaria de Obras fazem espécie de canal na Avenida dos Africanos para evitar acúmulo de água durante as chuvas

 

Equipes da secretaria municipal de Obras realizam há uma semana serviços de construção de uma espécie de canalização entre as pistas da avenida dos Africanos, no Coroado.

O objetivo é garantir o escoamento das águas, que ficam acumuladas na pista durante as chuvas.

Com a passagem, a enxurrada seguirá para o leito do rio das bicas, que passa pelo bairro.

Um projeto mais amplo da Semosp prevê a desapropriação de casas na rua Dr. Carlos Macieira, a fim de evitar as enchentes das ruas do Coroado.

Mas esta é uma outra história…

0

Imperatriz: Prefeitura vai iniciar limpeza de riachos…

Ação preventiva, que prevê também o alargamento das calhas antes do período chuvoso, contará com parceria do governo do estado

 

Membros da prefeitura discutem ações nos riachos

Os riachos de cortam a cidade serão limpos antes do início do período chuvoso. A determinação do prefeito Assis Ramos é que além da limpeza se proceda ainda o alargamento das calhas e aprofundamento dos riachos Bacuri, Capivara, Santa Teresa e Riacho do Meio e seus pequenos afluentes.

Com o objetivo de tratar da ação preventiva estiveram reunidos na terça-feira (10), o titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura, Sinfra, Francisco de Assis Pinheiro, o superintendente municipal de Proteção e Defesa Civil, Josiano Galvão e o diretor regional da Sinfra estadual, Waldegno Salustiano Júnior.

Na reunião ficou estabelecida parceria entre a Prefeitura e o Governo do Estado para a realização das obras de limpeza, alargamento e aprofundamento dos riachos. O superintendente da Defesa Civil, Josiano Galvão entende que a parceria vai contemplar melhor a comunidade que mora às margens dos riachos.

O secretário de Infraestrutura, Francisco Pinheiro, atendendo determinação do prefeito Assis Ramos vai iniciar o trabalho na próxima segunda-feira (16), pelo riacho Bacuri, nos bairros, Morada do Sol, Vila Redenção I e II, Vila João Castelo, Brasil Novo, Jardim Lopes, Vila Machado, Parque Alvorada e parte da BR-010.

“Nesse primeiro momento, a Prefeitura entra sozinha com essa ação, mas logo em seguida o Governo do Estado vai se encampar fornecendo maquinários e mão de obra”, afirma Josiano Galvão, ressaltando que a Defesa Civil fará trabalho de conscientização para que a comunidade não jogue lixo após a limpeza dos riachos.

Com relação aos moradores que construíram casas sobre os leitos dos riachos, o superintendente afirmou que eles continuam sendo notificados pela Defesa Civil e Secretaria de Planejamento Urbano (SEPLU). Ressaltou, que antes das chuvas a Superintendência de Proteção e Defesa Civil fará o cadastramento dos moradores das áreas de risco.

8

Em respeito a Edivaldo Júnior…

Mesmo crítico duro da gestão do prefeito de São Luís este blog não pode deixar de reconhecer as dificuldades climáticas como obstáculos às ações nos bairros da capital maranhense

 

EM AÇÃO
Edivaldo, apesar das dificuldades, se esforça para cumprir cronograma de obras

É fato que este blog faz críticas duras à gestão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) desde o seu primeiro mandato; e sempre críticas pertinentes.

Mas este blog não pode deixar de reconhecer que Edivaldo enfrenta dificuldades gigantescas neste início de segundo mandato, dificuldades estas que fogem de qualquer controle pessoal.

As chuvas intensas que caem na capital são fatores que precisam ser considerados em relação às obras de infraestrutura urbana e em outras construções e reformas.

A precipitação pluviométrica medida pela Universidade Estadual do Maranhão (Uema) superou, em 2017, a média dos últimos 30 anos.

MUITA CHUVA
O índice pluviométrico tem sido alto em São Luís; note que janeiro e fevereiro registraram quase o dobro do ano passado

Em alguns meses, o índice de chuva foi quase o dobro, tanto da média histórica quanto em comparação com 2016. (Veja quadro acima)

Apenas nos primeiros três dias de maio já choveu mais de 10% do que é esperado para o mês inteiro.

É praticamente impossível trabalhar em ruas e avenidas nestas condições; serviços de drenagem superficial  profunda ficam inviabilizados, sem falar na recuperação asfáltica, impossível de ser feita.

Não dá para deixar de reconhecer também o esforço do prefeito e de sua equipe para tentar, ao menos manter o padrão de algum serviços.

Edivaldo Júnior ainda precisa melhorar muito, é verdade.

Mas é preciso compreender também as adversidades deste período do ano em São Luís.

Assim se faz a cobrança justa…

6

Após chuvas intensas, prefeitura intervém em pontos de alagamento…

Secretaria de Obras intensifica serviços de limpeza de córregos e construção de galerias em áreas como Coroado, Calhau e Vinhais, onde as chuvas tendem a provocar inundações

 

Na rua Cobalto, no Coroado, o serviço é de construção de nova linha de drenagem

 

A Secretaria Municipal de Obras intensificou os serviços de construção de galerias e limpeza de córregos e igarapés, para impedir alagamentos em pontos críticos de São Luís.

Na rua Cobalto, no Coroado, está sendo feito serviço de drenagem e novas galerias, em um dos pontos do bairro que3 ainda alga nas chuvas.

O ponto de alagamento na Jerônimo de Albuquerque é crônico

Semana passada, a prefeitura também interveio na Curva do 90, na região entre o Vinhais e o Cohafuma, num ponto da avenida Jerônimo de Albuquerque que acumula água durante as chuvas.

Trator faz a limpeza de córrego que corta a região do Calhau

Na região do Calhau/Barramar, o serviço é de limpeza do córrego que corta desde o condomínio Gran Park até a avenida dos Holandeses, passando por dentro do Quintas do Calhau e da Vila Conceição.

As obras têm o objetivo de impedir novos alagamentos, como os que ocorreram na última quarta-feira, 1º depois das fortes chuvas.

2

“Falta prefeito e sobram problemas”, dispara Wellington, após alagamento

Funcionário limpam o Curso Wellington após enchente; foi em 2016, mas poderia ter sido em 2017, 2015, 2014, 2013…

O deputado estadual Wellington do Curso (PP) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa do Maranhão, na manhã desta quinta-feira, para fazer referência aos transtornos em São Luís, após mais um alagamento causado pelas chuvas.

– Estamos alertando para que ações efetivas sejam adotadas. Em São Luís, infelizmente, falta prefeito e sobram problemas. Consequência disso é o povo padecendo. Com o grande volume de chuvas em nossa capital, vários bairros foram alagados, a exemplo de Ilhinha, Coroado, São Francisco dentre outros. Além dos alagamentos, ainda estamos diante de 60 áreas de risco de desabamento em São Luís. Por isso, cobramos aqui que a Prefeitura de São Luís efetive a Política Municipal de Saneamento Básico e, assim, adote providências no combate aos alagamentos e demais transtornos. Para tanto, colocamos a Assembleia Legislativa à disposição para atuar, no que for possível – disse Wellington.

Os alagamentos ocorreram nos mesmos locais de 2016, 2015, 20p14, 2013, 2012, 2011… (Veja o vídeo abaixo, gravado no Renascença)

O próprio Wellington foi obrigado a, literalmente, mergulhar no alagado do Renascença II, para ajudar no resgate de uma caminhonete que boiava em frente ao curso de sua propriedade, totalmente inundado pela falta de drenagem na área.

Além de citar os alagamentos nos bairros da Ilhinha, São Francisco, Coroado dentre outros, o deputado Wellington destacou ainda as 60 áreas de risco de desabamento na capital e cobrou ações efetivas da Prefeitura, antes que seja tarde.

4

Chuva destrói pela terceira vez obra feita às pressas pela prefeitura….

Onde deveria ter sido construído uma ponte, na Vila Conceição, no Calhau, foram colocados apenas tubos, sem nenhum acabamento do terreno, o que resultou em esbarreramentos sucessivos; prefeitura responde apenas com paliativos

 

Serviços feitos pela prefeitura não conseguem resistir ao nível de chuva por falta de acabamento

A gestão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) decidiu fazer, às pressas, durante a campanha eleitoral de 2016, um aterramento no local onde deveria ser um ponte, ligando a Vila Conceição ao bairro do Calhau.

Feito a toque de caixa, em meio á caça ao voto do prefeito, a obra não teve qualquer tipo de acabamento. Logo nas primeiras chuvas, ainda em dezembro, o aterro começou a esfarelar, junto com o asfalto colocado também a toque de caixa.

Em janeiro, as fortes chuvas levaram quase que por completo a obra.

Empresas chamadas pela prefeitura foram novamente ao local, mas continuaram a fazer paliativos – com sacos de areia e aterro, mas sem fazer as guarnições necessárias.

Resultado: as constantes chuvas desta segunda-feira, 13, voltaram a destruir o local, que agora sofre ameaça de partir, impedindo o acesso ao bairro.

Detalhe: os fiscais da prefeitura já foram diversas vezes ao local, prometendo o serviço completo.

O que nunca foi realizado…