2

Lula volta a buscar Weverton por apoio de Ciro Gomes

Senador maranhense tem sido um dos interlocutores do ex-presidente na tentativa de convencer a cúpula nacional do PDT a participar da aliança de esquerda que deve apoiar a candidatura presidencial do PT

 

Lula voltou a procurar Weverton, desta vez para buscar interlocução com o PDT, que o ex-presidente quer ter em sua chapa

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a procurar, pessoalmente, o senador Weverton Rocha na busca por uma articulação que leve o PDT a compor a coligação de  esquerda que tem o petista como candidato a presidente.

Muito forte na cúpula nacional do PDT, Weverton tem relação histórica com Lula e já se pôs à disposição para ser a ponte de uma eventual aliança entre o ex-presidente e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT).

Na semana passada, após tentar chamar o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, para reunião pessoal em São Paulo, Lula buscou Weverton para ser um interlocutor de um possível encontro; por enquanto, Carlos Lupi tem preferido evitar os contatos com Lula.

A eventual presença do PDT na chapa presidencial de Lula pode embolar ainda mais o rumo eleitoral do PT no Maranhão, hoje rachado entre as candidaturas do próprio Weverton e do governador-tampão Carlos Brandão (PSB).

Lula já disse ao ex-governador Flávio Dino (PSB) – patrono da candidatura de Brandão – que tem maior simpatia por Weverton, que sempre esteve no seu mesmo campo político.

O papel de Weverton ganha mais importância com o desejo do petista de ter o PDT no palanque…

2

Lula volta a tentar apoio de Ciro Gomes e do PDT

Ex-presidente tenta ampliar sua aliança – hoje muito à esquerda – e conversou por telefone com o presidente nacional do partido, Carlos Lupi, e quer convencer os pedetistas a fazer da aliança presidencial; o senador Weverton já havia se colocado como “uma das pontes”

 

Lula já buscou trégua com Ciro Gomes, mas espera apoio do PDT ainda no primeiro turno das eleições presidenciais

O ex-presidente Lula (PT) voltou a tentar o apoio do PDT para seu palanque presidencial.

Lula conversou por telefone com o presidente nacional do partido, Carlos Lupi e chegou a propor um encontro pessoal para tratar das eleições.

O candidato do PT tem sentido os riscos de uma aliança muito à esquerda no espectro político, formada por PT, PSB e PCdoB; ele pretende ampliar este arco, com outros partidos.

No ano passado, Lula procurou o senador Weverton Rocha em busca de apoio para convencer o candidato do PDT, Ciro Gomes, a apoiá-lo; em entrevista à Folha de S. Paulo, Weverton chegou a dizer que seria uma das pontes para a aliança.

– É claro que cada um tem seu estilo. Mas acredito que vai chegar o momento de parar para pensar e, no final, os dois vão acabar chegando a um entendimento. Serei uma das pontes para ajudar nisso – concluiu Weverton, à época, segundo republicado pelo blog Marco Aurélio D’Eça, no post “‘Serei uma das pontes’, diz Weverton, sobre união Ciro e Lula..” .

Muito próximo do presidente do PDT, Carlos Lupi, Weverton Rocha já propôs a Lula ser uma das pontes para chegar à união entre o PT e o PDT

Por enquanto, o PDT mantém a candidatura de Ciro Gomes.

E só deve rediscutir o assunto mais próximo das convenções…

2

Presidente nacional libera PDT para palanque com Lula nos estados

Carlos Lupi disse que não pode botar uma camisa de força nos candidatos a governador que têm relação com o PT e com o ex-presidente Lula, apesar da candidatura pedetista de Ciro Gomes

 

No Maranhão, Lula terá como opção o palanque do senador Weverton, mesmo com a candidatura de Ciro Gomes pelo PDT

O presidente nacional do PDT, ex-ministro Carlos Lupi, liberou as negociações dos seus candidatos a governador com o PT, para formação de palanques com o ex-presidente Lula.

– Em alguns estados terão (palanques duplos) mais à esquerda, outros mais ao centro. Quem colocar uma camisa de força nas realidades estaduais está fadado ao fracasso – afirma Lupi. 

Apesar da candidatura de Ciro Gomes – que segue estagnada nas pesquisas – o PDT tem ao menos nove candidatos a governador que atuam diretamente ligados a Lula e deverão abrir palanque para o PT nos estados.

No Maranhão, o próprio lula já disse que não abre mão do palanque do senador  Weverton Rocha.

 

2

Ciro Gomes abre caminho para deixar o PDT…

Presidenciável mostrou insatisfação com posição da bancada do partido na votação da PEC dos precatórios, que vai garantir dinheiro para substituição do Bolsa Família; e pôs sua candidatura em suspenso, o que, na prática, é o primeiro passo para deixar a legenda

 

Ciro Gomes pode deixar o PDT, de Carlos Lupi, o que, na verdade, é esperado por vários setores da legenda, que defendem apoio a Lula

Analistas políticos apontavam desde o início de 2021 que o ex-ministro Ciro Gomes dificilmente permaneceria candidato do PDT a presidente até a virada do ano.

Nesta quarta-feira, 3, o próprio Ciro Gomes deu o primeiro passo para que este rompimento se torne realidade.

– A mim só me resta um caminho; deixar a minha candidatura em suspenso até que a bancada do meu partido reavalie sua posição – disse Ciro, após votação da PEC dos Precatórios, que teve o apoio de pedetistas no Congresso.

A PEC dos Precatórios garante dinheiro, a partir de 2022, para que o governo possa substituir o Bolsa Família por um programa que pague mais aos beneficiários; Ciro é contra.

O presidenciável disse que vai esperar a posição do PDT na votação da matéria em segundo turno, quando decidirá os rumos de sua candidatura.

O eventual fim de casamento com Ciro Gomes acaba por aproximar ainda mais o PDT do ex-presidente Lula, cuja candidatura é abertamente defendida por alguns dos pedetistas mais proeminentes.

Mas esta é uma outra história…

1

Flávio Dino e Carlos Lupi vão discutir cenários para 2022

Agora no PSB, governador do Maranhão se reunirá com o presidente nacional do PDT – que tem como uma das prioridades a candidatura própria do PDT no estado – para discutir a formação de uma frente ampla que fortaleça o projeto anti-Bolsonaro no país

 

Presidente nacional do PDT, Carlos Lupi vai ouvir de Flávio Dino seus caminhos para 2022, agora no PSB

O governador Flávio Dino – que se filia ao PSB na próxima terça-feira, 22 – tem, encontro agendado com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, para discussão dos cenários eleitorais de 2022.

O encontro está previsto para julho, segundo informou o blog de Jorge Aragão.

O PDT tem como candidato a presidente o ex-ministro Ciro Gomes; e uma das prioridades do partido é a candidatura do senador Weverton Rocha no Maranhão; Flávio Dino, por sua vez, trabalha a formação de uma frente ampla de centro-esquerda, que possa se fortalecer contra Bolsonaro.

O governador do Maranhão é cotado no PSB para compor a chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidatura que o PDT admite apoiar diante de contrapartidas estaduais do PT.

Tanto Carlos Lupi quanto Flávio Dino entendem a importância de uma frente que reúna os partidos de centro-esquerda.

Mas o PDT, o PCdoB, o PSOL e o PSB pregam a necessidade de o PT compor nos estados com os projetos das demais legendas.

E essas questões regionais serão todas discutidas por Lupi e Dino…

10

“Serei uma das pontes”, diz Weverton sobre união Lula e Ciro

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, senador maranhense diz  que a hora é de união entre PDT e PT, mesmo que os dois partidos tenham candidato próprio a presidente

 

Defensor de aliança entre Lula e Ciro Gomes, Weverton Rocha tem mobilizado o PDT por esta união na disputa presidencial

O senador  maranhense Weverton Rocha, uma das principais lideranças nacionais do PDT, reafirmou neste fim de semana sua articulação por uma aliança entre os presidenciáveis Lula (PT) e  Ciro Gomes (PDT).

Pré-candidato do PDT ao Governo do Estado, Weverton diz  que a hora é de mirar no principal adversário, Jair Bolsonaro, mesmo que PT e PDT tenham candidato próprio. 

– Por mais que haja diferenças, a hora é de união – disse Rocha, em entrevista ao jornal Folha de  S. Paulo.

Ao lado de correligionários de Pernambuco, de Sergipe e da Paraíba, Weverton mostra-se incomodado com os ataques de Ciro Gomes a Lula, com quem esteve em abril, numa reunião com lideranças do PT.

Mas os ataques de  Ciro a Lula têm uma razão de ser.

O pré-candidato do PDT entende a possibilidade de Bolsonaro ficar fora do segundo turno, o que abriria vaga para uma terceira via, contra  Lula.

Neste prognóstico, Ciro tem o apoio do próprio presidente pedetista, Carlos Lupi, da mesma opinião sobre o futuro de Bolsonaro.

– Para  Weverton, a própria dinâmica da disputa farpá chegar o momento de parar para pensar.  É claro que cada um tem seu estilo. Mas acredito que vai chegar o momento de parar para pensar e, no final, os dois vão acabar chegando a um entendimento. Serei uma das pontes para ajudar nisso – concluiu Weverton.

1

“Não conseguirão tirar o PT da disputa eleitoral deste país”, diz Lula

Em resposta ao pedetista Ciro Gomes, durante encontro da executiva nacional, em Salvador, ex-presidente diz que a legenda estará na linha de frente da disputa de 2022 “com Lula ou sem Lula”, o que põe em xeque também projeto de Flávio Dino

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a fazer discurso político-eleitoral para seus companheiros de partido, reforçando a ideia de que o PT vai mesmo estar com candidato próprio na disputa presidencial de 2022.

– Podem inventar quem eles quiserem. Não poderão tirar o Pt da disputa eleitoral deste país, com Lula ou sem Lula; O PT tem que ter em conta que um partido só cresce se ele disputa. O PT não nasceu para ser um partido de apoio – afirmou Lula, aos membros da Executiva nacional, em Salvador.

O discurso do Lula foi uma resposta ao pedetista Ciro Gomes, que tenta, desde a libertação do ex-presidente, pregar que o PT tem que passar o bastão da liderança das esquerdas.

No Maranhão, aliados do governador Flávio Dino (PCdoB) também já pregaram que o PT não tem mais a hegemonia na esquerda nacional e que precisa dar espaço a outras legendas. Dino pretende ser candidato a presidente.

– O PT pode até, circunstancialmente, não ter candidato em uma cidade, pode não ter candidato nos estados; e pode até não precisar ter um candidato a presidência da República. Mas é preciso muita, muita, muita coisa para que alguém possa superar o PT – disse o ex-presidente.

O discurso de Lula mostra que o ex-presidente chegou pra liderar o PT no contraponto ao governo Jair Bolsonaro, sem importar com as outras legendas. E para ele, as alianças terão que ser discutidas com o PT na cabeça de chapa.

A Flávio Dino, portanto, caberia o papel de companheiro de chapa,; isso se a Lula não interessar abrir o leque de apoios para o Centro do espectro político.

Veja o vídeo acima

1

Com Lula, Dino abre novo momento na corrida presidencial…

Independentemente do que será discutido entre o ex-presidente e o governador, nesta quinta-feira, 6, o comunista sai na frente como projeto da esquerda brasileira sob a orientação de Lula

 

A ARTICULAÇÃO DE FLÁVIO DINO ENVOLVENDO LULA deixou irritado o pedetista Ciro Gomes

Confirmada para esta quinta-feira, 6, em Curitiba, o encontro entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o governador Flávio Dino (PCdoB) marcará uma espécie de largada na corrida presidencial entre as esquerdas.

Embora não se tenha divulgado nada sobre o teor do encontro, a simples divulgação gerou crise entre Dino e Ciro Gomes (PDT), que também pretende o controle do espólio de esquerdista.

O governador maranhense tenta se viabilizar como líder de esquerda e da oposição ao governo Bolsonaro (PSL); mas o quer sob as bênçãos de Lula e com o apoio do PT.

Ciro Gomes, por sua vez, entende que o PT já passou, que Lula não tem mais influência política no país, que vai continuar preso e condenado.

E quer suplantar o PT como eixo catalisador da esquerda.

Só o tempo e a aproximação da eleição presidencial vai dizer qual dos dois está certo.

Só lembrando que, com o parecer favorável do Ministério Público, Lula poderá ser solto ainda este ano.

E será preciso medir seu grau de influência em liberdade…

0

PDT pode acirrar animosidade entre Ciro Gomes e Flávio Dino…

Legenda do ex-candidato a presidente tem uma espécie de “paquera” com o governador maranhense, o que eleva o grau de relacionamento entre os dois ao clima de guerra pelo espólio esquerdista

 

CIRO GOMES ENTRE OS PEDETISTAS LUPI E WEVERTON E O COMUNISTA FLÁVIO DINO; clima tende a azedar com a aproximação das eleições

A recente animosidade do ex-candidato a presidente Ciro Gomes (PDT) em relação ao governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB) perpassa o convite do ex-presidente Lula para uma visita do comunista a Curitiba.

Apesar de Ciro ter passado a alfinetar Dino logo após o convite de Lula ao maranhense, a questão entre os dois envolve muito mais o PDT do que o PT.

Ciro disputou a presidência pelo PDT, mas demonstra uma dificuldade de relacionamento com outras forças políticas, o que deixou a legenda isolada em 2018.

E desde que encerrada a última eleição, os pedetistas iniciaram uma espécie de “namoro” com Flávio Dino, o que pode levar a uma aliança em 2022.

Mesmo porque, o hoje líder da legenda no Congresso Nacional, senador Weverton Rocha – atualmente uma das principais vozes pedetistas no Brasil – tem interesse na candidatura ao governo maranhense.

E tem no PDT um trunfo na busca pelo apoio de Flávio Dino.

Explosivo, temperamental, agressivo, Ciro Gomes já brigou com o PT, com o PSB e com o PCdoB de Flávio Dino; seu último passo pode ser brigar com o próprio PDT

E não há dúvidas de que os pedetistas esperam por isso.

No Brasil e no Maranhão…

0

Weverton reafirma apoio a Ciro e diz que nunca recebeu dinheiro em avião…

Candidato a senador classificou de “farsa” a reportagem da revista IstoÉ, que afirmou ter ele recebido R$ 6 milhões da campanha de Haddad para abandonar a candidatura de Ciro Gomes

 

Weverton Rocha ao lado de Ciro de Gomes, candidato do PDT a presidente

O deputado federal Weverton Rocha reagiu com veemência, na tarde desta sexta-feira, 28, à reportagem da revista IstoÉ, que atribui a ele o recebimento de R$ 6 milhões, encaminhados pela campanha do presidenciável Fernando Haddad (PT), em troca do abandono da candidatura de Ciro Gomes (PDT).

– O meu candidato a presidente é o Ciro Gomes, do PDT, para quem voto e peço voto. E não poderia ser diferente. Sou filiado ao PDT desde os 16 anos. Sou presidente do PDT do Maranhão, membro da Executiva Nacional e, por dois anos (2016 e 2017), fui líder da Bancada do PDT na Câmara dos Deputados, funções a que cheguei pela história de lealdade e comprometimento com o partido – afirmou Rocha.

O deputado disse que defende a união das esquerdas, mas só no segundo turno, para “evitar o retrocesso no Brasil”.

De acordo com a IstoÉ, os R$ 6 milhões enviados ao pedetista foram trazidos ao Maranhão em um avião de uma construtora, que chegou a cair durante a viagem, no dia 14 de setembro.

– A reportagem da revista IstoÉ é uma farsa, que desrespeita os princípios básicos do jornalismo e não se dá nem mesmo ao trabalho de checar os fatos. Se o fizesse, não teria publicado o absurdo de que um suposto avião com dinheiro para minha campanha caiu a caminho do Maranhão. Como consta em relatório da Aeronáutica, o avião mencionado na matéria viajava de Mossoró (RN) para Crateús (CE), bem longe do Maranhão.  E nunca recebi esse dinheiro – afirmou.

A nota de Weverton Rocha ressalta ainda que ele é grato ao apoio do PT maranhense.

Leia a íntegra da nota abaixo:

NOTA

Repudio com veemência a falsa notícia publicada na edição desta semana da revista IstoÉ. O meu candidato a presidente é o Ciro Gomes, do PDT, para quem voto e peço voto. E não poderia ser diferente. Sou filiado ao PDT desde os 16 anos. Sou presidente do PDT do Maranhão, membro da Executiva Nacional e, por dois anos (2016 e 2017), fui líder da Bancada do PDT na Câmara dos Deputados, funções a que cheguei pela história de lealdade e comprometimento com o partido.

A reportagem da revista IstoÉ é uma farsa, que desrespeita os princípios básicos do jornalismo e não se dá nem mesmo ao trabalho de checar os fatos. Se o fizesse, não teria publicado o absurdo de que um suposto avião com dinheiro para minha campanha caiu a caminho do Maranhão. Como consta em relatório da Aeronáutica, o avião mencionado na matéria viajava de Mossoró (RN) para Crateús (CE), bem longe do Maranhão.  E nunca recebi esse dinheiro.

Recebi com gratidão o apoio do PT do Maranhão, do ex-presidente Lula e do candidato Fernando Haddad como resposta aos meus posicionamentos como parlamentar, em todos os principais momentos da história recente do País. Não faço campanha para Haddad e ele sabe disso. Defendo que em um segundo turno todas as forças de centro-esquerda se unam para impedir o retrocesso no Brasil.

Como as pesquisas mostram que tenho chances reais de me eleger, estou sofrendo as conseqüências de ousar ameaçar a hegemonia da família que nunca esteve fora do Congresso Nacional desde a redemocratização do Brasil. Mas os tempos estão mudando e as tramas de sempre não prevalecerão.

Weverton Rocha

deputado federal e candidato ao Senado pelo Maranhão